Pesquisar este blog

sábado, 30 de setembro de 2017

As 12 Finalistas do Festival da Música Brasileira

 Único álbum do festival, realizado em 2000, foi lançado pela Som Livre
Postei  em 10 de maio de 2011 no Sanduíche Musical, blog embrionário do SM, o inédito CD com as 12 músicas da primeira eliminatória do Festival da Música Brasileira, realizado em 2000 pela Rede Globo.  O disco não entrou em circuito comercial, e foi distribuído apenas para a imprensa com o material de divulgação do festival. Em recente comentário na postagem (aqui), o internauta que assina como "gizmOz zOmzig",  disponibilizou um link para download com as 12 finalistas do evento, extraídas do único CD referente a este festival , lançado pela Som Livre, mas sem a arte gráfica do álbum. Baixei as músicas e achei interessante destacá-las nesta postagem, agradecendo ao amigo que gentilmente as compartilhou com os seguidores do blog. Ele informa que o link original é de um colega da rede social VK, mas não citou o nome do autor e nem da comunidade a qual pertence.

Segundo a Rede Globo, cerca de 24 mil músicas foram avaliadas durante três meses pelo júri para selecionar as 48 que participaram do festival.  O programador de informática Ricardo Soares levou o prêmio de melhor canção com o pop rock “Tudo bem, meu bem”, composto e interpretado por ele. A preferida da plateia foi “Brincos”, de Amauri Falabella, interpretada por Lula Barboza, escolhida a melhor música pelo voto popular. O segundo lugar ficou com a música “Morte no escadão”, rock de José Carlos Guerreiro interpretado pela banda mineira Tianastácia, seguida pela sertaneja “Tempo das águas”, apresentada por Bilora, na terceira posição. O prêmio de melhor intérprete ficou para a veterana Ná Ozetti, que cantou “Show”, de Luiz Tatit e Fábio Tagliaferri. Confira:

01 - Fernando Chuí - Tubaína 
(Fernando Chuí)
02 - Mônica Salmaso - Estrela da Manhã 
(Beto Furquim)
03 - Kleber Albuquerque e Rafael Altério - Xi, de Pirituba a Santo André 
(Kleber Albuquerque e Rafael Altério)
04 - Ná Ozzetti - Show 
(Luiz Tatit - Fábio Tagliaferri) 
05 - Moacyr Luz - Eu Só Quero Beber Água 
(Moacyr Luz)
06 - Tianastácia - Morte no Escadão 
(José Carlos Guerreiro)
07 - Paulinho Lemos - Necessidade Básica 
(Nelson Lemos)
08 - Ronald Valle - Bigamia
(Alfredo Karan - Alexandre Lemos)
09 - Ricardo Soares - Tudo Bem Meu Bem 
(Ricardo Soares)
10 - Bilora - Tempo das Águas 
(Valmir Ribeiro)
11 - Lula Barbosa - Brincos 
(Amaury Falabella)
12 - Pedro Castello e Banda - Cansaço 
(Pedro Castello)


sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Luiz Melodia - Maravilhas Contemporâneas (CD 1994)

 Segundo LP do Luiz Melodia foi originalmente lançado em 1976 pela Som Livre
“Maravilhas contemporâneas”, segundo álbum do cantor e compositor Luiz Melodia, lançado em 1976 pela Som Livre, atende ao pedido do internauta Kalypso. A postagem é do CD, remasterizado em 1994, e produzido pelo selo Cast, da própria Som Livre. Os principais destaques do álbum, de excelente qualidade, são as músicas “Juventude transviada”, sucesso da trilha sonora da novela “Pecado Capital”, da Rede Globo, e “Congênito”, canção que abre o disco e também foi gravada pela Vanusa. O disco é uma delícia de ouvir, como toda a obra deste saudoso artista. Confira:

01 - Congênito
(Luiz Melodia)
02 - Maravilhas Contemporâneas
(Luiz Melodia)
03 - Veleiro Azul
(Luiz Melodia - Rúbia)
04 - Juventude Transviada
(Luiz Melodia)
05 - Amor
(Luiz Melodia)
06 - Baby Rose
(Luiz Melodia)
07 - Questão de Posse
(Luiz Melodia)
08 - Memórias Modestas
(Luiz Melodia)
09 - Mary
(Luiz Melodia)
10 - Paquistão
(Luiz Melodia)
11 - Quando O Carnaval Chegou
(Ciro José)



quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Vários intérpretes - Tributo a Tim Maia (2017)

 Tim Maia, se vivo estivesse, estaria completando 75 anos nesta quinta-feira
Hoje, 28 de setembro, Tim Maia completaria 75 anos, se vivo estivesse, mas faleceu em 15 de março de 1998 aos 55. Em sua homenagem, vou postar esta coletânea montada pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. A seleção, com 24 faixas, traz músicas do seu repertório interpretadas por outros cantores. Vale destacar que algumas canções da lista foram regravadas por ele, e originalmente lançadas por artistas como Adriana (“O que me importa”), Luiz Wanderley (“Coroné Antonio Bento”), Roberto Carlos (“Não vou ficar”) e Eduardo Araújo (“Você”). Este tributo inclui intérpretes de várias vertentes da MPB, desde o popular (Agnaldo Timóteo e Gilliard, por exemplo), Jovem Guarda (Vanusa e Os Incríveis) e até o pop rock (Kid Abelha e Lulu Santos), entre outros. Assim, podemos relembrar o “síndico” por meio de grandes intérpretes da nossa música, como Gal Costa, Benito Di Paula, Marisa Monte e até o Fábio Stella, amigo particular do grande Tim. Confira:

01 - The Fevers - Pot-pourri - Não quero dinheiro + O descobridor dos sete mares
02 - Gal Costa - Imunização racional (Que Beleza)
03 - Os Condors - Father Cícero (Padre Cícero)
04 - Trio Esperança - Primavera (Vai Chuva)
05 - José Roberto - A festa do Santo Reis
06 - Patricia Marx - Gostava tanto de você
07 - Luiz Wanderley - Matuto transviado (Coroné Antonio Bento)
08 - Adriana - O que me importa
09 - Os Incríveis - Jurema
10 - Vanusa - Um dia de domingo
11 - Gilliard - Me dê motivo
12 - Marisa Monte - Chocolate
13 - Benedito Di Paula - Azul da cor do mar
14 - Kid Abelha - Não vou ficar
15 - Os Super Quentes - Padre Cícero
16 - Music Machine - I've been loving you so much (Gostava Tanto De Você)
17 - Eduardo Araújo -  Você
18 - Lulu Santos - O descobridor dos sete mares
19 - Marcelo Falcão  -  Eu amo você
20 - Trio Nordestino - Canário do reino
21 - Michael Sullivan & Ivete Sangalo - Leva
22 - Trio Mocotó - Meu País
23 - Agnaldo Timóteo - These are the songs (Esta é a canção)
24 - Fábio Stella - Risos

COLABORAÇÃO: Aderaldo


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Trilha nacional da novela "O bem amado" (LP 1973)


LP produzido pela Som Livre traz músicas de autoria de Toquinho e Vinicius 
Em atenção ao pedido do internauta Marcelo, vou postar a trilha sonora nacional da novela “O Bem-Amado”, lançada em 1973 pela Som Livre. O disco, com 11 faixas, se destaca por priorizar apenas canções de autoria de Toquinho e Vinicius de Moraes, o que já atesta a excelente qualidade do repertório. Escrita por Dias Gomes, produzida e exibida pela Rede Globo entre 22 de janeiro a 3 de outubro de 1973, foi a 17ª "novela das dez" apresentada pela emissora. Inspirada numa peça teatral do próprio autor, de título "Odorico, o Bem-Amado" ou "Os Mistérios do Amor e da Morte", escrita em 1962, foi a primeira novela produzida em cores na televisão brasileira. Teve direção de Régis Cardoso e supervisão de Daniel Filho. Contou com Paulo Gracindo, Lima Duarte, Ida Gomes, Dorinha Duval, Dirce Migliaccio, Sandra Bréa, Jardel Filho e Zilka Salaberry nos papéis principais. Confira:

01 - Vinícius & Toquinho - Paiol De Pólvora
02 - Maria Creuza - Patota De Ipanema
03 - Toquinho & Maria Creuza - Veja Você
04 - Vinícius & Toquinho - Cotidiano N°2
05 - Coral Som Livre - O Bem Amado
06 - Vinícius & Toquinho - Meu Pai Oxalá
07 - Maria Creuza - Se O Amor Quiser Voltar
08 - Toquinho - Um Pouco Mais De Consideração
09 - Nora Ney - Quem És (Chi Sei)
10 - Orquestra Som Livre - Se O Amor Quiser Voltar
11 - Vinícius & Toquinho - No Colo Da Serra

Todas as músicas são de autoria de Toquinho e Vinicius de Moraes



terça-feira, 26 de setembro de 2017

Oliveira e seus Black Boys - E a vida continua (EP)

Grupo formado por músicos negros gravou apenas dois LPs pela Copacabana
Este compacto duplo, lançado em Portugal pela Copacabana, apresenta o grupo Oliveira e seus Black Boys, formado exclusivamente por músicos negros. Liderada pelo saxofonista Antonio Oliveira de Souza, a banda teria lançado apenas dois álbuns, "Travessuras Musicais" (1961) e “Oliveira e seus Black Boys em novas travessuras musicais” (1962), além do EP “My boy lollipop” (1964), postado aqui. Teve breve jornada devido a um acidente automotivo com o líder do grupo, que ficou acamado e veio a falecer. Os músicos restantes, sem o Oliveira, se distanciaram e seguiram caminhos diferentes. O EP de 1962, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, revela a qualidade do grupo, e conta com vocal de Mariá e coro. Confira:

01 - Chorando chorando
(Armando Caalcanti - Edson Borges)
02 - E a vida continua
(Evaldo Gouveia - Jair Amorim)
03 - Teu nome é ninguém
(Luis Reis - Haroldo Barbosa)
04 - Ten lonely weekends
(Sid Tepper - Roy C. Bennett - vs: Carlos Imperial)


COLABORAÇÃO: Laércio



"10 años de exitos" também foi editado na Costa Rica

 Álbum costa-riquenho mantém o mesmo repertório do LP colombiano
Olha só que legal: depois da postagem de ontem, o LP “Diez años de exitos”, lançado pela CBS colombiana em comemoração a primeira década de sucesso do Roberto Carlos, recebi e-mail do internauta Diego, no qual informa que o mesmo disco também foi lançado na Costa Rica com  repertório idêntico, mas com capa e contracapa diferentes. Repare que, pelas ilustrações enviadas por ele, a quem agradeço pela gentileza, o disco no mercado costa-riquenho segue a mesma ordem das músicas do vinil colombiano. A faixa “Rosinha”, que abre o lado A, veio grafada como “Rosita” (nome da música que o cantor gravou em 1965 no LP “Roberto Carlos canta para a juventude”), e não “Rosa Rosa”, como aparece no álbum colombiano. Esta postagem vale como curiosidade para os fãs do artista, e confirma o enorme sucesso que ainda obtém no mercado latino.

COLABORAÇÃO: Diego

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Roberto Carlos - Diez años de exitos (LP 1973)

 Álbum produzido na Colombia comemora 10 anos de sucesso do cantor
Uma postagem especial para os colecionadores de discos do Roberto Carlos. Inédito no Brasil, o álbum comemora os 10 anos de sucesso do cantor na Colombia, onde o LP foi lançado em 1973 pela CBS. Com 12 faixas, incluindo versões em português, espanhol e italiano, o vinil traz sucessos do período, contados a partir da música “Quero me casar contigo”, extraída do segundo LP do cantor, lançado no Brasil em 1963. Uma curiosidade é a faixa que abre o disco, intitulada “Rosa Rosa”, como aparece grafada na capa e contracapa, mas impressa no selo como “Rosita”, sendo que trata-se da versão em espanhol da música “Rosinha”, do LP “É proibido fumar”, de 1964. Seja como for, o álbum não apresenta nenhuma raridade entre nós, mas vale para figurar entre os itens dos colecionadores. Confira:

01 - Rosa Rosa (Rosinha)
(Oswaldo Aude - Athayde Julio)
02 - Mi Cacharrito (Road Hog)
(Gwen - John D. Loudermilk - Erasmo Carlos)
03 - Namoradinha de um Amigo Meu (La enamorada de un amigo mio)
(Roberto Carlos)
04 - História de um Homem Mau (La historia de un hombre malo)
(Louis Armostogn - Zilner Trenton Randolph - Roberto Rei)
05 - Negro Gato (Gato negro)
(Getúlio Cortes)
06 - Yo Te Amo Te Amo Te Amo (Eu te amo te amo te amo)
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
07 - Canzone per te (Cancion para ti)
(Endrigo - Bardotti)
08 - É Meu É Meu É Meu (Es mio, es mio, es mio)
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
09 - Quero Me Casar Contigo (Me quiero casar contigo)
(Carlos Alberto - Adilson Silva)
10 - Jesus Cristo
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
11 - Amada Amante
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
12 - Un Gato En La Oscuridad
(Toto Savio)



domingo, 24 de setembro de 2017

Paulo Bob - Canção do alegre viver (CS 1965)

 Paulo Bob, o cantor cowboy, iniciou a carreira no início dos anos 1950
 Compacto simples CBS, de 1965, marca sua passagem pela Jovem Guarda
Paulo Bob é conhecido por participar de várias coletâneas de marchinhas carnavalescas, e a postagem hoje é de um compacto simples lançado pela CBS/Sony em 1965. O single, enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço, se destaca pela música “Distância”, do Rossini Pinto, que marca sua breve passagem pela Jovem Guarda, e que foi regravada pelo cantor em 1982 numa versão sertaneja. Conhecido como o cantor cowboy, Paulo Madalene Alves, seu nome de batismo, nasceu em 23 de dezembro de 1930, no Rio de Janeiro, e iniciou a carreira artística no começo da década de 1950.

Segundo o Dicionário Cravo Albin da MPB, gravou em 1953 pela Sinter  o fox "Ai, Maria", de Ari Monteiro e Adelino M. de Castro, e a valsa "Rodeio", de Miguel Lima e R. de Souza. Em sua longa carreira dedicou-se especialmente ao repertório carnavalesco, e participou em mais de dez coletâneas para as folias de Momo. A marcha “Bloco da Bicharada”, por exemplo,  gravada em 1957, foi composta por ele em parceria com José Carlos e Abelardo Barbosa, o Chacrinha. Infelizmente não encontrei detalhes sobre a carreira e paradeiro. A informação mais recente sobre ele é de 1994, quando lançou pelo selo Canto da Terra o LP "Mocinho brasileiro", sem muita repercussão. Confira:

01 - Canção do alegre viver (com coro infantil A Criança Se Diverte)
(Niquinho - Othon Russo)
02 - Distância (Ela Está Tão Longe)
(Rossini Pinto)

COLABORAÇÃO: Aderaldo


sábado, 23 de setembro de 2017

Vários intérpretes - Show Copacabana nº 1 (LP 1955)

 Coletânea da Copacabana reúne sucessos com mais de 50 mil discos vendidos
Para apresentar este álbum, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, vou reproduzir o texto da contracapa: “Neste long-play, o primeiro de série “Show Copacabana”, vocês terão ensejo de ouvir uma autêntica parada de sucessos, que reúne oito números dos realmente mais vendidos desta marca. Nesta série de álbum, iniciada com este número, somente figurarão gravações cujos lançamentos em 78 RPM alcançaram a vendagem mínima de 50 mil exemplares. Músicas que o público consagrou suas preferidas e que permaneceram por longo tempo liderando a relação das mais procuradas e aplaudidas entre todas demais, foram aqui reunidas para lhes proporcionar alguns momentos de prazer ouvindo-as desfilar no Show Copacabana nº 1”. O disco não informa o ano do lançamento, mas acredito que é de 1955. Confira:

01 - Alberto Ribeiro – Coimbra
(José Galhardo - Raul Ferrão)
02 - Adelaide Chiozzo e Eliana - Beijinho doce
(Nhô Pai)
03 - Paschoal Melillo - Cuco
(P. Melillo)
04 - Angela Maria - Fósforo queimado
(P. Menezes - M.Legey - R. Lamego)
05 - Trio Marabá - Mulher rendeira
(Motivo popular)
06 - Waldir Calmon - Cao cao mani picao (vocal de El Cubanito)
(J. C. Menéndez)
07 - Angela Maria - Orgulho
(Wedeking - Waldir Rocha)
08 - Jackson do Pandeiro - Forró em limoeiro
(Edgar Ferreira)

COLABORAÇÃO: Laércio



sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Vanusa - Hino ao Amor (LP 1994)

 LP se destaca pela releitura de "Paralelas" e "Como nossos pais", do Belchior
A cantora Vanusa completa hoje 70 anos. A comemoração, infelizmente, acontece num momento delicado da artista, que encontra-se internada na Clínica Comunidade Nova Esperança, em São José dos Campos, no interior de São Paulo, para tratar de um transtorno que assola sua vida psíquica, emocional, física e social, causada pela dependência de calmantes que usava para combater uma severa depressão. O tratamento, iniciado no final de agosto,  é de seis meses, no mínimo, segundo informa Rafael Vanucci, filho da cantora, em sua página no Instagram.

"Devido a isso, aproveito para informar do cancelamento de todos os seus compromissos pessoais e profissionais até o seu pronto restabelecimento. Peço aos meus queridos amigos da imprensa que respeitem esse delicado momento pelo qual estamos passando, e clamo a todos os nossos amigos e fãs que incluam o nome de minha mãe em suas orações, para que ela possa se recuperar totalmente e voltar a ser a pessoa, a cantora amada por todos e que tanto encantou e ainda encanta nosso Brasil”, escreveu. A postagem deste "Hino ao amor", lançado em 1994, é feita em sua homenagem, e também reforça nossos sinceros votos para que ela restabeleça a saúde, e volte a cantar com sua bela voz. Confira:

01 - Hino ao amor (Hymne A L'Amour)
(Margherit Monet - Edith Piaff - adap.Odair Marzano)
02 - Artista eu
(Mimmo de Francia - Carlos Colla)
03 - Flor e colibri
(Altay Veloso)
04 - Traição
(Vanusa)
05 - Mudanças
(Vanusa - Sérgio Sá)
06 - Descoberta
(Vanusa - Sérgio Augusto)
07 - Como nossos pais
(Belchior)
08 - Começando pelo fim
(Marcos Valle - Claudio Rabelo)
09 - Arco-íris
(Vanusa)
10 - Paralelas
(Belchior)



quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Trilha sonora nacional da novela O Profeta (LP 1977)

 Telenovela produzida pela Tupi teve remake em 2006 pela Rede Globo
A trilha sonora nacional da novela "O Profeta" atende ao pedido do internauta Samuel. A telenovela, produzida pela extinta Rede Tupi, e exibida de 24 de outubro de 1977 a 29 de abril de 1978, foi escrita por Ivani Ribeiro e dirigida por Antonino Seabra e Álvaro Fugulin. O álbum, lançado pela GTA – Gravações Tupi Associadas, reúne canções interpretadas por artistas como Antonio Marcos, Simone, Agepê, Carlinhos Vergueiro, Ana Mazzotti e outros. O repertório também inclui duas músicas do Wildner, cantor e ator que começou a carreira no período da Jovem Guarda como João Luiz. A novela, que teve um remake em 2006 pela Rede Globo, contou com elenco grandioso, formado por atores como Carlos Augusto Strazzer, Débora Duarte, Rolando Boldrin, Ana Rosa, Cláudio Corrêa e Castro, Márcia de Windsor, Irene Ravache, John Herbert , Paulo Figueiredo e outros. Confira:

01 - Antonio Marcos - Quem dá mais
(Beto Surian)
02 - Ana Mazzotti - Canto de meditação
(Ana Mazzotti)
03 - Neuber - Gosto de sal
(Neuber)
04 - Luiza Maura - Terreiro dos Orixás
(N. Neto)
05 - Luis Antonio - Eu preciso muito de alguém
(G. Corrêa - Marcelo Duran)
06 - Paulo Roberto - Meu Deus, o que se passa comigo
(Paulo Roberto - Eduardo França - Carlinhos)
07 - Wildner - Eu vim pra ficar (I'm lost)
(Wildner - H. Martins)
08 - Simone - Jura secreta
(Sueli Costa - Abel Silva)
09 - Wildner - Então...eu voltarei
(Wildner - H. Martins)
10 - Carlinhos Vergueiro - Boa noite morte
(Carlinhos Vergueiro - Cachimbo)
11 - Flavio Carvalho - Tempo perdido
(Flavio Carvalho)
12 - Eliane de Grammont - Coisas bobas
(Papi - Carlos Douto)
13 - Agepê - Lá vem o trem
(Agepê - Canário)
14 - Marcio Prado - Quero ter você
(Pekim - Mourão Filho)



quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Hugo Santana - Coletânea Especial (2017)

 Sucesso nos anos 1960, Hugo Santana também se destacou como ator
A postagem de hoje é pra relembrar do Hugo Santana, cantor de muito sucesso nos anos 1960, mas esquecido do grande público. O artista, falecido em data e ano desconhecidos, nasceu em Palmeira dos Índios, no estado das Alagoas, em 5 de dezembro de 1936, e obteve consagração popular em 1962 com a guarânia “O passado não importa”, incluída nesta coletânea montada pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. A seleção, com 15 faixas, se destaca pelas versões de "Strangers In The Night" (sucesso do Frank Sinatra) e "Dio, Come Ti Amo" (hit da Gigliola Cinquetti), além de duas músicas da trilha sonora da novela “A deusa vencida”, na qual atuou como ator ao lado de Gloria Menezes, Tarcisio Meira, Edson França, Altair Lima, Regina Duarte e outros.

Segundo o Dicionário MPB, o cantor estreou em disco em 1951, quando gravou no pequeno selo Carnaval a marcha "Colombina", de Gomes Cardim e Nilo Silva, e em dueto com Jeová, a batucada "Hoje não", de Zé Pretinho e Almeidinha. Em 1962 foi escolhido como o melhor cantor do rádio. Por essa época, redimensionou seu repertório, passando a figurar entre os chamados cantores românticos. Com seus 1,90m de altura, foi literalmente um galã do rádio e da TV nos seus primórdios no Brasil. Chegou a atuar em novelas e comandou em 1965 o programa “Show do meio dia”, na extinta TV Excelsior. Após gravar vários discos, Hugo Santana mudou-se em 1972 para Porto Rico, onde se apresentou no concurso Miss Universo naquele ano, e teria feito sucesso por lá. Mais informações sobre ele podem ser obtidas no site Histórias de Alagoas (aqui). Confira a seleção:

01 - Balada para uma deusa menina (Balada Do Amor)
(Theotônio Pavão – Zaé Junior)
02 - Pequena paisagem de amor
(Theotônio Pavão – Zaé Junior)
03 - Enquanto o verde reflorir (Somewhere, My Love)
(Maurice Jarre – Webster – Versão: Nazareno de Brito)
04 - Estranhos ao luar (Strangers In The Night)
(Kaempfert – Singleton – Snyder – Versão: Lana)
05 - Deus, como te amo (Dio, Come Ti Amo)
(Domenico Modugno – Versão: Demetrio Carta)
06 - Vem meu amor (Moon Over Naples)
(Kaempfert – Singleton – Snyder – Versão: N. Menezes)
07 - Seu passado
(Correto – Barrerito)
08 - Amor e carinho 
(Clayton – Santiago)
09 - Não empurrem
(Hugo Santana – P. Ricks)
10 - Astrologia (Astrologia)
(Pepe Luis – Versão: Carmo)
11 - Ai que coceira
(Hugo Santana – P. Ricks)
12 - Milhões e milhões
(Hugo Santana)
13 - Canção brasileira (do I FIC)
(Hekel Tavares – Luiz Peixoto)
14 - Menina
(Sérgio Moraes – B. Miranda)
15 - O passado não importa
(Alberto Roy – Frederico Rossi)


COLABORAÇÃO: Aderaldo


terça-feira, 19 de setembro de 2017

Dori Edson - O amor nos fará voltar (LP 1969)

 Único álbum do Dori Edson traz o hit "Perto dos olhos longe do coração"
Depois de postar a edição em espanhol do primeiro e único LP do Dori Edson, produzido em 1969 pela RGE, agora é a vez de apresentar o álbum original em português, gentilmente enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço pela colaboração. “Ele será uma surpresa para todos vocês, como também o foi para mim. Vocês irão encontrar ideias novas, novos sons, melhor aproveitamento dos instrumentos usados e arranjos bem pra frente”, destaca o texto impresso na contracapa e assinado pelo cantor Marcos Roberto, parceiro do Dori Edson na composição das 11 entre as 12 músicas do disco.  A exceção é a faixa “Pode voltar”, que abre o lado B, de autoria da Martinha. O destaque é o sucesso “Perto dos olhos longe do coração”. Confira:

01 - O Amor Nos Fará Voltar
(Dori Edson - Marcos Roberto)
02 - Você É Criança Prá Mim
(Dori Edson - Marcos Roberto)
03 - Não Adianta Mais Chorar
(Dori Edson - Marcos Roberto)
04 - Boa Noite
(Dori Edson - Marcos Roberto)
05 - Dá o Dedinho
(Dori Edson - Marcos Roberto)
06 - Você Tem Que Perdoar
(Dori Edson - Marcos Roberto)
07 - Pode Voltar
(Martinha)
08 - Encantamento
(Dori Edson - Marcos Roberto)
09 - Seu Adeus
(Dori Edson - Marcos Roberto)
10 - É Uma Loucura Amar Quando Se Ama Com Loucura
(Dori Edson - Marcos Roberto)
11 - Perto Dos Olhos Longe Do Coração
(Dori Edson - Marcos Roberto)
12 - Fingimento
(Dori Edson - Marcos Roberto)

Arranjos e regência: Portinho

COLABORAÇÃO: Geraldo


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Joelma - Não tenho culpa (EP 1969)

 Compacto duplo produzido pela Chantecler em Portugal traz quatro versões
Este compacto duplo da Joelma é mais uma colaboração do amigo Laércio, a quem agradeço pela colaboração. O disco, de 45 RPM, foi lançado em 1969 pela Chantecler em Portugal. Não o conhecia, pois é inédito no Brasil. As canções passaram praticamente despercebidas entre nós, com exceção da faixa “La Maritza”, que teve relativa repercussão, mas não a coloco entre os grandes sucessos da cantora. Confira:

01 - La Maritza
(J. Renard - P. Delanoe - vs: Adriano Celestino)
02 - Nasce do silêncio uma saudade de você (Le stagione dell'amore)
(Germani - Sanjust - vs: Adriano Celestino)
03 - Não tenho culpa (Ask any woman)
(Stewart - Langley - vs: Adriano Celestino)
04 - Só hoje descobri o quanto é bom viver (Your love is everywhere)
(Tony Hatch - Jackie Trent - vs: Cléo Galanth)


COLABORAÇÃO: Laércio




domingo, 17 de setembro de 2017

Trilha sonora nacional da novela O Casarão (LP 1976)

 O Casarão foi a 17ª novela das 8 exibida e produzida pela Rede Globo
A trilha sonora nacional da novela “O Casarão”, produzida e exibida pela Rede Globo entre 7 de junho e 10 de dezembro de 1976, atende ao pedido do internauta Marcelo. A trama, com 168 capítulos, substituiu “Pecado Capital”, e foi substituída por “Duas Vidas”. Escrita por Lauro César Muniz e dirigida por Daniel Filho e Jardel Mello, com Daniel Filho como diretor-geral, a novela foi a 17ª exibida pela emissora na faixa das 20h00. No elenco, atores como Paulo Gracindo, Gracindo Júnior, Sandra Barsotti, Dênis Carvalho, Yara Côrtes, Mário Lago, Paulo José, Aracy Balabanian, Renata Sorrah, Marcos Paulo e outros. O repertório é impecável, com canções interpretadas por artistas como Elis Regina, Dori Caymmi, Gal Costa, João Bosco, Rita Lee, Nara Leão e outros. Confira:

01 - Elis Regina - Fascinação (Fascination)
(Marchetti - Feraudy - vs: Armando Louzada)
02 - João Bosco - Latin Lover
(João Bosco - Aldir Blanc)
03 - Márcio Lott - Menina Do Mato
(Ruy Maurity - José Jorge)
04 - Aquarius - Carolina
(Chico Buarque)
05 - Chico Batera - Quibe Cru
(Jamil Joanes)
06 - Gal Costa - Só Louco
(Dorival Caymmi)
07 - Hermes Aquino - Nuvem Passageira
(Hermes Aquino)
08 - Rita Lee - Coisas Da Vida
(Rita Lee)
09 - Coral Som Livre - Tangara
(Geraldo Azevedo)
10 - Francis Hime - A Dor A Mais
(Francis Hime - Vinicius de Moraes)
11 - Nara Leão -   Capricho
(Francis Hime s/poema de Castro Alves)
12 - Dori Caymmi - O Casarão
(Ribamar - Romeu Nunes)
13 - Suely Costa - Retrato
(Suely Costa s/poema de Cecilia Meireles)




sábado, 16 de setembro de 2017

May East - Remota Batucada (LP 1985)

Após se desligar da Gang 90, May East lança primeiro LP solo pela EMI
Este é o primeiro álbum da May East, que iniciou sua carreira em 1981 na banda Gang 90 e as Absurdettes, onde permaneceu até 1984, quando partiu para carreira solo e gravou o compacto "Índio/Fire in the Jungle" pela EMI holandesa. Lançado em 1985, o LP “Remota Batucada” busca a junção de ritmos tradicionais brasileiros com sua principal influência, o technopop inglês. Isso fica patente em faixas como "Bumba My Boy" e "Maraka". O disco tem algumas participações especiais, como Fernando Deluque e Luiz Schiavon (RPM), Ted Gaz e Kid Vinil (Magazine), Alice Pink Pank e outros. Depois deste álbum, lançou outros discos, como Tabaporã (1987), Charites (1990), 1001 Faces (2001) e Happy Valentine’s (2006).

Maria Elisa Capparelli Pinheiro, seu nome de batismo, nasceu em São Paulo, em 29 de Janeiro de 1959. Atualmente, segundo a Wikipédia, desenvolve trabalhos de âmbito internacional com o movimento de transculturalidade, sustentabilidade e o movimento global das ecovilas. Mora há 20 anos na Ecovila Findhorn, na Escócia, onde é membro do Conselho Diretor e Diretora de Relações Internacionais entre a ONU e a Fundação Findhorn e a GEN-Global Ecovillage Network. Foi Coordenadora de Educação do Projeto de Ecovila de Findhorn e Embaixadora do World Wisdom Council do Club of Budapest. Atualmente coordena as ações da GEN e Gaia Education junto ao Grupo de Trabalho da "Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável da ONU - 2005-2014".  Teve papel proeminente no desenvolvimento das relações entre a Comunidade Findhorn e a ONU, que culminaram na formação do CIFAL, e viaja pelo mundo divulgando as iniciativas do Transition Towns. Confira o disco:

01 - Indio (part. esp. Fernando Deluque e Luiz Schiavon)
(Fernando Deluque - May East)
02 - Ideias de brincar
(Kodiak Bachine)
03 - Twilight zone
(May East)
04 - Elementais
(May East)
05 - Normal (part. esp. Ted Gaz e Kid Vinil)
(May East)
06 - Deus
(Mod-On - May East)
07 - Maraka (part. esp. Alice Pink Pank)
(May East)
08 - Bumba my boy
(Nico Resende - May East)
09 - Night Club em Beirute
(Léo Jaime - Tavinho Paes)
10 - Caim e Abel 
(part. esp. Fábio Golfetti, Nelson Coelho, Alberto Birger, Guilherme Isnard e Claudio Souza)
(Guilherme Isnard - Alberto Birger - Claudio Souza - Fábio Golfetti - Nelson Coelho)
11 - Fire in the jungle
 (part. esp. Fernando Deluque e Luiz Schiavon)
(Fernando Deluque - May East)


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

João da Praia - Coletânea Especial (2017)

Com simplicidade, João da Praia fez muito sucesso com "O boi vai atrás"
Sabe aquele artista que obtém fama meteórica e desaparece da mesma forma que surgiu? É o caso do João da Praia, que fez sucesso em 1974 com a música “O boi vai atrás”, vendendo cerca de 300 mil discos. Antônio Jorge Zacarias, seu nome de batismo, era analfabeto e tocava violão com apenas uma corda. Foi descoberto pelo produtor Jacques Ayres, quando vendia sorvete na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, e se apresentou num programa de TV. A acolhida pelo auditório foi tão boa que acabou contratado pela Beverly para lançar seu grande sucesso. Chegou a gravar outros discos, aqui reunidos pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. A seleção também inclui “Formiga cabeçuda”, que fez relativo sucesso, e duas músicas de sua autoria como faixa bônus.

Depois da fama, nunca mais fez sucesso, e trabalhou como motorista e balconista para sobreviver. O cantor e também compositor, de origem humilde, nasceu em 1950 no Rio de Janeiro em data desconhecida. As informações sobre sua morte são desencontradas. Segundo a Revista Veja, ele teria falecido na cidade de Duque de Caxias, no Rio, em 01 de julho de 1988, devido a um ataque cardíaco. Entretanto, amigos do compositor afirmam que morreu em 1989 na cidade de São Paulo, no Hospital Zona Sul, no bairro de Santo Amaro. Seu corpo está enterrado, segundo a mesma fonte, no cemitério São Luis, esquecido do grande público, mas pelo menos teve o consolo de desfrutar seu momento de fama. Confira:

01 - Formiga cabeçuda
(João da Praia)
02 - Preta linda
(João da Praia)
03 - O boi vai atras
(João da Praia)
04 - Meu cajueiro
(João da Praia)
05 - Com minha vaca lavei a égua
(Almir - João da Praia)
06 - Muito enrolado
(Lindomar Castilho - Carlos Randall)
07 - Custo de vida até o ano 2001
(João da Praia)
08 - Rock coceira
(João da Praia)
09 - Maria Chica 
(João da Praia - Jorge Oscar Betcher)
10 - Seu Cimbaba
(João da Praia)
11 - Sapo papando a mosca
(João da Praia - Gugu - Tomé)
12 - Tá tá na hora
(Alzira Ligeiro Betcher)
13 - Sargento Benedito
(Dito Clay)

BÔNUS (Composições de sua autoria)

14 - Ed Carlos - Roberto meu amigão
(Ed Carlos - João da Praia - José Rizzo)
15 - Vandilson - Vou trabalhar
(João da Praia - Vandilson)

COLABORAÇÃO: Aderaldo


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Arthur Murray's music for dancing - The twist (LP 1961)

 Álbum conta com a participação da banda do saxofonista King Curtis Combo
Quem é ligado em dança deve conhecer o Arthur Murray, famoso por criar a maior rede de escolas de dança de salão do mundo, com mais de 270 filiais em 22 países, incluindo o Brasil. Ele nasceu em 4 de abril de 1895 na Europa, e aos dois anos sua família foi morar nos Estados Unidos, onde faleceu em 3 de março de 1991. Logo se interessou pela dança, e desenvolveu método exclusivo de ensino para crianças e adultos. Transformou seu conhecimento em negócio a partir de 1912. Professor, empresário, dançarino e showman, Murray ganhou programa na televisão, rádio e criou sua própria orquestra, gravando vários discos para dança, voltados para ritmos como tango, samba, mambo e rock, entre outros . Este álbum, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, foi lançado em 1961 pela RCA Victor, e é dedicado ao twist, contando com a participação da banda do saxofonista King Curtis Combo. Vale a pena conferir:

01 - Jersey Bounce Twist
(Plater - Johnson - Bradshaw - Wright)
02 - Twistin´ Time *
(Curtis Ousley) 
03 - Honeysuckle Rose 
(Thomas Waller - Andy Razaf)
04 - The Peppermint Twist *
(Dee - Clover)
05 - The Huckle-Buck 
(Roy Aldred Andy Gibson)
06 - The Arthur Murray Twist *
(Wayne - Moore - Murray)
07 - Stompin' At The Savoy
(Sampson - Goodman - Webb)
08 - The Twist *
(Hank Ballard)
09 - 12th Street Twist 
(Euday L. Bowman)
10 - Let's Twist Again *
(Kalmann - Dave Appell)
11 - Alright Okay, You Win
(Sid Wyche - Mayme Watts)
12 - The Fly *
(J. Madara - D. White)

* Vocal do Conjunto de King Curtis Combo

COLABORAÇÃO: Laércio


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Vários intérpretes - Globo de Ouro - Vol. 2 (LP 1977)

Principais sucessos do momento estão neste segundo volume da série
Uma das coletâneas de grande sucesso da Som Livre foi a série Globo de Ouro, baseada no programa de TV produzido e apresentado pela Rede Globo entre 06 de dezembro de 1972 e 28 de dezembro de 1990, e hoje em reprise pelo Canal Viva. Ao longo desse período, a atração mensal teve diferentes diretores e apresentadores, e foi ao ar em vários dias da semana, chegando a ser semanal em algumas épocas. O objetivo era levar ao telespectador os maiores sucessos musicais do momento. O projeto ganhou maior dimensão em 1976, quando foi lançado em disco o primeiro volume da série que desconheço o tamanho. Este segundo é de 1977, e traz canções interpretadas por artistas como Zé Rodrix, Beth Carvalho, Wanderley Cardoso, Angela Maria e outros, além de covers do Raul Seixas e Belchior. Confira:

01 - Zé Rodrix - Soy Latino Americano
(Zé Rodrix - Livi)
02 - Beth Carvalho - Antes Ele Do Que Eu
(Paulinho Soares)
03 - Ruy Maurity - Nem Ouro Nem Prata
(Ruy Maurity - José Jorge)
04 - Wanderley Cardoso - Eles Precisam Saber
(Wanderley Cardoso - J. Oliveira)
05 - Marilia Barbosa - Caso Você Case
(Vital Farias)
06 - Beto - Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás
(Raul Seixas - Paulo Coelho)
07 - Waldirene - O Homem Da Minha Vida
(Wanderley Cardoso - J. Oliveira)
08 - Julio Cesar - Marie (Nunca diga adeus)
(R. Siegel - M. Holm - Siderius)
09 - Hermes Aquino - Nuvem Passageira
(Hermes Aquino)
10 - Angela Maria - Moça Bonita
(Jair Amorim - Evaldo Gouveia)
11 - Moacyr Franco - Reencontro
(Alberto Luiz)
12 - Roberto Leal - Bate o Pé
(Roberto Leal - K. Maria)
13 - Rita Lee - Superstafa
(L. Sérgio - L. Marcucci)
14 - Tony Bizarro - Que Se Faz Da Vida
(Tula - Yara)
15 - Jane & Herondy - Não Se Vá (Tu t'en vas)
(A. Barriere - Thyna)
16 - O Som do Sucesso - Apenas um Rapaz Latino Americano
(Belchior)



domingo, 10 de setembro de 2017

Ernesto Hill Olvera - O órgão que fala (EP 1961)

 Olvera criou a técnica no órgão que extrai sonoridade similar a voz humana
Eis um músico mexicano que não conhecia. O disco, lançado em 1961, foi enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço, é muito curioso, porque Ernesto Hill Olvera foi o criador da técnica no órgão que conseguiu fazê-lo cantar. Literalmente, ele tomou as palavras de seu hammond, abrindo progressivamente as barras do órgão para formar vogais e sonoridades muito semelhantes às da voz humana. Apesar de ser cego desde os 7 anos de idade, ele conseguiu aprender o piano e foi o primeiro no mundo a desenvolver esta técnica. Foi assim que ele conseguiu gravar vários discos e aparecer em filmes da época, como "Beijinhos Proibidos", "Teatro do crime" e " Os Três Boêmios".  Olvera nasceu em Aguascalientes em 1936 e morreu em 1967 em Guadalajara, um pouco esquecido, mas sua técnica ainda é estudada em todo o mundo. Confira:

01 - Lamento Borincano (com Los Tres Ases)
(Rafael Hernández)
02 - Cantando
(Mercedes Simone)
03 - Prisionero Del Mar
(Luis Arcaraz)
04 - Alma Llanera (com Los Tres Ases)
(P. Elias Gutiérrez)

COLABORAÇÃO: Geraldo


sábado, 9 de setembro de 2017

Giane - A Voz Doçura (LP 1966)

 Quarto LP da Giane inclui o sucesso "Olhos tristes", com Barros de Alencar
Depois do sucesso de canções como “Dominique”, “Preste atenção”, “Não saberás” e outras, gravadas entre 1964 e 1965, Giane se consagrou como uma das mais populares cantoras do Brasil, graças a sua voz, afinada, e deliciosa de ouvir. Não por acaso, este quarto LP da cantora traz o título “ A voz doçura”, lançado em 1966 pela Chantecler, reforçando o conceito dado no primeiro álbum, “Esta é Giane – A voz doçura”, produzido em 1964. O disco, ao que tudo indica, seria intitulado “A ternura de Giane”, como consta impresso nos selos do vinil, mas a gravadora achou por bem não destacá-lo na capa, pois nesse mesmo ano foi lançado o LP “A ternura de Wanderléa” pela CBS/Sony. O fato é que, mais uma vez, Giane manteve o êxito dos discos anteriores, graças ao sucesso da faixa “Olhos tristes”, que abre o álbum, e traz declamação do saudoso Barros de Alencar. Destaques para as versões de “Io Ti Daró Di Piu”, "In Un Fiore" e “Dio, Come Ti Amo”. Confira:

01 - Olhos Tristes (There Won't Any Snow)
Declamação: Barros de Alencar
(Paul Vance - Lee Pockriss - vs: Gláucia Prado) 
02 - Nunca É Tarde Para Recomeçar (Le Loup Sait Attendre)
(Jean Loup Chauby - Bob Du Pac - vs: Gláucia Prado) 
03 - Eu Te Darei Bem Mais (Io Ti Daró Di Piu)
(Memo Remigi - Alberto Testa - vs: Nazareno de Brito) 
04 - Numa Flor (In Un Fiore)
(Carlo Donida - Mogol - vs: Gláucia Prado) 
05 - Herança
(Paulo Queiroz - Willy Join - M. Alice) 
06 - Retornarás (Ritornerai)
(Bruno Lauzi - vs: Amaury Mazorca) 
07 - Ele Voltará (Un Bacio Sulle Dita)
(Pattacini - Mascioni - vs: S. de Queiroz) 
08 - Cupido Sabido (Enamorada)
(P. Flores - Tine - vs: Gláucia Prado) 
09 - Volte Pra Mim (Il Diritto Di Amare)
(Tomaso Albinoni - Lunero - Vito Pallavicini - vs: Gláucia Prado) 
10 - Eu Sei (J'etais En Amérique)
(Jean Loup Chauby - Bob Du Pac - vs: S. de Queiroz) 
11 - Meu Tempo de Pierrot
(Elso Augusto) 
12 - Deus, Como Te Amo (Dio, Come Ti Amo)
(Domenico Modugno - vs: Demetrio Carta) 



quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Os Carbonos - Brasil Brasil (CS 1971)

Raro single lançado pela Beverly traz mesma música nos dois lados do disco
Campanha publicitária do regime militar promoveu sentimento de ufanismo 
Hoje, 7 de setembro, dia da Independência do Brasil, vou postar este raro compacto simples do grupo Os Carbonos, enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. O disco, lançado pela Beverly em 1971, é do tempo em que o governo militar  aproveitou a conquista da Copa do Mundo de 1970 para promover o sentimento de ufanismo nacional. Um dos passos foi a campanha “Brasil, Ame-o ou Deixe-o” para induzir o povo brasileiro a idolatrar seu País, e aceitar a ideia da ditadura. Os não adeptos a ideia poderiam deixar o Brasil. Não por acaso, este compacto com selos verde e amarelo, cores da nossa bandeira, traz a música “Brasil Brasil”, de autoria do Alberto Luiz, que também a gravou, nas duas faces do disco, sendo que a instrumental, no lado B, é “para professores e pais ensinarem às crianças”, como aparece impresso no rótulo. Confira:

01 - Brasil Brasil
(Alberto Luiz)
02 - Brasil Brasil (Instrumental)
(Alberto Luiz)

COLABORAÇÃO: Aderaldo