Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Martinha - Chansons du Bresil (LP 1967)

Edição francesa do primeiro álbum da Martinha, lançado originalmente há 50 anos
Hoje, 30 de junho, é dia de dar os parabéns pelo aniversário de dois ídolos da Jovem Guarda: Martinha (68 anos) e Bobby De Carlo (72 anos). Em homenagem a ambos, vou postar um álbum da Martinha, considerando que já postei todos os discos do Bobby De Carlo, com exceção do seu segundo álbum, de 1968, já apresentado no blog Música dos Anos 60, do amigo Carlos Santos (aqui). O LP da Martinha, que não é novidade na rede, é postado pela curiosidade, por se tratar da edição “Chansons Du Bresil” do seu primeiro álbum, lançado no Brasil em 1967 pela AU/Rozenblit. O disco não é do meu acervo, sendo que a capa e a contracapa francesas foram baixadas na rede, mas achei interessante montá-lo para os colecionadores. O álbum é recheado de sucessos, como “Eu te amo mesmo assim”, “Seja o que Deus quiser”, “Barra limpa”, “Meu vestidinho” e outros, interpretados em português. Confira:

01 - Eu te Amo Mesmo Assim
(Martinha)
02 - Historinha de Amor
(Martinha)
03 - Quero Ficar Sozinha
(Renato Correa - Donaldson Gonçalves)
04 - Arranje Outra Namorada
(Marcos Roberto - Dori Edson)
05 - Pra Que Amar Você
(Martinha)
06 - Volta Depressa
(Marcos Roberto - Dori Edson)
07 - Gosto de Você
(Martinha)
08 - Meu Vestidinho
(Nilton - Alemão)
09 - Não Gosto Mais de Você
(Martinha)
10 - Seja o Que Deus Quiser
(Martinha)
11 - Não é Tristeza
(Edson Ribeiro - Mauri Câmara)
12 - Barra Limpa
(Martinha)



Grupo Cravo e Canela - Teresa Raquel (CS 1985)

Primeiro disco do grupo, um compacto simples, foi lançado pelo selo Copacabana
 
Se você se lembra do samba “Lá vem o negão”, que fez muito sucesso em 1993 e recebeu o Troféu Imprensa como “Melhor Música” em 1994, provavelmente deve conhecer o Grupo Cravo e Canela. Segundo a Wikipédia, o conjunto paulistano de samba, swing, soul-funk e samba rock foi formado no início dos anos 1980, e teve seu disco de estreia lançado apenas em 1985. Trata-se deste compacto simples, lançado pela Copacabana, com as músicas “Teresa Raquel” e “Lamento, nega”. Foi, porém, em 1993, quando lançou o CD “Sabor de Paz", seu sétimo disco, agora como quarteto Cravo e Canella, com “Lá vem o negão" no repertório, que obteve sucesso e ganhou discos de ouro e platina. Na época, o grupo musical Mamonas Assassinas fez uma paródia da canção, intitulada "Lá vem o alemão", presente em seu primeiro e único álbum. Em 2014, após 12 anos longe dos palcos, o grupo anunciou o seu retorno. Confira o single:

01 - Tereza Raquel
(Marinho Ribeiro – Nenê da Timba)
02 - Lamento, nega
(Nenê da Timba)




quinta-feira, 29 de junho de 2017

Vários artistas - Sucessos do III Festival da MPB (EP)

 III Festival da Música Popular Brasileira foi realizado em 1967 pela TV Record
Um dos grandes momentos da nossa música foi, na minha opinião, a realização de festivais de MPB, que revelaram grandes intérpretes, compositores e arranjadores. Muitas canções, hoje clássicas do cancioneiro popular, surgiram nesses eventos.  As canções, mesmo num cenário político comandado pelos militares que implantaram a ditadura no País, atravessaram as fronteiras territoriais e fizeram sucesso no exterior, especialmente em países de língua portuguesa. Um exemplo é este compacto duplo de 45 RPM, lançado em Portugal e enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço pela colaboração. O disco, com três faixas, reúne músicas reveladas pelo III Festival da Música Popular Brasileira, realizado em 1967 pela TV Record. Confira:

01 - Titulares do Ritmo - Ponteio
(Edu Lobo - José C. Capinan)
02 - Chico Buarque de Hollanda - Roda Viva (com MPB-4)
(Chico Buarque de Hollanda)
03 - Ed Carlos - Belinha
(Toquinho - Vitor Martins)

COLABORAÇÃO: Laércio



quarta-feira, 28 de junho de 2017

Marcos Roberto canta en castellano (LP 1969)

 Segundo álbum do Marcos Roberto foi lançado na Argentina pela Fermata
Muitos cantores brasileiros da Jovem Guarda também desenvolveram carreira no mercado internacional, com destaque para o latino, e em especial o argentino, onde muitos discos gravados em castelhano obtiveram bom resultado em vendas. É o caso do segundo LP do Marcos Roberto, lançado originalmente no Brasil em 1968, e teve a versão argentina produzida pela Fermata/RGE em 1969. Lá, o disco manteve 10 músicas do LP nacional, e foram excluídas as duas faixas que encerram o álbum, “Ninguém vive sem ninguém” e “Eu tenho amor”. Essas músicas foram substituídas por “No me importa la distancia” (Que me importa a saudade) e “Si tu quieres partir” (Se você quer ir embora), que abre e termina respectivamente o LP argentino. O destaque é a versão de “Será?”, um dos maiores sucessos do cantor e compositor no Brasil. Confira:

01 - No me importa la distancia (Que me importa a saudade)
(Marcos Roberto - vs: S. René)
02 - Vi algo extraño en ti (Em você algo estranho eu notei)
(Marcos Roberto - Dori Edson - vs: Ben Molar)
03 - Yo te quiero asi (Eu te quero assim)
(F. Adriano - E. Trindade - vs: Ben Molar)
04 - No te tengo a ti (Não tenho você)
(Marcos Roberto - Dori Edson - vs: Ben Molar)
05 - Entiende (Entenda)
(Machione - W. Rangel - vs: Ben Molar)
06 - Tu estas conmigo (Você está comigo)
(Marcos Roberto - Dori Edson - vs: Ben Molar)
07 - Sera? (Será?)
(Marcos Roberto - Dori Edson - vs: Ben Molar)
08 - Ventaja (Carona)
(Marcos Roberto - Dori Edson - vs: Ben Molar)
09 - Un amor y un carino (Um amor, um carinho)
(Marcos Roberto - Dori Edson - vs: Ben Molar)
10 - Basta (Chega)
(Marcos Roberto - Dori Edson - vs: Ben Molar)
11 - El fin (O fim)
(Marcos Roberto - Dori Edson - vs: Ben Molar)
12 - Si tu quieres partir (Se você quer ir embora)
(Marcos Roberto - vs: S. René)



terça-feira, 27 de junho de 2017

Vários artistas - Pop Hits Nacionais Anos 60 - Vol. 2

 Coletânea com 18 faixas inclui duas gravações inéditas do Renato e seus Blue Caps
Em sequência a postagem anterior, segue agora o segundo e último volume do projeto “Pop Hits Nacionais Anos 60”, desenvolvido pela Natal Records, selo do cantor e compositor Leno, da dupla com Lilian. O CD, gentilmente enviado pelo amigo Aderaldo, a quem sou grato, também oferece 18 faixas. A diferença em relação ao primeiro volume está na repetição de intérpretes, como a banda The Brazilian Bitles, presente com quatro músicas. Os destaques são as duas faixas inéditas, versões dos Beatles de “Bad to me” e “I wanna hold your hand”, gravadas pelo grupo Renato e seus Blue Caps. A coletânea, que oferece encarte com a ficha técnica de todas as gravações, ainda inclui sucessos do Leno & Lilian, Os Incríveis, Bobby De Carlo (e não Di Carlo, como grafado no disco), The Fevers, Maritza Fabiani (e não Fabianni), Vanusa e outros. Confira:

01 - 1966 - Leno e Lilian - Veja se me esquece
(Dori Edson - Marcos Roberto)
02 - 1967 - The Brazilian Bitles - Gata (Wild thing)
(Chip Taylor - vs: Luis Toth)
03 - 1964 - Renato e seus Blue Caps - Negro gato
(Getúlio Cortes)
04 - 1968 - Vanusa - Mensagem
(Aldo cabral - Cicero Nunes)
05 - 1969 - Leno - A festa dos seus 15 anos
(Ed Wilson)
06 - 1968 - Os Incríveis - O milionário
(Max Maxfield)
07 - 1967 - The Brazilian Bitles - Pára Pedro
(José Mendes - José Portela Dalavy)
08 - 1965 - The Fevers - Não vivo na solidão
(Pedrinho - Almir Bezerra)
09 - 1965 - Renato e seus Blue Caps - Tão má pra mim (Inédita)
(Bad to me)
(Lennon - McCartney - vs: Renato Barros)
10 - 1964 - Renato e seus Blue Caps - O bode e a cabra (Inédita)
(I wanna hold your hand)
(Lennon - McCartney - vs: Camargo)
11 - 1967 - The Brazilian Bitles - É onda
(Fábio Bloch)
12 - 1969 - Paulo César Barros - Só por causa de você
(Renato Barros - Leno)
13 - 1967 - Maritza Fabiani - Não me deixe só 
(I only want to be with you)
(M. Hawker - I. Raymonde - vs: Paulo Cesar Barros)
14 - 1965 - Ed Wilson - Como te adoro menina 
(Quiere me mucho)
(Gonzalo - Rui)
15 - 1968 - Os Incríveis - Castigo
(Dolores Duran)
16 - 1967 - Bobby De Carlo - Bonequinha (Pretty woman)
(Roy Orbinson - G. Dees - vs: Os Vips)
17 - 1968 - The Brazilian Bitles - O barqueiro
(Fábio Bloch)
18 - 1963 - Rossini Pinto - Procurando alguém 
(His lastest flame)
(Pomus - Shuman - vs: Rossini Pinto)

COLABORAÇÃO: Aderaldo


segunda-feira, 26 de junho de 2017

Vários artistas - Pop Hits Nacionais Anos 60 - Vol. 1

 Compilação produzida pelo cantor Leno foi lançada pelo selo Natal Records
Sucessos dos principais artistas da Jovem Guarda estão incluídos na seleção
Eis uma interessante coletânea, intitulada “Pop hits nacionais – Anos 60”, com sucessos da Jovem Guarda, enviada pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço. O CD faz parte de um pacote de 10 títulos produzidos entre 1995 e 2000 pela Natal Records, gravadora do cantor e compositor Leno, da dupla com Lilian. A compilação, produzida pelo próprio artista, foi uma joia na época do lançamento, pois boa parte do repertório ainda era inédita em versões remasterizadas. No disco, com 18 faixas, encontramos sucessos d’Os Incríveis, Renato e seus Blue Caps, The Fevers, Wanderléa, Os Caculas, Ed Wilson, Carlos Gonzaga. Antonio Marcos, Vanusa e outros. Confira:

01 - 1965 - The Fevers - Wooly Booly (Wooly Booly)
(D. Samudio - vs: Pedrinho)
02 - 1967 - Renato e seus Blues Caps - Não posso me controlar
 (I can't control myself)
(Reg Presley - vs: Liz Keller)
03 - 1967 - Os Incríveis - Molambo
(Jayme Florence - Augusto Mesquita)
04 - 1968 - Os Caçulas - A chuva que cai (La piova che vá)
(Mogol - D. Lind - vs: Antonio Marcos)
05 - 1968 - Fábio - Stela
(Fabio - Paulo Imperial)
06 - 1968 - Leno - Eu não existo sem você
(Tom Jobim - Vinicius de Moraes)
07 - 1965 - Demétrius - Chorando vou te pedir (Suspicion)
(Pomus - Schuman - vs: Demétrius)
08 - 1967 - Bobby De Carlo - A boneca que diz não
 (La poupée qui fait non)
(Michel Polnareff - vs: Marcelo Santos)
09 - 1966 - Wanderléa - Imenso amor
(Renato Correa - Wanderléa)
10 - 1966 - Leno & Lilian - Meu coração bate 
(Can't you hear my heart beat?)
(Carter - Lewis - vs: Lilian Knapp)
11 - 1964 - Ed Wilson - O carro do papai
(Renato Barros)
12 - 1966 - Carlos Gonzaga - Juramento de playboy
(Pepe Avila)
13 - 1968 - Antonio Marcos - Tenho um amor melhor que o seu
(Roberto Carlos)
14 - 1967 - Vanusa - Pra nunca mais chorar
(Eduardo Araújo - Carlos Imperial)
15 - 1965 - Jerry Adriani - Só ficou o adeus 
(I can't grow peaches on a cherry tree)
(A. Gorgoni - C. Taylor - vs: Rossini Pinto)
16 - 1965 - Rossini Pinto - Amor e desprezo
(Rossini Pinto)
17 - 1967 - Os Canibais - Garota teimosa (Time won't let me)
(Tom King - Chet Kelley - vs: Aramis)
18 - 1967 - Os Jovens - Coração de pedra
(Pedro Paulo - João José)

COLABORAÇÃO: Aderaldo


domingo, 25 de junho de 2017

Aladdin Band - Vá plantar batata (CS 1970)

 Samba rock e charleston dão o tom deste compacto simples lançado pela Continental
Na esteira da postagem anterior, com o grupo The Jordans sob pseudônimo, achei interessante postar este compacto simples da Aladdin Band, liderada pelo guitarrista Aladdin, nome artístico de Romeu Mantovani Sobrinho, um dos fundadores d’Os Jordans em 1956, onde permaneceu até 1967. Após um LP lançado pela Fermata em 1968, postado aqui, e alguns compactos, o músico se transferiu para a Continental. No novo endereço, gravou LP e compactos, incluindo um EP em 1978, também postado aqui. Agora é a vez deste single, lançado em 1970, e se diferencia dos demais pelo uso de vocais, uma vez que boa parte de sua discografia é instrumental. Confira:

01 - Vá plantar batata
(Cezar - Antonio Queiroz)
02 - O que vou fazer (Que voy a hacer)
(Juan - vs: Aladdin)


sábado, 24 de junho de 2017

Nielsens Boys - Alegria do passado e do presente (LP)

 Edição especial do disco para venda beneficente traz The Jordans sob pseudônimo
Quando comprei este LP, intitulado “Alegria do passado e do presente – A criança”, gravado pelo grupo Nielsens Boys, e sem a menção da banda na capa, achei que estava diante de uma raridade – como de fato é, já que o disco teve tiragem limitada, com valor da venda destinado a ação beneficente. Ao ouvi-lo, porém, reconheci as gravações, e constatei que se trata do conjunto The Jordans sob pseudônimo. O álbum, sem o ano do lançamento, traz releituras instrumentais de sucessos nacionais e internacionais de 1965, sendo que nove entre as 12 faixas do disco compõem o repertório do LP, postado aqui, do grupo The Star Boys, outro pseudônimo da banda, que também as incluíram em sua discografia oficial. A postagem, portanto, vale apenas como curiosidade, pois as gravações são fáceis de encontrar e interessam aos colecionadores. Confira:

01 - Quero que vá tudo pro inferno
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
02 - O escândalo em família (Shame and scandal in the family)
(Brown - Donaldson)
03 - A pescaria
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
04 - A casa do sol nascente (The house of the rising sun)
(Alan Price)
05 - Wooly bully
(Domingo Sanudio)
06 - Festa de arromba
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
07 - Dança do pé
(José Carlos Camargo)
08 - The sound of the silence
(Paul Simon)
09 - Ternura (Somehow it got to be tomorrow) (Today)
(E. Levitt - K. Karen)
10 - Tua voz (Plus je t'entends)
(A. Barriere)
11 - Andalucia
(Lecuona - Still)
12. All my loving
(Lennon - McCartney)



sexta-feira, 23 de junho de 2017

Joelma - Impossível acreditar que perdi você (LP 1971)

 Álbum inclui versões de sucessos da Carole King, David Gates, Francis Lai e outras
Este é o quinto álbum da Joelma, cantora romântica que começou a carreira em 1965, quando gravou o primeiro single na Chantecler com as músicas “Se chover, não faz mal” e “Milagre”. O LP, gentilmente enviado pelo amigo Geraldo, a quem sou grato, é um dos mais raros da discografia da cantora, e foi lançado em 1971. O disco se destaca pela releitura de “Impossível acreditar que perdi você”, sucesso original do Márcio Greyck, e que já teve cerca de 70 regravações, segundo cálculo do próprio cantor e compositor. O LP também traz versões de sucessos internacionais, com destaque para “Tarde Demais” (“It's too late”, hit da Carole King),  “Se” (“If”, famosa na interpretação do grupo Bread, liderado por David Gates, autor da canção) e “Só Para Mim” (“For me alone”, tema do filme “Love Story”, famoso na época). Confira:

01 - Tarde Demais (It's too late)
(Carole King - Toni Stern - vs: Nazareno de Brito)
02 - Impossível Acreditar Que Perdi Você
(Márcio Greyck - Cobel)
03 - Não Existe Nada Além de Nós
(Nenéo - Fernando César)
04 - Águas Calmas (Stille wasser, die sind tief)
(Guenter Sonnerborn - Werner Raschek - vs: Fred Jorge)
05 - Sem Compromisso
(Montanaro - Colavitti)
06 - Você Me Destruiu
(Dom)
07 - Te Quero... Te Quero (Te quiero, te quiero)
(Augusto Algueró - Rafael de León - vs: Sebastião Ferreira da Silva)
08 - Se (If)
(David Gates - vs: Nazareno de Brito)
09 - Só Para Mim (For me alone)
(Francis Lai - Norman Simon - Lowell Mark - vs: Nazareno de Brito)
10 - Alguém Me Entende Além Do Mar
(Olmir Stocker, o Alemão)
11 - Horizontes Promissores
(Plinta - Galhardo)
12 - Amar É Nunca Ter Que Pedir Perdão 
(Love means never having to say you're sorry - I love you Phil)
(Francis Lai - Norman Simon - Lowell Mark - vs: Nazareno de Brito)


COLABORAÇÃO: Geraldo



quinta-feira, 22 de junho de 2017

Nilton César - Chamado interurbano (EP 1975)

 EP de 45 RPM, lançado em Portugal, apresenta músicas gravadas nos anos 1960
Nilton César já é velho conhecido do blog, mas o compacto duplo apresentado hoje é inédito no Brasil, pois foi produzido em Portugal. O EP de 45 RPM, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, foi lançado pelo selo Carioca em 1975, mas traz canções originalmente gravadas nos anos 1960 na gravadora Continental. “Casa vazia”, o bolero que abre o disco, e fez muito sucesso por aqui, é de 1964, sendo que a segunda faixa, “Chamado interurbano”, foi lançada em 1966, período em que o artista se aventurou pela Jovem Guarda. No lado B, as músicas “O direito de amar” e “Que bom seria” são do seu primeiro álbum, produzido em 1963. Confira:

01 - Casa vazia
(Luiz de Castro – Pedro Bento)
02 - Chamado interurbano
(T. Standen – F. Adriano)
03 - O direito de amar
(Nilton César – P. Augusto)
04 - Que bom seria
(Nilton César – T. Filho)

COLABORAÇÃO: Laércio


quarta-feira, 21 de junho de 2017

Fernando Reis - Compactos raros (2017)

 Fernando Reis trocou seu nome artistico para Juliano Rivas após a Jovem Guarda
Esta postagem reúne três compactos simples do cantor e compositor Fernando Reis, gravados na Mocambo/Rozenblit (1968), Lenc Discos (1969) e Epic/CBS (1971), além da faixa bônus “Malvada”, baixada na rede, e lançada pela Continental em 1966. Infelizmente, não encontrei referências sobre o artista em minha pesquisa, salvo o fato de que teria trocado seu nome artístico para Juliano Rivas a partir de 1972, quando gravou o single com as músicas “Seria um mar de rosas” e “Maldita hora que eu briguei com você” pela gravadora CID. Com a nova denominação, gravou outros compactos e até um LP, pelo selo Rural, obtevendo sucesso como  compositor da música “Vem me fazer feliz”, gravada em 1975 pelo Angelo Máximo, seu parceiro nessa composição. Confira:

01 - 1968 - Amor com ódio (com The Fires)
(Fernando Reis - Almir Ramos)
02 - 1968 - Não te esqueço nunca (com The Fires)
(Fernando Reis - Marçon)
03 - 1969 - É problema meu (Arranjos: Portinho)
(Fernando Reis - Lindomar Castilho)
04 - 1969 - Vem não te demores (Arranjos: Portinho)
(Fernando Reis - Siros)
05 - 1971 - Tú és meu tudo
(Fernando Reis - Liz Santos)
06 - 1971 - Você levou meu sorriso
(Lena Paris)
07 - 1966 - Malvada (Bônus)
(Alexandre Cirus - Tabo)




terça-feira, 20 de junho de 2017

Laura Nunes - Só o amor constrói (LP 1993)

 Álbum lançado em 1993 pela gravadora JRI foi produzido pelo Ravel
Não tenho muito o que comentar a respeito deste LP da Laura Nunes, lançado em 1993 pelo selo JRI. Só tomei conhecimento da cantora e do álbum no momento em que recebi o disco do amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração e por apresentá-la no blog. O álbum, com 10 faixas, foi produzido pelo Ravel, que fez dupla com Dom, daí a inclusão no repertório de três músicas compostas por ambos. O destaque é “Só o amor constrói”, de Dom e Domingos Leoni, que ficou famosa na interpretação da dupla. Confira:

01 – Só o amor constrói
(Dom – Domingos Leone)
02 – Ai ai amor
(Marinho da Mazzei – Enzo Bertolini)
03 – Resta a esperança
(Dom – Ravel)
04 – Meu nego
(Teleu)
05 – Sem mais palavras
(Rejane Imperial – Enzo Bertolini)
06 – Paz e amor
(Dom – Ravel)
07 – Gosto de mel
(Marinho da Mazzei – Enzo Bertolini)
08 – Quem gosta de você sou eu
(Everaldo Ferraz)
09 – Na corrida do ouro
(Lino – C. A. A. Sant'Anna)
10 – Minha mãe
(Dom – Ravel)

COLABORAÇÃO: Aderaldo



segunda-feira, 19 de junho de 2017

Trio Ternura - Felicidade no amor é isso (LP 1968)

 Primeiro LP do Trio Ternura foi lançado em 1968 pela gravadora Musidisc
Faz tempo planejava postar este LP, o primeiro gravado pelo Trio Ternura, lançado em 1968 pela Musidisc, após três compactos simples na gravadora. O áudio é de um CD genétrico, adquirido numa feira de vinil, mas as ilustrações, muito ruins, me impediam de postá-las. Finalmente encontrei a capa e contracapa originais do disco em boa resolução num anúncio no Mercado Livre. Por isso, achei interessante apresentar o álbum, com 12 faixas e três bônus, também gravados na Musidisc, e com áudio de boa qualidade. Os destaques, entre os bônus, são “A raposa” e “Selado com um beijo” (Sealed with a kiss), do primeiro single, lançado em 1966, com nítida influência do Trio Esperança, principal referência na época da Jovem Guarda. Confira:

01 - Felicidade no amor é isso
(H. Silva - Silvio Sérgio)
02 - Um dia apareceu você
(J. Ribamar - Silva Roberto)
03 - La, la, la
(Manuel de La Calva - Ramon Arcusa - vs: Antonio José)
04 - Esperando você
(Robson Silva - Silva Roberto)
05 - Nem um talvez
(Umberto Silva - Therezinha Curtis)
06 - Palavras inúteis
(Luiz Fernando - J. Abelardo)
07 - Se eu vivia bem sem ter você (Gonna get along without ya now)
(Milton Kellen - vs: Clóvis Mello)
08 - Maior amor do mundo
(Carlos Imperial - José Roberto)
09 - Lindo (Groovin')
(Felix Cavaliere - Eddie Brigati - vs: Carlos Wallace)
10 - O doutor do amor menino
(José Messias)
11 - Canção do amor que não viveu
(Ana Maria Pimenta)
12 - Quero você pra mim
(Cida)

BÔNUS

13 - Música para ver você passar (Music to watch girls by)
(S. Rami - vs: Carlos Wallace)
14 - A raposa 
(Umberto Silva)
15 - Selado com um beijo (Sealed with a kiss)
(Uddel - Gewld - vs: Moacyr Bastos)



quarta-feira, 14 de junho de 2017

Golden Boys com orquestra de Lyrio Panicali (EP 1965)

 EP de 45 RPM, lançado em Portugal pela Parlophone, traz o hit "Ai de mim" 
Este compacto duplo de 45 RPM d’Os Golden Boys, lançado entre 1965 e 1966 em Portugal, é mais uma colaboração do amigo Laércio, a quem agradeço. O disco só interessa aos colecionadores, pois o EP com orquestra dirigida pelo maestro Lyrio Panicali não foi lançado no Brasil, mas as quatro músicas são fáceis de encontrar. A faixa “Ai de mim” é o principal sucesso do disco, que se destaca pela música “Dançando o surf”, uma versão de “Your baby's is gone surfin”, hit gravado por Duane Eddy. A curiosidade é “Toque balanço, moço”, um delicioso samba composto por Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Confira:

01 - Dançando o surfin (Your baby's is gone surfin)
(Duane Eddy - Lee Hazlewood - vs: Roberto Nunes)
02 - Alguém Querendo Alguém (Everybody loves somebody)
(Lane - Taylor - vs: Maria Isabel)
03 - Ai De Mim (All lf me)
(Seymour Simons - Gerald Marks - vs: Neusa de Sousa)
04 - Toque balanço, moço
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)

COLABORAÇÃO: Laércio


terça-feira, 13 de junho de 2017

Táxi - Nosso mundo de sonhos (LP 1979)


Trio carioca de funk/soul obteve boa receptividade entre frequentadores de bailes black
Acredito que o fãs do Tim Maia e Cassiano devem conhecer a banda carioca de funk/soul Taxi, formada originalmente por Max, Amaro e Camarão no final dos anos 1970. O grupo, porém, é desconhecido por boa parte do público, e praticamente passou despercebido, apesar de apresentar um trabalho de alto nível, pra ouvir e dançar. Este álbum, lançado em 1979 pela Kelo Music, selo da K-Tel do Brasil, é o primeiro do grupo, e conta com a participação do vocalista Max, que se suicidou antes do lançamento do seu segundo álbum em 1980. A postagem traz, como bônus, a faixa “Bailarina”, gravada pelo Max, em trabalho solo, cinco dias antes do seu falecimento aos 26 anos, em dezembro de 1979, e foi extraída do LP “As vozes do jingle”, postado aqui.

Amaro e Camarão, membros do conjunto, fizeram parte do trio vocal Os Diagonais, ao lado do Cassiano, durante os anos 1960/70. Segundo consta, Amaro foi morto numa briga de bar, e o vocalista Max foi substituído pelo Aladim após sua morte. Aladim faleceu de câncer no estômago em 1998. O único sobrevivente foi Camarão, irmão do Cassiano, de quem o grupo recebeu muita influência, como se pode constatar logo na primeira audição do disco. A única música do repertório que se destacou foi “Pode chorar”, um pequeno hit lançado num compacto simples (na capa acima), e incluído neste LP, muito apreciado pelos frequentadores de bailes black. Confira:

01 - Quero dançar
(Max - Amaro - Genival)
02 - Pode chorar
(Max)
03 - Eu não quero esquentar
(Max - Amaro - Genival)
04 - Nosso mundo de sonhos
(Genival - Amaro - Beto Cajueiro)
05 - Ame os seus
(Mauro Motta)
06 - Eu preciso muito de você
(Max)
07 - Tema do Taxi
(Max - Amaro - Genival)
08 - Foi você
(Genival - Amaro - Beto Cajueiro)

BÔNUS

09 - Bailarina (Canta Max)
(Sá - Guarabira)


sexta-feira, 9 de junho de 2017

Paulo Diniz - Coletânea Especial - Volume 2 (2017)

 Coletânea com 28 faixas inclui duetos, sucessos e canções menos conhecidas
Quem é fã do Paulo Diniz vai curtir o segundo volume desta Coletânea Especial, idealizada pelo amigo Aderaldo, a quem sou grato pela colaboração. A seleção, com 28 faixas, é suficiente para gravar num CD com espaço para 80 minutos. O repertório contempla o ouvinte com três desconhecidos duetos, gravados com Roberto José, Jorge de Altinho e Odibar, parceiro do cantor em algumas composições. A coletânea também oferece os sucessos “Pingos de amor”, “O meu amor chorou” e “Ponha um arco-iris em sua moringa”, sendo que o hit “Quero voltar pra Bahia” está incluído no primeiro volume (aqui). Entre os destaques estão as releituras de dois clássicos do Luiz Gonzaga, “Baião” e “Asa branca”, muito bem gravadas. Confira:

01 - O meu amor chorou
02 - Caminhando pelo parque
03 - Xote pernambucano
04 - Pingos de amor 
05 - Debandada geral
06 - Como
07 - Baião
08 - Um chope pra distrair 
09 - Águas mansas
10 - Asa branca
11 - Bahia comigo (Com Odibar)
12 - Durmo ao teu lado e sonho contigo
13 - Peito avarandado (Com Roberto José)
14 - Ponha um arco-iris na sua moringa
15 - A seca de 1932
16 - Chica Bethânia
17 - Entre as cabras
18 - Brasil, brasa, braseiro
19 - Baião das Alagoas
20 - Desejo mudo
21 - Maria das Dores
22 - Meu sertão (Com Jorge de Altinho)
23 - Porque chove
24 - Quero ter um tigre em mim
25 - Me leva morena
26 - Rosa da fonte
27 - O risonho
28 - Canção do exílio


COLABORAÇÃO/SELEÇÃO DO REPERTÓRIO: Aderaldo



quinta-feira, 8 de junho de 2017

The Playing's - The Playing's Voltaram (LP 1962)

 
Quatro álbum do grupo vocal The Playing's marca retorno do conjunto na RGE
“The Playing’s Voltaram” é o quarto e último LP do grupo vocal masculino Titulares do Ritmo, gravado sob pseudônimo. Segundo o internauta Paulo Castelo Branco, em comentário na postagem do primeiro álbum do grupo (aqui), o conjunto gravou o segundo LP em 1959, pela RGE, e um terceiro em 1960 na Continental, mas utilizando a denominação “The Fellows”, todos com hits internacionais, interpretados em inglês. Ele informa que em todos os LPs estão presentes o vocal das irmãs Gradilone (Wilma, Haydée e Poly), mas nosso amigo - expert em rock brasileiro dos anos 1950 e 1960 - desconhece se todas as outras vozes femininas (Nilza Miranda, Wilma Camargo e Clélia Simone), constantes no primeiro álbum, encontram-se nos subsequentes. Este quarto disco, com arranjos e direção musical de Ruben Perez (Pocho), marca o retorno do grupo na RGE, e é igualmente excelente, como os demais, mas com repertório formado por muito twist, gênero musical de muito sucesso no início dos anos 1960. Confira:

01 - Georgia On My Mind
(H. Carminhael - S. Gorrel)
02 - Twist Around The Clock
(Buddy Kaye - Philip Springer - Clay Cole)
03 - Love Me Warm And Tender
(Paul Anka)
04 - The Twist
(Hank Ballard)
05 - Toot
(Kal Mann)
06 - Slow Twistin
(Jon Sheldon)
07 - My Heart Belongs To Daddy
(Cole Porter)
08 - Kissin` Twist
(Earl Burrougs - A. Vano)
09 - Twistin' U.S.A
(Kal Mann)
10 - Romeo
(Robert Stoltz - Jimmy Kennedy)
11 - Happy José
(Norman Malkin - Jesse Gonzales)
12 - The Peppermint Twist
(Joey Deo - Henry Glover)





quarta-feira, 7 de junho de 2017

Sérgio Reis - João de Barro (LP 1974)

 Segundo álbum do Sérgio Reis na RCA ainda traz influência da Jovem Guarda
Com este “João de Barro”, LP lançado em 1974 pelo Sérgio Reis, o cantor e compositor se despediu da Jovem Guarda, gênero musical que o consagrou. Depois deste álbum, enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço, passou a se dedicar à música sertaneja, amparado pelos sucessos de “O menino da porteira”, incluído no disco anterior, e “João de Barro”, música que abre e dá título a este LP, que também traz “Olha o que você me fez”, um iê-iê-iê muito executado nas emissoras de rádio. Uma das curiosidades é “Meu pedido”, composta pelo Sérgio Reis em parceria com Os Vips, igualmente gravada ao estilo da Jovem Guarda, e que também teve boa repercussão. Confira:

01 - João de Barro
(Teddy Vieira - Muibo Cesar Cury)
02 - Adeus Amor, Adeus
(Clayton - Bavinil)
03 - O Retrato
(Clayton - Oliveira)
04 - O Reencontro
(Clayton - Oliveira)
05 - Mais Um Amor Que Eu Tive
(Clayton - Marcos Cézar)
06 - Amor Antigo
(Clayton - Bavinil)
07 - Mare, Mare, Mare, Mare
(A. de Santictis - L. Romanelli - Marcelo Duran)
08 - Olha O Que Você Me Fez
(Sérgio Reis)
09 - Meu Pedido
(Sérgio Reis - Os Vips)
10 - Viver Neste Mundo Sem Teu Amor
(Clayton - Oliveira)
11 - Onde Está Você
(Clayton - Bavinil)
12 - De Papo Pro Ar
(Joubert de Carvalho - Olegário Mariano)

COLABORAÇÃO: Geraldo


terça-feira, 6 de junho de 2017

Elza Soares - Grandes sucessos de Elza Soares (LP)

Coletânea reúne os grandes sucessos gravados pela cantora na Tapecar
Se você é bom sujeito, que gosta de samba, vai curtir este álbum com grandes sucessos da Elza Soares, gravados na Tapecar. O disco, sem o ano do lançamento, foi enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, e se destaca pela faixa “Salve a mocidade”, um dos maiores sucessos da cantora na Tapecar, após vários discos antológicos registrados na Odeon. “Mulata assanhada”, outro hit de sua discografia, está presente no pot-pourri com “Sal e pimenta” e “Beija-me”. A coletânea também inclui “Malandro”, “Bom dia Portela”, “Nos braços do samba” e outras canções que justificam o título de cantora brasileira do milênio, concedido em 1999 pela Rádio BBC de Londres, no projeto The Millennium Concerts, criado pela emissora para comemorar a chegada do ano 2000. Confira:

01 - Bom Dia Portela
(David Corrêa - Bebeto Di São João)
02 - Primeiro Eu
(Romildo da Portela - Toninho)
03 - Pranto Livre
(Dida - Everaldo da Viola)
04 - Enredo De Pirraça
(Elza Soares - Gerson Alves)
05 - Nos Braços Do Samba
(Neoci Dias - Dida)
06 - Meia Noite Já É Dia
(Norival Reis - David Corrêa)
07 - Salve a Mocidade
(Luiz Reis)
08 - Malandro
(Jorge Aragão - Jotabê)
09 - Lendas E Festas das Yabás
(Aroldo Forde "Melodia" - Leoncio da Silva)
10 - Nó Na Tristeza
(Vicente Mattos - Carlito Cavalcante)
11 - Pot-pourri:
Sal E Pimenta
(Nazareno de Brito - Newton Ramalho)
Mulata Assanhada
(Ataulfo Alves)
Beija-Me
(Roberto Martins)
12 - Estou Com Raiva de Você
(Miro Barbosa - Jorge Roberto)

COLABORAÇÃO: Laércio




segunda-feira, 5 de junho de 2017

Barros de Alencar - Nossa velha canção (LP 1975)

Barros de Alencar obteve muito sucesso no disco, no rádio e na televisão
Os meios de comunicação amanheceram em luto neste dia chuvoso em São Paulo com a triste notícia da morte do radialista, cantor, compositor e apresentador de TV, Barros de Alencar, aos 84 anos. O artista estava internado em um hospital no bairro da Mooca, em São Paulo, e segundo informações do radialista Kaká Siqueira, locutor da Tropical FM 107,9 - SP,  Barros entrou em coma neste domingo, e faleceu durante a madrugada. O enterro acontece hoje, às 13h30, no cemitério Primavera em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Cristóvão Barros de Alencar, seu nome de batismo, nasceu na Paraíba, e iniciou sua carreira como radialista em Campina Grande, na Rádio Borborema. Na década de 1960, passou também pelas rádios Tupi, Record e América. Suas crônicas foram gravadas em 1965 pelo saudoso ator e também radialista Amilton Fernandes (aqui), mais conhecido como Dr. Alberto Limonta, personagem que interpretou na telenovela “O direito de nascer”. Em 1966, lançou seu primeiro disco, e fez sucesso com “Olhos tristes”, num dueto com a cantora Giane. Ao longo dos anos, intercalou a carreira musical com seu reconhecido trabalho nas rádios, especialmente na Tupi, e também fez sucesso como apresentador de TV. Em sua homenagem, segue o álbum gravado na RCA em 1975, com destaque para a faixa “Emanuela”, versão em português de "Emmanuelle", trilha do famoso filme homônimo da época. Confira:

01 - A Menina Que Cresceu
(Tony Damito - Cezar)
02 - Tem Que Ser Assim
(Peninha)
03 - Eu Sinto Pena De Você
(Donizette - Jean Pierre)
04 - Emanuela (Emmanuelle)
(Pierre Bachelet - H.Roy - Barros De Alencar)
05 - Champagne 
(Di Francis - S.Jodice - Depsa - Vs: Agnaldo Timóteo)
06 - Prometemos Não Chorar 
(Palito Ortega - Jean Pierre)
07 - Estou Ficando Louco (Me estoy volviendo loco)
(A. do Barro - Adel)
08 - Bom Dia 
(Manoel Ferreira - Ruth Amaral - Cidinha Santos)
09 - Nossa Velha Canção
(Alberto Luiz - Izilda Simões)
10 - Soleado (O sermão da montanha)
(Zacar - Adaptação: Barros De Alencar)
11 - Você Não Tem Sensibilidade
(Osmar Navarro)
12 - Dois Corações Apaixonados
(Tony Damito - Cezar)



Vários intérpretes - 20 sucessos em órbita (LP 1970)

 Boa parte da coletânea é formada por releitura de sucessos dos anos 1969 e 1970
Eis mais uma interessante coletânea da série “20 sucessos em órbita”, produzida provavelmente em 1970, pela Itamaraty, selo da gravadora CID. O disco, enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço, deve ser o primeiro da série, que tem o terceiro volume, de 1972, postado aqui. A maior parte das gravações é releitura de sucessos de 1969 e 1970, como “Procurando tu”, “Na tonga da mironga do kabuletê” e “Quero voltar pra Bahia”, interpretadas pelo saudoso Angelo Antonio, assim como “Candida”, “A charanga”, “Hoje”, “Universo do teu corpo” e “Eu te amo meu Brasil”, gravadas pelo grupo Os Grilos. Vale destacar que as faixas 14 e 15, com Os Grilos, e 18 e 19, com Cláudio Marcelo, são emendadas, gravadas em forma de pot-pourri, daí a existência de 18 faixas no disco, resultando nos 20 sucessos anunciados no título do LP . Confira:

01 - Angelo Antonio - A tonga da mironga do kabuletê
(Vinicius – Toquinho)
02 - Angelo Antonio - Procurando tu
(A. Barros – J. Luna)
03 - José Ventura - Mengão 70
(L. Moreno – R. Conceição)
04 - Cry Babies - Daydream
(R. Vincent – S. Van Holmen – D. Mackay)
05 - Sambrasa 8 - Irmãos coragem
(N. Buzar – P. Tapajós)
06 - Fabiola - A peteca
(J. Canseira – M. dos Santos)
07 - Cry Babies - Kool & The Gang
(Koll And The Gang) 
08 - Sambrasa 8 - Fumacê
(R. Pinto – S. Correa)
09 - Claudio Marcelo - Love is all
(Reed Mason)
10 - Angelo Antonio - Quero voltar pra Bahia
(P. Diniz – Odibar)
11 - Os Grilos - Candida
(T. Wine – J. Levine)
12 - Claire Chevalier - Iemanja
(C. Imperial – S. Friedman)
13 - Os Grilos - A charanga
(Dom – Wanderléa)
14 e 15 - Os Grilos - Hoje & Universo no teu corpo
(Taiguara) - (Taiguara)
16 - Bob Charles - Take a letter, Maria
(Greaves)
17 - Bob Charles - Always something there to remind me
(Bacharach – David)
18 e 19 - Claudio Marcelo - O pequeno burguês & Aquele abraço
(Martinho da Vila) - (Gilberto Gil)
20 - Os Grilos - Eu te amo meu Brasil
(Dom)

COLABORAÇÃO: Aderaldo



sábado, 3 de junho de 2017

Ana Rosely - Estou contigo e não abro (LP 1977)

Álbum de samba produzido pela CID traz texto de Martinho da Vila na contracapa
 A dúvida: Rosely, em disco de 1966, e Ana Rosely, em 1979, são a mesma pessoa?
Na postagem da antologia da cantora Rosely (aqui), o internauta Marcelo escreveu comentário que aguçou a minha curiosidade. Ele acredita que a intérprete mudou seu nome para Ana Rosely em meados dos anos 1970, após gravar um LP pela CBS em 1966, que pode ser baixado aqui, e compactos pela RCA Victor. Pra colocar a dúvida em debate, se de fato é a mesma artista, já que a internet carece de informação a respeito, estou postando o LP “Estou contigo e não abro”, gravado pela Ana Rosely em 1977 na CID. O disco, com texto de apresentação do Martinho da Vila na contracapa, é recheado de samba, diferente do repertório da Rosely, repleto de baladas. Além das 11 faixas do álbum, a postagem traz cinco bônus, entre as quais “Não acostuma não” e “Skim dum dum dum”, ícones do samba rock. Vale a pena ouvir e sambar. Confira:

01 - Linha Na Pipa
(Geraldo Babão - Charles) 
02 - Talento Vem De Berço
(João Augusto)
03 - Estou Contigo E Não Abro
(Ana Rosely)
04 - Tem Que Mostrar Serviço
(Ana Rosely)
05 - Gostei De Você Mulher
(Ana Rosely)
06 - Calango
(Pedro Rainho - Ana Rosely)
07 - Batida Da Lata
(Ana Rosely)
08 - Rezei
(Jayme Rochner)
09 - Minha Plataforma
(Geraldo Babão - Clebinho)
10 - Preta Bonita Maria Da Pedreira
(Nelson Bastos - Antonio Valentim dos santos)
11 - Samba Black
(Quarentinha - Ana Rosely)

BÔNUS

12 - Meu Mundo 
(Ana Rosely - José Veiga) 
13 - Não Acostuma Não 
(Ana Rosely) 
14 - Banda Do Brejo
(Belizário - Diferraz) 
15 - Skim Dum Dum Dum 
(Ana Rosely - Machado Orlando)
16 - Samba Do Zuê 
(Timbira - Carvalho)




sexta-feira, 2 de junho de 2017

Dircelene - Antologia "Conte até 10" (2017)

 Cantora da Jovem Guarda obteve relativo sucesso com a música "Uni-duni-tê"
Esta coletânea da cantora Dircelene foi montada a partir de áudio ripado de um CD genérico, adquirido numa feira de vinil, e de fotos baixadas na rede. Não posso garantir que a seleção, com oito músicas, registradas na época da Jovem Guarda, provavelmente nas gravadoras Musidisc e Polydor, cobre toda a discografia da intérprete, mas é suficiente para conhecê-la. Dircelene obteve relativo sucesso com “Uni-duni-tê”, também gravada pela Sandra, por meio de compacto simples da Musidisc com “Tempo novo” no lado B, ambas incluídas no LP “As 14 mais quentes” (aqui). Infelizmente, não tenho informações sobre sua carreira, e também desconheço seus dados biográficos. Confira:

01 - Conte até 10 
(Evaldo Gouveia - Jair Amorim)
02 - Eu juro que vou te esquecer
(Pedro Paulo)
03 - Não chegue mais atrasado
(Raul Prata)
04 - O que eu passei junto de você
(Pedro Paulo - Arildo de Souza)
05 - Que será
(Palito Ortega - Tito Santos)
06 - Uni-duni-tê
(Chico Feitosa - Nonato Buzar)
07 - Ficção de amor
(Getulio Macedo)
08 - Tempo novo
(Tito Santos - Maria Theresa)