Pesquisar este blog

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Nilton César - Chamado interurbano (EP 1975)

 EP de 45 RPM, lançado em Portugal, apresenta músicas gravadas nos anos 1960
Nilton César já é velho conhecido do blog, mas o compacto duplo apresentado hoje é inédito no Brasil, pois foi produzido em Portugal. O EP de 45 RPM, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, foi lançado pelo selo Carioca em 1975, mas traz canções originalmente gravadas nos anos 1960 na gravadora Continental. “Casa vazia”, o bolero que abre o disco, e fez muito sucesso por aqui, é de 1964, sendo que a segunda faixa, “Chamado interurbano”, foi lançada em 1966, período em que o artista se aventurou pela Jovem Guarda. No lado B, as músicas “O direito de amar” e “Que bom seria” são do seu primeiro álbum, produzido em 1963. Confira:

01 - Casa vazia
(Luiz de Castro – Pedro Bento)
02 - Chamado interurbano
(T. Standen – F. Adriano)
03 - O direito de amar
(Nilton César – P. Augusto)
04 - Que bom seria
(Nilton César – T. Filho)

COLABORAÇÃO: Laércio


quarta-feira, 21 de junho de 2017

Fernando Reis - Compactos raros (2017)

 Fernando Reis trocou seu nome artistico para Juliano Rivas após a Jovem Guarda
Esta postagem reúne três compactos simples do cantor e compositor Fernando Reis, gravados na Mocambo/Rozenblit (1968), Lenc Discos (1969) e Epic/CBS (1971), além da faixa bônus “Malvada”, baixada na rede, e lançada pela Continental em 1966. Infelizmente, não encontrei referências sobre o artista em minha pesquisa, salvo o fato de que teria trocado seu nome artístico para Juliano Rivas a partir de 1972, quando gravou o single com as músicas “Seria um mar de rosas” e “Maldita hora que eu briguei com você” pela gravadora CID. Com a nova denominação, gravou outros compactos e até um LP, pelo selo Rural, obtevendo sucesso como  compositor da música “Vem me fazer feliz”, gravada em 1975 pelo Angelo Máximo, seu parceiro nessa composição. Confira:

01 - 1968 - Amor com ódio (com The Fires)
(Fernando Reis - Almir Ramos)
02 - 1968 - Não te esqueço nunca (com The Fires)
(Fernando Reis - Marçon)
03 - 1969 - É problema meu (Arranjos: Portinho)
(Fernando Reis - Lindomar Castilho)
04 - 1969 - Vem não te demores (Arranjos: Portinho)
(Fernando Reis - Siros)
05 - 1971 - Tú és meu tudo
(Fernando Reis - Liz Santos)
06 - 1971 - Você levou meu sorriso
(Lena Paris)
07 - 1966 - Malvada (Bônus)
(Alexandre Cirus - Tabo)




terça-feira, 20 de junho de 2017

Laura Nunes - Só o amor constrói (LP 1993)

 Álbum lançado em 1993 pela gravadora JRI foi produzido pelo Ravel
Não tenho muito o que comentar a respeito deste LP da Laura Nunes, lançado em 1993 pelo selo JRI. Só tomei conhecimento da cantora e do álbum no momento em que recebi o disco do amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração e por apresentá-la no blog. O álbum, com 10 faixas, foi produzido pelo Ravel, que fez dupla com Dom, daí a inclusão no repertório de três músicas compostas por ambos. O destaque é “Só o amor constrói”, de Dom e Domingos Leoni, que ficou famosa na interpretação da dupla. Confira:

01 – Só o amor constrói
(Dom – Domingos Leone)
02 – Ai ai amor
(Marinho da Mazzei – Enzo Bertolini)
03 – Resta a esperança
(Dom – Ravel)
04 – Meu nego
(Teleu)
05 – Sem mais palavras
(Rejane Imperial – Enzo Bertolini)
06 – Paz e amor
(Dom – Ravel)
07 – Gosto de mel
(Marinho da Mazzei – Enzo Bertolini)
08 – Quem gosta de você sou eu
(Everaldo Ferraz)
09 – Na corrida do ouro
(Lino – C. A. A. Sant'Anna)
10 – Minha mãe
(Dom – Ravel)

COLABORAÇÃO: Aderaldo



segunda-feira, 19 de junho de 2017

Trio Ternura - Felicidade no amor é isso (LP 1968)

 Primeiro LP do Trio Ternura foi lançado em 1968 pela gravadora Musidisc
Faz tempo planejava postar este LP, o primeiro gravado pelo Trio Ternura, lançado em 1968 pela Musidisc, após três compactos simples na gravadora. O áudio é de um CD genétrico, adquirido numa feira de vinil, mas as ilustrações, muito ruins, me impediam de postá-las. Finalmente encontrei a capa e contracapa originais do disco em boa resolução num anúncio no Mercado Livre. Por isso, achei interessante apresentar o álbum, com 12 faixas e três bônus, também gravados na Musidisc, e com áudio de boa qualidade. Os destaques, entre os bônus, são “A raposa” e “Selado com um beijo” (Sealed with a kiss), do primeiro single, lançado em 1966, com nítida influência do Trio Esperança, principal referência na época da Jovem Guarda. Confira:

01 - Felicidade no amor é isso
(H. Silva - Silvio Sérgio)
02 - Um dia apareceu você
(J. Ribamar - Silva Roberto)
03 - La, la, la
(Manuel de La Calva - Ramon Arcusa - vs: Antonio José)
04 - Esperando você
(Robson Silva - Silva Roberto)
05 - Nem um talvez
(Umberto Silva - Therezinha Curtis)
06 - Palavras inúteis
(Luiz Fernando - J. Abelardo)
07 - Se eu vivia bem sem ter você (Gonna get along without ya now)
(Milton Kellen - vs: Clóvis Mello)
08 - Maior amor do mundo
(Carlos Imperial - José Roberto)
09 - Lindo (Groovin')
(Felix Cavaliere - Eddie Brigati - vs: Carlos Wallace)
10 - O doutor do amor menino
(José Messias)
11 - Canção do amor que não viveu
(Ana Maria Pimenta)
12 - Quero você pra mim
(Cida)

BÔNUS

13 - Música para ver você passar (Music to watch girls by)
(S. Rami - vs: Carlos Wallace)
14 - A raposa 
(Umberto Silva)
15 - Selado com um beijo (Sealed with a kiss)
(Uddel - Gewld - vs: Moacyr Bastos)



quarta-feira, 14 de junho de 2017

Golden Boys com orquestra de Lyrio Panicali (EP 1965)

 EP de 45 RPM, lançado em Portugal pela Parlophone, traz o hit "Ai de mim" 
Este compacto duplo de 45 RPM d’Os Golden Boys, lançado entre 1965 e 1966 em Portugal, é mais uma colaboração do amigo Laércio, a quem agradeço. O disco só interessa aos colecionadores, pois o EP com orquestra dirigida pelo maestro Lyrio Panicali não foi lançado no Brasil, mas as quatro músicas são fáceis de encontrar. A faixa “Ai de mim” é o principal sucesso do disco, que se destaca pela música “Dançando o surf”, uma versão de “Your baby's is gone surfin”, hit gravado por Duane Eddy. A curiosidade é “Toque balanço, moço”, um delicioso samba composto por Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Confira:

01 - Dançando o surfin (Your baby's is gone surfin)
(Duane Eddy - Lee Hazlewood - vs: Roberto Nunes)
02 - Alguém Querendo Alguém (Everybody loves somebody)
(Lane - Taylor - vs: Maria Isabel)
03 - Ai De Mim (All lf me)
(Seymour Simons - Gerald Marks - vs: Neusa de Sousa)
04 - Toque balanço, moço
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)

COLABORAÇÃO: Laércio


terça-feira, 13 de junho de 2017

Táxi - Nosso mundo de sonhos (LP 1979)


Trio carioca de funk/soul obteve boa receptividade entre frequentadores de bailes black
Acredito que o fãs do Tim Maia e Cassiano devem conhecer a banda carioca de funk/soul Taxi, formada originalmente por Max, Amaro e Camarão no final dos anos 1970. O grupo, porém, é desconhecido por boa parte do público, e praticamente passou despercebido, apesar de apresentar um trabalho de alto nível, pra ouvir e dançar. Este álbum, lançado em 1979 pela Kelo Music, selo da K-Tel do Brasil, é o primeiro do grupo, e conta com a participação do vocalista Max, que se suicidou antes do lançamento do seu segundo álbum em 1980. A postagem traz, como bônus, a faixa “Bailarina”, gravada pelo Max, em trabalho solo, cinco dias antes do seu falecimento aos 26 anos, em dezembro de 1979, e foi extraída do LP “As vozes do jingle”, postado aqui.

Amaro e Camarão, membros do conjunto, fizeram parte do trio vocal Os Diagonais, ao lado do Cassiano, durante os anos 1960/70. Segundo consta, Amaro foi morto numa briga de bar, e o vocalista Max foi substituído pelo Aladim após sua morte. Aladim faleceu de câncer no estômago em 1998. O único sobrevivente foi Camarão, irmão do Cassiano, de quem o grupo recebeu muita influência, como se pode constatar logo na primeira audição do disco. A única música do repertório que se destacou foi “Pode chorar”, um pequeno hit lançado num compacto simples (na capa acima), e incluído neste LP, muito apreciado pelos frequentadores de bailes black. Confira:

01 - Quero dançar
(Max - Amaro - Genival)
02 - Pode chorar
(Max)
03 - Eu não quero esquentar
(Max - Amaro - Genival)
04 - Nosso mundo de sonhos
(Genival - Amaro - Beto Cajueiro)
05 - Ame os seus
(Mauro Motta)
06 - Eu preciso muito de você
(Max)
07 - Tema do Taxi
(Max - Amaro - Genival)
08 - Foi você
(Genival - Amaro - Beto Cajueiro)

BÔNUS

09 - Bailarina (Canta Max)
(Sá - Guarabira)


sexta-feira, 9 de junho de 2017

Paulo Diniz - Coletânea Especial - Volume 2 (2017)

 Coletânea com 28 faixas inclui duetos, sucessos e canções menos conhecidas
Quem é fã do Paulo Diniz vai curtir o segundo volume desta Coletânea Especial, idealizada pelo amigo Aderaldo, a quem sou grato pela colaboração. A seleção, com 28 faixas, é suficiente para gravar num CD com espaço para 80 minutos. O repertório contempla o ouvinte com três desconhecidos duetos, gravados com Roberto José, Jorge de Altinho e Odibar, parceiro do cantor em algumas composições. A coletânea também oferece os sucessos “Pingos de amor”, “O meu amor chorou” e “Ponha um arco-iris em sua moringa”, sendo que o hit “Quero voltar pra Bahia” está incluído no primeiro volume (aqui). Entre os destaques estão as releituras de dois clássicos do Luiz Gonzaga, “Baião” e “Asa branca”, muito bem gravadas. Confira:

01 - O meu amor chorou
02 - Caminhando pelo parque
03 - Xote pernambucano
04 - Pingos de amor 
05 - Debandada geral
06 - Como
07 - Baião
08 - Um chope pra distrair 
09 - Águas mansas
10 - Asa branca
11 - Bahia comigo (Com Odibar)
12 - Durmo ao teu lado e sonho contigo
13 - Peito avarandado (Com Roberto José)
14 - Ponha um arco-iris na sua moringa
15 - A seca de 1932
16 - Chica Bethânia
17 - Entre as cabras
18 - Brasil, brasa, braseiro
19 - Baião das Alagoas
20 - Desejo mudo
21 - Maria das Dores
22 - Meu sertão (Com Jorge de Altinho)
23 - Porque chove
24 - Quero ter um tigre em mim
25 - Me leva morena
26 - Rosa da fonte
27 - O risonho
28 - Canção do exílio


COLABORAÇÃO/SELEÇÃO DO REPERTÓRIO: Aderaldo



quinta-feira, 8 de junho de 2017

The Playing's - The Playing's Voltaram (LP 1962)

 
Quatro álbum do grupo vocal The Playing's marca retorno do conjunto na RGE
“The Playing’s Voltaram” é o quarto e último LP do grupo vocal masculino Titulares do Ritmo, gravado sob pseudônimo. Segundo o internauta Paulo Castelo Branco, em comentário na postagem do primeiro álbum do grupo (aqui), o conjunto gravou o segundo LP em 1959, pela RGE, e um terceiro em 1960 na Continental, mas utilizando a denominação “The Fellows”, todos com hits internacionais, interpretados em inglês. Ele informa que em todos os LPs estão presentes o vocal das irmãs Gradilone (Wilma, Haydée e Poly), mas nosso amigo - expert em rock brasileiro dos anos 1950 e 1960 - desconhece se todas as outras vozes femininas (Nilza Miranda, Wilma Camargo e Clélia Simone), constantes no primeiro álbum, encontram-se nos subsequentes. Este quarto disco, com arranjos e direção musical de Ruben Perez (Pocho), marca o retorno do grupo na RGE, e é igualmente excelente, como os demais, mas com repertório formado por muito twist, gênero musical de muito sucesso no início dos anos 1960. Confira:

01 - Georgia On My Mind
(H. Carminhael - S. Gorrel)
02 - Twist Around The Clock
(Buddy Kaye - Philip Springer - Clay Cole)
03 - Love Me Warm And Tender
(Paul Anka)
04 - The Twist
(Hank Ballard)
05 - Toot
(Kal Mann)
06 - Slow Twistin
(Jon Sheldon)
07 - My Heart Belongs To Daddy
(Cole Porter)
08 - Kissin` Twist
(Earl Burrougs - A. Vano)
09 - Twistin' U.S.A
(Kal Mann)
10 - Romeo
(Robert Stoltz - Jimmy Kennedy)
11 - Happy José
(Norman Malkin - Jesse Gonzales)
12 - The Peppermint Twist
(Joey Deo - Henry Glover)





quarta-feira, 7 de junho de 2017

Sérgio Reis - João de Barro (LP 1974)

 Segundo álbum do Sérgio Reis na RCA ainda traz influência da Jovem Guarda
Com este “João de Barro”, LP lançado em 1974 pelo Sérgio Reis, o cantor e compositor se despediu da Jovem Guarda, gênero musical que o consagrou. Depois deste álbum, enviado pelo amigo Geraldo, a quem agradeço, passou a se dedicar à música sertaneja, amparado pelos sucessos de “O menino da porteira”, incluído no disco anterior, e “João de Barro”, música que abre e dá título a este LP, que também traz “Olha o que você me fez”, um iê-iê-iê muito executado nas emissoras de rádio. Uma das curiosidades é “Meu pedido”, composta pelo Sérgio Reis em parceria com Os Vips, igualmente gravada ao estilo da Jovem Guarda, e que também teve boa repercussão. Confira:

01 - João de Barro
(Teddy Vieira - Muibo Cesar Cury)
02 - Adeus Amor, Adeus
(Clayton - Bavinil)
03 - O Retrato
(Clayton - Oliveira)
04 - O Reencontro
(Clayton - Oliveira)
05 - Mais Um Amor Que Eu Tive
(Clayton - Marcos Cézar)
06 - Amor Antigo
(Clayton - Bavinil)
07 - Mare, Mare, Mare, Mare
(A. de Santictis - L. Romanelli - Marcelo Duran)
08 - Olha O Que Você Me Fez
(Sérgio Reis)
09 - Meu Pedido
(Sérgio Reis - Os Vips)
10 - Viver Neste Mundo Sem Teu Amor
(Clayton - Oliveira)
11 - Onde Está Você
(Clayton - Bavinil)
12 - De Papo Pro Ar
(Joubert de Carvalho - Olegário Mariano)

COLABORAÇÃO: Geraldo


terça-feira, 6 de junho de 2017

Elza Soares - Grandes sucessos de Elza Soares (LP)

Coletânea reúne os grandes sucessos gravados pela cantora na Tapecar
Se você é bom sujeito, que gosta de samba, vai curtir este álbum com grandes sucessos da Elza Soares, gravados na Tapecar. O disco, sem o ano do lançamento, foi enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço, e se destaca pela faixa “Salve a mocidade”, um dos maiores sucessos da cantora na Tapecar, após vários discos antológicos registrados na Odeon. “Mulata assanhada”, outro hit de sua discografia, está presente no pot-pourri com “Sal e pimenta” e “Beija-me”. A coletânea também inclui “Malandro”, “Bom dia Portela”, “Nos braços do samba” e outras canções que justificam o título de cantora brasileira do milênio, concedido em 1999 pela Rádio BBC de Londres, no projeto The Millennium Concerts, criado pela emissora para comemorar a chegada do ano 2000. Confira:

01 - Bom Dia Portela
(David Corrêa - Bebeto Di São João)
02 - Primeiro Eu
(Romildo da Portela - Toninho)
03 - Pranto Livre
(Dida - Everaldo da Viola)
04 - Enredo De Pirraça
(Elza Soares - Gerson Alves)
05 - Nos Braços Do Samba
(Neoci Dias - Dida)
06 - Meia Noite Já É Dia
(Norival Reis - David Corrêa)
07 - Salve a Mocidade
(Luiz Reis)
08 - Malandro
(Jorge Aragão - Jotabê)
09 - Lendas E Festas das Yabás
(Aroldo Forde "Melodia" - Leoncio da Silva)
10 - Nó Na Tristeza
(Vicente Mattos - Carlito Cavalcante)
11 - Pot-pourri:
Sal E Pimenta
(Nazareno de Brito - Newton Ramalho)
Mulata Assanhada
(Ataulfo Alves)
Beija-Me
(Roberto Martins)
12 - Estou Com Raiva de Você
(Miro Barbosa - Jorge Roberto)

COLABORAÇÃO: Laércio




segunda-feira, 5 de junho de 2017

Barros de Alencar - Nossa velha canção (LP 1975)

Barros de Alencar obteve muito sucesso no disco, no rádio e na televisão
Os meios de comunicação amanheceram em luto neste dia chuvoso em São Paulo com a triste notícia da morte do radialista, cantor, compositor e apresentador de TV, Barros de Alencar, aos 84 anos. O artista estava internado em um hospital no bairro da Mooca, em São Paulo, e segundo informações do radialista Kaká Siqueira, locutor da Tropical FM 107,9 - SP,  Barros entrou em coma neste domingo, e faleceu durante a madrugada. O enterro acontece hoje, às 13h30, no cemitério Primavera em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Cristóvão Barros de Alencar, seu nome de batismo, nasceu na Paraíba, e iniciou sua carreira como radialista em Campina Grande, na Rádio Borborema. Na década de 1960, passou também pelas rádios Tupi, Record e América. Suas crônicas foram gravadas em 1965 pelo saudoso ator e também radialista Amilton Fernandes (aqui), mais conhecido como Dr. Alberto Limonta, personagem que interpretou na telenovela “O direito de nascer”. Em 1966, lançou seu primeiro disco, e fez sucesso com “Olhos tristes”, num dueto com a cantora Giane. Ao longo dos anos, intercalou a carreira musical com seu reconhecido trabalho nas rádios, especialmente na Tupi, e também fez sucesso como apresentador de TV. Em sua homenagem, segue o álbum gravado na RCA em 1975, com destaque para a faixa “Emanuela”, versão em português de "Emmanuelle", trilha do famoso filme homônimo da época. Confira:

01 - A Menina Que Cresceu
(Tony Damito - Cezar)
02 - Tem Que Ser Assim
(Peninha)
03 - Eu Sinto Pena De Você
(Donizette - Jean Pierre)
04 - Emanuela (Emmanuelle)
(Pierre Bachelet - H.Roy - Barros De Alencar)
05 - Champagne 
(Di Francis - S.Jodice - Depsa - Vs: Agnaldo Timóteo)
06 - Prometemos Não Chorar 
(Palito Ortega - Jean Pierre)
07 - Estou Ficando Louco (Me estoy volviendo loco)
(A. do Barro - Adel)
08 - Bom Dia 
(Manoel Ferreira - Ruth Amaral - Cidinha Santos)
09 - Nossa Velha Canção
(Alberto Luiz - Izilda Simões)
10 - Soleado (O sermão da montanha)
(Zacar - Adaptação: Barros De Alencar)
11 - Você Não Tem Sensibilidade
(Osmar Navarro)
12 - Dois Corações Apaixonados
(Tony Damito - Cezar)



Vários intérpretes - 20 sucessos em órbita (LP 1970)

 Boa parte da coletânea é formada por releitura de sucessos dos anos 1969 e 1970
Eis mais uma interessante coletânea da série “20 sucessos em órbita”, produzida provavelmente em 1970, pela Itamaraty, selo da gravadora CID. O disco, enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço, deve ser o primeiro da série, que tem o terceiro volume, de 1972, postado aqui. A maior parte das gravações é releitura de sucessos de 1969 e 1970, como “Procurando tu”, “Na tonga da mironga do kabuletê” e “Quero voltar pra Bahia”, interpretadas pelo saudoso Angelo Antonio, assim como “Candida”, “A charanga”, “Hoje”, “Universo do teu corpo” e “Eu te amo meu Brasil”, gravadas pelo grupo Os Grilos. Vale destacar que as faixas 14 e 15, com Os Grilos, e 18 e 19, com Cláudio Marcelo, são emendadas, gravadas em forma de pot-pourri, daí a existência de 18 faixas no disco, resultando nos 20 sucessos anunciados no título do LP . Confira:

01 - Angelo Antonio - A tonga da mironga do kabuletê
(Vinicius – Toquinho)
02 - Angelo Antonio - Procurando tu
(A. Barros – J. Luna)
03 - José Ventura - Mengão 70
(L. Moreno – R. Conceição)
04 - Cry Babies - Daydream
(R. Vincent – S. Van Holmen – D. Mackay)
05 - Sambrasa 8 - Irmãos coragem
(N. Buzar – P. Tapajós)
06 - Fabiola - A peteca
(J. Canseira – M. dos Santos)
07 - Cry Babies - Kool & The Gang
(Koll And The Gang) 
08 - Sambrasa 8 - Fumacê
(R. Pinto – S. Correa)
09 - Claudio Marcelo - Love is all
(Reed Mason)
10 - Angelo Antonio - Quero voltar pra Bahia
(P. Diniz – Odibar)
11 - Os Grilos - Candida
(T. Wine – J. Levine)
12 - Claire Chevalier - Iemanja
(C. Imperial – S. Friedman)
13 - Os Grilos - A charanga
(Dom – Wanderléa)
14 e 15 - Os Grilos - Hoje & Universo no teu corpo
(Taiguara) - (Taiguara)
16 - Bob Charles - Take a letter, Maria
(Greaves)
17 - Bob Charles - Always something there to remind me
(Bacharach – David)
18 e 19 - Claudio Marcelo - O pequeno burguês & Aquele abraço
(Martinho da Vila) - (Gilberto Gil)
20 - Os Grilos - Eu te amo meu Brasil
(Dom)

COLABORAÇÃO: Aderaldo



sábado, 3 de junho de 2017

Ana Rosely - Estou contigo e não abro (LP 1977)

Álbum de samba produzido pela CID traz texto de Martinho da Vila na contracapa
 A dúvida: Rosely, em disco de 1966, e Ana Rosely, em 1979, são a mesma pessoa?
Na postagem da antologia da cantora Rosely (aqui), o internauta Marcelo escreveu comentário que aguçou a minha curiosidade. Ele acredita que a intérprete mudou seu nome para Ana Rosely em meados dos anos 1970, após gravar um LP pela CBS em 1966, que pode ser baixado aqui, e compactos pela RCA Victor. Pra colocar a dúvida em debate, se de fato é a mesma artista, já que a internet carece de informação a respeito, estou postando o LP “Estou contigo e não abro”, gravado pela Ana Rosely em 1977 na CID. O disco, com texto de apresentação do Martinho da Vila na contracapa, é recheado de samba, diferente do repertório da Rosely, repleto de baladas. Além das 11 faixas do álbum, a postagem traz cinco bônus, entre as quais “Não acostuma não” e “Skim dum dum dum”, ícones do samba rock. Vale a pena ouvir e sambar. Confira:

01 - Linha Na Pipa
(Geraldo Babão - Charles) 
02 - Talento Vem De Berço
(João Augusto)
03 - Estou Contigo E Não Abro
(Ana Rosely)
04 - Tem Que Mostrar Serviço
(Ana Rosely)
05 - Gostei De Você Mulher
(Ana Rosely)
06 - Calango
(Pedro Rainho - Ana Rosely)
07 - Batida Da Lata
(Ana Rosely)
08 - Rezei
(Jayme Rochner)
09 - Minha Plataforma
(Geraldo Babão - Clebinho)
10 - Preta Bonita Maria Da Pedreira
(Nelson Bastos - Antonio Valentim dos santos)
11 - Samba Black
(Quarentinha - Ana Rosely)

BÔNUS

12 - Meu Mundo 
(Ana Rosely - José Veiga) 
13 - Não Acostuma Não 
(Ana Rosely) 
14 - Banda Do Brejo
(Belizário - Diferraz) 
15 - Skim Dum Dum Dum 
(Ana Rosely - Machado Orlando)
16 - Samba Do Zuê 
(Timbira - Carvalho)




sexta-feira, 2 de junho de 2017

Dircelene - Antologia "Conte até 10" (2017)

 Cantora da Jovem Guarda obteve relativo sucesso com a música "Uni-duni-tê"
Esta coletânea da cantora Dircelene foi montada a partir de áudio ripado de um CD genérico, adquirido numa feira de vinil, e de fotos baixadas na rede. Não posso garantir que a seleção, com oito músicas, registradas na época da Jovem Guarda, provavelmente nas gravadoras Musidisc e Polydor, cobre toda a discografia da intérprete, mas é suficiente para conhecê-la. Dircelene obteve relativo sucesso com “Uni-duni-tê”, também gravada pela Sandra, por meio de compacto simples da Musidisc com “Tempo novo” no lado B, ambas incluídas no LP “As 14 mais quentes” (aqui). Infelizmente, não tenho informações sobre sua carreira, e também desconheço seus dados biográficos. Confira:

01 - Conte até 10 
(Evaldo Gouveia - Jair Amorim)
02 - Eu juro que vou te esquecer
(Pedro Paulo)
03 - Não chegue mais atrasado
(Raul Prata)
04 - O que eu passei junto de você
(Pedro Paulo - Arildo de Souza)
05 - Que será
(Palito Ortega - Tito Santos)
06 - Uni-duni-tê
(Chico Feitosa - Nonato Buzar)
07 - Ficção de amor
(Getulio Macedo)
08 - Tempo novo
(Tito Santos - Maria Theresa)



quinta-feira, 1 de junho de 2017

Os Garotos da Praia interpretam Evaldo Braga (1973)

 LP instrumental, lançado em 1973, traz 12 canções do repertório do Evaldo Braga
O relógio marcava 7h30 do dia 31 de janeiro de 1973 quando o veículo TL Variant colidiu com a carreta Scania Vabis L55, que vinha em sentido contrário, na BR-3 (atual BR-040), em Alberto Torres, à época município de Três Rios (hoje se encontra no município de Areal), no Rio. No carro, encontravam-se Evaldo Braga, o motorista e o empresário do cantor. O artista e o motorista morreram uma hora depois de chegarem ao Hospital Nossa Senhora da Conceição, na cidade de Três Rios. O empresário e o chofer da carreta sobreviveram aos ferimentos. A notícia sobre o falecimento do cantor, aos 27 anos, chocou os fãs, e diversos álbuns póstumos foram lançados em homenagem ao artista, nascido em Campos dos Goytacazes, no dia 26 de maio de 1945. Uma das homenagens partiu do grupo Os Garotos da Praia, provavelmente criado em estúdio, por meio deste LP, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço. O disco, lançado pela Itamaraty em 1973, é instrumental, e traz 12 canções do repertório do cantor. Confira:

01 - Só quero
(Evaldo Braga - Carmen Lúcia)
02 - Eu não sou lixo
(Evaldo Braga - Pantera)
03 - Não vou chorar
(Evaldo Braga - Hailton Ferreira)
04 - Esse alguém
(Evaldo Braga - Isaias Souza)
05 - Nunca mais, nunca mais
(Evaldo Braga - Cesar Saraiva da Silva)
06 - A vida passando por mim
(Jovenil Santos - Paulo Debétio)
07 - Sorria, sorria
(Evaldo Braga - Carmen Lúcia)
08 - Meu Deus
(Evaldo Braga - Cesar Saraiva da Silva)
09 - Quantas vezes
(Evaldo Braga - Carmen Lúcia)
10 - Vem cá
(Isaías Souza)
11 - Tudo fizeram pra me derrotar
(Evaldo Braga - Isaías Souza)
12 - Alguém que é de alguém
(Evaldo Braga - Carmen Lúcia)


COLABORAÇÃO: Laércio



quarta-feira, 31 de maio de 2017

Roberto Audi - Presença de Roberto Audi (LP 1964)

 Quatro LP do cantor tem versões de "Io che amo solo te" e "Sapore di sale"
“Presença de Roberto Audi”, álbum enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço, deve ser o quarto e penúltimo LP gravado pelo artista, descoberto pela Leny Eversong, que considero uma das maiores cantoras brasileiras do século XX. O disco - lançado em 1964 pela Copacabana, onde registrou maior parte de suas gravações - traz duas versões de sucessos da época, “Eu que amo somente a ti” (Io Che Amo Solo Te) e “Sabor de sal” (Sapore Di Sale), interpretadas bem ao estilo dos cantores da chamada Velha Guarda, contrastando com a maneira suave da Bossa Nova, que na época fazia sucesso e conquistava o Exterior. Sua especialidade, graças à potente voz, era as operetas. Acredito que, ao se manter assim, não repetiu o mesmo sucesso de 1958, quando estreou em disco e recebeu o prêmio Antena de Prata, dado pela Revista Radiolândia, como o cantor revelação do ano na TV.

O cantor, nascido em 10 de fevereiro de 1934 no Rio de Janeiro, onde faleceu em 12 de fevereiro de 1997, iniciou sua carreira artística como corista nos shows de Carlos Machado na boate "Night and day". Cunhado do letrista David Nasser, passou a atuar com frequência na antiga TV Tupi, bem como na Rádio Tupi, no Rio, e logo estendeu suas apresentações em emissoras de São Paulo, conquistando o País. Fez shows pelo Brasil e excursionou a Portugal, Estados Unidos, Uruguai e Argentina. Gravou o primeiro LP, “E as operetas voltaram”, em 1959, numa produção de Lamartine Babo, que fez muito sucesso. Em sua trajetória, gravou vários discos, incluindo marchas carnavalescas, e lançou os LPs "Música para nós dois" e "Com vocês, Roberto Audi", ambos pela Copacabana, mas teve passagem pela RCA e Odeon, onde gravou o álbum “Serenata moderna” em 1969. Ao abandonar a gravação de discos passou a se apresentar em shows pelo interior do país. Confira este:

01 - Pot-pourri:
Adeus, amor, adeus (Addio, Addio)
(Modugno – Migliacci - Versão: Fred Jorge)
Strange on the shore
(A. Bilk / R. Mellin)
Noite de paz
(Dolores Duran)
Eu e elas (Uno Per Tutte)
(Renis – Testa – Mogol – Versão: Mário Albanese)
Cuando calienta el sol
(Carlos & Mario Rigual)
(Modugno – Migliacci - Versão: Fred Jorge)
Adeus, amor, adeus (Addio, Addio)
02 - Eu que amo somente a ti (Io Che Amo Solo Te)
(Sergio Endrigo - Versão: Aldacir Louro)
03 - Sabor de sal (Sapore Di Sale)
(Gino Paoli – Versão: Hélio Justo)
04 - Fica comigo
(Armando Cavalcanti - Victor Freire)
05 - Banca de pobre
(Rildo Hora - Marcos André)
06 - Tédio
(Nazareno de Brito - Fernando César)
07 - Estranho na praia (Strange On The Shore)
(Acker Bilk  - Robert Mellin- Versão: Romeo Nunes)
08 - Frio de neve (Aria Di Neve)
(Sergio Endrigo – Versão: Júlio Nagib)
09 - Que fez você
(Ribamar - Orlando Henriques)
10 - Tu
(Ed Lincoln - Sylvio César)
11 - Não brigaremos mais
(Pernambuco - Mario Rossi)
12 - Um sonho pra depois
(Washington Marinho - Joluz)


COLABORAÇÃO: Aderaldo




terça-feira, 30 de maio de 2017

Evandro Mesquita - A vida sexual dos eletrodomésticos

 Quarto LP do artista, lançado em 1991, traz músicas do Gilberto Gil e Bob Dylan
O cantor, compositor e ator Evandro Mesquita, que ganhou notoriedade como vocalista da banda Blitz, um dos ícones do rock nacional produzido nos anos 1980, marca presença no blog com este LP, o quarto e o mais recente de sua carreira solo. O álbum, intitulado “A vida sexual dos eletrodomésticos e outros animais”, foi lançado em 1991 pela Philips. Com a postagem, os quatro álbuns gravados pelo artista estão disponíveis no blog, sendo que este é um dos meus preferidos. O disco se destaca pela faixa “Chacal blues”, incluída na trilha sonora da novela “Vamp”, da Rede Globo, mas também traz “O sonho”, do Gilberto Gil, e ‘Knockin' on heaven's door”, do Bob Dylan, entre outras. Depois deste LP, Evandro voltou aos palcos com a banda Blitz, e com ela gravou outros discos. Confira este:

01 - O outro lado do espelho
( Evandro Mesquita - Lui)
02 - O sonho
(Gilberto Gil)
03 - Knockin' on heaven's door
(Bob Dylan)
04 - E só eu de negão
(Evandro Mesquita)
05 - Chacal Blues
(Evandro Mesquita - Chacal - Lui - Wagner)
06 - Minha sweet little meg
(Evandro Mesquita - Lui)
07 - Camera lenta
(Evandro Mesquita - Guto Barros - Herbert Richers Junior)
08 - Sem segredo
(Evandro Mesquita - Guto Barros - David Sean)
09 - Doce vida
(Evandro Mesquita - Guto Barros - David Sean)
10 - A dois passos do paraíso
(Evandro Mesquita - Barreto)



segunda-feira, 29 de maio de 2017

Jamelão - O samba é bom assim!... (LP 1959)

LP lançado pela Continental tem o subtítulo "A boite e o morro na voz de Jamelão"
O cantor Jamelão, famoso por interpretar sambas-enredo da Estação Primeira de Mangueira durante 58 anos (de 1949 a 2006), comparece mais uma vez no blog com este álbum de 1959, gravado pela Continental. O disco, enviado pelo amigo Laércio, a quem agradeço pela colaboração, traz repertório formado por samba e samba-canção, daí o título “O samba é bom assim”, com o dispensável subtítulo “A boite e o morro na voz de Jamelão". O destaque do álbum é a faixa “Exemplo”, do Lupicinio Rodrigues, de quem gravou várias músicas, e tornou-se um dos seus principais intérpretes. O álbum também traz quatro músicas, três das quais compostas em parceria com outros autores, do desconhecido José Bispo, provavelmente o próprio Jamelão, considerando seu nome de batismo, José Bispo Clementino dos Santos, que já tem sinopse de sua carreira divulgada no blog. Confira:

01 - O samba é bom assim
(Norival Reis - Hélio Nascimento)
02 - Solidão
(Guaxinin - Floriano Mattos)
03 - Decisão
(Jorge Duarte - José Batista)
04 - Escravo de um coração
(Alcebiades Nogueira - José Batista)
05 - Nostalgia
(Astor Silva - Zeca do Pandeiro)
06 - Que onda é essa
(José Bispo)
07 - Falta de queda
(Ari Valerio - Elto Medeiros)
08 - Exemplo
(Lupicinio Rodrigues)
09 - Jajá da Gamboa
(Batatinha - José Bispo)
10 - Águas passadas
(José Bispo - Edgardo Luiz)
11 - Eu sofro também
(Bolivar Duarte - Geraldo Quirino)
12 - A saudade já chegou
(Norival Reis - José Bispo)

COLABORAÇÃO: Laércio


sábado, 27 de maio de 2017

Hearts of stone - Brasilian 60's Beat & Garage (CD)

 Compilação em CD da trilogia  produzida na Alemanha traz 12 faixas bônus
O internauta Jurandir viu a postagem dos três LPs independentes (aqui) da série “Hearts of stone - Brasilian 60's Beat & Garage”, produzida na Alemanha, e me informou que também foi lançada uma compilação em CD. Por isso, ele me enviou a coletânea, e agradeço pela colaboração, contendo 26 músicas, sendo 14 extraídas dos dois primeiros volumes, como informa texto em destaque na contracapa, e 12 faixas bônus, não incluídas na trilogia em vinil. Nota-se, assim como nos LPs, que a qualidade do áudio não é a mesma para todas as faixas. A variação é grande. Isso é compreensível, se considerarmos que as músicas foram originalmente gravadas em estúdios de diferentes gravadoras, muitas de pequeno porte, sem os recursos técnicos de uma multinacional. Desconfio que parte das faixas foi remasterizada a partir do próprio vinil. Independente disso, o importante é constatar que o rock produzido no Brasil nos anos 60 gera interesse, e agrada o público no exterior até hoje. Confira:

01 - Os Baobás - Pintada de preto (Paint in black)
02 - Os Brasas - Mulher rendeira
03 - The Beezoons - Treat her right
04 - The Bubbles - Não vou cortar o cabelo (Break It All)
05 - Analfabitles - Sunny side up
06 - Os Jovens - Sofrendo por amor (Suffering for love)
07 - The Blackstones - Os monstros
08 - Renato e seus Blue Caps - Vivo só (For your love)
09 - The Beatniks - Outside chance
10 - Top Five - Esqueces que te amei (Forget that I loved you)
11 - Os Jovens - Se você contar (Try to hard)
12 - Os Baobás - Down down
13 - Luizinho e seus dinamites - Choque que queima
14 - The Brazilian Bitles - Filhinho do papai (Spoilt young man)

BÔNUS

15 - Os Brasas - Eu tentei fazer você feliz
16 - Codigo 90 - Tempo inútil (Wasted time)
17 - Os Metralhas - California dreaming
18 - Wanderléa - Rei da brotolândia
19 - Os Tremendões - Vem quente que eu estou fervendo
20 - Mustangs - Love me do
21 - The Brazilian Bitles - Gata
22 - Os Baobás - Bye bye my darling
23 - The Fevers - Não vivo na solidão (I can't live alone)
24 - Os Tremendões - Meu bem não me quer
25 - Os Metralhas - Aqui sem você (Here without you)
26 - Os Tremendões - Secret agent man


COLABORAÇÃO: Jurandir



sexta-feira, 26 de maio de 2017

Cléo Galante - Coletânea Especial (2017)

 Repertório traz os sucessos "Ninguém pode entender" e "Ah! Se eu soubesse"
Uma dúvida que não sei esclarecer diz respeito à grafia correta do nome do cantor e compositor Cléo Galante. Ou seria Galanth? Os dois sobrenomes aparecem impressos em discos do artista, que infelizmente é esquecido pela mídia, e nada se encontra na rede sobre sua biografia e discografia. Independente disso, aqui está uma coletânea especial, com 26 gravações, montada pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. A seleção inclui os sucessos “Ah! Se eu soubesse”, bem apreciada pelos fãs de samba rock, e “Ninguém pode entender”, muito executada nas emissoras de rádio em 1975, além de várias canções igualmente boas que não conhecia. Confira:

01 - Ninguém pode entender (Quando Alguém Se Apaixona)
02 - Aconteceu
03 - Ah! Se eu soubesse
04 - Tome cuidado
05 - Está bem, que é que tem
06 - Meio avacalhado
07 - Eu sei que gosto de você
08 - Eu vou casar (Vou Casar)
09 - Minha amada namorada
10 - Frases e balanço
11 - Truque (Eu E Tu)
12 - Tem dó
13 - Pare, olhe, pense
14 - O que eu quero (É Só Isso Que Eu Quero)
15 - Um sorriso e tudo passa
16 - Hei de vencer
17 - Sonhei e acordei
18 - Desse jeito não tem jeito
19 - Eu não sabia
20 - Amor em dois atos
21 - Você vai ver (Você Vai Ver Que Eu Tenho Razão)
22 - A última esperança
23 - Mudando de assunto
24 - O mundo igual de cada um
25 - Não sei se vou ou fico
26 - Até quando

COLABORAÇÃO: Aderaldo





quinta-feira, 25 de maio de 2017

The Spotnicks in Tokyo (LP 1966)

 Grupo instrumental de origem sueca teve trajetória de sucesso entre 1961 e 2014
Hoje, dia especial de aniversário do blog, apresento o álbum “The Spotnicks in Tokyo”, lançado no Japão em 1966 pela Polydor, que certamente agradará aos apreciadores de música instrumental, semelhante ao The Shadows e The Ventures, grupos que influenciaram muitos conjuntos brasileiros nos primórdios do rock. O lado A traz canções de autores japoneses, e o B apresenta músicas famosas, como as clássicas “In the mood” e “San Antonio Rose”, entre outras. O álbum é delicioso de ouvir. Apesar de pouco conhecida no Brasil, a banda de origem sueca fez muito sucesso no exterior e, de acordo com dados da Wikipedia, lançou 42 álbuns e vendeu mais de 18 milhões de discos.

O grupo, que também tem gravações com vocais, se originaram de um duo formado em 1956 por Bo Starander (nascido em 11 de março de 1942, guitarra rítmica e vocais ) e Björn Thelin (nascido em 27 de junho de 1942). Eles se juntaram ao guitarrista Bo Winberg (nascido em 27 de março de 1939) em 1957 e, no ano seguinte, adicionaram o baterista Ove Johansson (nascido em 30 de março de 1940), ocasião em que mudou seu nome de "Rock-Teddy and the Blue Caps" para "The Frazers". Assinaram  contrato de gravação em 1961, e mudou seu nome para "The Spotnicks", inspirado no satélite russo, e logo se tornaram o primeiro grupo sueco a ter sucesso internacional significativo.

Nessa época, os músicos começaram a se apresentar com trajes espaciais (conforme foto acima), e se diferenciaram dos demais grupos. Um dos maiores sucessos da banda foi “Amapola” (também gravada pelo Roberto Carlos), lançado em 1963, e tornou-se obrigatório em suas apresentações. A música foi tão executada pelo grupo ao longo dos anos que, em 1982, num gesto de clemência, lançou o LP “We Don't Wanna Play Amapola No More” (na foto ao lado). O grupo, em sua trajetória, mudou sua formação várias vezes, mas Winberg continuou a liderar a banda, e em 2013 - ainda de acordo com a Wikipedia - teria anunciado sua excursão final, terminando em maio de 2014. Confira o LP:

01 - Ode To Dawn
(T. Izumi - T. Iwatani)
02 - Crying In A Storm
(Y. Nakajima - R.H. River)
03 - Lonesome Port
(H.Hayakawa - T. Satsuma)
04 - Memory Of Summer
(D. Suzuki)
05 - Happy Silence
(H. Miyagawa - K. Yasui)
06 - Look Up To The Evening Star
(T. Izumi - B.G.Edling - R. Ferneborg)
07 - The Old Love Letters
(H.Hayakawa)
08 - Le Dernier Train De L'espace
(Raisner)
09 - San Antonio Rose
(Bob Wills)
10 - La Rosita
(Dupont)
11 - Bye Bye Birdie
(Adams - Strouse)
12 - Habanera
(Gusten - Winberg)
13 - Trambone
(Atkins)
14 - In The Mood
(Joe Garland)



SintoniaMusikal completa cinco anos de atividades

Balanço geral é de 1.400 postagens, 204 seguidores e 2,6 milhões de page views 

Hoje, 25 de maio, o SintoniaMusikal completa cinco anos de atividades. Entre trancos e barrancos, o blog chega nesta data com 1.400 postagens, 204 seguidores, 2,6 milhões de page views e poucos comentários dos internautas. Não imaginei que, ao colocá-lo no ar - ainda na época do Sanduíche Musical, embrionário da página atual, em 2011 - teria fôlego e ânimo pra mantê-lo por tanto tempo, considerando que nesse período muitos blogs surgiram, e parte deles já foi desativada por iniciativa própria ou por intervenção dos detentores dos direitos autorais. A sobrevivência até agora se deve não só a minha persistência e teimosia, mas também contribui a generosidade dos colaboradores mais assíduos, como os amigos Aderaldo, Laércio, Miguel e Geraldo, aos quais não canso de agradecer. A data, enfim, não é de festejo, mas não custa lembrá-la, e apagar as cinco velinhas do bolo. Saúde para todos!!!



quarta-feira, 24 de maio de 2017

Vários intérpretes - 14 Maiorais - Vol. 20 (LP 1974)


Seleção traz sucessos dos principais artistas contratados da gravadora Copacabana
Iniciada em 1962, após o sucesso do projeto “As 14 Mais”, lançado no início dos anos 1960 pela CBS/Sony, a série “14 Maiorais”, da Copacabana,  também se transformou numa das mais populares coletâneas da discografia brasileira. A compilação teve mais de 20 volumes e chegou a produzir dois álbuns por ano, contendo os recentes lançamentos da gravadora. Este é o 20º volume, de 1974, e foi enviado pelo amigo Miguel, a quem agradeço pela colaboração. O álbum apresenta os principais nomes do cast, com destaque para Wanderley Cardoso, Angela Maria, Moacyr Franco, Nelson Ned, Agnaldo Rayol, Silvana e outros. O post traz a gravação de “Homem de Nazareth”, grande sucesso na interpretação do Antonio Marcos, na voz do autor da música, Cláudio Fontana, em dose dupla, a original da época, e em faixa bônus, uma regravação feita posteriormente com letra atualizada. Confira:

01 - Wanderley Cardoso - Minha namorada
(Roberto Correa - Jon Lemos)
02 - Moacyr Franco -  Mau mau
(Fernando Cesar - Moacyr Franco)
03 - Luiz Carlos Clay - Laura
(Antonio Carlos - Jocafi)
04 - Angela Maria - A noite e a despedida
(Beto Scala - J.Ribamar)
05 - Agnaldo Rayol - Vai... Não olhe p'ra traz (I'll be fine)
(Anthony - C. George - vs: Katia Maria)
06 - Almir Rogério - Querida, querida
(Rogério)
07 - Claudio Fontana - O homem de Nazareth
(Claudio Fontana)
08 - Nelson Ned - Parabéns, parabéns querida
(Claudio Fontana)
09 - Zelita - É você (Eres tu)
(Juan Carlos Calderon - vs: Tony)
10 - Silvana - Fumando Espero
(J. Viladomat - Felix Garso - vs: Eugênio Paes)
11 - Fred Rovella - Eu sou o que sempre quis ser (Yo soy un pocco de los dos)
(Sam - Danny Pat)
12 - Marco Aurélio - Separados (Les divorcês)
(M. Delpech - J.M. Rivat - R. Vincent - vs: Marcos Ficarelli)
13 - Luiz Eugênio - Não dou colher
(Luiz Eugênio)
14 - Anísio Silva - Lembrança
(José Fortuna)

BÔNUS

15 - Claudio Fontana - O homem de Nazareth 
(Claudio Fontana)

COLABORAÇÃO: Miguel