Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Ricardo - Eu gosto de você (LP 1976)

 Álbum de estreia do cantor Ricardo inclui tema da telenovela "Dona Xepa"
“Eu gosto de você”, tema da novela “Dona Xepa”, exibida pela Rede Globo, é a faixa que abre e dá título ao primeiro álbum do cantor Ricardo, lançado em 1976 pela Som Livre.  Ele nasceu em São Paulo (24/07/1953) e iniciou a carreira muito cedo, participando de quase todos os programas infantis e juvenis da época. Ainda criança, Ricardo foi um dos príncipes do programa "Boa Noite, Cinderela", apresentado por Silvio Santos, e passou por vários programas de calouros. Devido ao sucesso deste LP, participou de vários programas de auditório, sendo que no programa Sílvio Santos derrotou o até então imbatível Ronnie Von, tornando-se campeão do programa “Qual é a Música” durante 24 semanas. Por conta disso, ganhou do apresentador o apelido de Ricardo Coração de Leão . Segundo a Wikipedia, o cantor gravou 21 discos, entre LPs e compactos, além do CD comemorativo aos 25 anos de carreira. Confira este:

01 - Eu gosto de você
(Tony Damito - Cezar)
02 - Sorrindo, esperando por mim
(Clayton - Marcelo Duran)
03 - Quando
(Dino Rossi - Marcos Lago)
04 - Depois do amor
(Otavio Augusto - Ricardo)
05 - Vamos viver o presente
(Gene)
06 - Fique comigo (Di tanto in tanto)
(Malgioglio - Bernardelli - Onofrio - Mescoli - Leny Marcos)
07 - Eu sei
(Paulinho Camargo - Dalila Camargo)
08 - O dicionário
(Clayton - Oliveira)
09 - Dois rouxinóis 
(Otávio Augusto - Ricardo)
10 - Nem um pouco de amor restou (Bay bay)
(J. Albertini - S.Garcia - Fred Jorge)
11 - Caminhos iguais
(Paulinho Camargo - Maxilliano)
12 - Sei que esse dia vai chegar
(Odair Jorge - Maxine)



domingo, 28 de fevereiro de 2016

Giane - Todos os caminhos (CS 1964 - 78 RPM)

 Disco da Giane, produzido pela Chantecler, teve versões de 33 e 78 RPM 
A indústria fonográfica brasileira deu por encerrada em 1964 a produção de discos de 78 RPM, de 10 polegadas, fabricados em goma-laca, e introduzidos no País em 1902. A vez era do vinil, conhecido no País desde 1951, quando foi lançado o primeiro LP, e o mercado passou por um período de transição entre o velho formato e o novo, representado pelo compacto simples de 33 RPM, de sete polegadas. Por esse motivo, boa parte dos lançamentos até 1964 era disponibilizada no mercado nesses dois formatos, incluindo os discos de 45 RPM, também de sete polegadas, que não vingaram no Brasil. Um exemplo dessa transição é este disco da Giane, provavelmente de um dos últimos lotes em 78 RPM da gravadora Chantecler, e que também foi lançado em single de 33 RPM. Achei interessante postá-lo, especialmente pela curiosidade, pois encontrei na rede a capa do disco, lançado em 1964, com as músicas “Todos os caminhos” e “Saudade que não foi sequer saudade”. Confira:

01 - Todos os caminhos [Tous kes chemins]
(Soeur Sourire – vs: Paulo Queiroz)
02 - Saudade que não foi sequer saudade
(Hervê Cordovil)



sábado, 27 de fevereiro de 2016

Fredson - Nosso filho vai nascer (LP 1975)

 Ex-componente do Trio Melodia obteve destaque em sua carreira solo
O cantor e compositor Fredson marca presença no blog por meio deste álbum gravado na Copacabana em 1975. Um dos destaques do LP é a faixa “Nosso filho vai nascer”, muito executada nas emissoras de rádio. Fredson começou a cantar ainda jovem, quando saiu de Nazareth, sua terra natal na Bahia, onde nasceu em 25 de março de 1937, para tentar carreira no Rio. Lá, começou como radialista e locutor na Rádio Globo, e trabalhou em várias emissoras de rádio na Bahia. Ainda fez sucesso, na área musical, como integrante do Trio Melodia no período da Jovem Guarda. 

Ele se lançou na carreira solo quando gravou em 1969 seu primeiro disco pela gravadora Caravelle com as músicas: “Aniversário do meu bem” e “Oh! Meu imenso amor”, seguido de outro single de sucesso, contendo as canções: “Até no inferno eu vou lhe buscar” e “Por que me apaixonei”. O primeiro LP saiu no de 1970, porém não teve grande repercussão, mas a partir de 1971, com o LP “Volume 2”, que contém a faixa “Dolores Sierra”, obteve muito sucesso. Desde então, gravou vários singles e álbuns, e ainda desenvolveu carreira no rádio. Confira o LP:

01 - Nosso filho vai nascer
(Gilson Carlos - Catia Cristina)
02 - O que vale é o nosso amor
(Fredson - Nelson Marques)
03 - Nosso caso tem que acontecer
(Rick - Sérgio - Castro)
04 - Eu não posso negar
(Alex)
05 - Vamos viver a vida
(Bhety Seven)
06 - Não suporto mais ficar sozinho
(Maria Libania)
07 - Vamos fazer um acordo
(Fefé - Maria Libania)
08 - Vou levar você comigo
(Magno Dourado - Kleber Almeida)
09 - Você tem outro em meu lugar
(Rick - João Mossoró)
10 - Benzinho me beija
(Fefé - Joanita Cavalcante)
11 - Mentirinha
(Roberto Martins)
12 - Nada mais interessa
(Fredson - Nelson Marques)



quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Os Versáteis - Topam a parada (LP 1968)

 
Quarto e último álbum da banda foi lançado pelo selo AU, da Rozenblit
Recebi do amigo e colaborador Laércio, a quem agradeço, este álbum do grupo instrumental Os Versáteis, liderado pelo pistonista Ronaldo Noronha. O disco foi enviado para minha coleção, sem pretensão de postagem, uma vez que a capa e a contracapa estão em péssimo estado de conservação, impróprias para o blog. Vale para meu acervo, especialmente pelo conteúdo, com 12 faixas que sintetizam o título do LP, “Os Versáteis topam a parada”, lançado em 1968 pela AU – Artistas Unidos, da Rozenblit. Felizmente, encontrei a arte gráfica do disco na rede, e achei interessante postá-lo por se tratar de material raro, apesar da qualidade ainda indesejável das ilustrações.

Este é o quarto e último LP da banda, que lançou anteriormente os álbuns “Uma noite no Urso Branco” (1966), “Showpp” (1967) e “Os Versáteis e os festivais” (1967), todos pela Rozenblit. A banda era formada por João Nelson (base), Pedrinho (guitarra), Gilson (contrabaixo), Waldemar (bateria) e Rolando (acordeão), além de Ronaldo, que seguiu carreira solo como Ronaldo Lark após o fim da banda em 1968. Com o novo nome artístico, o pistonista lançou – pelo que apurei - os álbuns “Ronaldo Lark com a Turma Bab-Luba” (1968) e “O piston quente de Ronaldo Lark” (1969) pela Odeon, além do LP "Os grandes sucessos do piston" (1989) pela Oasis, e dos CDs "Brisa e sonho" e "Toadas e baladas". Faleceu com câncer no pâncreas e cirrose hepática em 4 de julho de 2008. Confira este:

01 - Llorona
(D.P.)
02 - It's a wonderful world
(G.D.Weiss - G.Douglas)
03 - Evocação
(Nelson Ferreira)
04 - Danke schoen
(Kaempfert - M.Gabler)
05 - Honey
(B.Russell)
06 - Poesia
(Detto Mariano - Don Backy)
07 - La la la
(M. de La Calva - R.Arcusa)
08 - Delilah
(Reed - Mason)
09 - A very good year
(Ervin Drake)
10 - O lago dos cisnes
(Tchaikowsky)
11 - Love is blue
(A.Popp - P.Cour)
12 - Love
(Kaempfert - M.Gabler - Schwabach)


COLABORAÇÃO: Laércio



terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Trilha sonora nacional da novela Os Adolescentes

 Novela de Ivani Ribeiro foi exibida entre 1981/82 pela Rede Bandeirantes
Uma boa pedida pra quem gosta de MPB é a trilha sonora de novela “Os Adolescentes”, exibida pela Rede Bandeirantes entre 28 de setembro de 1981 e 2 de abril de 1982, às 21h30. Foi escrita por Ivani Ribeiro, substituída por Jorge Andrade, dirigida por Atílio Riccó e supervisionada por Antônio Abujamra. Quatro adolescentes-chave - Doca, viciado em drogas; Bia, grávida; Caíto, homossexual, e Majô, apaixonada pelo padrasto - conduzem as inúmeras tramas da novela. Entre elas, a história de Túlio, ex-viciado que atualmente é professor íntegro e reencontra uma terrível testemunha de seu passado pregresso: Fernanda, sua ex-cunhada. A produção marcou a estreia na televisão das atrizes Júlia Lemmertz, Lília Cabral, Tássia Camargo e Mayara Magri e do ator André de Biase, segundo a Wikipedia. Na trilha, lançada pela gravadora Polydor/PolyGram, canções interpretadas por Boca Livre, Zizi Possi, Erasmo Carlos, Roupa Nova, Itamar Assumpção, Ivan Lins e outros. Confira:

01 - Boca Livre - Tudo certo
(José Renato - Ana Terra)
02 - Erasmo Carlos - Filho
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
03- Zizi Possi -  Agora só falta você
(Rita Lee - Luiz Sérgio)
04 - Renato Terra - Bem ou mal
(Renato Terra - Antonio Gil)
05 - Aécio Flávio & Quartezanato - O menino azul (part. esp. Quarto Crescente)
(Aécio Flávio)
06 - Roupa Nova - Tanto faz
(Ricardo Feghali - Fausto Nilo)
07 - Itamar Assumpção - Fico louco
(Itamar Assumpção)
08 - Elza Maria - Até que ponto
(Ricardo Augusto - Xico Chaves)
09 - Ivan Lins - Amor (part. esp. Lucinha Lins)
(Ivan Lins - Victor Martins)
10 - Marcos Sabino - Difícil entender
(Marcos Sabino)
11 - Eliana - O clima da minha cidade
(Eliana Ribeiro)
12 - Tunai - Adeus à dor
(Tunai - Sérgio Natureza)
13 - Flávio & Ederly - Amor sem fim (Endless love)
(Lionel Richie - vs: Flávio Carvalho)



segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Vários intérpretes - Coisas do Brasil (LP 1990)

 Coletânea inclui intérpretes como Fagner, João Bosco, Léo Jaime e outros
Do jeito que a auto-estima do brasileiro anda em baixa, vítima da irresponsabilidade dos governantes e da ineficácia da nossa Justiça, cada vez mais desacreditada, as coisas “made in Brazil” correm sério risco de passar por pré-julgamento do consumidor que coloca em dúvida a qualidade do que aqui é produzido. Ou seja, a marca Brasil não está associada hoje a valores positivos, mas pelo menos na área musical há exceções, a despeito da mídia que habituou a eleger hits de qualidade duvidosa. Um exemplo de boa música está neste LP , “Coisas do Brasil”, uma autêntica coletânea de MPB lançada pela CBS/Sony em 1990, com gravações de artistas como Emilio Santiago, Zizi Possi, Martinho da Vila, Ney Matogrosso e outros do mesmo calibre que interpretam canções de nomes como Tom Jobim, Vinicius de Moraes, João Bosco, Ary Barroso e Caetano Veloso, entre outros . Confira:

01 - Guilherme Arantes - Coisas do Brasil
     (Guilherme Arantes – Nelson Motta)
02 - Léo Jaime - Coração vagabundo
     (Caetano Veloso)
03 - João Bosco - Terra dourada
     (João Bosco)
04 - Ney Matogrosso - Aquarela do Brasil
     (Ary Barroso)
05 - Olivia Byington e João Carlos Assis Brasil - Tom Jobim Medley
     Canta mais
     (Antonio Carlos Jobim – Vinicius de Morais)
     Anos dourados
     (Antonio Carlos Jobim – Chico Buarque de Hollanda)
     Por toda a vida
     (Antonio Carlos Jobim – Vinicius de Morais)
06 - Martinho da Vila - Seleção de sambas-enredo
     Chica da Silva
     (Anescar Pereira – Noel Rosa de Oliveira)
     Rio Grande do Sul na festa do preto forro
     (Nilo Mendes – Dário Marciano )
     Ylu Ayê
     (Cabana – Norival Reis)
07 - Adriana Calcanhoto - Orgulho de um sambista
     (Gilson de Souza)
08 - Emilio Santiago - Pot-pourri
     Vivo sonhando
     (Antonio Carlos Jobim)
     Triste
     (Antonio Carlos Jobim)
     Meditação
     (Antonio Carlos Jobim – Newton Mendonça)
09 - Moraes Moreira - Preta pretinha
     (Moraes Moreira – Galvão)
10 - Fagner - As rosas não falam
     (Cartola)



domingo, 21 de fevereiro de 2016

Luiz Aguiar - Noite de amor (CS 1965)

 Primeiro disco do radialista Luiz Aguiar foi lançado pela RGE em 1965
Postei, em 25 de maio de 2015, a coletânea do radialista e cantor Luiz Aguiar (aqui), com sete compactos simples gravados pelo artista. A seleção inclui o primeiro disco, gravado em 1965 na RGE, com a músicas “Noite de amor” e “Eu sou o amor”, mas não oferece a capa e contracapa originais do single. O nosso amigo e colaborador Geraldo me enviou o disco do seu acervo com a arte gráfica completa e áudio com melhor qualidade. Agradeço a ele pela gentileza. Esta postagem vai agradar a quem baixou a coletânea, pois com certeza acrescentará e enriquecerá o material já disponibilizado. Confira:

01 - Noite De Amor 
(Geo Voumart - Hélio Ribeiro)
02 - Eu Sou o Amor 
(Payaroga - Ben Molar - Genival Melo)


COLAORAÇÃO: Geraldo





sábado, 20 de fevereiro de 2016

Os 3 Morais: Marcha-rancho - Sucessos antológicos

 Álbum dedicado a marcha-rancho foi gravado em 1975 na Continental
Pra manter o clima da postagem anterior, vou apresentar este “Marcha-Rancho – Sucessos Antológicos”, LP gravado em 1975 pelo grupo vocal Os 3 Morais na gravadora Continental. Segundo a Wikipedia, este é o quarto e último álbum do grupo na era do vinil, uma vez que em 2008 lançou o CD “Bossa Nova - Uma Historia em 3 Vozes”, em homenagem aos 50 anos do movimento musical. O repertório é bem similar em relação ao post anterior, da Banda da Saudade, pois também traz canções como “As pastorinhas”, “Estão voltando as flores”, “Noite dos mascarados”, “Mascara negra” e “Mal me quer”, clássicos da marcha-rancho. Vale destacar que Jane, a voz feminina do trio, se casou em 1970 com Herondy, deixou o grupo, e seguiu carreira com o marido, sendo substituída por Vera Lúcia, da banda Alpha Centauri.

O trio, formado pelos irmãos Roberto, Jane e Sidney – paulistas da região de Sorocaba/Tatuí – começou em 1964, sendo que anteriormente cantavam separadamente. Inspirados nos Swingle Singers, os Três Morais começaram apresentando música erudita, para mais tarde abraçar a música popular. Foi assim que participaram com destaque de todos os festivais da época, entre Rio de Janeiro e São Paulo, lançando novos compositores. Apesar de bem conceituados, principalmente no reduto da Bossa Nova, o trio encerrou as atividades logo após este LP, e os cantores seguiram suas carreiras individuais. O retorno, em sua formação original, foi em 2005, com a participação no vídeo “Bossa Nova, aqui tem”, documentário de Débora Veríssimo sobre a passagem do Movimento da Bossa Nova em São Paulo. Gravaram o citado CD em 2008 e, tudo indica, ainda fazem apresentações. Confira:

01 - Pastorinhas
(Noel Rosa - Carlos Braga)
02 - Máscara negra
(Zé Keti - Pereira Matos)
03 - Marcha da Quarta-Feira de Cinzas
(Carlos Lira - Vinicius de Morais)
04 - Andorinha
(Silvio Caldas)
05 - Dama das camélias
(João de Barro - Alcyr Pires Vermelho)
06 - Mal me quer
(Newton Teixeira - Christóvão de Alencar)
07 - Estrela do mar
(Marino Pinto - Paulo Soledade)
08 - Estão voltando as flores
(Pauilo Soledade)
09 - História de pescadores
(Dorival Caymmi)
10 - Noite dos mascarados
(Chico Buarque de Holanda)



sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Banda da Saudade - Antologia da marcha-rancho

 Banda da Saudade traz clássicos da marcha-rancho no LP gravado em 1977
O que me chama a atenção na Banda da Saudade, que lançou este álbum em 1977 pela Philips, é o timbre vocal dos cantores. Posso estar enganado, mas tudo indica que o grupo é de estúdio, formado por artistas contratados, daí a minha desconfiança pela presença dos componentes do Trio Esperança e dos Golden Boys nos vocais. A ficha técnica, infelizmente, não traz informações a respeito. Trata-se, é claro, de detalhe, pois esta “Antologia da Marcha-Rancho” é muito bem produzida e gostosa de ouvir. Clássicos como “Máscara negra”, “Anda Luzia”, “Noite dos mascarados”, “As pastorinhas”, “Estão voltando as flores” e outros estão no repertório. Confira:

01 - As pastorinhas 
(Noel Rosa - João de Barro) 
Estão voltando as flores 
(Paulo Soledade)
Porta estandarte
(Geraldo Vandré - Fernando Lona)
02 - A banda
(Chico Buarque de Hollanda)
03 - Manhã de liberdade
(Nelson Lins de Barros - Marco Antonio)
04 - Noite dos mascarados
(Chico Buarque de Hollanda)
05 - Mal me quer
(Newton Teixeira - Cristóvão de Alencar)
06 - Rancho das namoradas
(Ary Barroso - Vinicius de Moraes)
07 - Marcha da quarta-feira de cinzas
(Carlos Lyra - Vinicius de Moraes)
08 - Anda Luzia
(João de Barro)
09 - Máscara negra
(Zé Keti - Pereira Matos)
10 - Bloco do eu sozinho
(Marcos Valle - Ruy Guerra)
11 - Dias das rosas 
(Luiz Bonfá - Maria Helena Toledo)
Rancho da Praça Onze
(João Roberto Kelly - Francisco Anísio)




quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Dom & Ravel - Chegou o trio elétrico (LP 1991)

 Desconhecido álbum da dupla Dom & Ravel foi produzido pelo selo NGS
Aproveitando o resquício do carnaval, vou postar este raro álbum da dupla Dom & Ravel, gentilmente enviado pelo amigo Aderaldo, a quem agradeço pela colaboração. O LP, intitulado “Chegou o trio elétrico”, foi lançado em 1991 pelo selo NGS, e traz canções voltadas à folia de Momo, com destaque para a releitura de "Eu te amo meu Brasil". A postagem ainda traz dois singles como bônus: o primeiro, de 1970, com as músicas “A charanga”, do V FIC, e “Que horas são?”, ambas também gravadas pela Wanderléa, e o segundo, de 1972, com “A marcha do dinheiro” e, novamente, “Eu te amo meu Brasil”, sucesso com a banda Os Incríveis, que representou um divisor de água na carreira da dupla e do grupo.

Se, de um lado, a música "estourou" nas paradas de sucesso, projetando a dupla e o conjunto, de outro, provocou a ira dos setores mais radicais da esquerda militante, já que o governo militar simpatizou muito com a mensagem da canção. O governador de São Paulo na época, Abreu Sodré, chegou a sugerir ao presidente Médice que transformasse a canção no novo hino nacional. Outros sucessos compostos por Dom, igualmente ufanistas, como "Terra boa", "Só o amor constrói" e "Você também é responsável" contribuíram para formar a ideia de que a dupla era conivente com os militares e recebia dinheiro do governo pra criar estas canções.

A dupla se desfez em 1975, e Dom seguiu carreira solo com algum sucesso. A dupla retornou em 1982, e emplacou os sucessos "Canção Da Fraternidade" e "Obrigado Ao Homem Do Campo". Depois, ensaiaram alguns retornos, lançaram outros discos, como este LP, e caíram no ostracismo. Dom faleceu em dezembro de 2000, aos 55 anos, de câncer. Ravel, que faleceu em 16 de junho de 2011, vítima de enfarte aos 64 anos, chegou a denunciar que ambos foram vitimas de violência física nos shows e até nas ruas devido ao repertório que gravaram. Muitos os acusavam de "cantores da ditadura" e "porta-vozes dos militares". Não foram os únicos a gravar e compor músicas ufanistas, mas injustamente são os mais lembrados pela mídia, encobrindo o talento e a obra que a dupla deixou. Confira:

01 – Chegou o trio elétrico
(Dom - Ravel)
02 – Levanta a saia
(Dom - Ravel)
03 – Queira remexer
(Dom - Ravel)
04 – No bar do caminho
(Dom - Ravel)
05 – Eu te amo, meu Brasil (Coeur De Papillon)
(Dom - Versão: S. Beldone)
06 – Boca livre 
(Dom - Ravel)
07 – Alegria em nosso ninho
(Dom - Ravel)
08 – Começou a rabaneira
(Dom - Ravel)
09 – Nessa cama falta um
(Dom - Ravel)
10 – Bateu asas e fugiu
(Dom - Ravel)

BÔNUS

11 -  A marcha do dinheiro
(Dom - Ravel)
12 - Eu te amo meu Brasil 
(Dom)
13 – A charanga
(Dom - Wanderléa)
14 – Que horas são?
(Ravel - Dias - Costinha)

COLABORAÇÃO: Aderaldo