Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Beth Goulart - O balão (CS 1981)

Beth Goulart estreou no disco ao participar do festival de MPB da Rede Globo
Com “O balão”, de Nando Carneiro e Geraldo Carneiro, a atriz Beth Goulart mostrou seu canto em 1981 ao participar do Festival da Nova Música Popular Brasileira, também conhecido por MPB Shell, da Rede Globo de Televisão. O evento - que deu vitória a “Purpurina”, defendida por outra atriz, Lucinha Lins - permitiu a estreia da artista no disco. A canção foi lançada neste compacto simples pela Philips/Phonogram, com “Cartilha”, de autoria da atriz em parceria com Geraldo Carneiro, no lado B. Nesse mesmo ano, a agora cantora lançou o primeiro álbum, “Sementes no ar”. Em 1982, gravou seu segundo LP, "Passional", e em 1985 lançou pela gravadora Carmo/Odeon o disco "Mantra Brasil", de acordo com a Wikipédia.

Beth Goulart, filha dos atores Nicete Bruno e Paulo Goulart, nasceu em 25 de janeiro de 1961 no Rio. É irmã dos atores Bárbara Bruno e Paulo Goulart Filho. Atuou em várias peças de teatro desde 1974, quando iniciou a carreira profissional e ganhou o Prêmio APCA de atriz revelação com “O Efeito do Raio Gama nas Margaridas do Campo”, de Paul Zindel e direção de Antônio Abujamra. A partir daí, ganhou e foi indicada para vários prêmios da área. No cinema, participou de dois filmes de Carlos Reichenbach: “Dois Córregos” e “Bens Confiscados”. Também protagonizou “Canção de Baal”, dirigido por Helena Ignez. Se notabilizou como protagonista, em 1979, do filme “Joelma 23º Andar”. Na TV, participou de várias telenovelas, e atualmente é contratada da TV Record, onde seu nome foi confirmado para a bíblica “A terra prometida”, prevista para 2016. Confira a cantora:

01 – O balão
(Nando Carneiro e Geraldo Carneiro)
02 – Cartilha
(Bete Goulart – Geraldo Carneiro)



domingo, 29 de novembro de 2015

Luiz Américo - Moleque sonhador (LP 1994)

 Luiz Américo, acompanhado pelo Grupo Feitiço, em disco do selo Impacto
Que tal curtir o domingo com o samba de primeira do Luiz Américo? A dica é este “Moleque Sonhador”, álbum lançado em 1994 pelo selo Impacto, da Zan Comunicação e Produção Artística. A música que dá titulo ao disco é um samba do Arlindo Cruz, Acyr Marques e Jorge David. Tenho certeza que a postagem agradará a audiência, assim como outros do cantor e compositor, hoje afastado dos meios de comunicação, mas provavelmente deve estar na ativa, assim como tantos outros artistas de sucesso, com vários hits no repertório. Este disco, no entanto, passou despercebido do grande público, talvez pela falta de divulgação e de infraestrutura de uma grande gravadora. O LP é bom e merece ser ouvido. Confira:

01 - Moleque sonhador
(Arlindo Cruz - Acyr Marques - Jorge David)
02 - Objeto de prazer
(Luiz Américo - Braguinha)
03 - Dor de cotovelo
(Luiz Américo - Braguinha)
04 - Samba da rapaziada
(Luiz Américo - Tião da Vila)
05 - Sou o que eu sei
(Sombra - Jotabê)
06 - Teu corpo sorriu
(Arlindo Cruz - Sombra - Franco)
07 - Noite de luar
(Arlindo Cruz - Sombrinha - Sombra)
08 - Mangueira é mãe
(Luiz Américo - Braguinha)
09 - O amor
(Luiz Américo - Odilon Mattel)
10 - Coisas do avesso
(Sereno - João do Cavaco)



sábado, 28 de novembro de 2015

Vários artistas - Funkytown III - Discomania (LP)

Terceiro volume da série foi lançado em 1982 pelo selo Standard/Capitol
Hoje vou dar uma radicalizada na postagem com este álbum internacional, a coletânea “Funkytown III – Discomania”, lançado em 1982 pelo selo Standard/Capitol (EMI-Odeon). Não tenho nenhuma referência sobre o disco, de pop rock, mais voltado para a pista de dança, como era comum entre final dos anos 70 e início dos 80, e certamente agradará aos fãs do gênero. Este é o terceiro e único volume da série que possuo, e imagino que teve boa aceitação. Confira:

01 – Brass ConstructionCan you see the light
(Randy Muller)
02 – High FashionFeelin’ Lucky Lately
(Romani – Malavasi – Thorton)
03 – The B.B. & Q.BandImagination
(Kae Williams)
04 – O’Bryan - The gigolo
(O. Burnette – D. Cornelius)
05 – A Taste Of Honey We’ve got the groove
(A. McKay – J.Johnson)
06 – Ashford & Simpson Street corner
(Nickolas Ashford – Valerie Simpson)
07 – DaytonHot fun in the summertime
(Sylvester Stewart)
08 – The Dramatics Live it up
(R.Banks – R.Johnson)
09 – XavierWork that sucker to death
(T.Philips – R.Harris – R.Hunt,Jr – J.Mitchell)
10 – T-Connection Party night
(Theophilus Coakley)



sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Vários artistas - Para lembrar Rossini Pinto (2015)

 Artistas nacionais e internacionais cantam músicas gravadas por Rossini Pinto
O Aderaldo, nosso amigo e colaborador, montou e agradeço por esta coletânea que homenageia o cantor e compositor Rossini Pinto, um dos autores de clássicos da Jovem Guarda. Versionista de mão cheia, e ainda capaz de criar suas próprias composições, ele também se aventurou a cantar e produzir discos. A presente coletânea privilegia a faceta menos conhecida, a do cantor, pois foca as músicas gravadas por ele, mas na voz de outros artistas, incluindo registros originais que ganharam versões em português, como as interpretadas pelo Rick Nelson e Herman's Hermits, por exemplo. O resultado é uma seleção interessante que, como o título sugere, nos faz lembrar do saudoso Rossini Pinto (24/01/1937 - 25/06/1985). Confira:

01 – The Fevers – Semente do mal
(Rossini Pinto)
02 – Danny FisherHis latest flame (Procurando Alguém)
(Pomus - Shuman)
03 – Trio Melodia - Quero ver você viver sem mim (Show me, Girl)
(Carole King - Gerry Goffin - Versão: Rossini Pinto)
04 – Rick NelsonGipsy woman (A cigana)
(Brunett - Osborn)
05 – The Fevers – A carruagem
(Rossini Pinto) 
06 – Harold DormanMoutain of love (Montanha Do Amor)
(Harold Dorman)
07 – Renato e seus Blue Caps – Ford de bigode
(Paulo Brunner - Ivanildo Teixeira)
08 – Herman's HermitsShow me, girl (Quero Ver Você Viver Sem Mim)
(Carole King - Gerry Goffin)
09 – Odair José – Meu coração ainda é seu
(Rossini Pinto - Alvaro Menêzes)
10 – Leo Dan - Esto (Isto É Amor)
(Leo Dan)
11 – Alipio Martins – Carta de amor
(Rossini Pinto)
12 – Waldireni – Só vou gostar de quem gosta de mim
(Rossini Pinto)
13 – Demétrius – Quase chorei
(Rossini Pinto)
14 – José Augusto – Na rua que você morava
(Rossini Pinto)
15 – The Fevers Semilla del mal (Semente Do Mal)
(Rossini Pinto - Versão: Luiz Alberto)
16 – Bartô Galeno – Amor e desprezo
(Rossini Pinto)
17 – Roberto CarlosIo sono um artista (Só Vou Gostar De quem Gosta De Mim)
(Rossini Pinto - Versão: Daniele Pace)


COLABORAÇÃO: Aderaldo


quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Brazil's Roberto Carlos - It's time for love (LP)

LP do Roberto Carlos, lançado nos EUA, traz conteúdo do álbum de 1967
Este “Brazil’s Roberto Carlos – It’s Time For Love”, álbum da Columbia lançado nos Estados Unidos, vale mais pela curiosidade do que pelo conteúdo, e só deve interessar aos colecionadores. O disco nada mais é do que o manjado LP “Roberto Carlos em ritmo de aventura”, de 1967, com outra embalagem e sem a música “Você não serve pra mim”, excluída do disco por motivos que gostaria de saber. A versão norte-americana, com 11 faixas em português, abre com “Como é grande o meu amor por você”, e não informa o ano do lançamento, mas tudo indica que seja de 1968. Encontrei as imagens do LP em recente leilão no Ebay, e achei interessante usá-las para montar a versão do álbum pra coleção. O exemplar traz como atrativo o autógrafo do cantor, datado de 5 de outubro de 1975, e dado provavelmente durante sua passagem pelos Estados Unidos, onde produzia o disco lançado no final do ano, como era tradição. Confira este:

01 - Como É Grande O Meu Amor Por Você
(Roberto Carlos)
02 - Por Isso Corro Demais
(Roberto Carlos)
03 - Você Deixou Alguém A Esperar
(Edson Ribeiro)
04 - De Que Vale Tudo Isso
(Roberto Carlos)
05 - Folhas De Outono
(Francisco Lara - Jovenil Santos)
06 - Quando
(Roberto Carlos)
07 - É Tempo De Amar
(José Ari - Pedro Camargo)
08 - Eu Sou Terrível
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
09 - E Por Isso Estou Aqui
(Roberto Carlos)
10 - O Sósia
(Getúlio Cortes)
11 - Só Vou Gostar De Quem Gosta De Mim
(Rossini Pinto)



quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Orquestra Som Bateau - Top Hits - Vol. 4 (1968)

 Link do 4º volume foi atualizado e gentilmente fornecido pelo Toque Musical
Depois de postar o terceiro volume da série Top Hits, da Orquestra Som Bateau, no sábado passado, dia 21, escrevi para o amigo Augusto, administrador do site Toque Musical, e solicitei link atualizado para o quarto volume. O segundo, também postado lá, ainda está com o link ativo (aqui). Ele ripou o LP e me enviou um novo link, que já divulguei na postagem do terceiro volume (aqui), mas achei melhor dar este destaque, como um novo post, pra disseminar a informação. Acredito que assim todos terão acesso a este raro disco, para o qual montei a arte gráfica da contracapa acima para CD. Com este quarto volume, a série lançada pela Polydor entre 1966 e 1968 fica completa na rede, sendo que o primeiro está aqui. Agradeço novamente ao amigo Augusto pela gentileza, lembrando que o link é o mesmo que recebi, e a senha para abrir a pasta é augustotm. Confira:

01 - Quando
(Roberto Carlos)
02 - Hello Goodbye
(Lennon - McCartney)
03 - Parole
(Friggieri - Presttigiacomo)
04 - O solitário (Lonely)
(Sebastian)
05 - Bonnie and Clyde
(Charles Strouse)
06 - Malayisha
(Miriam Makeba - Ragovoy)
07 - L'Amour est bleu
(A. Popp - P. Cour)
08 - Vesti azul
(Nonato Buzar)
09 - Musita
(Carlos Colorado)
There is a mountain
(Donovan Leitch)
10 - Chain of fools
(Don Covay)
11 - Canzone per te
(Endrigo - Bardotti)
12 - Soy loco por ti, America
(Gilberto Gil - Capinam - Torquato Neto)




Mário Marcello - Coletânea especial (2015)

 Mário Marcello gravou na Continental entre final dos anos 60 e início dos 70
Você conhece o cantor e compositor Mário Marcello, que foi contratado da gravadora Continental entre final dos anos 1960 e início dos 1970? Caso saiba algo a respeito, agradeço se puder escrever as informações no espaço reservado aos comentários, logo abaixo. Isso se faz necessário porque nada sei, assim como o Aderaldo, a quem agradeço por mais essa colaboração, formada por 10 músicas, lançadas entre 1969 e 1972, sendo sete do acervo e três baixadas na rede. Segundo o Aderaldo, que desconhece a discografia do artista, ainda faltam na coletânea as músicas “Madrasta” e “Múrmura o mar” (Le Bruit Des Vagues), gravadas em 1969, e outras que possam existir. No primeiro compacto, com “Nosso adeus” e “Dalila”, o sobrenome do cantor aparece grafado como “Marcelo”, mas a partir do segundo, com “Amanheceu” e “Rosa flor”, passa a ser “Marcello”, com o “l” dobrado, apesar de manter a grafia antiga no disco de divulgação do single. Confira:

01 - Nosso adeus - 1969
(Mário Marcello)
02 - Dalila (Delilah) - 1969
(Les Reed - Barry Mason - vs: Fred Jorge)
03 - Amanheceu - 1969
(Renato de Oliveira - Fernando Cesar)
04 - Rosa flor - 1969
(Mário Marcello)
05 - Eu nunca mais vou te esquecer - 1972
(Moacyr Franco)
06 - Oração de um jovem triste - 1972
(Alberto Luiz)
07 - Natal das crianças - 1969
(Blecaute)

Bônus (Faixas baixadas na rede)

08 - Um outro amor (You'll Notice Me) - 1970
(Bart Baraboskin - vs: ?)
09 - Tolo por amar (Oh Me Oh My) - 1970
(Gim - vs: ?)
10 - Você conta pra mim


COLABORAÇÃO: Aderaldo



terça-feira, 24 de novembro de 2015

Jovem Guarda - Outras Vozes - Volume VII (2015)

 Seleção reúne registros feitos durante a efervescência  da Jovem Guarda
Bem diferente dos volumes anteriores, que privilegiou gravações realizadas a partir dos anos 1970, o sétimo da série “Jovem Guarda – Outras Vozes” também traz hits do movimento cinquentão, mas os registros desta vez são da mesma época em que essas canções estavam na boca do povo e nas paradas de sucesso. A coletânea apresenta desde desconhecidos, como a Simone (cover da Martinha), até artistas com relativa projeção, como Arthurzinho, Nalva Aguiar e Rosa Miyake. Todos têm em comum o fato de serem ofuscados pelas gravações originais. A seleção envolve áudio da minha coleção e da do Aderaldo, e inclui também faixas de discos postados nos blogs La Playa Music e Toque Musical. A coletânea traz uma faixa bônus, muito apropriada para o projeto, que baixei na rede e desconheço a origem, intitulada “Minha saia Wanderléa”, de Ayrton Mugnaini Jr., com o grupo TONQ. Confira:

01 - Blow Up - Estrela que cai
02 - Arthurzinho - O caderninho
03 - Simone - Aqui
04 - Os Falcões - Pensando nela (Bus stop)
05 - The Fireboys - Parei... olhei
06 - Áurea - Adeus (Goodbye)
07 - The Hot Gang - Eu daria a minha vida
08 - Dick Danello - Sentado à beira do caminho
09 - Os Psicodélicos - O sósia
10 - The Gordons and Black Joe - Faça alguma coisa pelo nosso amor
11 - Paulo e Eunice - A chuva que cai
12 - Dalva Righetti - Meu vestidinho
13 - The Terribles - É papo firme
14 - Gemini 7 - Chapeuzinho vermelho
15 - Nalva Aguiar - Prova de fogo
16 - Bob Lin - Só vou gostar de quem gosta de mim
17 - Embalo R - Eu não sabia que você existia
18 - The Black Boys - O bom rapaz
19 - Luiz Carlos - Tenho um amor melhor que o seu
20 - Stelinha - Pra nunca mais chorar
21 - Amir Francisco - Você não serve pra mim
22 - Elza Maria - Minha primeira desilusão
23 - Os Bárbaros - Eu sou terrível
24 - Rosa Miyake - Eu te amo mesmo assim
25 - Os Enecevês - Folhas de outono
26 - TONQ - Minha saia Wanderléa (Bônus)



segunda-feira, 23 de novembro de 2015

The Magnetic Sounds - Volume 4 (LP 1977)

 Álbum destaca a inclusão da faixa "Concerto pour une voix" no repertório
Como deve saber, o grupo The Magnetic Sounds é pseudônimo da banda Os Carbonos e lançou vários discos pela New Records/Beverly/Copacabana. Este exemplar, de 1977, gentilmente cedido pelo Erick, a quem agradeço, me chama a atenção por dois detalhes na capa. O primeiro é a grafia “The Magnetic Sound”, sem o “s” no final, e o segundo é a indicação de se tratar do quarto volume da série que desconheço o tamanho. É provável que seja o quarto disco da banda sob essa nomenclatura, mas nesse caso seria necessária uma pesquisa na discografia, nem sempre confiável na rede. Trata-se de detalhe que não prejudica o resultado final do disco. O talento dos músicos permanece intacto, especialmente em faixas como “Aquarela do Brasil”, do Ary Barroso, a única nacional do repertório, “Et maintenant”, “Tema de Lara”, do filme Doutor Jivago, e a destacada "Concerto pour une voix" . O repertório ainda traz pérolas como “Moonlight serenade” e “Red rose for a blue lady”. Confira:

01 - Lara's theme from Dr.Jivago
(Maurice Jarre)
02 - La paloma
(Yradier - Adapt. Don Pacheco)
03 - Red roses for a blue lady
(Sid Tepper - Roy Brodsky)
04 - Moonlight serenade
(Mitchell Parish - Glenn Miller)
05 - Aquarela do Brasil
(Ary Barroso)
06 - La mer
(Charles Trenet)
07 - Dio, come ti amo
(Domenico Modugno)
08 - Concerto pour une voix
(Saint Preux)
09 - Hymne a l'amour
(M.Monnot - Edith Piaf)
10 - The end
(Jimmy Krondes - Sid Jacobson)
11 - Et maintenant
(G. Bécaud - P. Delanoe)
12 - Senza parole
(Carmelo Scarpelli)


Colaboração: Erick


domingo, 22 de novembro de 2015

Antonio Marcos - O anjo de cada um (LP 1987)

Álbum de 1987 foi relançado pela Beverly em 1992, ano da morte do cantor
Hoje deu saudades do Antonio Marcos, e por isso apresento este álbum lançado originalmente em 1987 pela Copacabana. O meu exemplar é de uma reedição, lançada pela Beverly em 1992, provavelmente após a morte do cantor e compositor em 5 de abril daquele ano. Trata-se do único LP na gravadora, e também é o último da carreira com repertório quase que essencialmente de inéditas. A exceção fica por conta do pot-pourri que fecha o lado A, com seus grandes sucessos. Destaque para as faixas “Arrependimento”, “O anjo de cada um” e “Eu e você”, uma adaptação para "As Times Goes By", de H. Hupferd. A curiosidade fica por conta da música  “Ele é tão lindo”, feita para o filho Pablo, da união do cantor com Rose, sua esposa na época. Ambos participam da faixa. Depois desse álbum, o 12º da discografia no Brasil, o cantor lançou no ano seguinte o LP “Todos os caminhos”, o último da carreira, pela gravadora Som Livre, composto por sete pot-pourris de todos os seus sucessos. Confira este:

01 - Arrependimento 
(Antônio Luiz - Antônio Marcos)
02 - Eu e você (As Time goes by) 
(H. Hupferd - Adapt. Rose Marcos - Antônio Marcos)
03 - O anjo de cada um 
(Antônio Luiz - Antônio Marcos)
04 - Vem mulher 
(J. Oliveira - Elias Muniz)
05 - Pot-pourri:
Tenho um amor melhor que o seu 
(Roberto Carlos)
Amanda 
(Taiguara)
Se eu pudesse conversar com Deus 
(Nelson Ned)
Porque chora a tarde 
(Gabino Correa - Antônio Marcos)
Oração de um jovem triste 
(Alberto Luiz)
Eu vou ter sempre você (You'll never know
(M. Gordon - H. Warren - vs: Antônio Marcos) 
Como vai você 
(Antônio Marcos - Mário Marcos)
Menina de trança 
(Antônio Marcos)
O homem de Nazareth
(Cláudio Fontana)
06 - Estado de graça 
(Mário Marcos - Antônio Luiz)
07 - Ele é tão lindo (Part. esp. Pablo e Rose Marcos)
(Billy - Antônio Luiz - Antônio Marcos)
08 - De ponta cabeça 
(Antônio Luiz - Antônio Marcos)
09 - Meu coração está nas montanhas 
(Moracy do Val - Murilo)
10 - Não abra esta porta 
(Ed Lima - Antônio Marcos)



sábado, 21 de novembro de 2015

Orquestra Som Bateau - Top Hits - vol. 3 (1967)

 Orquestra executa sucessos nacionais e internacionais para o público jovem
A boa notícia você já viu: consegui, finalmente, o terceiro volume da série Top Hits, gravado em 1967 pela Orquestra Som-Bateau na Polydor, selo da Phonogram (Philips). Agora, a má notícia: o exemplar em mãos está em mal estado de conservação, e imagino o quanto rodou nos bailinhos promovidos na época pela Mariangela, a dona do LP que escreveu seu nome na etiqueta. Apesar dos sinais do uso, com ruídos perceptíveis na audição, o disco toca na íntegra. Vale a pena mantê-lo na pasta até surgir outro com áudio melhor, pois o disco é raro e a capa está bem conservada. O que importa agora é conhecer e completar a série que – acredito – é formada por quatro volumes, produzidos entre 1966 e 1968. O primeiro está postado aqui, sendo que o segundo e o quarto estão no site Toque Musical. Confira o terceiro:

01 - Music to watch girls by
(T.Velona - S.Ramin)
02 - Vem quente que estou fervendo
(Carlos Imperial - Eduardo Araújo)
03 - No milk today
(G. Gouldman)
04 - Mellow yellow
(Danovan)
05 - Bus stop
(G. Gouldman)
06 - Veja se me esquece
(Marcos Roberto - Dori Edson)
07 - Sunny
(B.Hebb)
08 - Uni-duni-tê
(Nonato Buzar - Chico Feitosa)
09 - A praça
(Carlos Imperial)
10 - I'm a believer
(Neil Diamond)
11 - Happy together
(Bonner - Gordon)
12 - Last train to Clarkville
(T.Boyce - B.Hart)




sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Os grandes sucessos de Dick Farney (LP 1969)

 Dick Farney, também pianista, interpreta seus sucessos em LP da RGE
Dick Farney é outro cantor que aprecio muito, e uma boa dica pra conhecer o cantor – também instrumentista – é este “Os grandes sucessos de Dick Farney”, álbum lançado em 1969 pela RGE. Sempre quando o ouço, tenho a nítida impressão de que cantar é a coisa mais fácil do mundo. Ele interpreta suas canções de maneira tão suave, harmoniosa, e sua voz flui facilmente, sem nenhum esforço na sustentação das notas, que nem me dou conta de que cantar assim é dom divino. O disco, com arranjos de José Briamonte e Simonetti, traz canções como “Copacabana”, “A saudade mata a gente”, “Alguém como tu”, e outras que marcaram sua discografia de cantor, iniciada em 1946.

Filho de pianista e cantora, Farnésio Dutra e Silva – seu nome de batismo - se tornou pianista clássico, tocando peças de Manuel de Falla, aos 14 anos, na Rádio Mayrink Veiga, no Rio de Janeiro, onde nasceu em 14 de janeiro de 1921. Influenciado pelo pop e jazz americanos, Farney se tornou o pianista do grupo "Swing Maníacos, junto com seu irmão, o então baterista Cyl Farney. Na Rádio Mayrink Veiga, teve o seu próprio show: “Dick Farney, Sua Voz e Seu Piano”, e tocou no Cassino da Urca, como crooner da Orquestra de Carlos Machado, de 1941 a 1944. Nos Estados Unidos, em 1946, fez apresentações com Nat King Cole, Bill Evans e David Brubeck. Lá, em outra temporada, tocou durante dois meses na rádio NBC, e fez shows em Hollywood, Chicago e São Francisco.

Formou em 1954 o "Dick Farney e Seu Conjunto" no qual tocava piano. Uma fase nova começou neste ano, marcado pela sua associação com Tom Jobim, que anunciou os futuros tempos de bossa nova, com o sucesso de "Teresa da Praia" (Tom Jobim/Billy Blanco) interpretado por Farney e Lúcio Alves. Farney participou da "Sinfonia do Rio de Janeiro" (Tom Jobim/Billy Blanco) e formou um quarteto de jazz com o baterista Rubinho, o baixista Xu Viana e saxofonista Casé. O grupo teve sucesso e depois de se apresentar no Teatro Municipal de Rio de Janeiro, gravou um álbum.

Em 1957, mais uma vez, foi para os EUA. onde tocou durante um ano em New York, viajando depois para Cuba, República Dominicana, Porto Rico e o Caribe. Em 1959, Dick teve seu próprio show na TV Record, e em 1965, ele e Betty Faria eram anfitriões no show "Dick e Betty" na TV Globo. Nesse mesmo ano, o álbum “Você”, lançado pela Elenco, se torna um dos seus maiores sucessos. Em 1971, Farney formou um trio com o baixista Sabá (Sebastião Oliveira da Paz) e o baterista Toninho (Antônio Pinheiro Filho), para uma temporada na boate Flag's. Continuando gravando e tocando regularmente, o último lançamento de Farney foi o álbum "Dick Farney Ao Vivo"(1986). Faleceu em 4 de agosto de 1987 em São Paulo. Confira o disco:

01 - Copacabana 
(João de Barro - Alberto Ribeiro)
02 - A saudade mata a gente 
(João de Barro - Antonio Almeida)
03 - Alguém como tu 
(José Maria de Abreu - Jair Amorim)
04 - Barqueiro de São Francisco 
(Alcyr Pires Vermelho - Alberto Ribeiro)
05 - Ponto final 
(José Maria de Abreu - Jair Amorim)
06 - Uma loira 
(Hervé Cordovil)
07 - Este teu olhar 
(Tom Jobim)
08 - Sem esse céu 
(Luiz Bonfá)
09 - Perdido de amor
(Luiz Bonfá)
10 - Somos dois 
(Armando Cavalcanti - Klecius Caldas)

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Edna Centúrion - De um jeito que é só seu (1988)

 Álbum de 1988 apresenta releitura do sucesso "Eu preciso te esquecer"
 
 Edna Centúrion esteve na ativa entre o final dos anos 80 e início dos 90
A postagem do álbum, “De um jeito que é só seu”, da Edna Centúrion, atende ao pedido do Eduardo. O disco, lançado em 1988 pela RGE, traz como curiosidade a releitura da música “Eu preciso te esquecer”, hit da Cláudia Telles, e se destaca pelas faixas “Nunca pare”, “ABC do amor”, “Luz e calor” e outras. A cantora, atriz e bailarina nasceu em São Paulo e iniciou a carreira artística aos 14 anos, atuando como crooner em um grupo musical. A artista estudou violão, piano e canto lírico no Conservatório Musical Bella Bartochi, em São Paulo, e ainda fez cursos de canto e dança em Los Angeles.

Edna Tuffi, seu nome de batismo, criou seu próprio conjunto com o nome de "A Gota Super-Show" aos 18 anos, e dois anos mais tarde, o grupo mudou o nome para "Manhattan Band". Fez parte também do trio feminino Karas e Bokas, ao lado de Debora Melsohn e Dilma Lira. Após o casamento decidiu acabar com o grupo e trabalhar por conta na área de informática com o marido Arthur Centúrion. Mesmo assim, continuou cantando esporadicamente, e chegou a gravar três discos. Abandonou a carreira de cantora após passar por quatro cirurgias nas cordas vocais, segundo informações colhidas na rede. Confira o disco:

01 - Nunca pare
(Bozzo Barretti - Toni Bizarro - Katy)
02 - Volta pra mim
(Lincoln Olivetti - Robson Jorge - Debora Melsohn)
03 - Luz e calor
(Nico Rezende - Bernardo Vilhena)
04 - De peito aberto
(Rubens Tadeu de Mattos)
05 - Fonte do desejo (As time goes by)
(Hupfeld - vs: Vera Campos)
06 - De um jeito que é só seu
(Ciro Carvalho - Arnaldo Sacomani)
07 - ABC do amor
(Mendes Júnior - Gastão Lamounier)
08 - Fica mais um pouco
(Frankie Arduini - Armando Sacomani)
09 - Tarde demais
(Rubens Tadeu de Mattos)
10 - Eu preciso te esquecer
(Robson Jorge - Mauro Motta)



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Carlos Gonzaga Simplesmente (LP 1971)

 
Álbum de 1971 inclui versões dos Beatles e Creedence Clearwater Revival
Depois do sucesso obtido desde o final dos anos 1950 – o que o coloca entre os pioneiros do rock no Brasil – Carlos Gonzaga começou a diminuir o ritmo de gravações a partir dos 1970, apesar de ainda manter na época a tradição de gravar anualmente uma ou duas marchinhas de carnaval. Este “Carlos Gonzaga Simplesmente” , álbum lançado em 1971 pela RCA Victor, se destaca por duas curiosas versões: “Não pode ser o final”, de S.C.Almeida e R.Macedo, para “Something”, do George Harrison, gravada pelos Beatles, e “Eu nunca mais vou sofrer”, de Pepe Ávila, para “Lookin' Out My Back Door”, hit do Creedence Clearwater Revival. Agradeço ao Aderaldo por mais esta colaboração. Confira:

01 – Nós... e mais ninguém
(Cezar - A. Queiroz - Haroldo de Andrade)
02 – Por incrível que pareça
(Cezar - Dom Jorge)
03 – Fim do nosso amor
(Clayton - Monalisa)
04 – Somente alguém como você
(Eldridge - Stewart - Versão: Sebastião F. da Silva)
05 – Não pode ser o final (Something)
(Harrison - Versão: S. C. Almeida – R. Macedo)
06 – Eu nunca mais vou sofrer (Lookin' Out My Back Door)
(Fogerty - Versão: Pepe Àvila)
07 – Quem dera  (Cualqueira)
(D. Ramos - Versão: Osmar Navarro)
08 – Meu amor (Amor Mio)
(Do Barro - Versão: M. Thereza - Sebastião F. da Silva - Haroldo de Andrade)
09 – Não existo pra você
(Cezar - A. Cirus)
10 – Que será? (Che Sarà)
(Fontana - Pes - Migliacci - Versão: Osmar Navarro)
11 – Ela nem lembra que eu existo
(F. Reis - Clayton)


COLABORAÇÃO: Aderaldo


terça-feira, 17 de novembro de 2015

Rosemary - Na trilha dos amores (LP 1988)

 Quinto álbum da cantora Rosemary foi lançado em 1988 pela Continental
Mais uma vez, Rosemary marca presença no blog, e desta vez com o álbum “Na trilha dos amores”, lançado em 1988 pela Continental. Trata-se do quinto álbum da carreira, cuja discografia é pautada por gravação de muitos compactos simples e duplos, mas poucos LPs. Pra se ter ideia, o intervalo entre este e o anterior, “Rose Rose Rosemary”, lançado em 1976, é de 12 anos. Depois vieram os álbuns “Verdadeiro amor” (1992), “Rosemary” (1993), “Espelho” (1996) e “Mulheres da Mangueira” (2006), cujo show rendeu o lançamento do DVD com o mesmo nome em 2008. Apesar da discografia pequena em mais de 50 anos de carreira, iniciada em 1961, quando lançou o primeiro 78 RPM, Rosemary não é esquecida pela TV. Recentemente emocionou o público ao imitar Hebe Camargo cantando “Você não sabe” (assista aqui), no programa “Esse artista sou eu”, do SBT. Confira o LP:

01 - Sedução 
(Ed Wilson - Ronaldo Bastos) 
02 - Me ajude a te esquecer 
(Ed Wilson - Carlos Colla) 
03 - Fica mais um pouco 
(Frankye Arduini - Arnaldo Saccomani) 
04 - Fera 
(Cláudio Rabello - Jota Moraes)
05 - Querer por querer 
(Beto Mi) 
06 - Tudo por amor 
(Paulo Massadas - Michael Sullivan) 
07 - Tua imagem 
(Papi - Kátia) 
08 - Na trilha dos amores 
(Ricardo Magno - Tavito) 
09 - Palavras de amor 
(Cláudia Olivetti) 
10 - Mordida de maçã 
(Cláudio Rabello - Torquato)



segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Léo Peracchi e suas 100 cordas miraculosas

 "Sambas Eternos" é relançamento do álbum "Sambas e Violinos", de 1957
“O estilo dos arranjos de Leo Peracchi pode ser definido por palavras como elegância, sutileza, economia. Também não existe preferência ou predomínio por determinados instrumentos nas orquestrações; Peracchi se destacou justamente por saber equilibrar todos os timbres sonoros da orquestra”, escreve o jornalista Luis Nassif em seu portal em 30 de setembro de 2011, data do centenário de nascimento do músico paulista - regente, arranjador, pianista, professor, compositor e um dos grandes mestres da instrumentação moderna brasileira. Este “Sambas eternos”, álbum do selo Imperial, provavelmente de 1962, é relançamento do LP “Sambas e Violinos”, disco que o músico lançou pela Odeon em 1957, mas com outra capa e ordem diferente das músicas. O original abre o lado A com “Conceição” e o B com “Ai! Que saudade da Amélia”.

Toda a formação musical de Leo Peracchi foi feita em casa e no Conservatório do pai em São Paulo. Graduou-se aos 16 anos, em 1927, nas cadeiras de piano e composição. Começou dirigindo pequenas orquestras, acompanhando filmes nos cinemas da cidade. Toda a fase inicial da carreira foi dedicada ao rádio, a partir do trabalho feito em 1939 como pianista e maestro das rádios Kosmos, Bandeirantes e Educadora Paulista, em São Paulo. Em 1941, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde ingressou na Rádio Nacional como regente e orquestrador. Ali permaneceu durante quase duas décadas. Ao longo da carreira, Peracchi escreveu para filmes da Atlântida e da Flama, a exemplo de “Amei um bicheiro” (1952), atuando como diretor musical, e “Assim era a Atlântica” (1974), como compositor. Faleceu no Rio em 16 de janeiro de 1993. Saiba mais sobre sua biografia no portal do Nassif (aqui). Confira o disco:

01 - Se você jurar
(Ismael Silva - Nilton Bastos - Francisco Alves)
02 - Conceição
(Dunga - Jair Amorim)
03 - Maria boa
(Assis Valente)
04 - Saia do meu caminho
(Custódio Mesquita - Evaldo Ruy)
05 - Na batucada da vida
(Ary Barroso - Luiz Peixoto)
06 - Canção da volta
(Ismael Netto - Antonio Maria)
07 - Ai yoyo (Linda flor)
(H.Vogeler)
08 - Ai que saudades da Amélia
(Ataulfo Alves - Mario Lago)
09 - Agora é cinza
(Bide - Marçal)
10 - Canção de amor
(Elano D. Paula - Chocolate)
11 - Sentinela, alerta!...
(Ary Barroso)
12 - Falta de consciência
(Ary Barroso)



domingo, 15 de novembro de 2015

Pedro Paulo - Coletânea Especial (2015)

 
Seleção traz gravações realizadas entre meados dos anos 60 e fim dos 70
 Repertório do Pedro Paulo inclui regravações de sucessos do momento
Pedro Paulo ficou conhecido pelo sucesso "Nunca leve sua garota ao boliche", incluído na coletânea "As 14 mais - Vol. XVIII", da gravadora CBS, lançada em meados de 1966, na efervescência da Jovem Guarda, mas aos poucos o seu nome desapareceu. Nesta coletânea, que é mais uma colaboração do Aderaldo, a quem agradeço, encontramos um panorama musical de sua carreira até final dos anos 1970. São 30 faixas, suficientes pra gravar num CD, e curtir este cantor e compositor carioca que iniciou carreira no programa de calouros do Ary Barroso, onde ganhou nota máxima com música do próprio apresentador, "Morena boca de ouro", no final dos anos 1950.

A julgar pela discografia é possível notar que a gravadora - hoje Sony - adotou para Pedro Paulo a mesma estratégia mercadológica dada ao cantor José Roberto, outro contratado da casa, na qual priorizava a regravação de sucessos do momento, e dava pouco espaço para inéditas no repertório. Nesta coletânea, por exemplo, estão incluídas músicas gravadas por Dori Edson (“Boa noite”), Marcos Roberto ("Será?"), Waldireni (“Meu benzinho”), Wanderley Cardoso (“Não me deixe nunca mais”), Arthurzinho (“Baby”), Martinha (“Por quem estou apaixonado”) e outras, deixando em plano secundário as composições do artista, como “Domingo tem Maracanã”, samba rock do Pedro Paulo. Confira:

01 - Boa noite
02 - Nunca leve sua garota ao boliche
03 - De papo pro á
04 - Meu benzinho (Mendocino)
05 - Domingo tem Maracanã
06 - Nâo me deixe nunca mais
07 - Você partiu
08 - Minha amiga Stella
09 - Capa de revista
10 - Estou voltando para casa
11 - Como perdi duas garotas num minuto
12 - Baby
13 - Não é mole
14 - Ponha no lugar
15 - Deixe de esnobar
16 - Maria Beleza
17 - Quero um beijo seu
18 - Não diga meu nome
19 - Antes ele do que eu
20 - Meia volta
21 - Por quem estou apaixonado
22 - Mensagem
23 - Se há problema é só dizer (Yakety Yak)
24 - Será?
 25 - Suzana
26 - Não vou mais chorar
27 - Vou cantar pra subir
28 - Alguém é bobo de alguém (Everybody’s Somebody’s Fool)
29 - Cimento, tijolo e areia (Cemento, Ladrillo Y Arena)
30 - Foi tudo em vão

COLABORAÇÃO: Aderaldo


sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Vários artistas - CBS Promocional nº 3 (LP 1981)

 Disco exclusivo para divulgação traz os lançamentos da gravadora CBS
A capa, com o logotipo da gravadora CBS em destaque e o título “Promocional nº 3”, já revela que o disco é de divulgação, de venda proibida no mercado comercial. Produto como este é – ou era - comum no mercado fonográfico, e cada companhia tinha sua estratégia de marketing. Neste caso, a gravadora - que é a atual Sony - reuniu em 1981 seus lançamentos mais recentes num disco promocional, com resenha de cada faixa impressa na contracapa, como um press release, e distribuiu aos veículos de comunicação. O esquema deu certo, e este terceiro volume da série que desconheço o tamanho traz sucessos de artistas e grupos como Fagner, Simone, Agepê, Earth, Wind & Fire, The Police, Julio Iglesias, e outros. Confira:

01 - Fagner e Mercedes Sosa - Años
(Pablo Milanés)
02 - Simone - Pão e poesia (Part. esp. MPB-4)
(Moraes Moreira - Fausto Nilo)
03 - João do Valle - Na asa do vento
(Luiz Vieira - João do Valle)
04 - Terezinha de Jesus - Flor do xaxado
(Mirabô - Capinam)
05 - Agepê - Jogo de empate
(Neném do Cavaquinho - Iran Silva - Carlinhos Madureira)
06 - Wanderléa - Facho de luz
(Irinéia Maria - Raul Miranda)
07 - Julio Iglesias - Devaneios (Ou me queres ou me deixes)
(Luis Gardey - Erasmo Carlos)
08 - Nelson Ned - Perdidamente apaixonado
(Nelson Ned)
09 - Earth, Wind & Fire - Let's groove
(M.White - W.Vaughn)
10 - Nikka Costa - It's your dream
(Teddy Randazzo)
11 - The Police - Every little thing she does is magic
(Sting)
12 - Elo - 21st Centurt Man
(Jeff Lynne)



quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Johnny Heyman e orquestra - Dancing in the dark

 Álbum fabricado pelo selo mineiro Paladium não informa ano da produção
Mais uma produção do selo mineiro Paladium, que esteve na ativa nos anos 1960 e se destacava pela adoção do sistema de venda porta a porta. Este “Dancing in the dark”, do maestro Johnny Heyman e sua orquestra, é mais um título da gravadora que, infelizmente, não informa o ano da produção e nem fornece dados biográficos do músico. O texto, impresso na contracapa, limita-se a informar que ele é, “na atualidade, um dos mais notáveis líderes de orquestra. Exímio orquestrador, excelente arranjador, vem o jovem maestro se firmando cada vez mais no conceito do público discófilo. Neste LP podemos apreciar todas as facetas do artista e de sua orquestra, que realmente agradam a quem gosta de boa música”.  Confira:

01 - Poinciana
((B.Bernier - Nat. Simon)
02 - Midnight lace
(Joe Lubin - J. Howard)
03 - Love letters
(Victor Young - Edward Heyman)
04 - Dancing in the dark
(H.Dietz - A.Schwartz)
05 - Speak low
(Curt Weill - Ogden Nash)
06 - Exodus
(Ernest Gold)
07 - Vera Cruz
(H.Friedhofer S. Cahn)
08 - You stopped out ot my dream
(Kahn H. Brown)
09 - I've got you under my skin
(Cole Porter)
10 - Serenata
(Anderson)
11 - I'm getting sentimental over you
(Ned Washington - George Bassman)
12 - The apartament
(Charles Williams)



quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Adilson Ramos - Eu e o tempo (LP 1977)

 LP produzido em 1977 pela Copacabana figura entre grandes sucessos do cantor
“Eu e o tempo”, álbum do Adilson Ramos, lançado em 1977 pela Copacabana, figura entre os grandes sucessos da discografia do cantor e compositor, nascido em 7 de abril de 1945 no Rio de Janeiro. Desde o seu lançamento, já teve reedições pela própria Copacabana, assim como pelos selos Beverly e Som Indústria e Comércio. O exemplar enviado pelo nosso colaborador Erick, a quem agradeço, é do selo Som. Os destaques são as faixas ''Tudo e Nada'', ''Eu e o Tempo' e ''Cena Do Adeus'. O álbum é encerrado com o pot-pourri de boleros, formado por ''Sonhar Contigo'', ''Sonhei Com Você'', ''Duas Flores'', ''O Relógio'' e ''Tão Somente Uma Vez''. “Sonhar contigo”, gravada em 1963, quando Adílson passou a investir na carreira solo, após deixar o grupo de rock Os Cometas, obteve grande sucesso, e até hoje é obrigatória nos shows do cantor, que mora em Recife. Confira:

01 - Feche esta porta
(Tony Damito - Cezar - Maxine)
02 - Problemas
(Claudio Fontana - T.Alencar)
03 - Procuro alguém pra esquecer você
(A.Ramos - Calazans - N.Borges)
04 - Amor verdadeiro
(A.Ramos - Calazans - Hermê José)
05 - Amo a vida, amo o mundo, amo você
(A.Ramos - Calazans - Hermê José)
06 - Eu e o tempo
(A.Ramos - Calazans - Hermê José)
07 - Tudo e nada
(A.Ramos - Calazans - Hermê José)
08 - Menina do orfanato
(A.Ramos - Calazans - Hermê José)
09 - Recordações
(A.Ramos - Calazans - Hermê José)
10 - Cena do adeus
(M.Bastos)
11 - Pot-pourri:
Sonhar contigo
(A.Ramos - A.Leandro)
Sonhei com você
(A.Ramos - A.Leandro)
Duas flores
(J.Smera - O.Russo)
O relógio (El reloj)
(R.Cantoral - vs: N.B.Pinto)
Tão somente uma vez (Solamente una vez)
(A.Lara - vs: Waldomiro Bariani Ortêncio)


COLABORAÇÃO: Erick



terça-feira, 10 de novembro de 2015

Teddy Lee - Coletânea especial (2015)

Seleção traz 13 gravações extraídas de quatro singles, um EP e uma coletânea 
Na edição de 2 de março  de 1967, o jornal Última Hora, de São Paulo, noticiava que o alemão Wolfang Von Rohr também está na jovem guarda. “Só que o nome artístico escolhido por amigos é Teddy Lee. Com apenas 40 dias de Brasil, Teddy Lee vai se defendendo “arranhando” o português, preferindo por enquanto, cantar músicas inglesas e francesas. No último sábado, durante o programa “O Pequeno mundo de Ronnie Von”, o alemão de 23 anos, interpretou “Skinny Minnie” e “Mona Lisa”, e o público o aplaudiu em pé”, informa o diário paulista em texto reproduzido na contracapa do primeiro compacto simples do cantor no Brasil, lançado em 1967 pela RCA Victor (veja foto da capa logo abaixo), com as duas referidas músicas.

Segundo o artigo no jornal, Teddy deixou a namorada na Alemanha, mas não pretende regressar, pois está encantado com os brotos brasileiros. “Na Alemanha, com o nome de Wolfang Von Rohr, gravou três LPs com músicas do pai de sua ex-namorada. Enquanto não tiver uma pronúncia portuguesa a contento, Teddy Lee vai cantando músicas estrangeiras. Duas vezes por semana está recebendo aula de português com uma professora.  Assim que conseguir falar o ‘obrrigado’ com um ‘r’ a menos, irá mostrar realmente o que poderá fazer com nossas músicas”, encerra o texto.

Você mesmo poderá acompanhar a evolução do português e a redução do seu sotaque por meio 13 registros, gravados entre 1967 e 1971. Foram extraídos de cinco compactos - quatro simples e um duplo -  e da coletânea "Natal Feliz", de 1969, na qual interpreta "O Tannebaum”, gravada em seu idioma de origem. A seleção é mais uma colaboração do amigo Aderaldo, a quem agradeço também por informar que a coletânea não cobre toda a discografia brasileira do cantor. Ele disse que ainda procura pelas músicas “Yesterday man”, “Please Mr. Movingman" (1967), “Ama-me esta noite (Love me tonight)” , “Aquarius” e “F... comme femme" (1969). Mesmo assim, compartilha o que tem. Confira:

01 - Skinny Minnie
(Cafra - Haley - Gabler - Keefer)
02 - Mona Lisa
(Jay Livingston - Ray Evans)
03 - Não quero o teu presente
(Tommy Standen)
04 - A última valsa (The Last Waltz)
(Les Reed - Barry Mason - Versão: Ronnie Von)
05 - Se tu sofrissi quanto sofro io
(S. Bardotti - Jimmy Fontana)
06 - Pas en eté
(Eddie Vartan - Ann  Kopelman)
07 - Help yourself (Gli Occhi Miei)
(Carlos Donida - Mogol - Versão: Jack Fishman)
08 - Mac Arthur Park
(Jimmy Webb)
09 - Ra-Ta-Ta (Ra-Ta-Ta)
(Juwens Hellburg - Versão: Ravel)
10 - Eu preciso me livrar de você
(Dom - Ravel)
11 - Você não pode (Calypso Woman)
(Sidney Elliott - Versão: Eustáquio Sena)
12 - Podes ir (Set Me Free)
(Curly Putman - Versão: Paulo Murilo)
13 - Tannebaum (Pinheirinho de Natal)
(Ernest Anschütz)


COLABORAÇÃO: Aderaldo


segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Os Paqueras - Na onda do Tremendão (LP 1967)

 Grupo Os Paqueras executa 12 músicas do repertório do Erasmo Carlos
Faz tempo tinha desejo de ouvir o grupo Os Paqueras, provavelmente formado por músicos contratados pela RGE para executar em dois LPs canções do repertório do Erasmo Carlos, artista da gravadora. A oportunidade surgiu quando encontrei o LP “Na onda do Tremendão”, com link vencido, no blog do Rato Records. Pedi o repost, fui prontamente atendido, já agradeci, e tomo a liberdade de exibir o disco no blog com um objetivo: solicitar a quem tiver o outro LP d’Os Paqueras, igualmente raro e também com músicas do Erasmo. Será ótimo se pudermos postá-lo também. O ideal, em caso de discos de outros blogs, é fornecer o link original pra download, mas neste post criei um novo porque mudei o conteúdo da pasta: editei o áudio, converti a extensão do arquivo wave para mp3, e montei as ilustrações da contracapa e do CD, conforme nosso padrão. Confira:

01 - Vem Quente Que Eu Estou Fervendo
(Carlos Imperial - Eduardo Araújo)
02 - Você Me Acende (You turn me on)
(Ian Whitcomb)
03 - O Pica-Pau
(Renato Barros - Lilian Kapp)
04 - A Carta
(Raul Sampaio - Benil Santos)
05 - O Tremendão
(Marcos Roberto - Dori Edson)
06 - Festa de Arromba
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
07 - O Caderninho
(Olmir Stocker "Alemão'')
08 - Deixa de Banca (Les cornichons)
(N.Ferrer - J.Bock)
09 - Gatinha Manhosa
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
10 - Estrelinha (Little star)
11 - O Carango
(Carlos Imperial - Nonato Buzar)
12 - A Pescaria
(Roberto Carlos - Erasmo Carlos)


FONTE: Rato Records




domingo, 8 de novembro de 2015

O melhor das paradas e seus intérpretes originais

 Disco de 1980 reúne Tim Maia, Sidney Magal, Peninha e outros cantores
Um prato cheio para os fãs da música popular se deliciarem neste domingo está no álbum “O melhor das paradas e seus intérpretes originais”, lançado em 1980 pela Polydor/Philips. O disco tem o romantismo de artistas como Tim Maia, Sidney Magal e Peninha; revela a bonita “Elos marcados”, na voz do desconhecido Luiz de Lucas; traz a dançante “Fim de semana”, música de Marcão e Carlos Imperial, com o Dudu França; e até “Anúncio de jornal”, o maior sucesso popular entre as 12 faixas do disco, interpretada pela Julia Graciela. Enfim, é um disco pra fãs do gênero não reclamar, e nem botar defeito. Confira:

01 - Sidney Magal - O amor não tem hora para chegar
(Teddy Jauren - lIvi - Paulo Coelho)
02 - Tim Maia - Nosso adeus
(Beto Cajueiro - Paulo Zdanowski)
03 - Mayra - Eu e você (You and me for love)
(C.Stolk - vs: Gabino Corrêa)
04 - Dudu França - Fim de semana
(Carlos Imperial - Marcão)
05 - Paulinho Camargo - Pai nosso
(Paulinho Camargo - Dalila Camargo)
06 - Sabor de Mel - Pra tentar esquecer
(Nininho - Pedrinho - Diogo)
07 - Peninha - Vida
(Peninha - Carlos Colla)
08 - Super Bacana - Chorar pra que
(Laranjeiras - Pedrinho - Diogo)
09 - Julia Graciela - Anúncio de jornal
(Graciela Correa - Paulo Ricardo)
10 - Luiz de Lucas - Elos marcados
(Eros - Lemos)
11 - Beth Maia - Cada vez mais
(Eros - Pedrinho - Ernani Cardoso)
12 - Elio Roca - Você (Usted)
(Ruiz - Zorrilha - vs: Clovis Melo)