Pesquisar este blog

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Vários artistas - 6 Hits Instrumentais - EP 1973

Grandes hits internacionais de 1973 em versões instrumentais estão neste EP
O compacto simples é o vinil com duas músicas, uma em cada face. O duplo, como o próprio nome sugere, tem quatro faixas, o dobro do compacto simples. E quando tem seis músicas? Como deve ser chamado? Compacto triplo?  É o caso deste “6 Instrumental Hits”, lançado em 1973 pela Tapecar.  A dúvida é apenas detalhe, pois o que prevalece em qualquer disco é o conteúdo, e o que me chama a atenção neste é o erro de concordância no título. O correto seria “6 Instrumentais Hits” ou “6 Hits Instrumentais” (que tem melhor sonoridade). O repertório inclui dois sucessos do brasileiro Chrystian, mas o single não informa quem executa as canções.  Não posso afirmar, mas tudo indica que são playbacks das gravações com os artistas citados no disco. O principal hit do EP é “The snake”, com El Chicles, originalmente instrumental, e incluído na trilha sonora da novela "Cavalo de Aço", da Rede Globo. Confira:

01 - Don't say goodbye (Chrystian)
(P. Bryan - J. Saloman - Chrystian)
02 - Why can't we live toghether (Sam Beoble)
(T. Thomas)
03 - Last tango in Paris (Antique)
(Gato Barbieri)
04 - Also Sprach Zarathustra (2001) (The Specemen)
(Richard Strauss)
05 - I could never imagine (Chrystian)
(M. Davis - D. Edward - Chrystian)
06 - The snake (El Chicles)
(R. Benatar)



terça-feira, 29 de abril de 2014

Jair Rodrigues - Pisei chão - 1978

Álbum produzido pela Philips em 1978 se destaca pelo hit "Gotas de veneno"
Jair Rodrigues, pra mim, é sinônimo de simpatia e boa música. Este “Pisei chão”, produzido pela Philips em 1978, não foge à regra, e se destaca por sambas de primeiríssima qualidade. Um exemplo é a faixa “Gotas de veneno”, de Nei Lopes e Wilson Moreira, o grande sucesso do disco, que ainda traz canções assinadas por Tom e Dito, Evaldo Gouveia, Jair Amorim, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Carlos Lyra, Dorival Caymmi e outros. O cantor já teve sinopse de sua carreira publicada no blog. Assim, o melhor mesmo é não perder tempo, e conferir o disco:

01 - Gotas de veneno
(Nei Lopes - Wilson Moreira)
02 - Beijinho na boca
(Tom & Dito)
03 - Até quando
(Evaldo Gouveia - Jair Amorim)
04 - Saga do negro
(Marku)
05 - Samba, nascimento e vida
(Vevé Calazans - Roberto Santana)
06 - Poutpourri - Marchotecas
Onde está você
(Oscar Castro Neves - Luvercy Fiorini)
Franqueza
(Denis Brean - C.Guilherme)
Eu não existo sem você
(Tom Jobim - Vinicius de Moraes)
Suite dos pescadores
(Dorival Caymmi)
Marcha da quarta-feira de cinzas
(Vinicius de Moraes - Carlos Lyra)
07 - Pisei chão
(Sidney da Conceição - Baianinho)
08 - Oceano de paz
(Edil Pacheco - Ederaldo Gentil)
09 - Laço de fita
(Salobinho)
10 - Rosalina da Pavuna
(Paulo Debétio - Joel Menezes)
11 - Dinheiro não há
(Otacilio)
12 - É, pois é!
(Beto Scalla - São Beto)

FICHA TÉCNICA

Direção de  produção - Armando Pittigliani
Coordenação de produção - Roberto Santana
Direção musical - Maestro Wilson Mauro
Gravado nos estúdios: Eldorado (São Paulo) e Phonogram (Rio)
Técnicos - Milton, Ary Carvalhaes e L.C.Coutinho
Mixagem - Luigi Hoffer
Capa - Aldo Luiz
Fotos - Armando Pittigliani
Arte - Jorge Vianna

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Cyro Aguiar - Anticonvencional - LP 1969

Disco produzido pela Continental traz influências do Tropicalismo e Psicodelismo
Eis aqui um interessante álbum do cantor, compositor e radialista Cyro Aguiar. Trata-se do “Anticonvencional”, lançado em 1969 pela Continental, no qual apresenta canções claramente influenciadas pelo movimento tropicalista e psicodelismo vigente no final dos anos 1960. O disco traz, confirmando sua proximidade com o Tropicalismo, canções de Caetano Veloso e Gilberto Gil, além de Jorge Ben (hoje Benjor), Marcos Valle, Paulo Sérgio Valle e até Pixinguinha, entre outros. A possibilidade de postar esse raro disco se deve a generosa contribuição do amigo e colaborador Aderaldo, da Comunidade MC&JG, a quem renovo meus agradecimentos.

Cyro Mendes de Aguiar nasceu em Salvador no dia 9 de dezembro de 1941. Aos 17, foi para o Rio, e no início da década de 60 passaria a cantar em programas de rock. Pela Rádio Mayrink Veiga se apresentava várias vezes acompanhado pelo grupo Renato e seus Blue Caps, cantando hits internacionais da época. Ganhou o apelido de “Pat Boone baiano” pelo fato de cantar várias músicas do repertório do americano. Colega de Carlos Imperial, um dos responsáveis pela divulgação do rock no Brasil, Cyro chegou ao disco em 1963, gravando a canção “Monalisa”, mas foi em 1967 que fez sucesso com “A loucura das garotas”. Cyro Aguiar, que ainda fez outros sucessos, como “Do you like samba?”, de 1973, ainda está na ativa e apresenta em sua emissora de rádio em São Paulo um programa dedicado ao rock dos anos 60. Confira o “Anticonvencional”:

01 – Poutpourri: 
C’est ci bon
(Betti - Hornez)
Ó mari
(Di Capua)
Unchained melody 
(Alex North - Hy Zaret)
Deusa da minha rua
(Newton Teixeira - Jorge Faraj)
02 – Os dentes brancos do mundo
(Marcos Valle - Paulo Sergio Valle)
03 - Sereno
(Aloísio T. de Carvalho)
04 – Amor livre
(Cyro Aguiar - Adilson Silva - J. Pereira Jr.)
05 – Pense bem
(Cyro Aguiar - Geraldo Figueiredo)
06 - Rosa
(Pixinguinha - Otávio de Souza)
07 – Rei do maracatu
(Jorge Ben - Gilberto Gil)
08 – Domingo de notícias
(René Bittencourt - Chico Xavier)
09 - Moema
(João Augusto Costa Lima)
10 – Sim, foi você
(Caetano Veloso)
11 – Cartas de amor na areia (Love letters in the sand)
(J. Fred Coots - Nick & Charles Kenny - Versão: Alberto Ribeiro)
12 – Igual a uma boneca (Somigli a una bambola)
(F. Bergamini - G. M. Longo - Versão: Nazareno de Brito)

Colaboração: Aderaldo, da Comunidade MC&JG, do Orkut

domingo, 27 de abril de 2014

Seleção musical em homenagem a Elvis Presley

Coletânea reúne artistas internacionais em homenagem ao rei do rock
Em 13 de julho de 2013, por ocasião do Dia Mundial do Rock, foi postada aqui a coletânea "Brasileiros Cantam Elvis Presley", produzida pelo RStone, um dos fundadores da Comunidade MC&JG e apresentador da webrádio No Túnel do Tempo.  Agora ele montou o álbum-tributo internacional, em que cantores e grupos consagrados prestam homenagem ao Rei do Rock. Achei a coletânea muito boa - e considerando que já postei a versão nacional do projeto - nada como fazer o mesmo com a internacional, renovando meus agradecimentos a ele pela colaboração. O link pra download é o mesmo disponível aos membros da comunidade no Orkut.

Dire Straits, Paul Simon, Roy Orbison, Kate Bush, Stray Cats, são alguns dos nomes presentes nesta coleção, além de artistas como Ronnie McDowell e Danny Mirror, que eram totalmente desconhecidos do grande público e que após a morte de Elvis, gravaram canções que se tornaram sucessos mundiais. Stone lembra que naquele ano de 1977, Danny Mirror alcançou os primeiros lugares das paradas no mundo inteiro com "I Remember Elvis Presley", o mesmo aconteceu com a belíssima balada "The King Is Gone", de Ronnie McDowell. Confira:

01 - Ronnie McDowell - The king is gone - 1977
02 - Danny Mirror - I remember Elvis Presley - 1977
03 - Carl Perkins - The Elvis Presley Express - 1977
04 - Pat Green - Elvis - 2003
05 - Dire Straits - Calling Elvis - 1991
06 - Felton Jarvis - Don't knock Elvis - 1958
07 - Janis Martin - My boy Elvis - 1958
08 - Jerry Lee Lewis - It won't happen with me - 1958
09 - Stray Cats - Elvis on velvet - 1988
10 - Paul Simon - Graceland - 1985
11 - Mark Knopfler - Back to Tupelo - 2004
12 - Kate Bush - The king of mountain - 1978
13 - Leon Everette - Goodbye king of rock'n'roll - 1978
14 - Generation X - King rocker - 1978
15 - Roy Orbison - Hound dog man - 1979
16 - Denis Leary - Elvis and I - 1979
17 - Neil Young - He was the king - 2005
18 - Scouting For Girls - Elvs ain't dead - 1993
19 - Frank Zappa - Elvis has just left the building
20 - Roy Orbison, Johnny Cash, Carls Perkins & Jerry Lee Lewis - We remember the king - 1985

Colaboração: RStone, da Comunidade MC&JG, do Orkut

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Teca & Ricardo - Musiques et chantes du Brésil

Primeiro LP foi gravado em 1974 na França e relançado em CD em 2003
Uma dica pra quem gosta de música brasileira de boa qualidade é a dupla Teca & Ricardo, que aqui comparece com "Musiques et chantes du Brésil", de 1974, o primeiro da lista de cinco discos gravados pela dupla na França. O álbum, relançado em  CD em 2003, é uma contribuição do Maurício Gouvea, que gentilmente cedeu o disco ao colaborador Fáres pra postagem no blog. O nosso agradecimento aos dois. A pasta está completa, pronta pra download, e por isso resolvi manter o mesmo link recebido na esperança de que seja mantido por muito tempo.

Teca Calazans conheceu Ricardo Villas quando viajou para a França em 1970. Lá, formou a dupla Teca & Ricardo, e gravou também os discos "Caminho das águas" (1975), "Cadê o povo?" (1976), "Teca e Ricardo - desafio de viola" (1978) e "Jardin exotique" (1979). Voltaram ao Brasil em 1979 e gravaram dois LPs pela EMI, "Povo daqui" (1980) e "Eu não sou dois" (1981). Com a dissolução da dupla, cada um seguiu carreira solo.  Teca gravou vários discos e retornou a França em 1989, onde se mantém na ativa com outros álbuns gravados. Ricardo passou a trabalhar em trilhas sonoras de programas de televisão e foi diretor musical da Globo. Assim como Teca, também retornou a França e se mantém na ativa, dividindo tempo entre o Rio de Janeiro e Paris. Confira o post:

01 – Celeniel
02 – Cirandas
03 – Coco verde
04 – Casamento
05 – Abre a porta Pedro (O destino)
06 – Senhor piloto
07 – Ligado
08 – Limoeiro
09 – Nau catarineta
10 – Circo do horror


Colaboração: CD gentilmente cedido por Maurício Gouvea e Fáres.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Vários intérpretes - Click... - volume 2 (LP 1973)

Segundo volume da série "Click" foi lançado em 1973 pela gravadora Beverly
Se você baixou e curtiu o álbum “Click... volume 1”, postado ontem, com  certeza vai gostar também  do segundo volume, lançado em 1973 pela Beverly. Não sei se foram produzidos outros volumes. Só conheço esses dois. A exemplo do primeiro, este também é uma coletânea com artistas internacionais  e nacionais com nome estrangeiro, como é o caso do brasileiro Morris Albert. Ele comparece no disco com duas canções, uma das quais – “The man from Nazareth” – é a versão de “O homem de Nazareth”, grande sucesso do Antonio Marcos. Confira:
01 - Morris Albert - The man from Nazareth (O homem de Nazaré)
(Cláudio Fontana - vs: Morris Albert)
02 - Rastafari - Funky city
(F. Seivright)
03 - Inkase - Have you ever seen me
(Marriott - Lane)
04 - Iron Cross - Sunshine
(Hill - Saunders)
05 - The Rockin' Berries - Day to day
(M. St. Clair)
06 - Inkase - I love my dog
(C. Stevens)
07 - Levi Smith's Clefs - Shotgun
(A. de Walt)
08 - Mickey Stevenson - I'm on my way back to you
(William Stevenson)
09 - Morris Albert - Shalom my Israel
(Morris Albert)
10 - Irene Petrie - Really and sincerely
(B. Gibb - R. Gibb - M. Gibb)
11 - Multiple Balloon - Fool on the hill
(Lennon - McCartney)
12 - Tony Graig - Can you feel it
(Myers - Worsley)


quarta-feira, 23 de abril de 2014

Vários intérpretes - Click... - volume 1 (LP 1971)

Coletânea da gravadora Beverly reúne artistas nacionais e internacionais
Vou contar pra você que este “Click”, lançado em 1971 pela Beverly, foi um dos LPs mais executados na minha vitrola, como era chamado o toca-discos, na época. Deixou boas lembranças, e algumas marcas no disco, perceptíveis no áudio. O álbum é uma coletânea com artistas internacionais e nacionais com pseudônimos estrangeiros,  como é o caso do grupo Kris Kringle, por exemplo. Acredito que “Funny Funny”, com The Sweet Set , que também  fez sucesso como The Sweet, foi o principal hit do repertório, tanto que ganhou versões nacionais d’Os Carbonos. Se você quer curtir um pouco a magia musical do início dos anos 1970, confira este click:


01 - Dave and Ansil Collins - Double Barrel
(Produced by W. Riley)
02 - The Sweet Set - Funny Funny
(Chinn – Chapman)
03 - Kris KringleSusie
(Terry Johnson)
04 - Baby Joe - (I could) Conquer the world
(Paul Evans)
05 - Okie Duke - Chicken lickin'
(Frank S. Kish – Creative)
06 - Upsetters - Shocks of a Mighty
(Perry)
07 - Bobby Bland - I'm sorry
(Sonny Thompson)
08 - Raw Spitt - The Freedom Under Certain Konditions Marching Band
(Jerry Williams, Jr. – Troy Davis)
09 - Horace Faith - Black Pearl
(Spector – Levine – Wine)
10 - Bob and Marcia - We've got to get ourselves together
(Bramlett – Radle)
11 - Swamp DoggSal-a-Faster
(Jerry Williams, Jr.)
12 - Dandy -  You're coming back
(R. Thompson)



terça-feira, 22 de abril de 2014

Almir, dos Fevers - Ritmo do coração (LP 1986)

Almir, ex-vocalista dos Fevers, revisita clássicos da MPB neste LP de 1986
O cantor Almir Bezerra, ex-vocalista da banda The Fevers, fez um passeio musical por clássicos da MPB neste “Ritmo do Coração”, álbum lançado em 1986 pelo selo Recarey. No repertório, canções como “Apelo”, “Chão de estrelas”, “Vingança”, “Caminhemos” e outras conhecidas do grande público. O resultado, infelizmente, não é dos melhores. O artista escolheu repertório de primeira, mas (na minha modesta opinião, é claro) perdeu a oportunidade de se exibir como intérprete e ampliar sua audiência. Basta ouvir o pot-pourri com “A noite do meu bem”, “Matriz ou filial” e “Ela disse-me assim”, por exemplo, pra concluir que o objetivo foi apenas comercial. A estratégia deu certo. No ano seguinte, o "Ritmo do coração" ganhou o segundo volume, e posteriormente o terceiro.

Almir, hoje com 69 anos, continua em plena atividade artística, e está bem de saúde, após o susto causado pelo início de acidente vascular cerebral (AVC) sofrido no final do mês passado em Recife. Ele foi internado no fim da noite de 28 de março no Hospital da Restauração e teve alta no último dia 4. De acordo com boletim divulgado pelo hospital, o cantor realizou fisioterapia e fonoterapia na enfermaria de neurocirurgia. Desde que ficou internado, Almir evoluiu satisfatoriamente ao tratamento, e encontrava-se clinicamente e neurologicamente estável. Que continue assim. Confira o post:

01 – Apelo
(Baden Powel – Vinicius de Moraes)
02 - Cabelos brancos
(Marino Pinto – Herivelto Martins)
03 - Chão de estrelas
(Silvio Caldas – Orestes Barbosa)
04 - A noite do meu bem
(Dolores Duran)
 Matriz ou filial
(Lúcio Cardim)
 Ela disse-me assim
(Lupicinio Rodrigues)
05 - Último desejo
(Noel Rosa)
06 - Negue - A volta do bohêmio
(Adelino Moreira)
07 - As rosas não falam
(Cartola)
 Risque
(Ari Barroso)
 Adeus (Cinco letras que choram)
(Silvério Silvino Neto)
08 – Vingança
(Lupicinio Rodrigues)
09 – Fracasso
(Mário Lago)
 Cadeira vazia
(Lupicinio Rodrigues)
10 – Mulher
(Sady Cabral – Custódio Mesquita)
11 - A flor e o espinho
(Nelson Cavaquinho – Alcides Caminho – Guilherme Brito)
 Notícia
(Nelson Cavaquinho – Norival Bahia – Alcides Caminho)
12 – Caminhemos
(Herivelto Martins)


sexta-feira, 11 de abril de 2014

Rosemary - Igual a ti não há ninguém (LP 1964)

Rosemary, aos 18 anos, gravou o primeiro LP pela gravadora RCA Victor
Rosemary, que sempre omite seu passado de cantora da juventude, ignorando o iê iê iê e a Jovem Guarda, comparece no blog com o seu primeiro LP, lançado em 1964 pela RCA Victor. O disco, produzido durante a fase dourada da música italiana no Brasil, se destaca pelas versões de sucessos originais da Rita Pavone, principal ídolo feminino internacional no País em meados dos anos 1960. A música que dá título ao álbum, “Come te non c'e'nessuno”, é uma delas, assim como “La partita di pallone”, “Che  m'importa del mondo”, “Il ballo del mattone” e “Cuore”. Um dos destaques é “Poema de ternura”, outra versão da italiana “Non ho l'eta per amarti”, do repertório da Gigliola Cinquetti. A curiosidade é a desconhecida “O sonho de todas as moças”, composta pelo novato Erasmo Carlos em início de carreira solo. O texto, na contracapa do disco, informa que Rosemary começou a carreira aos oito anos, e tornou-se profissional aos 14, quando gravou o primeiro disco, um 78 rpm, mas foi aos 18 que lançou este seu primeiro LP. Confira:

01 - Igual a ti não há ninguém (Come te non c'e'nessuno)
(Migliacci - Vassalo - vs: Hélio Justo)
02 - Lágrimas de tristeza
(Hélio Justo - Dayse Justo)
03 - Como sinfonia (Come sinfonia)
(Pino Donaggio - vs: Romeu Nunes)
04 - Sempre aos domingos (La partita di pallone)
(Rossi - Vianello - vs: J. Nagib)
05 - O sonho de todas as moças
(Erasmo Carlos)
06 - Vinte e quatro mil beijos (24 mila baci)
(Fulci - Viovarelli - Celentano - vs: Hélio Justo)
07 - Que me importa o mundo (Che  m'importa del mondo)
(Migliacci - Enriquez - vs: Carlos Moraes)
08 - A dança dos brotos (Il ballo del mattone)
(Verde - Canfora - vs: Hélio Justo)
09 - Ninguém como você
(Hélio Justo - Dayse Justo)
10 - O doutor do amor, menino
(José Messias)
11 - Meu coração (Cuore)
(Rossi - Mann - Weil - vs: Hélio Justo)
12 - Poema de ternura (Non ho l'eta per amarti)
(Nisa - M. Panzeri - vs: Paulo Rogério)



quinta-feira, 10 de abril de 2014

Dave MacLean - Me and you (EP 1973)

Dave MacLean obteve muito sucesso no Brasil e no exterior nos anos 1970
Este EP, lançado em 1973 pela Top Tape, marca a época em que nós, brasileiros, comprávamos gato por lebre. Ou seja, adquiríamos e ouvíamos discos de "artistas internacionais" que, na verdade, eram brasileiros com nomes de gringos. Um  dos destaques dessa safra é o cantor e compositor Dave MacLean, ex-integrante do grupo The Buttons. Por volta de 1973, ainda atuando na banda, Dave começou a gravar em inglês após receber da Rede Globo uma proposta para gravar temas de novelas. O primeiro sucesso, “Me and you”, está incluído neste compacto duplo, e fez parte da trilha da novela “Ossos do barão”. Outro grande sucesso foi “We said goodbye”, faixa do seu segundo LP solo, lançado em 1974 e já postado (aqui) no blog. Confira o post:

01 - Me and you
(John Burn’s – Joe – D. MacLean)
02 - Fool in the storm
(John Burn’s – Joe)
03 – Priscilla
(John Burn’s – Joe)
04 - It's for you
(Joe)



quarta-feira, 9 de abril de 2014

Vários artistas - O fino das paradas - Vol.4 (LP 1969)

Disco produzido em 1969 inclui artistas do cast da gravadora Chantecler
Mais uma coletânea que, com certeza, agradará muita gente. Trata-se do quarto volume da série "O Fino Das Paradas", um projeto fonográfico da Chantecler. É o único volume que disponho. O álbum traz hits de artistas como Joelma,  Demônios da Garôa, Nalva Aguiar, Giane, Reginaldo Rossi, Claudio Roberto, Rosa Miyake, José Augusto, Poly e Claudio Roberto.  Eles interpretam grandes sucessos de 1969, como “Aqueles tempos”, “Rosa Gigante”, “Você passa e eu acho graça”, “Murmura o mar”, “Sayonara, sayonara” e outros. Confira:

01 - Joelma - Aqueles tempos (Those were the days)
(Gene Reskin - vs: Fred Jorge)
02 - José Augusto - Murmura o mar (Les bruit des vagues)
(Romuald - Pascal Sevran - Serge Lebrall - vs: Flávia de Queiroz Telles)
03 - Nalva Aguiar - Morunga, morunguê
(Luiz Wanderley)
04 - Miltinho Rodrigues - Roda gigante
(Miltinho Rodrigues - Marcos Antonio)
05 - Rosa Miyake - Sayonara, sayonara
(Mike Mark - Hichidai Nakamura - vs: Os Incríveis)
06 - Giane - Não esqueço jamais (On N'Oublie Jamais)
(J.C.Massoulier - A. Popp - vs: Salatiel Coelho)
07 - Claudio Roberto - Meu coração que te amava tanto (Avevo un cuore che ti amava tanto)
(A. Salermo - Franco - Mino Reitano - vs: Antionio Marcos)
08 - Rosa Miyake - Sabiá
(Chico Buarque - Tom Jobim)
09 - Demônios da Garoa - Vila Esperança
(Adoniran  Barbosa - Marcos Cesar)
10 - Poly - Say shallom
(Martin)
11 - Reginaldo Rossi - Por um só dos seus carinhos
(Reginaldo Rossi)
12 - Demônios da Garoa - Você passa e eu acho graça
(Carlos Imperial - Ataulfo Alves)

FICHA TÉCNICA

Direção artística - Braz Baccarin
Técnico de som - Alberto Calçada


segunda-feira, 7 de abril de 2014

Carmen Silva - Samba com iê iê iê (EP 1977)

EP da Continental traz as primeiras gravações da cantora nos anos 1960
Não se deixe enganar pelo ano do lançamento deste EP em 1977 pela Continental. Trata-se, na verdade, de relançamento com os primeiros registros da Carmen Silva, ainda nos anos 1960, quando sofria pressão por parte da indústria fonográfica para gravar sambas, ritmo com o qual não se identificava e nem queria ser estigmatizada, pois preferia interpretar canções românticas. O destaque do EP é a música “Samba com iê iê iê", extraída do compacto simples de 1967, com “Tudo isso e mais” na outra face do disco. A letra defende a fusão do samba com o iê iê iê: “A mocidade está com a situação/ Ninguém derruba a Jovem Guarda não/ Tem que entrar na onda quem quiser se arrumar/ Que o samba é brasa, mora/ Tem que ser agora/ Parece que vai acontecer/ O samba namorar o iê iê iê”. E, de fato, desse namoro surgiu o samba rock.

Carmen Silva é natural de Veríssimo, no Triângulo Mineiro. Antes do sucesso artístico, foi babá e empregada doméstica. Iniciou sua carreira ainda muito jovem. Participou de vários programas de calouros. Venceu o concurso "Um Cantor por um Milhão, um Milhão por uma Canção", da Rede Record, e recebeu apoio do Silvio Santos, que chegou gravar um single com a cantora. O grande sucesso viria em 1969 com “Adeus solidão”, e a partir daí emplacou hits como "Fofurinha", "Sapequinha", "Espinho na Cama", "Fotografia", "Amor com Amor se Paga" e "Ser tua namorada", entre outras. Hoje, a cantora é evangélica e se dedica desde 2001 a música gospel, integrando o cast da gravadora Graça Music, da Igreja da Graça, do missionário R.R.Soares. Confira o EP:

01 - A parede (La pared)
(Roberto Angleró – vs: Alexandre Cirus)
02 - Beija-flor
(Nelson Cavaquinho – Noel Silva – Augusto Tomas)
03 - Samba com iê iê iê
(Jair Gonçalves)
04 - Tudo isso e mais
(José Di)


sábado, 5 de abril de 2014

Vários intérpretes - Sucesso total (LP 1986)

Coletânea privilegia gravações de artistas do cast da gravadora Copacabana
Recebi e agradeço ao amigo Werner, visitante do blog, que gentilmente me enviou por e-mail a capa e a contracapa originais do compacto simples da Marília Pêra e Rodrigo Santiago, postado no último 31 de março por ocasião dos 50 anos do golpe militar de 1964. O disco traz duas músicas da Roda Viva, peça teatral do Chico Buarque que virou símbolo da resistência contra a ditadura militar. O meu disco, comprado em sebo, está sem a capa, e logo mais vou atualizar o post com as ilustrações fornecidas pelo Werner. Valeu!!!

A postagem deste sábado é muito legal. O disco “Sucesso total”, lançado em 1986 pela Copacabana, é uma coletânea com artistas conhecidos, como Ovelha, Ângelo Máximo, Bianca, Perla, Adriano, Brazilian Genghis Khan e até o radialista Eli Correa. No entanto,  o que se destaca no disco são os desconhecidos Lay Out, Patrícia, Rosana Patsy e XKW. É muito bom, por exemplo, ouvir a releitura da Rosana Patsy para “Deixa isso pra lá”, clássico do Jair Rodrigues, e se divertir com a irreverência do grupo XKW em “Sou virgem” e da Patrícia em “Fogo no rabo”. Confira:

01 - Ovelha - Você vai voltar (Lover why)
(J.Milford - J. Stuart - J. Weysley - vs: Gambier)
02 - Lay Out - Beijo na boca
(Luiz Gonzaga Valente Ribeiro - José Fernandes Neto)
03 - Angelo Máximo - Ainda te amo (Nikita)
(Elton John - Bernie Taupin - vs: Gambier)
04 - Neil Bernardes - Lembra eu te amo (Remember I love you)
(Jim Diamond - Graham Lyle - vs: J. Oliveira)
05 - Bianca - Alguma coisa (Tempo pra sonhar)
(C. Borba Gato)
06 - Eli Correa - Despedida
(Música de José Paulo Soares - texto de Eli Correa)
07 - XKW - Sou virgem
(Frank Gal - Nepô)
08 - Patricia - Fogo no rabo
(Afonso Felicori)
09 - Rosana Patsy - Deixa isso pra lá
(Alberto Paz - Edson Menezes)
10 - Perla - Te amo demais (Still loving you)
(Rudolf Schenker - Klaus Meine - vs: Papi e Katia)
11 - Adriano - Onde está você
(Adriano)
12 - Brazilian Genghis Khan - Marco Polo (In for a Penny)
(John Moering - Jean Frankfurter - vs: Vivian C. Manso)


sexta-feira, 4 de abril de 2014

Os Eles - Às vezes se perguntam (1987)

Disco mix lançado pela Polydor traz a mesma música em ambas as faces
Depois da dupla Eles, incluída no segundo volume da coletânea “Duplas em compacto”, postada no último dia 23 de março, nada como conhecer o som da banda homônima por meio deste disco mix, lançado pela Polydor em 1987. Não sei o que você pensa sobre o disco mix, mas pra mim representa o produto de maior desperdício de matéria-prima da indústria fonográfica. Um exemplo é este disco, de 12 polegadas, que consome o mesmo volume de vinil e de papel na produção do LP, mas traz apenas uma música em ambas as faces. É ou não é desperdício de material? No caso, a música em questão é “Às vezes se perguntam”, um rock bem  típico dos anos 1980. A banda, segundo consta, surgiu em 1984 no Rio Grande do Sul, e esteve em atividade durante quatro anos, lançando dois discos. A formação original contava com Leo Henkin, Leandro Branchtein, Darwin Gerzson e os irmãos Régis e Dannie Dubin. Confira:

01 - Às vezes se perguntam
(Leandro – Dannie – Alceu)


quinta-feira, 3 de abril de 2014

Erwin Wiener - Os grandes sucessos do ano

Grandes sucessos de 1967 e 1968 são executados por Erwin Wiener e conjunto
Post reúne músicas de dois EPs comemorativos aos 70 anos da Duas Âncoras
Parquetina, Cito, Pox, Duas Âncoras, Sacy, Anco-Raz, Alvolina e Goma Camelo. Essas marcas, nos anos 1960, são do portfólio da Cia. Química Duas Âncoras, indústria de produtos de limpeza fundada em 1898. Em 1967, quando se preparava para as comemorações do 70º aniversário, a empresa patrocinou o EP “Os grandes sucessos do ano”, executados pelo pianista Erwin Wiener. A dose, durante o festejo, foi repetida no ano seguinte com mais um compacto duplo, provavelmente distribuído em promoção que desconheço detalhes. As oito músicas do primeiro EP foram incluídas em quatro faixas no formato de pot-pourri. O segundo, por sua vez, tem oito faixas, incluindo o mesmo jingle instrumental da marca Parquetina, que abre o lado A e encerra o B.

Achei interessante reunir os dois discos nesta coletânea. As faixas do pot-pourri foram separadas, de forma que o post, sem repetir o jingle, passa a ter 15 faixas. São sucessos nacionais e internacionais executados  pelo músico de origem tcheca radicado no Brasil. Não encontrei referências pessoais do artista, mas constatei na rede que possui ampla discografia, iniciada em 1948, com cerca de 50 discos gravados de todos os formatos até o início dos anos 1980. Com seu piano, Erwin não só gravou temas nacionais e internacionais para o mercado comercial, mas também para fins promocionais de outras empresas, como L’Oreal de Paris, Cibramar, Ray-o-vac, Isopor  e outras. Confira:

01 - A praça
(Carlos Imperial)
02 - A banda
(Chico Buarque)
03 - Un homme et une femme
(Francis Lai – Pierre Barouh)
04 - Glass bottom boat
(Joe Rubin)
05 - Pulga espanhola
(Julius Wechter)
06 - Tijuana taxi
(Bud Coleman)
07 - The shadow of your smile
(J. Mendel – Paul F. Webster)
08 – Esqueça (Forget him)
(Mark Anthony)
09 - Quando m'innamoro
(D. Pace – M. Panzeri – R. Livraghi)
10 - Soy loco por ti, America
(Gilberto Gil – Torquato Neto – Capinan)
11 - Canzone per te
(Sérgio Endrigo – Bardotti)
12 - La tramontana
(D. Pace – M.Panzeri)
13 - Alegria, alegria
(Caetano Veloso)
14 - Washington square
(Bob Goldstein – David Shire)
15 - Jingle Parquetina



quarta-feira, 2 de abril de 2014

Vanusa - Mudanças (ao vivo no Inverno & Verão)

LP foi gravado em março de 1986 durante temporada da cantora na casa noturna
O Inverno & Verão, badalada casa noturna que operou no bairro de Moema, em São Paulo, nos anos 1980, foi o palco para a gravação ao vivo deste álbum da Vanusa em março de 1986. O disco foi adquirido no próprio estabelecimento durante a temporada da cantora no local. Posteriormente, em escala comercial, foi lançado pela RGE dentro da série “A arte do espetáculo ao vivo”, mas sem o título “Mudanças”. Trata-se do único LP ao vivo da Vanusa, e se destaca pela inclusão de grandes sucessos da cantora, como “Paralelas” e “Mudanças”, e de terceiros, como “Aprendendo a jogar” (Elis Regina) e “Bilhete” (Fafá de Belém), por exemplo. Um dos destaques é o pot-pourri com três músicas dos Beatles: “Yesterday”, “Eleonor Rigbi” e “Day tripper”. Confira:

01 - Mensagem
(Aldo Cabral - Cicero Nunes)
 Manhãs de setembro
(Vanusa - Mário Campanha)
 Paralelas
(Belchior)
02 - Aprendendo a jogar
(Guilherme Arantes)
03 - Um dia de domingo
(Michael Sullivan - Paulo Massadas)
04 - Yesterday
(Lennon - McCartney)
 Eleonor Rigbi 
(Lennon - McCartney)
 Day tripper
(Lennon - McCartney)
05 - Mudanças
(Sérgio Sá - Vanusa)
06 - Bilhete
(Ivan Lins - Victor Martins)
07 - Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rollings Stones
(Migliacci - Lusini - vs: Os Incríveis)
08 - Felicidade
(Lupicinio Rodrigues)
09 - Súplica cearense
(Gordurinha)

FICHA TÉCNICA

Produtor fonográfico – Inverno & Verão
Coordenação de produção – W. Rodrigues Poso
Equipe técnica – Móbile Gravações ao Vivo
Equipamento – Egídio Conde
Engenheiro de som e mixagem – Élcio Alvares P. Filho
Assistentes – Waltinho e Dalton
Músicos:
Guitarra e vocal – Mauro Seal
Teclados – Homero Lotito
Bateria – Carlos Belem
Baixo e vocal – Amador Bueno
Arranjo – Suplica Cearense (Mauro Seal)
Bilhete (Antonio Adolfo)
Foto – Wallace/Foto Capital
Gravado ao vivo no Inverno & Verão em março de 1986 



terça-feira, 1 de abril de 2014

Os Carbonos - 12 Super Sucessos (LP 1971)

Álbum d'Os Carbonos, lançado pela Beverly, se destaca por ser instrumental
Este álbum d’Os Carbonos não é novidade na rede, pois já o vi disponível em outros blogs, mas achei que poderia postá-lo porque o meu exemplar está em bom estado e a qualidade do áudio é ótima. Lançado pela Beverly em 1971, o disco é praticamente instrumental, com uma ou outra intervenção vocal, mostrando o enorme talento dos músicos envolvidos. O repertório é constituído de sucessos nacionais e internacionais da época, como “O Cafona” (da novela do mesmo nome), “Você também é responsável” (hit do Dom e Ravel), “Have you ever seen the rain” (do Creedence Clearwater Revival), “Menina da Ladeira” (do João Só) e outras. Confira:

01 - I Play And Sing 
(I. Levine - L. Russell Brown)
02 - Me And You And a Dog Named Boo 
 (K. Lavoie)
03 - O Cafona 
 (Marcos Valle - Paulo Sergio Valle)
04 - My Little One 
 (Campbell - McAleese)
05 - Dream Baby (How Long Must I Dream) 
 (Cindy Walker)
06 - Scaba Badi Bidu (Regay) 
 (Donald - Alex McCluskey - Monsegur)
07 - Menina da Ladeira
 (João Só)
08 - Funny Funny 
 (Chinn - Chapman)
09 - Have You Ever Seen The Rain 
 (John Fogerty)
10 - Você Também É Responsável 
 (Dom - Ravel)
11 - What Is Life 
 (George Harrison)
12 - Arrebita 
 (Adpt. Roberto Leal)