Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Saulo Sabino - Água régia (LP 1987)

Primeiro álbum do cantor e compositor Saulo Sabino foi lançado em 1987
Os mineiros devem conhecer o cantor e compositor Saulo Sabino, natural da cidade de Oliveira, pois este “Água Régia”, lançado em 1987, é o primeiro de sete álbuns de sua discografia. Trata-se de mais uma contribuição do amigo Rafael, da Comunidade MC&JG, a quem renovo os meus agradecimentos. Segundo o site do artista, Saulo vive em Belo Horizonte desde 1982, quando foi selecionado para o “Fim de Tarde”, projeto de música do Palácio das Artes de onde saíram vários dos nomes atuais da música mineira.

Além dos sete discos autorais, Saulo ainda contabiliza a produção de outros nove de artistas da música instrumental mineira, entre eles o álbum Celso Moreira Autoral, que conquistou, em 2008, o Prêmio BDMG Marco Antônio Araújo, como melhor do ano. Sua música tem forte ligação com o movimento ambientalista, por conta de “Bicho Brasileiro”, seu disco de maior repercussão dirigido ao público infantil, que vendeu mais de 80 mil cópias, e rendeu desdobramentos em cinema (“Toada da Onça”), teatro experimental (Teatro de Sombras Chinesas), e outros álbuns autorais que seguiram o tema, como o CD “O País das Águas Doces” e o disco mais recente,“Pequeninos e Gigantes”. Confira este:

01 – Princesa
(Saulo Sabino e José Fernando)
02 – Trem das Vertentes
(Saulo Sabino e Sávio Henrique)
03 – Alinhavo
(Saulo Sabino)
04 – Pra Virar Cantiga
(Saulo Sabino e Leandro Luz)
05 – Água Régia
(Saulo Sabino)
06 – Sertanejo
(Saulo Sabino)
07 – Gêmini
(Saulo Sabino)
08 – Pamagro
(Saulo Sabino)

Colaboração: Rafael, da Comunidade MC&JG, do Orkut

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Vários intérpretes - Festival da Bossa (LP 1965)

Álbum de 1965 foi relançado em 1989 devido aos 30 anos da Bossa Nova
Em 1989, quando a Bossa Nova comemorou 30 anos, a gravadora RGE lembrou a data com relançamento de alguns títulos. Um dos álbuns é este Festival da Bossa, originalmente lançado em 1965, com intérpretes como Alaíde Costa, Geraldo Vandré e Maricene Costa, e compositores do calibre de Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Carlos Lyra, Edu Lobo e outros. O interessante é a inclusão de alguns nomes desconhecidos do grande público, mas não menos importantes em relação aos já citados. O Sambalanço Trio, por exemplo, tinha César Camargo Mariano no piano e Airto Moreira na bateria. O mesmo Airto Moreira está presente no Sambrasa Trio junto com Hermeto Pascoal no piano e Humberto Clayber no baixo. César Camargo Mariano, por sua vez, comparece no Quarteto de Saba, juntamente com Théo de Barros na guitarra, Sabá no baixo e Hamilton na bateria. Enfim, quem curte a Bossa Nova, não pode deixar de conferir este álbum:

01 - Sambalanço Trio – Samblues
(César Camargo Mariano)
02 - Alaíde Costa - Terra de ninguém
(Marcos Valle - Paulo Sergio Valle)
03 - Sansa Trio – Primavera
(Carlos Lyra - Vinicius de Moraes)
04 - Geraldo Vandré - Canção nordestina
(Geraldo Vandré)
05 - Elenco do Arena Conta Zumbi - Eu vivo num tempo de guerra
(Edu Lobo)
06 - Walter Santos - Sambo só
(Walter Santos - Tereza Souza)
07 - Os Intocáveis - Garota de Ipanema
(Tom Jobim - Vinicius de Moraes
08 - Sambrasa Trio – Aleluia
(Edu Lobo - Ruy Guerra)
09 - Os Bossais - Marcha da quarta-feira de cinzas
(Carlos Lyra - Vinicius de Moraes)
10 - Quarteto de Sabá - P'ra que chorar
(Baden Powell - Vinicius de Moraes)
11 - Gerald Cunha - Rancho das namoradas
(Ary Barroso - Vinicius de Moraes) 
12 - Trio Seleno - Azul contente
(Walter Santos - Tereza Souza)
13 - Maricene Costa - Bossa na praia
(Geraldo Cunha - Pery Ribeiro)
14 - André Penazzi – Arrastão
(Edu Lobo - Vinicius de Moraes)



quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Geraldo Roca - Veneno Light (2004)

Geraldo Roca é dono de uma das obras mais inspiradas da música do Centro-Oeste
Este “Veneno Light”, CD lançado em 2004 por Geraldo Roca, é uma colaboração do amigo Rafael, da Comunidade MC&JG, a quem agradeço pela atenção. O artista, pra quem não sabe, é o autor da música “Trem do Pantanal”, sucesso na voz do Almir Sater.  Com uma sonoridade que mescla instrumentos acústicos com batidas eletrônicas, o CD tem 10 faixas e mostra que o compositor tem um estilo muito particular. Traz interpretações de "Cavalo Bravo", de Renato Teixeira, e "Flores", dos Titãs, assim como a balada “Sobre a Cidade Média”, do próprio Roca. O compositor, carioca de nascimento, sempre flertou com o Mato Grosso do Sul, onde sua família possui fazenda, e é dono de uma das obras mais inspiradas da música feita na região Centro-Oeste. Confira:

01 - O Que O Dinheiro Não Compra
(Roca)
02 - Salvação
(Lieber - Stoller - Roca)
03 - Pra Que Sair da Cama
(Roca)
04 - Sobre A Cidade Média
(Roca)
05 - O Rio Na Chuva
(Roca)
06 - Flores
(Miklos - Gavin - Britto - Belloto)
07 - Yra Yra
(Discépolo - Beron)
08 - Sim
(Roca)
09 - O Castelo Eletrônico
(Roca)
10 - Cavalo Bravo
(Renato Teixeira)

Ficha Técnica:

Geraldo Roca: voz, violões, guitarra e arranjos
Gilson Rocha: teclados, timbres, técnica, parcerias nos arranjos faixas 3 e 10
Teca Figueiredo: vocal feminino
Marcelo Tezeli: vocal masculino
Alex Kundera: bateria faixa 2
Frank Nagai: guitarra solo na faixa 9
Mercelo Tedim: contrabaixo faixa 2
Alex Cavalheri: piano, órgão, sampler, backing vocal, programação, edição em protools e efeitos
Sandro Moreno: bateria nas músicas 4 e 10, e percussão na música 2
Pedro Ortale: baixo na música 4
Capa: Slogan Publicidade
Foto: Cândido Fonseca
Pesquisa e produção de foto: Teca Figueiredo

Colaboração:  Rafael, da Comunidade MC&JG, do Orkut

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Andy Kim - Rock me gently (LP 1974)

Andy Kim ganhou prestígio entre final dos anos 1960 e meados dos 1970
Andy Kim é o nome do cantor e compositor que curti muito entre o final dos anos 1960 e meados dos 1970. Em 1974, ele lançou este álbum pela Capitol Records (Emi-Odeon) com pelo menos dois hits: “Rock Me Gently” e “Fire Baby, I'm on Fire”, conhecida no Brasil pela versão “Você queima como fogo”, gravada pelo Fábio Stella. O álbum traz 10 músicas, todas compostas pelo artista, e aproveitei o espaço vago para incluir duas faixas bônus – “Be My Baby” e “Baby I Love You”, principais hits do cantor.

Andrew Youakim, seu nome de batismo, é filho de expatriados libaneses que se estabeleceram em Montreal, no Canadá. Descobriu desde cedo sua vocação para a música, e aos 16 anos saiu de casa para tentar a sorte em Nova York. Foi lá que, após inúmeros contatos, conheceu o compositor e produtor Jeff Barry que, com Ellie Greenwich , tinha escrito vários sucessos importantes para Phil Spector. Barry ficou impressionado com uma canção que o jovem tinha escrito, "How'd We Ever Get This Way", e o contratou para a Steed Records, uma gravadora dirigida por ele. A música fez sucesso nos Estados Unidos e Canadá.

Em 1969, Kim e Barry criaram duas músicas para os Archies, grupo fictício de rock que aparecia numa série de quadrinhos popular. “Sugar, Sugar” e "Jingle Jangle" se tornaram os grandes sucessos da banda. A partir daí a carreira do cantor e compositor deslanchou com "So Good Together", “Baby I Love You”, “Be My Baby”, “Shoot’em Up, Baby” e outras. O último sucesso foi este "Rock Me Gently", e a partir daí Andy desapareceu do cenário, retornando apenas nos anos 1980 e 1990, período em que gravou como Baron Longfellow. O artista gravou em 2005 o álbum "Andy Kim Christmas Show", e em 2010 o CD "Happen Again", provavelmente inéditos no Brasil. Confira o post:

01 - Rock Me Gently
02 - Good Good Mornin'
03 - Hang up Those Rock'n Roll Shoes
04 - Songs I Can Sing Ya
05 - And I Will Sing You to Sleep
06 - Fire Baby, I'm on Fire
07 - Here Comes the Mornin'
08 - You Are My Everything
09 – Sunshine
10 - Rock Me Gently - Pt. 2

BÔNUS

11 - Baby I Love You
12 – Be My Baby


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Wagner - Novo amor (CS RCA Victor - 1968)

Wagner se destaca pelo timbre vocal similar ao do Wanderley Cardoso
Um dos indícios pra gente avaliar o sucesso de um artista é verificar a influência que ele exerce sobre os novatos. Um exemplo é o desconhecido Wagner, que lançou em 1968 este compacto simples pela RCA Victor. O single traz as músicas “Novo amor”, de David Miranda, e “Voltei sorrindo”, do Sérgio Reis. O Wagner, sobre quem nada sei, é um bom cantor, e teria tudo pra emplacar, não fosse um pequeno detalhe que nem sei se todos concordam comigo: ele canta como se fosse o Wanderley Cardoso, grande ídolo na época, e evidentemente todo mundo prefere o original do que a cópia. Confira:

01 – Novo amor
(David Miranda)
02 – Voltei sorrindo
(Sérgio Reis)

domingo, 25 de agosto de 2013

Carlos Roberto - Homenagem (LP 1975)

Carlos Roberto, autor de "Última canção", homenageia Roberto Carlos em LP
Este disco do Carlos Roberto, intitulado “Homenagem”, atende ao pedido do amigo e colaborador Aderaldo, da Comunidade MC&JG. O álbum, lançado em 1975 pelo selo Scala, é uma homenagem ao Roberto Carlos, pois todas as faixas são do repertório do rei. É bom esclarecer que este disco não é do meu acervo. Eu o consegui por meio de blog que, provavelmente, hoje encontra-se desativado, mas não me lembro de onde baixei. Certamente é do período em que eu não tinha blog. Bem, seja de quem for, fica o meu agradecimento. Aproveitei e dei uma editada no áudio, adicionando imagens do selo do disco na pasta. Carlos Roberto Nascimento nasceu na cidade mineira de Governador Valadares, e tornou-se famoso como compositor de músicas gravadas pelo Paulo Sérgio, com destaque para o hit “Última Canção". Segundo consta, ele teria morrido em 12 de abril de 2009 no Rio de Janeiro, mas não posso garantir a veracidade da informação. Confira o disco:

01 - Olhando estrelas (Look for star)
(Michael Antony – vs: Paulo Rogério)
02 - Com muito amor e carinho
(Eduardo Araújo – Chil Deberto)
03 - O show ja terminou
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
04 - Parei na contra-mão
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
05 - Custe o que custar
(Edson Ribeiro – Hélio Justo)
06 - Voce me pediu
(Luiz  Fabiano)
07 - Canzone per te
(Sérgio Endrigo – Bardotti)
08 - Eu daria minha vida
(Martinha)
09 - Eu disse adeus
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
10 - Tudo que sonhei
(Pilombeta)
11 – A palavra adeus
(Fred Jorge)
12 – Fiquei tão triste
(Helena dos Santos)


FICHA TÉCNICA

Estúdio - Reunidos (16 canais)
Técnico – Reinaldo Mazziero
Produtor – Cássio Visconti Jr.
Arranjos e regência – Wilson Mauro
Capa - Siderius

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Carlos Gonzaga - Hully gully (LP Philips 1964)

Carlos Gonzaga, com muita popularidade, lançou único LP pela Philips em 1964
Vou apresentar este disco – extraído de um CD pirata que comprei numa feira de vinil – com o texto da contracapa: “A moda é hully gully. Portanto, a moda é Carlos Gonzaga – pois este mineiro radicado em São Paulo acompanha “pari passu” todas as tendências da música jovem. Houve o Gonzaga rock, o Gonzaga twist, e agora aqui temos o Gonzaga hully gully. E nessas fases todas o moço incluiu sempre sucessos consagrados, demonstrando sua preocupação em oferecer um repertório popular numa fase que demonstrasse realmente a tendência da música moça no mundo inteiro. É o cantor mais atualizado com o “Cash-Box”, o “Billboard”, “Music I Dischi” e outras publicações internacionais. Ouve com atenção, escolhe com cuidado, “farejando” o sucesso e seu trabalho, após o toque de nacionalismo que é a versão para o português, começa a aparecer. Emissoras, programas de TV, shows, todas as atividades artísticas enfim, reagem com aplausos calorosos, premiando o trabalho duro deste moço simples. Trabalho duro que é descobrir, lapidar e criar mais um sucesso para sua carreira artística”.

“Lembro-me do Gonzaga” – prossegue o texto sem nome do autor – “menino ainda, garoto humilde, fazendo serenatas. Todos nós regulávamos na idade. E à noite, nos terrenos vazios da Lins de Vasconcelos, saiam as serenatas de calças curtas. Só o Gonzaga fez carreira. Lembro-me depois, na antiga Rádio Cruzeiro do Sul, na Praça do Patriarca, do concurso para a escolha de seu nome artístico, pois até aquela data ele era o José Gonzaga. O nome foi escolhido e o agora Carlos Gonzaga continuava a subir. E novamente voltamos a nos encontrar, trabalhando na mesma emissora de televisão. E o moço vencendo, ganhando prêmios, recebendo troféus. Hoje continua o mesmo. A mesma procura ao sucesso, sucesso que ele cansou de acumular. Mas ele não pára. Nisto é bem paulista. Continua o mesmo profissional brioso, interessado, “brigando” no bom sentido por um prêmio a mais, por um outro troféu para sua imensa coleção ou mais uma referência “naquela lista dos melhores”. Ele é assim mesmo. Não há o espírito de cobiça nem a preocupação pura e simples de aparecer. Ele é apenas – e isto quer dizer: muito 100% profissional.” Confira o disco:

01 - Viva o hully gully (Nick nack hully gully
      (Murphy)
02 - Apaixonados (I want you with me
      (Harris)
03 - Os dias de verão (Those lady hazy crazy days of summer
      (C. Tobias - H. Carste – vs: Fred Jorge)
04 - Nuvem negra (Black cloud
      (Brock)
05 - Twist do bebê (Baby twist
      (W. Twardy – Lilibert – vs: Edson Santos)
06 - Balada Negra 
      (Wilma Camargo)
07 - O tangaço (Il tangacio
      (Mogol - Del Prete – vs: Marchetti)
08 - A isto chamas amor (You have the nerve to call this love
      (Paul Anka)
09 - Hully gully baby 
      (Appell - Mann)
10 - Se morrer o sol (Si e'spento il sole
      (Beretta – Leoni - Del Prete - Adricel)
11 - Dançando o hully gully (Doing the hully gully
      (Meachan-Rodgers)
12 - Hully gully do guarda 
      (Denise Macedo)

FICHA TÉCNICA

Produtor - Alfredo Borba
Técnico de som - Rogério Garusi
Engenheiro de som - Carlos de Assis Moura
Estúdio Gravodisc - São Paulo
Capa - Paulo Breves

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Ternurinhas e Tremendões: 25 anos de Jovem Guarda

Disco comemorativo pelos 25 anos da Jovem Guarda foi lançado pela RGE
Como os amigos podem notar, a postagem hoje é dupla em comemoração ao 48º aniversário do programa Jovem Guarda. Em 1990, quando festejou 25 anos, a gravadora RGE lançou o álbum “Ternurinhas & Tremendões”, contendo seis pot-pourris com hits da época. O disco é mais uma colaboração do sempre presente Aderaldo, amigo da Comunidade MC&JG, do Orkut, a quem agradeço. O texto, na contracapa, traz a mensagem: “Este disco é uma homenagem aos músicos e intérpretes que durante a década de 60 nos trouxeram muita alegria e emoção com o tremendo sucesso da Jovem Guarda. É também uma homenagem a John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr - Os Beatles - que também naquela década fizeram (e como fizeram!) nossas cabeças. Anos 60, Dourados, realmente inesquecíveis!”. O disco traz as participações nos vocais de Luiz Guilherme, Pedro Ivo, Ricardo Melchior, Fernando Netto, Mário Lúcio de Freitas, Sarah Regina, Rubinho, Sylvinha Araujo, Tuca, Ringo e Carlinhos Marques. Confira:

01 – Ai que saudades que dá
. Ai que saudades que dá
. Quero que vá tudo pro inferno
. Garota do Roberto
. O bom
02 – Música Ternura
. Ternura
. Devolva-me
. Quero te dar meu coração
03 – Pra nunca mais chorar
. Pra nunca mais chorar
. Coração de papel
. Alguém na multidão
04 – Botando pra quebrar
. Tenho um amor melhor que o seu
. Vou botar pra quebrar
. Minha fama de mau
05 – A volta do sucesso
. Eu daria a minha vida
. Sou louca por você
. A volta
06 – Feche os olhos e cante
. Coruja
. Tijolinho
. Feche os olhos
. Ai que saudades que dá

Colaboração: Aderaldo, da Comunidade MC&JG, do Orkut

Jovem Guarda - Outras Vozes - Volume I (2013)

Coletânea traz 25 músicas da Jovem Guarda na interpretação de outros artistas 
Há exatos 48 anos foi ao ar o primeiro programa Jovem Guarda, comandado por Roberto Carlos, ao vivo, direto da TV Record de São Paulo, na rua da Consolação. Erasmo Carlos, Wanderléa, The Jet Blacks, Ronnie Cord, Tony Campello, Rosemary e Prini Lorez participaram do programa de estreia, em 22 de agosto de 1965. A atração musical, exibida das 16h30 às 17h30, começou sem patrocinador porque nenhuma empresa quis associar sua marca a jovens cabeludos. Pra lembrar a data, montei uma coletânea com músicas do período, mas regravadas anos depois por outras gerações de artistas. Achei interessante começar com “Nasci para chorar” porque adicionei a gravação do depoimento que o Erasmo Carlos fez para o single promocional de apresentação em 1973 do Fagner (aqui) aos veículos de comunicação. Vale conferir a seleção porque a roupagem da nova versão, em muitos casos, é bem diferente da que conhecemos. Sintonize:

01 - Fagner - Nasci para chorar (com apresentação do Erasmo Carlos)
02 - Kid Abelha - Pare o casamento (versão longa)
03 - Skank - É proibido fumar
04 - Lilly Doll - Vem quente que estou fervendo
05 - Chico César - Sou rebelde
06 - João Penca e seus Miquinhos Amestrados - Eu sou terrível
07 - Eduardo Dusek - O feio
08 - Fafá de Belém - Eu daria a minha vida
09 - Mayck e Lyan - Querida [Don't let them move]
10 - Cássia Eller - Parei na contra-mão
11 - Jota Quest - Quero que vá tudo para o inferno
12 - Zé Renato - Eu não sabia que você existia
13 - Zizi Possi - Foi assim (Juventude e ternura)
14 - Blitz - Sentado à beira do caminho
15 - Sidney Magal - Voce me acende
16 - Leo Jaime - O tempo vai apagar
17 - Sylvinho Blau Blau - O ritmo da chuva
18 - Marina Lima - Por isso corro demais
19 - Farufyno - Deixa o meu cabelo em paz
20 - Ramon - Eu já nem sei
21 - Herva Doce - O pica-pau
22 - Barão Vermelho – Quando
23 - Rita Lee - Erva venenosa (Poison Ivy)
24 - Chico Science e Nação Zumbi - Todos estão surdos
25 - Cascabulho - Deixa de banca

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Rosemary - Eu preciso de você (2012)

Nova música da Rosemary está disponível para download no site do Show Business
O internauta Esdras parabenizou o blog pela postagem da seleção especial “Rosemary em pessoa – Entrevista e músicas” (aqui), e lamentou pela falta de duas recentes gravações da cantora na coletânea. Ele se refere a “Nossa canção”, registro ao vivo no show "Elas cantam Roberto", e a “Eu preciso de você”, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, incluída na trilha da novela “Máscaras”, exibida pela Rede Record entre 10 de abril e 2 de outubro de 2012, em 125 capítulos. A verdade, nua e crua, é que eu desconhecia a nova música, e me interessei em saber se é faixa de um novo álbum, após o CD e DVD “Mulheres da Mangueira”. Foi em pesquisa na rede que constatei se tratar de gravação exclusiva para a telenovela de Lauro César Muniz e Renato Modesto. Pra minha surpresa e satisfação, descobri também que a mesma está disponível para download no site do Show Business em mp3 de 320 kbps. Aproveite! Baixe aqui.



Dave MacLean - We said goodbye (LP 1974)

Dave MacLean regravou "Do you wanna dance?", hit do Johnny Rivers, no disco
Quem viveu no Grande ABC (SP) entre final dos anos 1960 e meados dos 1970 deve conhecer o conjunto de bailes Os Botões. O grupo era um dos mais requisitados nos clubes da região, e não tardaria a gravar seu primeiro disco: um single e um LP em 1969 pela RCA Victor, mas com o nome em inglês, The Buttons. Entre os componentes: Dave Maclean. Por volta de 1973, ainda na banda, Dave deu os primeiros passos para a carreira solo, após receber da Rede Globo uma proposta para integrar temas de novelas em inglês.

Na época, o cantor e compositor tinha seu nome nas paradas com "Me and you" (tema da novela "Ossos do barão"), "Tears" (de sua autoria, também gravada pelo Christian), "Feelings" e "We said goodbye", faixa deste segundo LP da carreira solo, lançado em 1974. A música, que ganhou disco de ouro no Brasil e no México, foi gravada com João Alberto no baixo e Mario Testoni nos teclados, hoje ambos integrantes do grupo Os Pholhas. Em 1980, Dave Maclean convida os irmãos Munhoz para juntos formarem o trio "Dollar Company", (mais tarde Dolar de Prata), onde ficou por mais de 15 anos.

Atualmente, de acordo com o site do artista, “faz shows para quem sente saudades de seus hits pós-Jovem Guarda com o show “O som internacional dos anos 70”, cantando músicas dos Bee Gees, Elton John, Johnny Rivers, Raspberries, Beatles, etc" com sua banda, formada pelos músicos André Gonzales (bateria e vocais), Eduardo Leão (contrabaixo e vocais) e Mateus Schanoski (teclados). Um dos destaques deste disco é a releitura da música “Do you wanna dance?", hit do Johnny Rivers. Confira:

01 - Chance of love (Every tree of the way)
(Joe)
02 - Noth in to say
(Joe)
03 - Do you wanna dance?
(B.Freedman)
04 - One more time again
(Joe)
05 - Football game
(Simon Philips - John Burns - Charlie)
06 - I had a dream
(Joe - Johnny)
07 - Wait for me
(Joe)
08 - My life is not for sale
(Charlie - John Burns)
09 - Rockin'
(Joe - Johnny)
10 - We said goodbye
(Joe)
11 - Theme
(Joe - Keith)
12 - Now I know
(Joe)


terça-feira, 20 de agosto de 2013

Vários intérpretes - 14 Maiorais - vol. 21 (1974)

Disco reúne grandes sucessos populares de 1974 da gravadora Copacabana
Assim como a clássica série “As 14 mais”, da CBS (Sony), outra que se destacou pela longevidade no mercado fonográfico foi “14 maiorais”, da Copacabana. Este é o volume 21, e foi lançado em 1974, reunindo sucessos da época na gravadora, como Wanderley Cardoso, com o hit “Sempre lhe direi”, versão de Lady Lay. O álbum traz cantores como Almir Rogério, Moacyr Franco, Nelson Ned, Cláudio Fontana e outros, assim como as cantoras Suzi Darlen, Ângela Maria e Silvana. Uma das curiosidades é a música “Homem com H”, na interpretação – acredito que original - de Hydra, pois a canção só obteve sucesso nacional em 1981 na versão do Ney Matogrosso. Confira:

01 - Wanderley Cardoso - Sempre lhe direi (Lady Lay)
(P. Groscolas – M. Jourdan – vs: Wanderley Cardoso)
02 - Luiz Carlos Clay - Cada dia que passa
(Cacá – Levy)
03 - Os Originais da Juventude – Gita
(Raul Seixas – Paulo Coelho)
04 - Almir Rogério - Um filho meu (You're having my baby)
(Paul Anka – vs: Chil Deberto)
05 - Suzy Darlen – Amiga
(Santiago – Wanderley Cardoso)
06 - Hydra - Homem com H
(Antonio Barros)
07 - As Exorcistas - O mundo é um conflito (This world today is a mess)
(D.Hyghtower – D. Daniel – vs: Rita – Eliana)
08 - Moacyr Franco - Tema de Barbara (La chanson pour Anna)
(André Popp – Jean Claude Massoulier – vs: Alberto Luiz)
09 - Nelson Ned - Eu fui feliz e não sabia
(Nelson Ned)
10 - Claudio Fontana - Domingo a tarde
(Claudio Fontana)
11 - Angela Maria - Eu vivo por estar contigo (Me muero por estar contigo)
(Pedro Villar – vs: Katia Maria)
12 - Roberto Muller - Me arrependo
(Cezão – Olavo Sergio)
13 - Silvana - Você é o maior amor da minha vida
(Rogério – Jean Pierre)
14 - Os Originais da Juventude - A noite mais linda do mundo (A felicidade)
(Donizette)


segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Vários artistas - O mundo em suas mãos - Vol.4 (1966)

Quarto volume da série traz grandes sucessos internacionais da Odeon de 1966
“O mundo em suas mãos” é mais uma coletânea de grandes sucessos internacionais do cast da gravadora EMI-Odeon. Este é o quarto volume e foi lançado em 1966. O álbum tem 14 faixas, quatro das quais da orquestra de Franck Pourcel, o principal destaque do disco que ainda tem duas faixas do Pino Donaggio e do Matt Monro. O álbum ainda traz Richard Anthony, Georges Jouvin, Michaela Prunerova e Lucho Gatica. As curiosidades são as gravações originais de “A tartaruga”  (Tartaruga, com Evi Damiano), sucesso do Trio Esperança, e “O escândalo” ("Shame and scandal in the family", com Lance Percival), conhecida no Brasil pela versão gravada pelo grupo Renato e seus Blue Caps. Confira:

01 - Franck Pourcel e sua grande orquestra Help!
(Lennon – McCartney)
02 - Pino Donaggio - Io che non vivo (Senza te)
(P.Donaggio – Pallavicini)
03 - Matt MonroYesterday
(Lennon – McCartney)
04 - Franck Pourcel e sua grande orquestra - Ma vie
(Alain Barrière)
05 - Lance Percival - Shame and scandal in the family
(Donaldson – H.Brown)
06 - Evi Damiano – Tartaruga
(Massara – Mogol)
07 - Franck Pourcel e sua grande orquestraThunderball
(Don Black – John Barry)
08 - Franck Pourcel e sua grande orquestra - Que c'est triste venise
(Charles Aznavour)
09 - Richard Anthony - La mia festa (It’s my party)
(H.Wiener – W. Gold – J. Gluck Jr.)
10 - Matt Monro - Walk away
(Jurgens – Black)
11 - Pino Donaggio - L'ultima telefonata
(Pino Donaggio)
12 - Georges Jouvin - O silêncio (Il silenzio)
(Rosso – Celeste – Brezza)
13 - Michaela PrunerovaDowntown
(Tony Hatch)
14 - Lucho Gatica - Noche de ronda
(Maria Tereza Lara)


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Luiz Wanderley - Antologia (coletânea 2013)

Luiz Wanderley fez muito sucesso no Brasil ao longo dos anos 1950 e 1960
Comprei um obscuro compacto simples do Luiz Wanderley, lançado em 1973 pelo selo CID, contendo o samba rock “Piauí (Eu vou comprar caju no Piauí)” e “Oração dos pecadores”. Pensei em postá-lo aqui,  assim como fiz com outros dois singles do cantor, mas achei melhor montar uma coletânea, incluindo discos do meu acervo, e músicas de álbuns postados pelos blogs Toque Musical, Forró em Vinil e Forró Alagoano, a quem agradeço. O disco inclui “Baiano burro nasce morto”, maior sucesso do artista, e traz algumas curiosidades, como “Matuto transviado”, música que ficou conhecida como “Coroné Antonio Bento”, regravada pelo Tim Maia, “Vingança”, clássico de Lupicínio Rodrigues, e “Paraíba”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Acredito que, ao oferecer a presente seleção, ajudo a manter aceso o nome do artista na rede, pois faz muito tempo que não ouço ou leio qualquer coisa sobre ele. Luiz Wanderley nasceu em 27 de janeiro de 1931 em Colônia de Leopoldina (AL) e faleceu em 19 de fevereiro de 1993 em Rio Tinto, na Paraíba. Confira o post:

01 - Piauí (Eu vou comprar caju no Piauí) – 1973
(Luiz Wanderley – S. Rodrigues)
02 - Baiano burro nasce morto – 1959
(Gordurinha)
03 – Sebastiana - 1969
(Rosil Cavalcanti)
04 – Morunga, morunguê - 1968
(Luiz Wanderley)
05 - O canto da ema – 1969
(A.  Viana - A. Cavalcante - J. Vale)
06 - 1 x 1 – 1970
(Edgar Ferreira)
07 - Paraiba – 1968
(Humberto Teixeira – Luiz Gonzaga)
08 - No Ceará não tem disso não - 1969
 (Guio de Moraes)
09 - A pequena estória de Virgulino Ferreira, o Lampião – 1968
(Luiz Wanderley)
10 - Forro em limoeiro - 1969
 (E. Ferreira)
11 - Matuto transviado (Coroné Antonio Bento) - 1959
(Luiz Wanderley – João do Valle)
12 - Sistema nervoso – 1968
(Wilson Batista – Roberto Roberti – Alindo Marques Júnior)
13 – Vingança - 1963
(Lupicinio Rodrigues)
14 - Garota boazuda - 1973
(Luiz Moreno)
15 - Oração dos pecadores - 1973
(Luiz Wanderley)
16 - Deus é o dono do mundo – 1968
(Luiz Wanderley – Darci Muniz)
17 - Corta o cabelo dele - 1967
(Luiz Wanderley – Noé Santos)
18 - A lenda do lobisomem - 1966
(Luiz Wanderley)
19 - Mundo louco - 1966
(Luiz Wanderley – Julio Ricardo)
20 - Não deixe a peteca cair - 1967
(Luiz Wanderley)

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Vários artistas - A Bossa no Paramount (LP 1965)

Grandes nomes da Bossa Nova cantam ao vivo no antigo teatro Paramount
Fãs da Bossa Nova vão curtir este “A Bossa no Paramount”, gravado ao vivo em 1965. O disco, lançado pela RGE, tem apenas oito faixas, e traz como curiosidade a presença da Elis Regina, na ocasião sem contrato em gravadora e com o nome grafado com dois “eles”.  O importante é lembrar o local onde foi gravado: o antigo Cine-Teatro Paramount, na avenida Brigadeiro Luís Antônio, imóvel que faz parte da história cultural de São Paulo. Inaugurado em 1929, foi o primeiro cinema sonoro da América Latina. Seu palco recebeu estrelas internacionais de primeira grandeza, como Nat King Cole, Louis Armstrong e Maurice Chevalier. Nos anos 60, abrigou os festivais de música brasileira da TV Record.

Entre os maus momentos, o pior aconteceu em 1969, quando um incêndio destruiu grande parte de suas instalações. Dez anos depois, foi reaberto e teve sua plateia de quase 2 mil lugares dividida em cinco pequenas salas de cinema e teatro. Chegou a ser interditado temporariamente pelo Departamento de Controle e Uso de Imóveis (Contru) em 1990 e fechou em 1996. Inteiramente recuperado graças a uma parceria entre a CIE Brasil, subsidiária do grupo mexicano Corporación Interamericana de Entretenimiento, e o Grupo Abril, que publica a revista Veja, foi rebatizado de Teatro Abril, sendo que desde 1º de novembro de 2012 passou a se chamar Teatro Renault. Confira o disco:

01 – Marcos Valle e Ellis Regina – Terra de ninguém
(Marcos Valle – P.S.Valle)
02 – Vinicius de Moraes – Mulher, sempre mulher
(A.C.Jobim - Vinicius de Moraes)
03 – Paulinho Nogueira – Zelão
(Sérgio Ricardo)
04 – Wanda – Vivo sonhando
(A.C.Jobim)
05 – Oscar Castro Neves – Antes e depois
(O.C.Neves)
06 – Zimbo Trio – Nanã
(Moacyr Santos)
07 – Quarteto em Cy – Tem dó de mim
(Carlos Lyra)
08 – Alaide Costa – Adeus
(O.C.Neves)

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Roberto Ferri e seu conjunto - Somente você (1965)

Roberto Ferri e seu conjunto executam música do 1º disco do Chico Buarque
Quer ouvir um fox? Não se preocupe porque Roberto Ferri e seu conjunto tocam sem a menor cerimônia. Mas se o seu desejo é curtir um hully-gully, a banda também executa, assim como samba e bolero. Ou seja, o grupo passeia tranquilamente pelos quatro ritmos neste EP, lançado em 1965 pela Fermata. O curioso é a inclusão no repertório do samba “Sonho de um carnaval”, música extraída do primeiro compacto simples, lançado em 1965 pela RGE, do então desconhecido cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda. Segundo informação no site do Toque Musical, Roberto Ferri foi chefe de orquestra. Junto com o pai, Orlando Ferri, ele animava bailes por todo o Estado de São Paulo, apoiado por músicos qualificados e experientes. Ele atuava ao solovox, instrumento considerado o primeiro sintetizador monofônico da história da música. Confira:

01 - Beija, beija – Fox
(Adaptação: Don Ferri)
02 - Somente você – Hully-gully
(Diva Maria – Enzo de A. Passos)
03 - Sonho de um carnaval - Samba
(Chico Buarque de Hollanda)
04 – Quando - Bolero
(Célio Alves)

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Carlos Galhardo - O rei da valsa (LP 1960)

Carlos Galhardo é, depois de Chico Alves, quem mais gravou 78 RPM no País
A história se repete desde o Natal de 1933, quando foi gravada pela primeira vez:  a música “Boas festas” (Anoiteceu/ O sino gemeu/ E a gente ficou feliz a rezar), do genial Assis Valente, é sempre executada nessa época do ano, e já faz parte da trilha sonora natalina. No carnaval, o mesmo fenômeno acontece com a marcha “Allah-lá-ô”, de Haroldo Lobo e Nássara, que desde 1941 vem animando a festa dos foliões. As duas músicas são, sem dúvida, clássicos da MPB, e foram gravadas primeiramente pelo mesmo intérprete, o argentino Carlos Galhardo. Ironicamente, o cantor que veio ainda bebê para o Brasil,  ficou conhecido como “O rei da valsa”. Este é, a propósito, o título do presente álbum, lançado pela RCA Victor no final de 1960, mesmo ano do LP "Ele canta para você", disco anterior do cantor.

“O rei da valsa brasileiro" - informa o texto na contracapa - "julgou oportuno brindar o seu enorme público com um punhado de cintilantes joias exclusivamente dentro do gênero musical responsável em parte pela consolidação de sua fama no cenário artístico nacional. Mas Galhardo não quis se limitar a apenas às suas próprias antigas criações, incluiu, também, páginas celebrizadas por outros brilhantes colegas tempos atrás, como veremos a seguir na rápida análise que passamos a fazer de cada número aqui gravado”. Um dos destaques do repertório é “Misterioso amor”, uma homenagem póstuma de Galhardo ao amigo Francisco Alves, o rei da voz, falecido em 27 de setembro de 1952 num acidente de carro na via Dutra. Outro destaque é “E o destino desfolhou", música que as novas gerações conhecem pelo registro feito em 1972 pelo também saudoso Paulo Sérgio.

Filho de pais italianos, Galhardo passou a infância no Rio, e na adolescência trabalhou como alfaiate, mas sempre gostou de cantar. Fez um teste em 1932 na RCA Victor, que o contratou de imediato, e lá permaneceu até 1973. Gravou o último LP "Parabéns a mim por ter você" em 1978. Tornou-se um dos quatro grandes cantores da era do rádio, ao lado de Orlando Silva, Silvio Caldas e Francisco Alves. Participou de vários filmes e sua vendagem de discos de 78 rpm (cerca de 580 gravações) só foi menor do que a de Francisco Alves. Em 1983, fez a sua última apresentação no espetáculo “Allah-lá-ô”, de Ricardo Cravo Albin, dedicado ao compositor Antônio Nássara, realizado na Sala Funarte - Sidney Miller, no Rio. Carlos Galhardo faleceu em 25 de julho de 1985, aos 72 anos, e foi sepultado no Cemitério de São João Batista.  Confira o post:

01 - E o destino desfolhou
(Mario Rossi – Gastão Lamounier)
02 - Rapaziada do Bras
(Alberto Marino)
03 - Misterioso amor
(Saint-Clair Senna)
04 - Último beijo
(Jorge Faraj – Roberto Martins)
05 – Boneca
(Benedicto Lacerda – Aldo Cabral)
06 - A você
(Araulpho Alves – Aldo Cabral)
07 - Sonhos azuis
(João de Barro – Alberto Ribeiro)
08 – Mimi
(Uriel Lourival)
09 - Última inspiração
(Peterpan)
10 - Sorris da minha dor
(Paulo de Medeiros)
11 - Vidas mal traçadas
(Dante Santoro – Scylla Gusmão)
12 - Ave Maria
(Erotides de Campos)




segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Rosemary - Verdadeiro amor (LP Continental 1992)

Disco lançado pela Continental deu muita popularidade para Rosemary em 1992
“É um disco em que falo dos amores bem e mal resolvidos, em que coloco a posição das mulheres diante dos problemas nos dias de hoje”. A definição sobre este “Verdadeiro amor” é da própria Rosemary na entrevista, gravada no disco "No ar, Rosemary", em que divulga o álbum, lançado em 1992 pela Continental. Segundo ela, os compositores do disco são autores das chamadas músicas rural e urbana, junção que provavelmente influenciou na formação da sertaneja universitária de hoje. O disco teve boa aceitação popular, principalmente pela parceria da artista com o cantor Amado Batista, com quem divide vocal na música “Separação”, muito executada na época, e também pela versão de Aldir Blanc para “Three coins in the fountain” (Horas perdidas), incluída na trilha sonora da novela "Barriga de aluguel", da Rede Globo. Outra bem executada foi “Mulher de caminhoneiro”. Confira:

01 - Mulher de caminhoneiro
(Eduardo Lajes – Paulo Sérgio Valle)
02 - Não sai de mim
(Mário Maranhão)
03 - Maratona coração
(Fátima Leão – Falcão)
04 - A melhor mentira
(Fernando Mendes)
05 - Dona de mim
(Mauro Motta – Arnaldo Saccomani)
06 – Poema
(Fernando Dias)
07 - Separação (com Amado Batista)
(Amado Batista – José Fernandes)
08 - Falando às paredes
(Virginia Keer – Xororó)
09 - Coração dividido
(Michael Sullivan – Paulo Massadas)
10 – Monotonia
(José Fernandes)
11 – Carrossel
(Fred Falcão – Ed Wilson)
12 - Horas perdidas (Three coins in the fountain)
S.Cahan – J.Styne – vs: Aldir Blanc)



Gravação de programa de rádio - No ar, Rosemary

Disco exclusivo para rádio divulgou lançamento do LP "Verdadeiro amor"
Hoje o post será completo. Começo pelo álbum citado na postagem anterior, produzido especialmente para as emissoras de rádio, contendo entrevista e vinhetas gravadas pela Rosemary. O disco agora está na íntegra, pois parte da entrevista foi usada na produção da coletânea “Rosemary em pessoa”, disponibilizada ontem. Este “Gravação de Programa de Rádio – No ar Rosemary” foi produzido para divulgar o álbum “Verdadeiro amor”, lançado em 1992 pela Continental, e não tem fim comercial. O disco é curioso pelo formato, pois permite interação do radialista com a cantora, que revela no ping-pong o hábito de não conversar com ninguém antes do show, por exemplo. O álbum, que deve ser acompanhado com o roteiro impresso na contracapa, também inclui quatro músicas do disco em divulgação: “A melhor mentira”, “Mulher de caminhoneiro”, “Horas perdidas” e “Separação”, faixa em que divide vocal com Amado Batista, um dos compositores da música em parceria com José Fernandes. Confira:   

01 - Como a música surgiu em sua vida
02 - Como chegou o sucesso
03 - Quem sempre a incentivou
04 - Novo trabalho já é sucesso
05 - Novo álbum chama-se Verdadeiro Amor
06 - Música - A melhor mentira
07 - Sempre foi cantora romântica
08 - Parceria com Amado Batista
09 - Música – Separação (com Amado Batista)
10 - Como foi a seleção do repertório
11 - Como foi o retorno ao disco
12 - Compromissos profissionais marcados
13 - Música – Mulher de caminhoneiro
14 - Como aconteceram show no exterior
15 - Cantou para o presidente Jimmy Carter
16 - Público no exterior
17 - Participações em novelas da Globo
18 - Música - Horas perdidas (Three coins in the fountain)
19 - Apresentações no Memorial da América Latina
20 - Cantar no Memorial é sinal de reconhecimento
21 - Ping pong com Rosemary
22 - Agradecimentos finais
23 - Vinheta para o final do ano
24 - Vinheta para o Dia das Mães
25 - Vinheta para o Dia dos Pais
26 - Vinheta - Faço parte da programação dessa rádio
27 - Vinheta para o aniversário da emissora de rádio

                                                                  

domingo, 11 de agosto de 2013

Rosemary em pessoa - Entrevista e músicas

Disco traz entrevista de 1992 e repertório especial da cantora Rosemary
A cantora Rosemary lançou em 1992 o álbum “Verdadeiro amor”, pela Continental, que se destacou pelos sucessos “Separação”, em dueto com Amado Batista, e “Mulher da caminhoneiro”, entre outras. Na estratégia de divulgação do disco, a gravadora incluiu a gravação de LP exclusivo pra emissoras de rádio, contendo vinhetas e entrevista com a artista. Nele, Rosemary comenta sobre sua carreira e o novo disco. A proposta da gravação é interagir a cantora com o radialista onde quer que esteja. Por isso, a contracapa traz o roteiro com as perguntas formuladas à cantora. É do conteúdo deste álbum, intitulado “Gravação de Programa de Rádio – No ar Rosemary”, que montei este “Rosemary em pessoa”. O disco segue a mesma linha da edição do CD duplo do Dominguinhos, recentemente postado, pois as músicas são intercaladas por falas da cantora, tornando o resultado interessante, como num papo ao vivo. Confira:

01 - O show começa aqui (This will be)
(M.Yancy – C. Jackson – adpt.: Paulo Roberto – Edson Conceição)
02 - Folhas secas
(Nelson Cavaquinho – Guilherme de Britto)
03 - Feelings
(Morris Albert)
04 - De mí para tí (De mim pra você)
(Rosemary – João Américo Gomes)
05 - Quero ser sua
(Odair José)
06 - Eu sei de tudo
(Lilian Knapp)
07 - Joia
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
08 - Alvorada
(Cartola – Carlos Cachaça – Hermínio Bello de Carvalho)
09 - Um caso meu
(Mauro Motta - Robson Jorge)
10 - Horas perdidas (Three coins in the fountain)
(S.Cahan – J.Styne – vs: Aldir Blanc)
11 -  A melhor mentira
(Fernando Mendes)
12 - Poema
(Fernando Dias)
13 - Separação (com Amado Batista)
(Amado Batista – José Fernandes)
14 - Mulher de caminhoneiro
(Eduardo Lajes – Paulo Sérgio Valle)
15 – Escuta (com Reginaldo Rossi)
(Tivas – Rocky)

sábado, 10 de agosto de 2013

Vários artistas - Jovem também tem saudade (1975)

Álbum reúne músicas dos Beatles e da dupla Roberto Carlos e Erasmo Carlos
… Jovem também tem saudade. Este é o título do LP, lançado em 1975 pela Odeon, mas bem que poderia ter outro nome, pois a coletânea contempla canções autorais dos Beatles e da dupla Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Do quarteto de Liverpool, a única gravação em letra original é “Something”, do George Harrison, na interpretação da Evinha, sendo que as demais são versões de “Michelle”, “Girl”, “I will”, “Here, there and everywhere” e “Yesterday”, manjadas do público brasileiro. Da dupla Roberto e Erasmo, cinco músicas foram gravadas pelo Roberto Carlos – “Proposta”, “As flores do jardim da nossa casa”, “Jesus Cristo”, “Se você pensa” e “Namoradinha de um amigo meu”- sendo que “Você já morreu e se esqueceu de deitar” foi composta exclusivamente para Silvinha gravar. Ou seja, o disco reúne um pouco do melhor dos Beatles, do Roberto e do Erasmo. Quer mais? Confira:

01 - Golden Boys com The Fevers  – Michelle 
(Lennon – McCartney – vs: Rossini Pinto)
02 - EvinhaSomething
(George Harrison)
03 - Deny e Dino - Meu bem (Girl)
(Lennon - McCartney – vs: Ronnie Von)
04 - Bobby de Carlo - Eu esperarei (I will)
(Lennon – McCartney – vs: Geraldo Figueiredo)
05 - Sergio Reis - Amor nada mais (Here, there and everywhere)
(Lennon – McCartney – vs: Fred Jorge)
06 - Silvinha - Você já morreu e se esqueceu de deitar
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
07 - Claudette Soares – Proposta
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
08 - Altemar Dutra - As flores do jardim da nossa casa
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
09 - Claudia - Jesus Cristo
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
10 - Som 3 - Se você pensa
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
11 - Golden Boys com The Fevers - Ontem (Yesterday
(Lennon – McCartney – vs: Rossini Pinto)
12 - Lyrio Panicali e sua orquestra - Namoradinha de um amigo meu
(Roberto Carlos)

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Vários intérpretes - Aqui está o Clube do Guri (1962)

José Leão e seus companheiros são os principais destaques da coletânea
O melhor jeito de apresentar este disco - mais uma valiosa colaboração do amigo Aderaldo, da Comunidade MC&JG, a quem volto a agradecer – é reproduzir parte do texto assinado por Luiz Mergulhão, impresso na contracapa: “Este é um LP diferente, especialmente montado durante uma das apresentações do já famoso Clube do Guri, realização vitoriosa de Samuel Rosemberg e que, há 13 anos, vem alcançando expressivo índice de audiência, no rádio ou na televisão carioca, revelando, por outro lado, uma série de grandes valores para a nossa música popular como, por exemplo, Sonia Delfino, Zaira Cruz, Wilma Coelho, Custódia Martins, Sérgio Murilo, Araci Rosas e Adilson Ramos, “crooner” do já famoso conjunto “Os Cometas”.

A ideia do LP surgiu com o lançamento vitorioso do menino José Leão, cuja estreia em disco se verificou com o 78 rotações: Ele é engraxate - Canção do jornaleiro, ambos com a participação do quinteto vocal do Clube do Guri, formado por Marcos, Denis, Reinaldo, Paulo Martins e Altamir César. Samuel Rosemberg deu-nos, desde o início, sua adesão e apoio, e hoje José Leão, o quinteto vocal e o coro misto do Clube do Guri, como também o pianista e acordeonista Agostinho, que ali se iniciou, são contratados da Continental e participam deste primeiro lançamento, intitulado: Aqui está o Clube do Guri. Collid Filho, que empresta o brilho de sua voz e de sua inteligência na produção e apresentação do programa é quem abre e fecha o micro, com a mesma segurança com que o faz todos os domingos.

E, além de José Leão, que já se pode considerar consagrado no disco, tem este LP a oportunidade de nos apresentar outros valores em formação nessa grande escola que é o Clube do Guri: Magnes, uma menina de apenas nove anos, cuja interpretação comove a todos que a assistem no vídeo; Marcos – entusiasta no chá-chá-chá Therezinha; Maria Helena – outra promessa que desponta, Denis, Reinaldo e Marisa e, enfim, todos os excelentes valores que integram o magnífico coro misto do Clube, fazem deste LP um lançamento fonográfico que, certamente, despertará a atenção e o entusiasmo da mocidade e dos discófilos em geral”. Confira: 

01 – José Leão e quinteto – Ele é engraxate
(Luiz Antônio)
02 – Marcos Louvercy – Therezinha
(Carlos Imperial)
03 – Agostinho e seu acordeon – Choro
(A. F. da Silva) 
04 – José Leão e quinteto – Ser mãe (Declamação: Julio Louzada)
(Umberto Silva - Lewis Jr.) 
05 – Coro Misto do Clube do Guri – Pot-pourri
Vou ter um troço
(A. Provenzano - O. Lopes - Jackson do Pandeiro)
Oba
(Osvaldo Nunes) 
 06 – Maria Helena – Namorados
 (Palmeira - Luiz Mergulhão)
 07 – José Leão e quinteto – Canção do jornaleiro
(H. dos Prazeres)
08 – José Leão – Flor mamãe (declamação: Julio Louzada)
(Julio Louzada - Jorge Gonçalves)
09 – José Leão e coro – O baleiro
(P. Aguiar / M. R. Machado)
 10 – Maria Helena e quinteto – Corre coração (Speedy Gonzales
 (B. Kaye - D. Hill - E. Lee - vs: J. Fernandes) 
11 – Denis e coro – Homenagem a Pelé
(J. Duarte) 
12 – José Leão e coro – O menino do amendoim
(José Messias) 
 13 – Marisa Nazareth – Presa a um grãozinho de areia (Legata a un granello di sabbia
 (Marchetti - Nico Fidenco – vs: A. Santana)
14 – Magnes e coro – Estrela guia
(S. Rosemberg - A. F. Silva) 

Colaboração: Aderaldo, da Comunidade MC&JG, do Orkut

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Niva - Enquanto o sono não vem (EP 1964)

Disco lançado pela Copacabana traz foto da desconhecida cantora na capa
Você conhece ou sabe algo sobre a cantora Niva? Se souber, escreva nos comentários, e conte pra gente porque nada encontrei a seu respeito na rede. Por enquanto é uma ilustre desconhecida, pelo menos pra mim, daí o interesse pela postagem. A única coisa que posso informar é o que está aqui: um compacto duplo, lançado pela Copacabana em 1964, e com a foto da bonitona na capa. Niva faz parte da safra de cantoras influenciadas pelas divas do rádio, e seu repertório é de bolero e marcha rancho, agradando a pequena audiência, o que talvez justifica a falta do sucesso, pois canta bem. Confira:

01 - Enquanto o sono não vem
(Ely Silva)
02 - Por acaso
(Antonio Avila – Benedito Djalma Silvestre – Paulo Aguiar)
03 - Rancho do boêmio
(Ely Silva – Antonio Bruno)
04 – Franqueza
(Dora Lopes – Lolita França)


quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Tony Fabian e as 12 de ouro (LP 1968)

Álbum do Tony Fabian foi o disco de lançamento da gravadora Girasom
Este é o disco de lançamento da gravadora Girasom. O álbum “Tony Fabian e as 12 de ouro” não informa o ano da produção, mas tudo indica que é de 1968, se for considerado o repertório formado por hits nacionais e internacionais, como nos demais discos do músico. Tony Fabian é o pseudônimo do maestro Edmundo Villani, e este post tem um problema. Comprei o disco com a capa trocada. Ou seja, eu tenho disco, mas a capa pertence a outro título do Tony Fabian, motivo pelo qual usei imagens do Mercado Livre pra ilustrar a postagens. Até que as ilustrações não estão ruins, pois é possível ler o recado de lançamento da gravadora impresso na contracapa:
.
“Girasom... nova, vibrante, arrojada – é mais do que uma gravadora. É uma equipe jovem e despojada que surgiu para valorizar e selecionar os verdadeiros valores da juventude e por conseguinte o que esta cria. Girasom vai dar exatamente aquilo que os jovem desejam: música! Música boa e verdadeira. Aquela música que embala, ritima a vida e põe a dose certa para a apresentação do que há de melhor no novo panorama moderno da música no Brasil. Eis aqui o seu disco 1. Muitos virão e com maior força. Força de quem quer dar o melhor de si através de gente que se dedica à música, à melhor música neste País. Deliciem-se com Tony Fabian! Girasom agradece e fica muito feliz pela alegria de vocês!”. Confira:

01 - Sunday Sun
(Neil Diamond)
02 - Foste minha um verão
(Nico – Betti – Leonardo Favio)
03 - Tudo passará
(Nelson Ned)
04 – Stormy
(B.Bule – J.Cobb)
05 - Você me pediu
(Luiz Fabiano)
06 - Hold me tight
(Johnny Nash)
07 - Estava enamorado
(M.Alejandro)
08 - Crimson and clover
(T.James – P.Lucia)
09 - Eu amo e não sou correspondida
(Elizabeth)
10 - I started a joke
(B.R. – M.Gibb)
11 - F... comme femme
(Salvatore Adamo)
12 - The end of the word
(S.Dee – A.Kent)