Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Jean Carlo - Tanto tempo esperei (CS 1972)

 Depois de 1972, Jean Carlo passou a gravar em inglês sob pseudônimo
Vou encerrar o mês com o post deste single lançado em 1972 pelo Jean Carlo, falecido no último dia 2, em Campinas (SP), aos 70 anos. Este disco, produzido pela Polydor (Philips), foi lançado após o retorno do cantor ao Brasil, pois entre 1969 e 1971 morou na Argentina (e no Uruguai também, acho). Sem o sucesso esperado, Jean passou a gravar em inglês sob pseudônimo a partir de 1973, e obteve êxitos como Michael Davis e Edward Cliff. Quem frequenta o blog deve se lembrar da antologia do Jean Carlo que foi postada (aqui) no início do ano. Na época, eu não tinha este compacto simples, e a antologia teve apenas 13 músicas, incluindo gravações de Michael Davis e Edward Cliff. Agora, com essas duas, a coletânea passa a ter 15 músicas, e pra quem a baixou refiz a contracapa, adicionada na pasta com o áudio e os selos do disco. Confira:

01 - Tanto tempo esperei (Everydays of my life)
(J.Crame - A.Jacob - vs: Fred Jorge)
02 - É tão fácil (Easy loving)
(Freddie Hart - vs: Ricardo Macedo)


segunda-feira, 29 de julho de 2013

Bianca - A volta (Álbum de 1993)

"A volta" marca retorno da cantora ao disco após 10 anos de afastamento
Ela voltou em 1993 e eu fiquei sabendo agora, 20 anos depois, e mesmo assim porque o disco foi postado pelo amigo Luiz Fernando, lá na comunidade MC&JG, do Orkut, a quem agradeço por retirá-lo do limbo. Assim como eu, acredito que muita gente desconhecia este “A volta”,  produção independente de 1993, 10 anos após o último disco da cantora - provavelmente o compacto simples da RGE de 1983 com as músicas “Vai chegar o dia” e “Correndo da chuva”. Neste retorno, Bianca se afasta do estilo e visual rock’n’roll que a tornou conhecida, e investe na arena do sertanejo e da country music.

Segundo o Wikipedia, o seu nome de batismo é Cleide Domingues Franco, e nasceu em 1964 na cidade mineira de Ituiutaba. A cantora despontou para o sucesso em 1978, aos 14 anos, com um compacto simples (na foto ao lado) que trazia as músicas “Os tempos mudaram” (O que me importa) e “Vou pra casa rever os meus pais” (versão de “A little more love”, interpretada por Olivia Newton-John). Com o repentino sucesso, ela começou a ser chamada para cantar nos principais programas de TV, e ganhou muita visibilidade. Nada mau pra quem começou como crooner de uma banda jovem em sua cidade natal. Lá, foi descoberta pelo cantor e compositor Cleo Galante, que a trouxe para São Paulo e apresentou à RGE. A gravadora decidiu investir em sua carreira sob o pseudônimo “Bianca”, já que seu verdadeiro nome não é comercial para uma artista.

O visual da cantora foi supostamente uma ideia do próprio Galante, que se inspirou na então musa do cinema francês Maria Schneider, atriz consagrada por "Último tango em Paris", de 1972, cuja cabeleira e rosto mostravam incríveis semelhanças com os da cantora. O pseudônimo haveria sido copiado da mulher de Mick Jagger, Bianca, também outra musa da contracultura da época. A guitarra foi o último toque na composição de seu visual rock’n’roll, que lhe renderia o título de “a roqueira do Brasil". Nada parecia fugir das mentes criativas de seus produtores. Assim como surgiu, a menina sumiu, após um LP e uns compactos. Foi surpresa saber que Bianca fez essa tentativa de retorno. O que lhe aconteceu depois disso? Alguém sabe informar? Confira o disco:

01 - Lobo solitário 
(Paiva)
02 - Amor dos meus sonhos 
(Meyre Cler) 
03 - Cama vazia 
(Rocky - Paulo Nascimento)
 04 - Dentro da tatuagem 
(Edinho da Mata - Tadeu Minganti)
05 - Sempre fui você 
(Bianca - Antônio Luis)
06 - Herói do rodeio 
(Donizete)
 07 - A volta 
(Miro Alves - J. Ferreira Filho)
08 - Voltando pra você 
(Joel Marques - Antônio Luis) 
09 - Você marcou pra mim 
(Cosmo - Carrara) 
10 - Um milhão de beijos 
(Donizete - Bianca) 

Colaboração: Luiz Fernando, da Comunidade MC&JG, do Orkut

sábado, 27 de julho de 2013

4ª Dimensão: O poço pelo qual se chega à mina

Grupo se destacou no cenário mineiro de rock dos anos 1980 e 1990
Desconfio que está aberta a temporada de caça aos blogs. Constato que o excelente Parallel Realities Studio foi removido. Uma pena. Outro blog teve o mesmo destino nesta semana. Vamos aguardar pra saber se voltam em novo endereço. Isso serve de alerta a todos pra não deixar pra amanhã o que pode baixar hoje. Quem avisa amigo é: amanhã pode ser tarde demais.

A propósito, este disco do grupo 4ª Dimensão é do acervo do blog “A música que vem de Minas”, e foi baixado lá pelo Rafael, amigo da Comunidade MC&JG.  Ele me enviou o link com o áudio e as ilustrações do disco, a quem agradeço pela gentileza. Eu, a princípio, fico reticente em postar conteúdo de outro blog, e avalio cuidadosamente se vale a pena.
Neste caso, o Rafael me alerta que o disco e o blog não estão mais disponíveis, e o álbum merece ser ouvido. A banda mineira era formada por Nane (guitarra e vocal), Tatá (teclados e vocal) e Marco (baixo e vocal). Os músicos apresentam trabalho de primeira, e seria erro não resgatá-lo. O legal é que editei o áudio e montei as ilustrações do selo e da contracapa, mantendo as originais na pasta. O Rafael informa que o primeiro disco da banda, de 1989, está disponível no blog Casa de Rock, mas o link está vencido. Tenho certeza que o administrador do blog atenderá ao pedido de repost. Ouça este disco, e avalie se interessa buscar pelo primeiro:

01 – Jane
(Marco – Nane)
02 – Depois de você
(Marco – Nane)
03 – Danny
(Marco)
04 – Por seu perdão
(Nane – Marco - Tatá)
05 – Acorda BH
(Nane - Marco)
06 – Noites de playboy
(Marco)
07 – Prefiro morrer do que te perder
(Marco)
08 – Duelo de amor
(Geraldo Motta)


Colaboração: Rafael, da Comunidade MC & JG, do Orkut
Fonte: A música que vem de Minas

sexta-feira, 26 de julho de 2013

O som brasileiro do Bamerindus (LP 1981)

"O som brasileiro do Bamerindus" é um disco institucional produzido em 1981
Disco fez parte da campanha  nacional "Integração" , veiculada apenas no rádio
Luiz Gonzaga e Dominguinhos participam em duas faixas do disco institucional
Aproveito a homenagem póstuma feita a Dominguinhos e apresento este disco institucional do Bamerindus, banco que sofreu liquidação extrajudicial em 1997. Com agressiva e eficiente equipe de marketing, o banco lançava em 1981 a campanha “Integração”, criada pela Umuarama, nas emissoras de rádio de todo o Brasil, aproveitando os regionalismos e outras características próprias de determinadas cidades e estados. O objetivo era mostrar a proximidade do banco com a cultura local, e este “O som brasileiro do Bamerindus” fazia parte desta campanha. O álbum de capa dupla, muito bem ilustrada, tem texto de apresentação do jornalista Zuza Homem de Mello. O interessante é a participação especial, em duas faixas, do Luiz Gonzaga no vocal e do Dominguinhos na sanfona. Confira:

01 - Homem da terra (com Luiz Gonzaga e Dominguinhos)
02 - ...Para sempre
03 - Natal
04 - Homem de palavra
05 - Vinte e cinco anos
06 - Um grande abraço
07 - Amanhã, com certeza
08 - Viver a vida
09 - Essas coisas simples
10 – Erosão (com Luiz Gonzaga e Dominguinhos)

FICHA TÉCNICA

Maestros - Nelson Ayres, Heraldo do Monte, Luis Arruda Paes, Luis Roberto.
Gravado no Stúdio do Templo
Participações especiais: Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Regional de Evandro e Oswaldinho
Técnicos – Zilmar Araújo
Mixagem – Zilmar e Waldir
Produção – Nosso Estúdio
Direção artística – Walter Santos
Coordenação – Lucas
Criação e realização – Umuarama Publicidade
Capa – Miran
Arte final – Sirlei

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Dominguinhos em pessoa (Homenagem póstuma)

Álbum duplo traz entrevista exclusiva do Dominguinhos em 11 de março de 2011
O homem que abriu a porta do apartamento no Morumbi, em São Paulo, pra me receber na manhã de 11 de março de 2011, não era exatamente como imaginava: era menor na estatura e maior na simplicidade. O seu nome é José Domingos de Moraes, nasceu em 12 de fevereiro de 1941 na cidade pernambucana de Garanhuns, e atende pelo apelido Neném. Foi ele quem me conduziu pra sentar no sofá, e só identifiquei o artista Dominguinhos na hora em que colocou o chapéu de couro na cabeça ao saber que seria fotografado. Sem o acessório, é um sujeito comum, bom de papo, e delicioso de se ouvir pelo jeito de expor suas ideias com simplicidade. Ele estava reassumindo suas atividades artísticas, e tinha agenda marcada para os primeiros ensaios, após problemas de saúde. No final de janeiro, duas semanas antes de completar 70 anos, foi internado devido a princípio de enfarte e por infecção urinária.  

Lembrei-me dos detalhes desse encontro com Dominguinhos quando soube com tristeza do seu falecimento no início da noite de terça-feira, dia 23, aos 72 anos, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, após seis anos de luta contra câncer de pulmão. O meu contato com ele, naquele dia, se deve a um job que fiz para o mercado corporativo, e tínhamos entrevista agendada. Os problemas relativos à sua saúde não estavam na pauta, e achei melhor nem tocar no assunto, pois minha presença em sua casa não era pra isso. Como bom nordestino, ele me deixou a vontade, e gravei exatos 59 minutos e 13 segundos de entrevista, na qual fez retrospectiva de sua carreira desde o encontro aos oito anos com Luiz Gonzaga (na foto acima) na porta de hotel em Garanhuns. Ele, no pandeiro, mais os irmãos Morais, o mais velho, na sanfoninha de oito baixos, e Valdomiro no melê, se apresentavam a céu aberto e ganhavam trocados pro sustento da família de 16 filhos - seis morreram ainda pequeninos. Apenas o trio  herdou o DNA artístico do pai Chicão. Eles começaram como "Os Três Pinguins", empresariados pela dona de um internato em Olinda, onde estudaram durante cerca de quatro anos.

No final, com entrevista dada por encerrada, mas com o gravador ligado enquanto Dominguinhos posava ainda sentado no sofá para o fotógrafo, comentei descontraidamente sobre o desfile campeão da Beija-Flor, dias antes, no carnaval do Rio, que homenageou Roberto Carlos. Muitos artistas que participaram do show “Emoções sertanejas” estavam na avenida, e a presença dele era naturalmente esperada. Nesse momento, ele toma amigavelmente a palavra, e não só confidencia o motivo que o levou a recusar o convite do Roberto Carlos pra desfilar, como também começa a falar sobre os recentes problemas de saúde. Contou espontaneamente como foi parar no hospital quando teve os primeiros sintomas do enfarte; falou sobre a infecção urinária, e fez o próprio diagnóstico quando perguntei se já estava restabelecido. "Estou bem. Posso pegar um pouco na sanfona, pelo menos, e assim vai", conformava-se.
Enfim, ao ouvir a entrevista, que já teve o uso devido e virou material de arquivo pessoal, constatei que tenho interessante documento histórico, e poderia disponibilizá-lo pra que não seja esquecido. Evitei ao máximo, em respeito aos vossos ouvidos, expor no áudio minha voz fina como a do Anderson Silva, mas me sujeito a chacota em nome da cultura, e da preservação do conteúdo, pois Dominguinhos merece. Que assim seja. A boa notícia é que só a mantive em raros momentos de necessária intervenção porque editei no formato do Programa Ensaio, onde ouvimos a resposta e desconhecemos a pergunta. A seleção musical ficou por minha conta, de acordo com as falas do Dominguinhos.

Crédito seja dado aos sites Forró em Vinil e Toque Musical, de onde extrai boa parte das músicas que compõem o repertório deste documento. Graças aos amigos foi possível incluir, por exemplo, a instrumental "Apanhei-te cavaquinho", dos anos 1940, pra mostrar o Luiz Gonzaga da época em que a Rádio Nacional só o queria como "acompanhador", e não o deixava cantar. Aproveitei a visita do papa Francisco neste momento no Brasil, e inclui a homenagem que Luiz Gonzaga - fundamental na vida do Dominguinhos - fez ao antecessor João Paulo II. O resultado final desta homenagem póstuma é interessante pelo conteúdo, e não pela qualidade técnica, e deve ser ouvida da primeira a última faixa pra acompanhar a sequência dos fatos. Repare que Dominguinhos até revela quem é o seu sucessor. Só descobrirá o nome quem baixar:

DISCO 1

01 - A manhã que vem (jingle da Natura)
O dia em que conheceu Luiz Gonzaga
02 - Dominguinhos e Luiz Gonzaga - Quando chega o verão
03 - Os Três Pinguins entram numa fria
04 - Luiz Gonzaga - Obrigado, João Paulo II
05 - Carne seca, água, farinha e rapadura no pau de arara
06 - Dominguinhos - Baião (Com Oswaldinho e Sivuca)
07 - Reencontro com Gonzagão
08 - Luiz Gonzaga - Sorriso Cativante – 1979
09 - Devoção a Luiz Gonzaga
Luiz Gonzaga - Apanhei-te cavaquinho 
10 - O dia em que foi nomeado herdeiro artístico de Gonzagão
Luiz Gonzaga - Forró no escuro
11 - Neném virou Dominguinhos
12 - Autoditada, toca vários instrumentos
Dominguinhos - Isso aqui está muito bom - Pedras que cantam
13 - Ary Lobo - Uma prece para um homem sem Deus
14 - Motorista, propagandista e músico de Gonzagão
15 - Anastácia, uma parceria de 210 músicas - Eu só quero um xodó
16 - Dominguinhos - Asa Branca (citação - Hora do adeus) - com
Amelinha, Geraldo Azevedo, Ednardo, Anastácia e Meretrio)

DISCO 2

01 - Dominguinhos - Quem me levará sou eu
02 - Obra soma mais de 600 composições gravadas
Fagner e Luiz Gonzaga - Súplica cearense 
03 – Dominguinhos e Gonzaguinha – Seja como flor 
04 - A volta do acordeão
Quinteto Violado -  Forró do Dominguinhos
05 - Reconhecimento a Gil
Gilberto Gil - Lamento sertanejo
06 - Reconhecimento a Gal 
Gal Costa - De amor eu morrerei
07 - Pontualidade nem sempre britânica
08 - Dominguinhos - Dança da Moda - Qui nem Jiló - Fuga da Africa
 (com Sivuca e Oswaldinho)
09 - Relato sobre o documentário O Milagre de Santa Luzia, de Sérgio Rozeinblit
10 - Dominguinhos - Asa branca (com Sivuca e Oswaldinho)
11 -  Relato sobre os projetos inéditos
Elba Ramalho -  De volta pro aconchego
12 - Relato sobre o DVD
13 - Relato sobre os projetos inéditos
 Gilberto Gil - Tenho sede
14 - Waldonys - Eu sou do banco
15 - Paula Fernandes e Dominguinhos - Caminhoneiro

terça-feira, 23 de julho de 2013

Vários artistas - Os inesquecíveis anos 60 (1990)

Grandes sucessos dos anos 60 estão presentes neste álbum lançado em 1990
“Prepare seu hairspray e bom cabelo, que a festa de arromba vai começar”, avisa o jornalista e crítico musical Tárik de Souza na contracapa deste “Os inesquecíveis anos 60”, álbum lançado em 1990 pela EMI-Odeon. O alerta deve-se ao fato de o disco reunir 14 músicas do período, muitas conhecidas do público brasileiro devido as versões que obtiveram grande sucesso por aqui, como “O escândalo” (Shame and scandal in the family), “Erva venenosa” (Poison ivy), “Pobre menina” (Hang on sloopy) e outras. O disco traz duas músicas dos Beatles: “With a little help from my friends”, com Young Idea, que teria ficado seis semanas nas paradas de sucesso da Inglaterra, e “All my loving”, em ritmo de bolero, na interpretação do Matt Monro. Segundo Tárik de Souza, essa gravação foi realizada “sob a produção – coisa rara! – do quinto homem do quarteto de Liverpool, George Martin, que abriu essa exceção para o amigo do peito”. Confira:

01 - Herman's Hermits - No milk today
(Graham Gouldman)
02 - Lance Percival - Shame and scandal in the family
(Donaldson - Henry Brown)
03 - The Paramounts - Poison ivy
(Jerry Leiber - Mike Stoller)
04 - Young Idea - With a little help from my friends
(Lennon - McCartney)
05 - Gerry & The Pacemakers - Don't let the sun catch you crying
(Gerrard Marsden - Fred Marsden - Les Maguire - Les Chadwick)
06 - Highwaymen - Michael (Row the boat ashore)
(Arr. D.Fischer)
07 - Johnny Rivers - Hang on sloopy
(Bert Russell - Wes Farrell)
08 - The Hollies - Carrie-Anne
(Clarke - Hicks - Nash)
09 - Beach Boys - Barbara Ann
(Fred Fassert)
10 - Johnny Burnette - Dreamin'
(De Vorzon - Ellis)
11 - Ricky Valance - Tell Laura I love her
(Barry - Raleigh)
12 - Don McLean - Crying
(Roy Orbison - Joe Melson)
13 - Matt Monro - All my loving
(Lennon - McCartney)
14 - The Ventures - Walk don't run
(Johnny Smith)

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Sonia Santos - Crioula (LP Som Livre 1977)

Sonia Santos, hoje radicada nos Estados Unidos, gravou o segundo LP em 1977
Quem viveu os anos 1970 deve se lembrar da Sonia Santos, cantora que apareceu em algumas trilhas de novelas da Rede Globo, como em "O Espigão", cantando "Você vai ter que me aturar" (Reginaldo Bessa - Nei Lopes) e "O Rebu", cantando "Porque" (Raul Seixas - Paulo Coelho), ambas de 1974. Em 1977, gravou este “Crioula”, segundo LP da carreira, lançado dois anos após o primeiro, produzido e arranjado por Guto Graça Mello, ambos pela Som Livre. O disco explora sua versatilidade como sambista, apesar de achar que poderia investir em outras vertentes musicais, como nas três faixas que inclui de bônus, entre as quais a excelente “Speed”, de Jorge Benjor, e “Quem é”, gravada em dueto com o saudoso Grande Otelo, e incluída na trilha da novela “Nina”.

Sonia Santos nasceu no bairro de Ramos, no Rio de Janeiro, e começou a carreira no início da década de 70, sendo que uma de suas primeiras gravações foi no disco "Sargentelli e O Sambão", em 1970, cantando "O samba da minha terra" (Dorival Caymmi). Gravou o terceiro LP, "Brasileirinha", de forma independente em 1982. Em 1988 foi convidada por Ricardo Cravo Albin para estrelar ao lado de Tom da Bahia o espetáculo "Verão Brasil", excursionando por diversos países. No final da década de 80 mudou-se para os Estados Unidos, fixando residência em Los Angeles.

No mercado norte-americano, Sonia gravou o CD "Sorte" em 1997. Em 1999 gravou em dupla com a cantora Ana Gazzola o CD "Brasil Brazil", com clássicos da MPB, pela Yellow Green Productions. Em 2000 foi lançado "Brasil Brazil 2". Em 2003 as duas cantoras lançaram o DVD "Brasil Brazil Ao Vivo - Syracuse Jazz Festival", gravado ao vivo em Nova York. Em 2008 foi lançado "Brasil Brazil 3", mesmo ano em que gravou "Bossa, Ballds & Boleros", com o tecladista Pablo Medina. Confira o post:

01 – Lavadeira
(Eros – Lemos – Corrêa)
02 - Quando nasce o filho de um sambista
(Paulinho da Vila)
03 - A polícia bateu
(Matelói)
04 - O bom malandro
(Paulo Faria)
05 - Não falo em viola
(Everaldo Cruz – Djalminha)
06 – Fracasso
(Mário Lago)
07 – Crioula
(Sonia Santos – Angela Suarez)
08 - Retrato oficial
(Lino Roberto – Wilson Medeiros)
09 - A distância
(Dedé da Portela)
10 - Afinal eu encontrei (Mundo colorido)
(Noca – Delcio Carvalho)
11 - Taí a estória pra mostrar
(Kiko de Carvalho)
12 - João ninguém
(Paulo Menezes – Milton Legey)
BÔNUS
13 - Quem é (part. especial Grande Otelo) - 1977
(Custódio Mesquita e Joracy Camargo)
14 - Menino das laranjas – 1982
(Théo)
15 - Speed – 1978
(Jorge Benjor)

domingo, 21 de julho de 2013

Banda Sidren - Sonhar faz bem (EP 2013)

Banda Sidren, de pop rock, foi formada em 2009 em Franco da Rocha (SP)
Se você é como eu, sem preconceito musical, e está sempre disposto a ouvir jovens talentos, eis aqui a oportunidade de conhecer uma nova banda. Trata-se da Sidren, que acaba de me enviar o seu primeiro EP, especialmente para divulgação no blog. A banda, de pop rock, é autora das quatro músicas do disco, no qual revela influências recebidas da Legião Urbana, Charlie Brown Jr. e Raul Seixas. O grupo é formado por Daniel Piu Piu (baixo e guitarra), Fábio Custódio (bateria ) e Jeferson  (guitarra e vocal). Segundo Jean Chambre, diretor artístico do disco, a banda foi criada na cidade de Franco da Rocha (SP) em 2009 por amigos de escola, e desde então vem se apresentando com sucesso pela região por meio de canções próprias e covers de hits dos anos 80. Confira:

01 - Fecho os olhos
02 - Sonhar faz bem
03 - Meus erros
04 - Tento entender

FICHA TÉCNICA

Diretor artístico - Jean Chambre
Arranjos – Daniel Piu Piu e Fábio Custódio
Estúdio – Papiris (SP)
Contato pelo Twitter: @Radio_estaco



sábado, 20 de julho de 2013

Documento histórico - O homem na lua (1969)

Disco da revista Fatos & Fotos traz a narração da chegada do homem na lua
Foi em 20 de julho de 1969, há exatos 44 anos portanto, que um dos sonhos mais antigos da humanidade se transformou em realidade: a chegada do homem na Lua. O feito, realizado pelo astronauta americano Neil Armstrong seguido do seu colega de missão Buzz Aldrin, ficou marcado na história. O mundo parou pra assistir o evento. A televisão, na época, não era tão popular como hoje, e muitos acompanharam a narração ao vivo por meio do rádio, principal veículo de comunicação de massa no final dos anos 1960. A hoje extinta revista Fatos & Fotos, atenta ao acontecimento, não perdeu tempo, e lançou edição especial com compacto contendo narração do evento feita pela “Voz da América”, transformando-se num documento histórico, aqui postado. Não tenho a revista, e o disco - infelizmente - não revela o nome do narrador.

A Apollo 11 foi lançada em 16 de julho do Centro Espacial Kennedy, em Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), na ponta do foguete Saturno V. Quatro dias depois, o Módulo Lunar pousou próximo ao Mar da Tranquilidade, na superfície do satélite da Terra. A espaçonave tinha três partes: o módulo de comando, a única parte que voltou à Terra; o módulo de serviço, que continha propulsor, sistema elétrico, oxigênio e água; e o módulo lunar, utilizado para pousar na Lua. Apesar de ser tripulada por três astronautas, a missão foi dividida de forma que Michael Collins permanecesse no módulo de comando, na órbita lunar, enquanto Aldrin e Armstrong pousassem na Lua com o Módulo Lunar. A nave foi uma das sete missões - de um total de 17 do Programa Apollo - que conseguiu levar o homem à Lua. Segundo consta, o programa fez outros cinco bem sucedidos desembarques na Lua entre 1969 e 1972. Ao total, 12 homens pisaram na superfície lunar, todos americanos, mas até hoje muita gente não acredita nessa história. Confira o post:

01 – O homem na lua – Parte 1
02 – O homem na lua – Parte 2

(Narrado pela “Voz da América”)

Vários intérpretes - As 14 mais da Difusora (1974)

Seleção da Rádio Difusora privilegia sucessos nacionais e internacionais de 1974
Aqui está uma seleção musical que certamente agradará a gregos e troianos. Trata-se do álbum com as “14 mais da Difusora”, lançado em 1974 pela  Fontana (Philips), envolvendo artistas nacionais e internacionais de primeira grandeza, como Elis Regina, Raul Seixas, Jorge Benjor, Gal Costa, MPB-4 e outros. Entre os estrangeiros, o principal destaque é o Demis Roussos, que na época fazia sucesso em sua carreira solo, após liderar o vocal da banda Aphrodite’s Child. Infelizmente, a capa e a contracapa do disco estão danificadas pela ação do tempo, mas dá pra curtir o álbum sem nenhum problema. Confira:

01 - Demis Roussos - Someday somewhere
(S.Vlavianos - R.Costandinos)
02 - Jorge Benjor - A lua é minha
(Jorge Benjor)
03 - Jim Croce - Time in a bottle
(Jim Croce)
04 - Elis Regina - Cadeira vazia
(Lupicinio Rodrigues)
05 - Lobo - How can I tell her
(Lobo)
06 - Raul Seixas - Sessão das dez
(Raulzito)
07 - Albert Terraza - Vado via
(E.Riccardi - L.Albertelli)
08 - MPB-4 - Pot-pourri de Monsueto
Me deixa em paz
(Monsueto - Airton Amorim)
A fonte secou
(Monsueto - Tufic Lauar - Marcléo)
Mora na filosofia
(Monsueto - Arnaldo Passos)
Eu quero essa mulher
(Monsueto - José Batista)
09 - Clifford T. Ward - Wherewithal
(Clifford T. Ward)
10 - Gal Costa - De amor eu morrerei
(Dominguinhos - Anastácia)
11 - Status Quo - Caroline
(Rossi - Young)
12 - Sérgio Sampaio - Meu pobre blues
(Sérgio Sampaio)
13 - Dimitri - Sing all you can
(S.Beldone - R.Rupen)
14 - Zé Luiz - Adeus violeiro
(Gilson de Souza)

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Chave Geral - Morena jambo (LP 1988)

Chave Geral é uma das bandas surgidas no boom do rock dos anos 1980
A julgar pela capa, eu logo imaginei que a Chave Geral é uma banda brasileira de heavy metal, e coloquei o disco pra tocar. Ledo engano. O álbum, lançado em 1988 pela gravadora Copacabana, revela que o grupo bebe da mesma fonte musical de bandas da época, como Roupa Nova e Rádio Táxi, por exemplo. A diferença é que a Chave Geral, apesar de apresentar um bom trabalho, gostoso de ouvir, não obteve a mesma notoriedade. Constatei, em pesquisa na rede, que os músicos – infelizmente não identificados – lançaram um EP em 1986 pela mesma gravadora, e provavelmente têm outros discos gravados. A banda tem até site (aqui), mas lamentavelmente peca pela falta de conteúdo, motivo pelo qual deixo o espaço aberto para os comentários dos amigos. Agradeço a quem acrescentar informações sobre a banda. Enquanto isso, confira o disco:

01 - Morena jambo
(Denis – Demian)
02 - Medo de amar
(Pardal)
03 - Passado e futuro
(Ilton)
04 - Esqueça que te amei
(Ilton)
05 - Eu sou louco
(Mirandinha – Ilton – Kika)
06 – Momentos
(Ilton)
07 – Performance
(Mirandinha – Kika)
08 – América
(Ilton)
09 - Você é um sonho
(Antonio Luiz – Paulinho Guitter)
10 – Censurado
(Ilton)

FICHA TÉCNICA

Produtor fonográfico – Som Indústria e Comércio S/A
Diretor artístico – Juvenal de Oliveira
Direção de produção – Enoque Gomes
Coordenação artística – Leni Mafar
Arranjos – W. Miranda
Técnico de gravação – João Campanha
Técnico de mixagem e corte – Getúlio B.C.Junior
Montagem – Leandro Grandi
Gravado nos estúdios – Copacabana (São Bernardo do Campo – SP)
Layout e arte – WOM
Foto – Walmor – Sport Line (RJ)
Visual – Tânia Mara Martins

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Vários artistas - Documento musical Jovem Guarda

Coletânea de 2004 faz parte da edição especial lançada pela Revista Contigo
Esta coletânea, comercializada apenas em bancas de jornal, é parte integrante de edição especial e histórica da Revista Contigo, lançada em 2004. Intitulada “Documento Musical”, a revista resgata em texto e fotos a Jovem Guarda, movimento que chacoalhou o comportado cenário musical dos anos 1960, lançando moda, padrões de comportamento, ídolos e músicas inesquecíveis, como as que estão nesta compilação. A capa é ilustrada com foto do Eduardo Araújo, Erasmo Carlos, Wanderléa, Roberto Carlos, Martinha e Wanderley Cardoso. É de se esperar a presença de todos eles no repertório, o que infelizmente não acontece, pois Roberto e Wanderléa não estão originalmente no disco. Pra preencher esse vazio, inclui duas faixas bônus: “Horóscopo”, com Wanderléa, e “Meu pequeno Cachoeiro”, com Roberto Carlos, acompanhado apenas ao violão, numa bonita gravação lançada em EP de 1970. Um dos destaques é o cantor Jean Carlo, cego de nascença, falecido aos 70 anos no último dia 2, em Campinas (SP), interpretando "Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones", sucesso do grupo Os Incríveis. Confira:

01 – Eduardo Araújo - O Bom
(Carlos Imperial)
02 – Erasmo Carlos - Lobo Mau (The wanderer)
(E.Marasco – vs: Hamilton di Giorgio)
03 – Sérgio Reis - Coração de Papel
(Sérgio Reis)
04 – Deny e Dino – Coruja
(Deny – Dino)
05 – Trio Esperança - A Festa do Bolinha
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
06 – Wanderley Cardoso - O Bom Rapaz
(Geraldo Nunes)
07 – Martinha - Eu Daria Minha Vida
(Martinha)
08 – Golden Boys - Alguém na Multidão
(Rossini Pinto)
09 – Erasmo Carlos - Negro Gato
(Getúlio Cortes)
10 – Jean Carlo - Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones
(Lusini – Migliacci – vs: Os Incríveis)
11 – The Fevers - Voce me Acende (You turn me on)
(Ian Whitcomb – vs: Erasmo Carlos)
12 – Eduardo Araújo - Vem Quente que Eu Estou Fervendo
(Carlos Imperial – Eduardo Araújo)
13 – Trio Esperança - Filme Triste (Sad movies)
(Lourdemilk – vs: Romeu Nunes)
14 – Elizabeth - Sou Louca por Você
(Elizabeth)
15 – Martinha - Barra Limpa
(Martinha)
16 – Os Carbonos - A Praça
(Carlos Imperial)
17 – Paulo Sérgio - Vou Pedir Outra Vez
(Paulo Sérgio – Eustáquio Sena)
18 – The Supersonics - O Calhambeque (Road hog)
(John D. Lourdemilk – Gwen – vs: Erasmo Carlos)
19 – Golden Boys - Pensando Nela (Bus stop)
(Graham Gouldman – vs: Rossini Pinto)
20 – Silvinha - Minha Primeira Desilusão
(Sissi)
21 – Roberto Carlos - Meu Pequeno Cachoeiro (ao violão) - BÔNUS
(Raul Sampaio)
22 – Wanderléa – Horóscopo – BÔNUS
(Carlos Imperial)

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Vários intérpretes - Super Stars - Vol. 4 (1994)

Quarto volume da série Super Stars reúne gravações ao vivo de quatro intérpretes
Doze gravações ao vivo, apresentadas por quatro intérpretes – Lúcio Alves – Claudia – Dick Farney e Vanusa – compõem o repertório do quarto volume da série Super Stars, lançada em 1994 pela RGE. Os volumes 1 e 2 estão disponíveis para download no SanduícheMusical, meu blog anterior, mas não tenho o terceiro, que reúne os sambistas Jamelão, Leci Brandão, Beth Carvalho e Jorge Aragão. Não sei se existe um quinto volume, pois nunca o vi, e talvez algum amigo possa informar. Ao contrário dos dois primeiros volumes, ripados do CD, este quarto volume é de vinil. Confira:

01 - Lúcio Alves – Castigo
(Dolores Duran)
02 - Claudia - Não chores por mim Argentina (Don't cry for me Argentina)
(Andrew Lloyd Webber – Tim Rice – vs: Victor Berbara)
03 - Dick Farney - Alguém como tu
(José Maria de Abreu – Jair Amorim)
04 - Vanusa - Um dia de domingo
(Michael Sullivan – Paulo Massadas)
05 - Lúcio Alves - De conversa em conversa
(Lúcio Alves – Haroldo Barbosa)
06 - Cláudia - Preciso aprender a ser só
(Marcos Valle – Paulo Sérgio Valle)
07 - Dick Farney - Esse seu olhar
(A.C.Jobim)
08 - Vanusa – Bilhete
(Ivan Lins – Victor Martins)
09 - Lúcio Alves - Ela é carioca
(A.C.Jobim – Vinicius de Moraes)
10 - Cláudia - Coração de estudante
(Milton Nascimento – Wagner Tiso)
11 - Dick Farney - Ponto final
(José Maria de Abreu – Jair Amorim)
12 - Vanusa – Mensagem
(Aldo Cabral – Cícero Nunes)
Manhãs de setembro 
(Vanusa – Mário Campanha)
Paralelas
(Belchior)



terça-feira, 16 de julho de 2013

The Fantastic Soundtrack Band - Grease (1978)

Disco traz 10 músicas do filme estrelado por Olivia Newton-John e John Travolta
Eis aqui mais um álbum da trilha sonora do filme Grease – Nos tempos da brilhantina, longa de 1978 dirigido por Randal Kleiser, e estrelado pelo casal de atores John Travolta e Olivia Newton-John. Assim como a postagem anterior (aqui), o álbum é mais um caça níquel da indústria fonográfica, já que se trata de cover da trilha original, gravado pela The Fantastic Soundtrack Band. O disco, lançado pelo selo Number Ones (RGE/Fermata), traz 10 músicas mais famosas do filme, como “Hopelessly devoted to you” (tema de Sandy, que concorreu ao Oscar de melhor canção original), "Grease", “Look at me, I'm Sandra Dee”, “Summer nights” e “We go together”, entre outras. O orçamento de Grease, segundo o Wikipedia, foi de  US$ 6 milhões, com arrecadação mundial de US$ 394 milhões, sendo até hoje o filme musical de maior arrecadação de bilheteria nos Estados Unidos.  Confira o disco:

01 – Grease
(B.Gibb)
02 - Summer nights
(J.Jacobs – W.Casey)
03 - Look at me I'm Sandra Dee
(J.Jacobs – W.Casey)
04 - You're the one that I want
(J.Farrar)
05 - Greased lightning’
(J.Jacobs – W.Casey)
06 - Hopelessly devoted to you
(J.Farrar)
07 - We go together
(J.Jacobs – W.Casey)
08 - Hound dog
(J.Leiber – Stoller)
09 – Sandy
(L.St.Louis – S.Simon)
10 - Beauty school dropout
(J.Jacobs – W.Casey)

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Ely Arcoverde e conjunto - Samba total (1976)

Sucessos da época, com coro e conjunto, estão no repertório do organista
Quem gosta de samba não pode perder este disco do maestro, compositor e organista Ely Arcoverde, lançado em 1976 pela CBS Entré, selo popular da antiga CBS (atual Sony). O repertório, com coro e conjunto, é formado por 24 músicas, distribuídas em duas por faixa, e privilegia sucessos da época, como “Nem ouro nem prata”, “Xica da Silva”, “Carta de Alforria”, “Água no feijão”, “Incompatibilidade de gênios” e outros. Fiz uma pesquisa na rede pra redigir a resenha biográfica do músico. Encontrei vários álbuns lançados por ele. Notei que manteve carreira muito ativa nos anos 1960, e alguns títulos estão disponíveis pra download em blogs. Tudo indica que este foi o último LP lançado por ele. O problema é encontrar dados biográficos do músico. Confesso que não fui fundo na pesquisa, e espero que alguns dos amigos possam acrescentar algo nos comentários. Confira:

01 - Xica da Silva
(Jorge Benjor)
Na beira do mangue
(Ary  do Cavaco – Otacilio)
02 - Rainha do mar
(Rosângela – Bentana) 
Eu e meu pandeiro
(Isaias Souza)
03 - Moça bonita
(Jair Amorim – Evaldo Gouveia)
Perdão Portela
(Jair Amorim – Evaldo Gouveia)
04 - Depois de 2001
(Adelino Moreira – Nelson Gonçalves)
Colibri
(Zuzuca)
05 – Retalhos
(Paulo Debétio – Paulinho Rezende)
Moça criança
(Agepê – Canário)
06 - Pau no gato
(Aroldo Santos – Zardino)
Água no feijão
(Jorginho do Império – Ubirajara Dias)
07 - Nem ouro nem prata
(Ruy Maurity – José Jorge)
Fuzuê
(Romildo – Toninho)
08 - Morte de um poeta
(Totonho – Paulinho Rezende)
Carta de alforria
(Américo – Braga)
09 - Incompatibilidade de gênios
(João Bosco – Aldir Blanc)
O quitandeiro
(Paula da Portela – Monarco)
10 - Promessa ao Gantois
(Mateus – Dadinho)
Mineira
(João Nogueira – Paulo Cesar Pinheiro)
11 - Cavaco vadio
(Paulinho Rezende – Totonho)
Conto até dez
(Luiz Ayrão)
12 - Bola pra frente
(Luiz Ayrão)
Antes ele do que eu
(Paulinho Soares)


domingo, 14 de julho de 2013

The Black Mustangs - 18 temas em brasa (1967)

Álbum lançado pela Fontana, selo da Philips, traz sucessos do ano de 1967
Não tenho muito o que comentar sobre este álbum lançado em 1967 pela Fontana, selo popular da Philips. Trata-se do disco “18 temas em brasa”, álbum instrumental do desconhecido grupo The Black Mustangs, provavelmente uma banda de estúdio da gravadora que executa os grandes sucessos da época. O álbum tem apenas seis faixas em forma de pot-pourri, contendo três canções cada, daí os 18 temas que dão título ao disco. Um dos destaques é a faixa com três sucessos do Roberto Carlos: “Querem acabar comigo”, “Eu te darei o céu” e “Namoradinha de um amigo meu”. Confira:

01 - Winchester cathedral
(G.Stephens)
Listen people
(Gouldman)
Keep on running
(J.Edwards)
02 - I've got you under my skin
(C.Porter)
Les parapluies de cherbourg 
(M.Legrand)
Guantanamera
(Marty – Angulo – Seeger)
03 - See you in september
(S.Wayne – S.Edwards)
Sunny
(B.Hebb)
Gina
(L.Reed – M.Murray)
04 - Opus 17 (Don’t you worry bout me)
(S.Linzer – D.Randell)
I saw her again
(J.Phillips  - D.Doherty)
Come on home
(J.Edwards)
05 - Querem acabar comigo
(Roberto Carlos)
Eu te darei o céu
(Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
Namoradinha de um amigo meu
(Roberto Carlos)
06 – Angélique
(M.Orso)
 Frag’ den wind
(H.Zacharias – C.Schaeuble)
Un homme et une femme
(Francis Lai – P.Barouh)

sábado, 13 de julho de 2013

Vários intérpretes - Brasileiros cantam Elvis Presley

Coletânea inclui regravações e tributos feitos ao rei do rock Elvis Presley
Hoje é Dia Mundial do Rock. Pra comemorar o dia, nada como homenagear aquele que é considerado o rei do rock’n’roll, o eterno Elvis Presley, em regravações e tributos feitos por artistas brasileiros, numa coletânea que inclui nomes como Raul Seixas, Zé Ramalho, Erasmo Carlos, Jerry Adriani e até um político, Francisco Rossi, ex-prefeito de Osasco, em São Paulo, entre outros. A presente coletânea foi produzida pelo RStone, um dos fundadores da Comunidade MC&JG e locutor da webrádio No Túnel do Tempo, a quem agradeço pela valiosa colaboração. O próprio Stone faz questão de destacar que parte das faixas foi cedida pelo saudoso Jaime Moura, a quem tive o privilégio de conhecer pessoalmente, e sem o qual não seria possível montá-la. Agradeço também a ele que foi um grande colaborador da comunidade no Orkut e que permanece vivo em nossos corações.

O Dia Mundial do Rock foi instituído a partir da realização do Live Aid, em 1985, nos estádios de Wembley, em Londres (Inglaterra) e JFK, na Filadélfia (EUA). Também aconteceram shows na Austrália, Rússia e Japão. Organizado pelo cantor Bob Geldof, o festival tinha como principal objetivo angariar fundos para minimizar a fome de moradores da Etiópia, na África. Entre as dezenas de artistas que participaram estavam Queen, U2, Rolling Stones, Led Zeppelin, The Who, Black Sabbath, Paul McCartney, Run-DMC e David Bowie. Em Wembley, o evento reuniu cerca de 82 mil pessoas; na Filadélfia, o público foi maior, 99 mil. O Live Aid foi transmitido para mais de 100 países. Confira a homenagem ao dia:

01 – Raul Seixas (aos 9 anos) - Introdução - Good rockin' tonight - 1955
02 – Raul Seixas - Just because - 1977
03 – Tony Lemos - Recordações (Pot-pourri) - 1978
04 – Francisco Rossi - Amigo Elvis - 1978
05 – Jerry Adriani - Tudo bem mamãe (That's all right) - 1991
06 – Rogério - Eu relembro Elvis Presley (I remember Elvis Presley) - 1978
07 – Lee Jackson - Moody blue - 1978
08 – Rogério - O rei se foi (The king is gone) - 1978
09 – Made in Brazil - Meu amigo Elvis - 1976
10 – João Brasil - O Elvis é macho - 2005
11 – João Suplicy & Friends - Surrender (Elvis in Bossa Nova) - 2008
12 – Jerry Adriani - Eu só penso em você (Always on my mind) - 1991
13 – Lee Jackson - King creole - 1978
14 – Roberto e Erasmo Carlos - Tutti-frutti - Blue suede shoes - Love me tender  - 1977
15 - João Suplicy & Friends - Trying to get you (Elvis in Bossa Nova) - 2008
16 – Nilson Souza - Tributo a Elvis - 1997
17 – Catedral - Polk salad Annie 
18 – Erasmo Carlos - Bom dia rock'n'roll - 1972
19 – Ed Wilson & The Originals - Love me tender - Trouble - 2005
20 – Tróia Negra - Elvis não morreu  - 2007
21 – Célio Roberto - Kiss me kiss (Kiss me  quick) - 1978
22 - Canja Rave - Filme do Elvis - 2010
23 – Zé Ramalho - O rei do rock - 2011

Colaboração: RStone, da Comunidade MC&JG, do Orkut

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Agostinho dos Santos: Mais boleros famosos (1963)

Agostinho dos Santos interpreta boleros em espanhol no disco de 1963
Hoje, como os amigos podem notar, a postagem é dupla em homenagem póstuma aos 40 anos da morte do cantor Agostinho dos Santos, falecido em 12 de julho de 1973 num trágico acidente aéreo nas imediações do Aeroporto de Orly, em Paris, na França. Selecionei, depois de postar as últimas gravações incluídas no álbum de 1973, este disco lançado 10 anos antes no Brasil e no exterior. Nele, um repertório somente de boleros, com interpretação em espanhol. Segundo texto assinado por Ricardo Macedo na contracapa, a ideia deste álbum nasceu de um pedido que a RGE brasileira recebeu da Venezuela.

“O nome de Agostinho dos Santos, que já brilhou em temporadas recentes em Portugal, na Venezuela, em outros países latino-americanos, e em novembro de 1962 no Carnegie Hall em Nova York, projeta-se ainda mais através deste lançamento. Inicialmente, a RGE pretendia lançar o LP apenas no exterior. Mas terminada a gravação, a impressão foi tão boa, que o Scatena houve por bem lançá-lo também no Brasil”, revela no texto. Ainda bem que o mercado nacional não ficou de fora, pois o disco é ótimo, e merece ser ouvido, mesmo depois de gravado há 50 anos. Confira:

01 - Solamente una vez
(Agustin Lara)
02 - Amor
(Gabriel Ruiz - López Mendez)
03 - Angelitos negros
(Manuel Alvarez Maciste - Andrés Eloy Blanco)
04 - Amor de mis amores
(Agustin Lara)
05 - Noche de luna
(Gonzalo Curiel)
06 - Calla tristesa
(Gonzalo Curiel)
07 - Mar
(Gabriel Ruiz - Ricardo Lópes Mendez)
08 - Recuerdos de ti
(Roque Carbajo)
09 - Lindissima
(Johnny Quirós)
10 - Campanitas de cristal
(Rafael Hernandes)
11 - Presentimiento
(Emilio Pacheco)
12 - Sueños de Paris
(Johnny Quirós)


quinta-feira, 11 de julho de 2013

Agostinho dos Santos - Últimas gravações (LP 1973)

Agostinho dos Santos faleceu há 40 anos em acidente aéreo na França
Há exatos 40 anos, em 12 de julho de 1973, faleceu o cantor Agostinho dos Santos num trágico acidente aéreo nas imediações do Aeroporto de Orly, em Paris, na França. O cantor, dono de voz suave, muito bem colocada e de boa potência, tinha 41 anos, e certamente deixou seu nome entre os melhores intérpretes da MPB. Em homenagem póstuma, segue este álbum lançado pela Continental logo após sua morte, contendo as últimas gravações do artista. Agostinho nasceu em São Paulo, no dia 25 de abril de 1932, e foi crooner de orquestra, trabalhando nas rádios América e Nacional.

Em 1955 foi para o Rio de Janeiro cantar com Ângela Maria e Sílvia Teles na Rádio Mayrink Veiga. Gravou, no ano seguinte, o LP "Uma Voz e seus Sucessos", com músicas de Tom Jobim e Dolores Duran, sendo um dos pioneiros da Bossa Nova e até do rock brasileiro, se considerar a gravação no final dos anos 1950 de "Até logo, jacaré", versão de Julio Nagib para "See you later, alligator", de Bill Halley & His Comets. Ele foi intérprete no filme "Orfeu do carnaval", de Marcel Camus, com trilha sonora de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, que lhe rendeu dois grandes sucessos: "Manhã de carnaval" e "A felicidade". Agostinho, sem dúvida, é um excelente intérprete que deve ser apreciado por que não o conhece.  Confira:

01 - Apresentação - A felicidade
(Antonio Carlos Jobim - Vinicius de Morais)
02 - Se todos fossem iguais a você
(Antonio Carlos Jobim - Vinicius de Morais)
03 - Estrada do sol
(Antonio Carlos Jobim - Dolores Duran)
04 - Manhã de carnaval
(Luiz Bonfá - A.Maria)
Lamentos do morro
(Antonio Carlos Jobim - Vinicius de Morais)
Samba de orfeu
(Luiz Bonfá - Antonio Maria)
O nosso amor
(Antonio Carlos Jobim - Vinicius de Morais)
05 - Paz sem cor
(A. dos Santos - Nancy dos Santos)
06 - O amor está no ar
(A. dos Santos - Joab Teixeira)
07 - Dindi
(Antonio Carlos Jobim - Aloisio de Oliveira)
08 - Foi a noite
((Antonio Carlos Jobim - Newton F. Mendonça)
09 - Céu e mar
(Johnny Alf)
10 - Sin palabras
(Marianito Moraes - Enrique S. Discopolo)

Ruben seu Órgão e Conjunto - Ruben em Hi-Fi (s/d)

Clássicos do cancioneiro nacional e internacional estão no repertório deste disco
Não baixe este álbum se você faz questão de ouvir disco sem chiado, mas se o seu interesse é conhecer um disco raro, à venda por R$ 680,00 no Mercado Livre, encontrou o que queria. O problema é saber quem é o músico Ruben, organista, e seu conjunto. Fiz uma pesquisa na rede pra tentar descobrir, e nada encontrei, salvo o anúncio de venda do disco por esse preço absurdo. O interessante é que as capas são diferentes: o meu exemplar, lançado pela gravadora Beverly e sem ano de produção, é ilustrado com desenho de mulher nua, e o que encontrei na rede traz a foto real da modelo. Desconfio que o disco em mãos deve ser de reedição. Aproveitei a foto da capa original e a ilustrei como contracapa do CD, já que a do LP tem apenas o logo da gravadora. Confira:

01 - Fechei a porta
(Sebastião Motta - Ferreira dos Santos)
02 - A felicidade
(A.C.Jobim - Vinicius de Moraes)
03 - Yes sir that's my baby
(W.Donaldson - G.Kahn)
04 - Something's gotta give
(J.Mercer)
05 - Maracangalha
(Dorival Caymmi)
06 - Brigas nunca mais
(A.C.Jobim - Vinicius de Morais)
07 - E dai
(Miguel Gustavo)
08 - La goulante du pauvre Jean
(M.Monnot)
09 - Gaglione
(Fanciulli - Nisa)
10 - Cheek to cheek
(I. Berlim)
11 - Tea for two
(V.Yumans - I.Caesar)
12 - Just one of those things
(Cole Porter)

quarta-feira, 10 de julho de 2013

The Sucessounds - Os grandes artistas - Vol.2 (1982)

Álbum do grupo The Sucessounds reúne sucessos de grandes artistas 
Aqui está um álbum legal que reúne sucessos de Cliff Richard, Barry White, Paul McCartney, Susy Quatro, Glenn Campbel, Eletric Light Orchestra e Earth, Wind and Fire. A maior parte das músicas é conhecida, mas não tenho referência sobre a banda The Sucessounds, responsável pelas gravações, e provavelmente criada em estúdio. E olha que este é o segundo volume da série “Os grandes artistas”, lançado em 1982 pela Fermata. O interessante é que o repertório, salvo engano, é dos anos 1970. Confira:

01 - You're the first, the last, my everything
(Barry White)
02 - Another day
(Paul McCartney)
03 - I'm alive
(J.Lynne)
04 - She's in love with you
(N.Chinn – M.Chapman)
05 - By the time I get to Phoenix
(Jim Webb)
06 - Boogie wonderland
(J.Lind – A.Willis)
07 - We don't talk anymore
(Tarney)
08 - After the love has gone
(D.Foster – J.Graydon – B.Champlin)
09 - Wichita lineman
(Jim Webb)
10 - Let the music play
(B.White – B.White)
11 - Stumplin'in
(Chinn – Chapman)
12 - My love
(Paul McCartney)
13 – Congratulations
(Martin – Coulter)
14 - Don't bring me down
(J.Lynne)

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Vários artistas - Parada de sucessos - Vol. 6 (1973)

Sexto volume da série Parada de Sucessos não informa nomes dos intérpretes
A capa já informa o conteúdo do disco, lançado em 1973 pela Premier (RGE/Fermata): 12 sucessos internacionais, atualmente em todas as paradas do Brasil. Só “esqueceu” de dar crédito aos intérpretes. Exceção, é verdade, seja feita pra faixa que abre o lado B do álbum – “Delta Queen”, na voz do Ricky Shayne, conhecido no Brasil pelo hit “Mamy blue” em 1971. Este é o sexto volume da série que desconheço o tamanho. É uma pena que a gravadora não menciona os nomes dos intérpretes, pois os registros estão no mesmo patamar dos originais. O disco é bem produzido e vale a pena ser ouvido. Confira:

01 - Superman
(A.Vitalis – Haubrich)
02 - You're the sunshine of my life
(S.Wonder)
03 - You're a lady
(Skellern)
04 – Superstition
(Wonder)
05 - So lucky
(Bill Owen)
06 - Do it again
(D.Fagen – W.Becker)
07 - Ricky Shayne - Delta queen
(T.Tassenberg)
08 - Summer breeze
(Seals & Crofta – James Seals)
09 - Crocodile rock
(Elton John – B.Taupin)
10 - Why can't we life together
(Thomas)
11 - Ventura highway
(Dewey Bunnell)
12 - You're so vain
(Carly Simon)