Pesquisar este blog

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Adil Tiscatti - Leão da lua (CD Velas - 2000)

Leão da Lua traz autorais e excelentes releituras de "Um chope pra distrair" e "Aquele abraço"
Não se deixe enganar pelo jeito de homem simples do Adil Tiscatti. Por tras da simplicidade revestida pelo sofisticado nome encontra-se o talento musical que pode ser constatado neste "Leão da lua", segundo disco do músico, cantor e compositor, lançado em 2000 pelo selo Velas. Trata-se de mais uma contribuição musical do Amilcar Pacheco, a quem renovo meu sincero agradecimento. Tiscatti apresenta trabalho de alto nível, delicioso de ouvir e de dançar, mas seu trabalho solo ainda é restrito a uma pequena e privilegiada audiência. O disco inclui canções de sua autoria, como a faixa título, além de "Lara" e "Sem ela", e apresenta releituras interessantes de "Aquele abraço", sucesso do Gilberto Gil, e de "Um chope pra distrair",  hit do Paulo Diniz, mais conhecido pela música "Quero voltar pra Bahia".

O disco traduz a experiência do intérprete em shows, bares e festivais pelo país afora, abrindo espetáculos para João Bosco, Hermeto Paschoal, Paulinho Moska, Luiz Melodia, Joyce e Zélia Duncan. Ao longo de sua carreira, acompanhou diversos artistas como Tim Maia, Danilo Caymmi, Tânia Alves, Sidão Santos e Lenine. Em 1997, participou do projeto "Novo canto" da rádio JB FM. Seu primeiro disco, "Balé de cobra", incluiu canções de sua autoria como "Desejo", "Carioca" e "Bouquet", além da faixa título, entre outras. Ao ouvir este "Leão da lua" a gente constata que - felizmente, ufa! - no Brasil ainda se produz música de boa qualidade. Só falta espaço pra mostrar que ela existe. Se é assim, então sintonize mais este post:

01 - Boa noite
..... (Djavan)
02 - Sem ela
..... (Adil Tiscatti)
03 - Leão da lua
..... (Adil Tiscatti)
04 - Dançou
..... (Zeca Baleiro - Erivaldo Gomes)
05 - Mensagem
..... (Adil Tiscatti)
06 - Aquele abraço
..... (Gilberto Gil)
07 - Um chope pra distrair
..... (Paulo Diniz - Odibar)
08 - Fora da lei
..... (Adil Tiscatti)
09 - Lara
..... (Adil Tiscatti)
10 - Bem me quer
..... (Adil Tiscatti)
11 - Blues leão
..... (Adil Tiscatti)

FICHA TÉCNICA

Produzido por Adil Tiscatti
Produção fonográfica - Velas Produções Artísticas
Coordenação de projeto - Renato Byington
Co-produção - Agenir Parreira
Produção executiva - Fernanda Zen - Luis Carlos Gueba
Pesquisa de repertório - Ruy Godinho, Marisa Cunha, Maurício Pinheiro
Gravado no Music Factory Rio Studio nos meses de janeiro e fevereiro de 2000
Mixagem - Agenir Parreira
Técnicos de gravação - Tilico, Peter e Júnior Parreira
Masterização - Oficina de Áudio e Vídeo
Fora da Lei produzida por Aurélio Dias
Mixada por Aurélio Dias, Jorge Riesenfeld no Estúdio PI
Boa Noite produzida por Renan Penedo no RPM Estúdio
Projeto gráfico - Carlos Nunes e Claudia Oliveira
Fotos - Daniel Mattar
Assistente de fotografia - Silvia Constanti
Produção figurino/maquiagem - Cáci Scudino
Cabelo - André Amux
Coordenação gráfica - Carla Framback

COLABORAÇÃO - Amilcar Pacheco

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Mauro Sérgio - Coletânea "Singles & Raridades"

Coletânea reúne músicas de 12 singles e dois EPs, totalizando 32 músicas em dois CDs
Compacto simples lançado pela RCA em 1968 trouxe o sucesso "Ele só faz você sofrer"
Cantor dedica contracapa do segundo disco em 1968 aos amigos que o levaram ao sucesso

Na mesa de trabalho do pai, sapateiro que lá o colocava enquanto trabalhava, o pequeno Mauro Nietto de Moura, de apenas quatro anos, se sentia livre e feliz como um canário no cativeiro. Soltava a voz e cantava para todos ouvirem. Em sua inocência infantil, contada a partir do nascimento em São Paulo no dia 4 de outubro de 1944, o menino se encantava com os aplausos que recebia dos que trabalhavam no local e se admiravam com sua voz. Desde aquela época ele já sonhava em ser cantor. Segundo o Wikipédia, a oportunidade surgiu em 1967 quando conheceu o radialista Osvaldo Bettio, responsável por apresentá-lo aos diretores da RCA Victor. Foi assim que o cantor - agora como Mauro Sérgio - ingressou no mercado fonográfico, gravando o primeiro disco, um compacto simples com as músicas "Eu te amarei", de Luiz Wanderley e José Diniz, e "Terás um altar", uma adaptação de Katia Maria e Osvaldo Béttio para "Tendrás un altar".

Mauro Sérgio obteve notoriedade logo no primeiro disco e, ao lançar o segundo, com os sucessos "Ele só faz você sofrer" e "Ingratidão", dedicou a contracapa do disco (leia conteúdo do próprio punho na reprodução acima) aos amigos que o ajudaram a chegar ao estrelato em tão curto prazo. No início dos anos 1970, Mauro foi contratado por Silvio Santos para - ao lado de outros cantores de sucesso da época - o lançamento do quadro "Os Galãs Cantam e Dançam aos Domingos", atuando nos primeiros seis meses do programa. Após um certo período de afastamento da TV, voltou a participar de alguns programas, como a Discoteca do Chacrinha, especialmente no período em que foi contratado pela Som Livre. Uma de suas músicas - "Amar é nunca precisar pedir perdão" - parou na trilha sonora da novela Locomotivas, da Rede Globo. Sua aversão à TV o levou a nova reclusão, tornando-se mais um cantor de estúdio e do rádio.

A presente coletânea reúne  gravações lançadas de 1967 até 1985 em 12 compactos simples e dois duplos, totalizando 32 músicas distribuídas em dois CDs. O post inclui a reprodução das etiquetas dos 14 discos produzidos pela RCA, Beverly, Chantecler, Som Livre, América e Copacabana. A ideia é colocá-la em ordem cronológica. A exceção fica para o single de 1979, lançado pelo selo América, com as músicas "Desejo" e "Felicidade não tem fronteira", que também estão num EP da Copacabana de 1985. Achei as gravações bem similares - até parecem as mesmas, apesar dos selos/gravadoras diferentes. Achei melhor colocá-las em CDs separados. O legal é que a coletânea contempla desde a primeira gravação até grandes sucessos, mostrando que a discografia do Mauro Sérgio é variada: começa pela Jovem Guarda, flerta hits internacionais, faz passeio pela música sertaneja, não despreza a gospel, canta o bolero, e faz bonito no samba. Quer mais? Então sintonize:

DISCO 1

01 - 1967 - Eu te amarei
..... (Luiz Wanderley - José Dinis)02
02 - 1967 - Terás um altar (Tendras un altar)
..... (Adapt. de Katia Maria - Osvaldo Bettio)
03 - 1968 - Ingratidão
..... (Jacobina - Valdomiro Ramos)
04 - 1968 - Ele só faz você sofrer
..... (Osvaldo Béttio - José Antonio)
05 - 1968 - Você só precisa saber que eu "te" amo
..... (Alexandre Cirus - Michel Bender)
06 - 1968 - Adeus amor (Addio amore)
..... (Devilli - Nascimbene - vs: Fred Jorge)
07 - 1969 - Um garoto e sua guitarra (Un cantor y su guitarra)
..... (F.Yoni - J.Tedesco - vs: Katia Maria)
08 - 1969 - Morrendo a cada instante
..... (Newton Miranda - Samuel Hiller)
09 - 1971 - Você não vem (Unchained melody)
..... (North - Zareth - vs: Fred Jorge)
10 - 1971 - Georgia, meu amor (Georgia on my mind)
..... (S.Gorrell - H. Carmichael - vs: Mauro Sérgio)
11 - 1971 - Se você soubesse (Don't let it die)
..... (Smith - vs: Mauro Sérgio)
12 - 1971 - Tudo é lindo em você (The wonder of you)
..... (Baker Knight - vs: Mauro Sérgio)
13 - 1972 - Serenata
..... (Schubert - adapt. de Renê Bittencourt)
14 - 1972 - Dois bobos
..... (Osmar Navarro)
15 - 1979 - Desejo
..... (Hélio Carelli)
16 - 1979 - Felicidade não tem fronteira
..... (Toni Damito - Hélio Carelli)

DISCO 2

01 - 1973 - Meu primeiro amor (Lejania)
..... (Herminio Gimenez - vs: José Fortuna - Pinheirinho Junior)
02 - 1973 - Adeus pra nunca mais (Marie-Jeanne)
..... (J.Bouwens - vs: Renê Renê)
03 - 1973 - Nada vai nos separar
..... (Matuzalém)
04 - 1973 - Balada da solidão
..... (Clayton - Marco Silvestre)
05 - 1974 - Agora é tarde
..... (Mauro Sérgio - Hébano)
06 - 1974 - Vá embora
..... (H.Carelli - M. Sérgio - W.Lemke)
07 - 1975 - Bom Jesus de Pirapora
..... (Ado Berati - Serrinha)
08 - 1975 - Assum preto
..... (Humberto Teixeira - Luiz Gonzaga)
09 - 1975 - Não beba mais não
..... (Jeca Mineiro - Orlandinho)
10 - 1975 - Meu velho pai
..... (Leo Canhoto)
11 - 1978 - Única esperança
..... (H.Carelli - Diógenes)
12 - 1978 - Amor perdido
..... (Dom - Victor)
13 - 1985 - Você
..... (Dino Rossi - Marcos Lago)
14 - 1985 - Felicidade não tem fronteira
..... (Toni Damito - Hélio Carelli)
15 - 1985 - Se o amor chegar
..... (Mauro Sérgio)
16 - 1985 - Desejo
..... (Hélio Carelli)


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Edivan - Sol da manhã (Compacto simples - 1986)

Trilha musical do Edivan navega pela mesma água do Rádio Táxi e do Oswaldo Montenegro
A história é simples de contar: fui na casa de um velho conhecido, vi uma pilha de uns 20 LPs e compactos sobre um velho e abandonado toca-discos, daqueles 3 em 1, e não resisti à tentação de conferir os títulos. O resultado é que retornei em casa com seis discos emprestados, entre os quais este compacto simples do Edivan, adquirido "num desses bailões da vida onde o cantor se apresentou", segundo esse conhecido. É mais um intérprete sobre o qual nada posso informar. Eu diria que "Sol da manhã", uma baladinha romântica, me lembrou canções do Rádio Táxi, Roupa Nova e afins, e tive até a impressão de que já a ouvi anteriormente. Teria sido no rádio? O lado B traz "Viagens da imaginação", do próprio cantor, na qual bebe da mesma fonte musical do Oswaldo Montenegro. Ou seja, o disco do Edivan é fácil de ouvir. Confira:

01 - Sol da manhã
..... (Waldir F. Miranda - Sônia Maria Borrego)
02 - Viagens da imaginação
..... (Edivan)

Direção de produção: Enoque Gomes


domingo, 26 de agosto de 2012

Canto ao canto de Edson Wander (LP 1968)

Edson Wander foi levado ao disco pelas mãos do padrinho artístico Wanderley Cardoso

"Edinho de Recife?" - perguntou Wanderley Cardoso no escritório da gravadora Copacabana ao ver o jovem que saia do elevador no quarto andar do número 21 da avenida Rio Branco, no Rio. "Eu mesmo", respondeu o aliviado rapaz por ser imediatamente reconhecido pelo cantor. Wanderley, que o conhecera tempos atrás na capital pernambucana, lhe dissera que procurasse por ele quando chegasse no Rio. Seguiu à risca o que ouviu, e naquele dia 7 de agosto de 1966, iniciava amizade que resultou no fim das atividades artisticas do Edinho Cavalcanti, e no começo profissional de um novo cantor: Edson Wander (sobrenome inspirado no prenome do padrinho artístico). Nos primeiros tempos, alguns "bicos" cantando músicas do Wanderley e do Ronnie Von.

"Depois dessa experiência cantando música deles, fui apresentado, em um show, pelo Wanderley Cardoso ao diretor da gravadora Copacabana, Ismael Corrêa, que me contratou, juntamente com minha irmã (também cantora) Marlene Cavalcanti. Na outra semana, nós dois já estávamos gravando em estúdio. Cada um gravou um compacto simples, com o conjunto Os Terríveis, que era empresariado pelo Nício Rocha. Minha primeira gravação foi a música ‘Tu’, que foi muito cantada em Maceió pela minha prima Viviane, mora! (risos)."

O caso é lembrado pelo próprio cantor em seu blog. Agora, passados 46 anos, eis que encontro este álbum do Edson Wander, lançado pela Copacabana em 1968 e gentilmente disponibilizado pelo Aderaldo na Comunidade MC & JG, do Orkut. Achei que raridade como esta deveria ser compartilhada para audiência maior, e tomei a liberdade de divulgar no blog o link disponível na comunidade. Agradeço ao Aderaldo por mais esta colaboração. Um segundo link, com as imagens originais do disco, também está disponível no Comentário. Confira:


01 - Agora
..... (Ricki Ricardo)
02 - É tarde queridinha
..... (Ricki Ricardo - Osvaldo Mello)
03 - Fim de semana
..... (Heitor Mangeon - Tinho)
04 - Desgraça pouca não dá pra chorar
..... (Adilson Adriano)
05 - Dá um sorriso lindo
..... (Sérgio Reis)
06 - TU (Tu)
..... (Adriano Celentano - Del Frete - Testoni - Vs: Julio Carlos)
07 - Meu ar de tristeza
..... (Wanderley Cardoso)
08 - Você foi feita pra mim
.....(Ricki Ricardo - Paulo Roberto)
09 - Prelúdio de fazer você voltar
..... (José Messias)
10 - Areia no meu caminho
..... (Evaldo Braga - Reginaldo José Olice)
11 - Bom dia meu amor
..... (Josan de Mattos - Osvaldo Mello)
12 - Jovem triste
..... (Jairo Aguiar)

FICHA TÉCNICA

Produção: Som Indústria e Comércio S/A
Diretor de produção - Ismael Correa
Arranjos - Maestros Ivan Paulo, Pachequinho e Renato de Oliveira
Técnico de som - Mazola
Foto da capa - Mafra

COLABORAÇÃO: Aderaldo/Comunidade MC&JG, do Orkut

sábado, 25 de agosto de 2012

Mônica Araújo - Lua Brasileira (1996)

CD "Lua brasileira", lançado pela Paradoxx, traz obras de grandes compositores da MPB
A lua é a musa inspiradora das 11 faixas interpretadas pela afinada Mônica Araújo
Lua Brasileira, título do CD de 1996 da Mônica Araújo, é uma declaração de amor ao nosso satélite natural, tão cantado e decantado na MPB. As 11 faixas do disco fornecidas pelo amigo Amilcar Pacheco, a quem volto a agradecer, são essencialmente inspiradas na lua, "testemunha tão vulgar". Foram compostas por autores como Gilberto Gil, Tom Jobim,  Cassiano, Lô Borges, Djavan e outros do mesmo quilate. O resultado é um disco de poesia musicada em versos inspiradores: "Sua prata é enfeite/ Sua luz faz a cama/ Pra que a noite se deite", compõem Morais Moreira e Zeca Barreto em "Anda Lua". 

Da Bahia,  com inspiração na "Lua de São Jorge",  Caetano Veloso a traduz como "Nobre porcelana sobre seda azul/ Lua de São Jorge/ Lua da alegria/ Não se vê um dia claro como tu". Outro exemplo poético vem da lavra criada pela dupla de compositores Ivan Lins e Vitor Martins: "Lua Cirandeira fique no abandono/ Coisa tão bonita não pode ter dono", decreta a canção que exemplifica a essência deste CD. O melhor é não perder tempo com devaneios e ouvir direto a cantora que se revela competente, como no belo medley com quatro clássicos da MPB,  abusando do talento herdado dos pais Sylvinha e Eduardo Araújo. Confira:

01 - Lua cirandeira
..... (Ivan Lins - Vitor Martins)
02 - Vamos pra lua
..... (Piska - Ronaldo Bastos)
03 - Anda lua
..... (Morais Moreira - Zeca Barreto)
04 - Tua na lua
..... (Dé - Rachel - Bebel)
05 - Medley
..... Luiza
..... (Tom Jobim)
..... Faltando um pedaço
..... (Djavan)
..... Luar do sertão
..... (Catulo da Paixão Cearense)
..... A lua e eu
..... (Cassiano - Paulo Zdanowski)
06 - Um girassol da cor do seu cabelo
..... (Lô Borges - Márcio Borges)
07 - Lua de cetim
..... (Francis Hime - Olivia Hime)
08 - Transe
..... (Djavan)
09 - Lua de São Jorge
..... (Caetano Veloso)
10 - Romance da lua
..... (Flavíola em Poema de Garcia Lorca)
11 - Luar (A gente precisa ver o lunar)
..... (Gilberto Gil)

FICHA TÉCNICA

Produtor fonográfico - Paradoxx Music
Direção artística - Sidnei Santoro
Produção - Lucien Geismar
Produção executiva - Eduardo Araújo
Arranjos - Cláudio Deleu, Eric Budney, Mário Fabre e Pedro Cunha
Arranjos adicionais - Pixinga e Otávio de Morais
Concepção - Fernando Sá
Repertório - Mônica Araújo e Fernando Sá
Gravação (arranjos adicionais e mixagem) - Estúdio Cardan
Engenheiro de som (Cardan) - Beto Freitas
Assistente de gravação (Cardan) - Adriano Nomtesanti
Fotógrafo - Ricardo Canfora
Make-up - Pá

COLABORAÇÃO - Amilcar Pacheco

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Mônica Araújo (Álbum Chantecler - 1993)

LP da Mônica rendeu prêmio de cantora revelação de 1993 pelo 7º Prêmio da Música Brasileira

Gostei do que começava a ouvir pelo rádio, ainda sem saber os nomes da música e da intérprete, em 1993. Identifiquei o timbre da Sylvinha Araújo e achei que seria a vez de novo sucesso porque a voz - conhecida desde o primeiro disco em 1967 e também por jingles comerciais gravados nos anos posteriores - era como o vinho, de safra rara, melhor a cada dia. Logo descobri que se tratava de dueto com cantor que, por alguns segundos, apostaria ser o Zé Ramalho, mas logo corrigi o erro com o óbvio ululante: era o marido Eduardo Araújo, companheiro de todas as horas.

Acertei o sobrenome e errei o prenome da cantora. Quem cantava era a filha Mônica, herdeira natural das características vocais da mãe, assim como a dobradinha Maria Rita e Elis Regina. Ela estreava no disco. O dueto que ouvi é a música "Vida", de autoria do próprio Eduardo Araújo em parceria com Paulinho Campos. O resultado do álbum, pelo selo Chantecler, foi a aprovação pela crítica especializada. Mônica foi a cantora revelação de 1993 pelo 7º Prêmio da Música Brasileira, dividindo cena entre os melhores do ano na categoria Canção Popular com Tim Maia (cantor, disco, e música "Essa tal felicidade") e Sandra de Sá (cantora).

Nada mal para a estreante. O problema, pra quem quis desgustar o disco, foi encontrá-lo. A internet estava no berçário e arquivo de música em mp3 ainda era coisa de ficção, assim como as redes sociais. Foi graças a uma delas, a Comunidade MC & JG, do Orkut - sim, ele ainda existe - que recentemente pude ouvi-lo na íntegra. Quem me concedeu esse prazer foi o Aderaldo, amigão a quem agradeço muito pelo despreendimento. Ele é popular por abrir permanentemente seu bau de raridades musicais para os membros da comunidade aberta pelo RStone, um dos apresentadores da webrádio Tunel do Tempo.

Na semana passada, o Amilcar Pacheco - o mesmo que gentilmente nos enviou os deliciosos discos da Vivian Lemos e Cantores do Chuveiro - me ofereceu o CD de 1996 da Mônica Araújo para postar.  Foi como oferecer banana pra macaco, e de imediato me lembrei da generosa permissão dada recentemente pelo Aderaldo para postar no blog o que ele disponibiliza na comunidade. Abro a "safra by Aderaldo" com este primeiro disco da Mônica. Na sequência, posto o segundo, fornecido pelo Amilcar. Assim, enquanto renovo o agradecimento à nossa dupla de colaboradores, acho melhor você reservar espaço no HD para os discos da Mônica Araújo. Aproveite:

01 - Sua toda sua
..... (Maurício Pinho)
02 - Fácil não tem graça
..... (Peninha - Paulo Camargo)
03 - Pensamentos
..... (Eduardo Araújo - Paulinho Campos)
04 - Vida - Part. esp. Eduardo Araújo
..... (Eduardo Araújo - Paulinho Campos)
05 - Caixa de surpresas
..... (Paulo Camargo)
06 - Bem-me-quer
..... (Rita Lee - Roberto Carvalho)
07 - Robô programado
..... (Serginho Sá)
08 - Você não é como eu
..... (Serginho Sá)
09 - Tudo que eu respiro
..... (Marcão)
10 - Magia do amor
..... (Marcão)

COLABORAÇÃO - Aderaldo/Comunidade MC&JG, do Orkut

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Vários artistas - Banda Contrabanda (1986)

Álbum lançado pela Polyfar apresenta grupos participantes do Concurso Banda Contrabanda
Este álbum, lançado em 1986 pela Polyfar, selo popular da Philips/Polygram (hoje Universal), atende ao pedido do Elcio, visitante do blog. O disco, pelo que entendi, é resultado de um concurso musical exclusivo para grupos de rock, realizado provavelmente no Rio de Janeiro, daí o título do disco "Banda Contrabanda". A vencedora foi a 747, que abre o LP no lado A, e a vice-campeã, Uns e Outros, no lado B. Infelizmente, as demais colocações são desconhecidas porque o disco peca pela falta de informação sobre o campeonato, realizado no período em que pipocaram bandas de rock em todo o País, repetindo duas décadas depois o mesmo fenômeno ocorrido durante a efervescência da Jovem Guarda nos 1960.

Acredito que o grande "boom" dessa reprise musical se deve ao enorme sucesso do grupo Blitz, que abriu caminho nas gravadoras para bandas como Paralamas do Sucesso, Titãs, Barão Vermelho, Kid Abelha, RPM, Metrô e outras. Nem todos tiveram a sorte de alcançar o sucesso. A maior parte das bandas deste disco não vingou. Só conheço a Uns e Outros, sendo que a Mirage teve um homônimo em 1990, cujo disco já foi postado no blog. Justamente pelo anonimato dessas bandas, achei que seria legal, logo após a relação das músicas, reproduzir o texto informativo sobre cada uma que se encontra impresso no encarte. Confira:

01 - 747 - Vem pra cá 747
..... (Marcus Nabuco)
02 - Cilada Mixta - Nunca disse que não
..... (Marco Manela - Edu Lissovsky)
03 - Logotipo - Olhar
..... (Eugênio Campello - Celso Alvim)
04 - Filhos da Pauta - Doce veneno
..... (Denise Mastrangelo - Paulão)
05 - Mirage - Última geração
..... (André Felippe - Marcelo de Alexandre)
06 - Oficina de Luz - O mesmo jogo
..... (Bob Dênio - Moacyr Junior)
07 - Uns e Outros - Dois gumes
..... (Marcelo Hayena - Cal - Serginho Bastos)
08 - Espiral - Louco pra te achar
..... (Adriano Gama)
09 - Bugi Gang - Tramas
..... (Lamarca)
10 - Areia Quente - Pés na estrada
..... (J.Fábio Barreto - Dé - J. Emilio)
11 - Trânsito Livre - Vai fundo
..... (Carlos Araújo - Jorge Nascimento - André Monteiro)
12 - Ticket - Todos os olhos
..... (Ronaldo)

BANDAS DO DISCO

747 - A banda surgiu em novembro de 1985, reunindo músicos que acompanhavam cantores como Sandra Sá, Fagner e músicos participantes das bandas Black Rio, Cinema a Dois e Cheque Especial. Buscando um novo som, Paulinho Black (bateria) Ulisses (vocal), Marcus Nabuco (guitarra) e Tato (baixo) atuaram em dezembro num bar da Barra da Tijuca. Em junho de 1986, com a entrada de Papi (teclados e vocal) e com a participação especial de Zé Roberto (percussão), a banda apurou a preocupação com os arranjos e desempenho de cada músico, adquirindo sua formação definitiva. Com apresentações em bares, danceterias do Rio, como em outros estados e com a vitória do Concurso Banda Contrabanda, o 747 vem conquistando seu público, alcançando maturidade e se preparando para o sucesso.

CILADA MIXTA - Formada em abril de 1985, a banda é composta de três músicos e dois vocais: Marco Manela e Elisa Palatnik (vocais), Jeff Stanley (americano) na guitarra, Sami no baixo e Marcelo Costa na bateria. Depois de gravados “2 demos”, Marco e Elisa formaram a Cilada Mixta com Jeff, Sam e Marcelo. O nome “Cilada Mixta” se origina da flexibilidade de estilo entre músicos e músicas.

LOGOTIPO - Carioca, nascido há seis anos, o grupo enfrentou o mesmo circuito inicial das maiores bandas de todo lugar: os festivais estudantis, shows em colégios, as obrigatórias apresentações em bares até desembocar nas danceterias. De 1985 pra cá, com entrosamento e amadurecimento de seu show, Logotipo sai do território carioca, indo conquistar um público novo e crescente (Lambari, Paquetá, Itacuruçá) até chegar ao Circo Voador. É formado por Eugenio Campello (vocal), Daniel Telles (baixo), Felipe Eyer (guitarra), Celso Alvim (bateria), Lourival Franco (teclados) e Sérginho Alvares (sax).

FILHOS DA PAUTA - A banda nasceu na Zona Sul do Rio (Ipanema) há aproximadamente um ano (1985). Filhos da Pauta, segundo seus integrantes, “apresentou um som de linhas variadas, mas enraizados no rock”, tirando partido, para tanto, de arranjos e efeitos característicos. Os quatro participantes da banda são músicos profissionais, que “batalham unindo suas experiências anteriores, para irem em busca de um lugar ao sol”. É formada por Paulão (baixo e vocal), Denise (teclado e vocal), Gustavo (guitarra e vocal) e, na bateria, Marcummmm (Obs: sim, com quatro "emes" no final).

MIRAGE - A banda reúne três músicos que iniciaram o atual trabalho há seis meses, depois de uma série de produções anteriores: Projeto “Armação Ilimitada” – pela gravadora Som Livre; Filme “Rock Estrela”, de Lau Rodrigues, com a música “Polígama”, e Projeto “A Era do Halley”, rock para seguimento infantil pela Gravadora Som Livre. Hoje, com Marcelo de Alexandre (baixo, teclado, vocal), Roberto Fiappo (bateria) e Armando Souza (guitarra), o grupo retoma às bases do rock de densidade e passa a explorar sonoridades bem particulares. As letras, que tratam sobre a condição humana, as guerras no mundo, o futuro da humanidade e a reflexão existencial, são de autoria de André Felippe, sendo que as músicas são de Marcelo de Alexandre.

OFICINA DE LUZ - Há alguns anos atrás, dois irmãos, Dênio (guitarra, voz) e Moacir (voz e letras) empunhavam cabos de vassouras como se fossem guitarras elétricas, imaginando-se estrelas do pop, tocando para um público imaginário. Anos mais tarde, a dupla saiu de Goiânia rumo ao Rio de Janeiro, onde encontrou Bobby (baixista, compositor, voz) vindo de New York, trazendo na bagagem além do baixo claro, muito Rhythm and Blues. Esse encontrou proporcionou uma mistura musical entre o swing brasileiro com a energia e a versatilidade do rock americano. O tempero brasileiro da banda ficou por conta de Julinho, o percussionista do grupo. Na bateria, Eduardo, a pulsação forte da Oficina da Luz. Para completar, o tecladista italiano, Pino Danielle, que acrescentou ao grupo um lado bem do tipo “soft rock”.

UNS E OUTROS - Tudo começou em 1984 com a dissolução de um grupo de MPB. Marcelo Hayena (vocal e letras) pegou o que restou da antiga banda e formou o Uns e Outros. Se unia à banda Nilo (guitarra), Cal (contrabaixo) e Jonathas (bateria e percussão). Já se apresentaram em shows como no Halley Rock Festival (São Paulo) e Rock in Conari (Teresópolis), e nas danceterias Metrópolis, Robin Hood e Titanic. Segundo os integrantes da banda, eles não têm um estilo definido, tocam desde o funk até reggae e ska. Sua principal característica é o balanço. “Nossas letras retratam o comportamento urbano de um ponto de vista solitário, até mesmo depressivo, com toques de um humor cínico e agressividade”.

ESPIRAL - O grupo nasceu há dois anos após uma transformação lenta e gradual, partindo do rock tradicional para o rock tecnológico. Dilmar e Magno, os tecladistas, se equiparam com os mais modernos sintetizadores para criarem os sons que caracterizam a banda. No vocal, a segurança e a criatividade de Jorge, na guitarra a presença de Adriano. No contrabaixo, Pedro Coelho e na bateria o garoto Edmar, que promete ser uma das maiores revelações do instrumento. A banda é nova e aposta não só no som jovem como na superprodução de palco, uma de suas características mais marcantes.

BUGI GANG - A banda se formou em 1984. Desde então vem apresentando seu estilo “new crazy” (como a própria banda o denomina) – um mesclado de vários estilos musicais. É formada por Jonny (guitarra e vocal), Luidee (teclados e vocal), Cláudia (vocal), Leleco (bateria), Mauro (baixo) e Patrícia (vocal).

AREIA QUENTE - Com o objetivo de não ser “mais uma” banda de rock, e sim ser algo mais que um rótulo de rock, Dé (teclados), J. Emilio (baixo), Fábio Barreto (bateria), Neném (guitarra) e Gugu (vocal) formaram em julho de 1985 a banda Areia Quente. A maioria dos músicos já gravaram em companhia de cantores da MPB. Juntos no disco Banda Contrabanda vivem a experiência do 1º disco. “Acreditamos na evolução do rock e que viemos para ficar”, afirmam os músicos da Areia Quente.

TRÂNSITO LIVRE - Formada em 1983 por João Carlos Suita, Charles Berton, Sergio Coelho e Juninho, o estilo da banda tinha influência ativa no Rock and Roll. Atualmente, a banda é formada por Dunga (vocalista), Serginho (guitarra), Rá (baixo), Juninho, ainda da primeira formação (baterista) e Bagheti (tecladista). Eles têm como proposta maior transmitir ao público uma imagem bem solta, simples e criativa. “A banda não se define como mais um grupo de rock. Através de um som contagiante e atual, procura acompanhar as diversas tendências existentes na música nacional e internacional”.

TICKET - O grupo surgiu com uma oportunidade de gravação na RCA, com o nome Banda de Maçã. Até então, cada componente tinha sua experiência individual. Os meninos tocando em outros grupos, e Rose, a atual representante da banda Ticket, participando de festivais de clubes estudantis. A estréia do grupo em show surgiu agora, através do projeto Banda Contrabanda.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Cantores do Chuveiro - Um banho de MPB (2001)

Profissionais bem-sucedidos em suas respectivas áreas formam o grupo Cantores do Chuveiro
Tá a fim de se refrescar num banho de pura MPB? Pois você está na postagem certa. Olha só, pra citar alguns nomes, o time de craques: Chiquinha Gonzaga, Pixinguinha, Ary Barroso, Noel Rosa, Assis Valente, Dorival Caymmi, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Ataulfo Alves, Chico Buarque, Caetano Veloso... É essa turma, que dispensa qualquer comentário como autores de grandes clássicos, a escolhida no repertório dos Cantores do Chuveiro. As canções representam um desfile histórico dos primeiros 70 anos da nossa música. Não por acaso, a audição começa com a primeira marchinha carnavalesca composta no Brasil ("Ô abre-alas", de 1899), passa pelo primeiro samba ("Pelo Telefone", de 1916), apresenta o melhor dos anos 1930, 1940, 1950 e encerra nos 1960 com as primeiras composições de Milton Nascimento, Edu Lobo, Martinho da Vila e outros. Nada mal, hein?

Quem nos concede o privilégio de ouvir e conhecer os Cantores do Chuveiro é o nosso amigo Amilcar Pacheco, que me enviou valiosas contribuições para o blog. Renovo, mais uma vez, o meu agradecimento público a ele. Eu não conhecia os Cantores do Chuveiro, grupo vocal formado por sete cantores amadores: a arquiteta Clara Redig, o médico psicanalista Fernando Rocha, a escritora Laura Sandroni, o engenheiro Octavio Brandão, o advogado e escritor Octavio Mello Alvarenga, a educadora e psicanalista Suzana Tonin e a administradora e diplomata Sylvia Wachsner. Segundo reportagem do Jornal do Comércio, de 11 de junho de 2001, a história do grupo começou em encontros e saraus na casa de dois deles, o casal Octávio Mello Alvarenga e Sylvia Waschner. Eles recebiam os amigos e não dispensavam a presença de conjunto musical que, pelo meio da festa, convidava todo mundo para cantar. Nessas ocasiões animados cantores de chuveiro encontravam espaço para mostrar seus dotes vocais, incluindo artistas consagrados, como Maria Lúcia Godoy, amiga de infância de Octávio, ou gente de teatro.

Diante de uma delas, a atriz Tônia Carrero, que se deliciava com o que ouvia, a escritora Edla Van Steen bateu o martelo e ordenou: precisavam organizar um show e se apresentar em público. Assim surgiu o espetáculo "Um  banho de MPB". Os cantores do Chuveiro estrearam no teatro do Sesc em Copacabana e em seguida realizaram shows nos teatros da Tijuca, Madureira, São Gonçalo e Nova Iguaçu, sempre com casas lotadas e público entusiasmado. "Um dos melhores espetáculos musicais da temporada carioca", elogiou Ricardo Boechat no jornal O Globo. Do espetáculo para o estúdio de gravação foi um pulo. O resultado está aqui, 11 anos depois, pra você sintonizar e ouvir muito além do chuveiro:

01 - Ô Abre-alas
..... (Chiquinha Gonzaga)
..... Lua Branca
..... (Chiquinha Gonzaga)
02 - Odeon
..... (Ernesto Nazareth - Vinícius de Moraes - Ubaldo)
..... Flor Amorosa
..... (Catulo da Paixão Cearense - Joaquim Callado)
03 - Luar do Sertão
..... (Catulo da Paixão Cearense)
..... Rosa
..... (Pixinguinha)
..... Pelo Telefone
..... (Donga - Mauro de Almeida)
04 - Gosto que me enrosco
..... (Sinhô)
..... Jura
..... (Sinhô)
05 - No Tabuleiro da Baiana
..... (Ary Barroso)
..... Eu dei
..... (Ary Barroso)
06 - Mocinho da Vila
..... (Wilson Batista)
..... Palpite Infeliz
..... (Noel Rosa)
07 - A Vida da Minha Vida
..... (Ataulfo Alves)
..... Leva Meu Samba
..... (Ataulfo Alves)
..... Camisa Listada
..... (Assis Valente)
08 - Marina
..... (Dorival Caymmi)
..... Canção da Volta
..... (Ismael Netto - Antônio Maria)
..... Valsa de uma Cidade
..... (Ismael Netto - Antônio Maria)
09 - O que é que eu faço?
..... (Durando - J. Ribamar)
..... A Noite do Meu Bem
..... (Dolores Duran)
10 - Chega de Saudade
..... (Tom Jobim - Vinícius de Moraes)
..... Eu sei que vou te amar
..... (Tom Jobim - Vinícius de Moraes)
11 - O Sol Nascerá (À Sorrir)
..... (Cartola - Elton Medeiros)
..... Pra Dizer Adeus
..... (Edu Lobo - Torquato Neto)
..... Travessia
..... (Milton Nascimento - Fernando Brant)
12 - Coração Vagabundo
..... (Caetano Veloso)
..... Viola Enluarada
..... (Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
13 - O Pequeno Burguês
..... (Martinho da Vila)
14 - Olê Olá
..... (Chico Buarque)
..... Noite dos Mascarados
..... (Chico Buarque)

FICHA TÉCNICA

Produtor fonográfico - CID
Coordenação de produção - Esdras de Souza Pereira
Pesquisa e seleção de repertório - Ricardo Cravo Albin
Arranjos e direção musical - Paulo Malaguti
Produção executiva - Miguel Bacellar
Gravação e mixagem - Julio César (Estúdio Musika)
Masterização - Claudinho Baby (HZ Studio)
Assistente de produção - André Teixeira
Ilustração - Janey
Direção de arte - Fábio R. Alencar
Músicos participantes:
Piano - Paulo Malaguti
Violão e guitarra - Muri Costa
Contrabaixo - Dodô Ferreira
Sax e flauta - Daniela Szpielmann
Percussão - Rafael Rocha

COLABORAÇÃO - Amilcar Pacheco

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Vários intérpretes - Remix Mania (1990)

LP traz versão remix de "San Francisco", hit do Scott Mckenzie, falecido sábado passado
 Música com McKenzie é apontada como  hino não-oficial da contracultura dos anos 60
Sabe aquele disco que a gente compra só por causa de uma música? Este "Remix Mania" é o meu melhor exemplo porque o adquiri devido a canção "San Francisco (Be Sure to Wear Flowers in Your Hair)", gravada originalmente em 1967 por Scott McKenzie, falecido no sábado, 18 de agosto de 2012, aos 73 anos, em sua casa em Los Angeles (EUA). A música, de John Phillips, da banda californiana The Mamas and The Papas, é apontada como  hino não-oficial da contracultura dos anos 1960, estimulando milhares de jovens a rumar para a cidade atrás do amor livre e do "power flower".  Puro equivoco. O cantor declarou tempo depois que a música "não era tanto sobre a cidade, e sim sobre uma ideia, tinha mais a ver com o Festival Pop de Monterey".

Nem imaginava que um dia postaria este álbum no blog, mas faço isso em homenagem póstuma ao cantor, já que a canção - uma das minhas preferidas dos anos 1960 - está presente em versão remix, rara de se encontrar. Trata-se do único sucesso do intérprete que também escreveu ao lado de Phillips, Mike Love e Terry Melcher o sucesso dos Beach Boys "Kokomo". Segundo o site do cantor, em nota assinada pelos amigos Gary Hartman e Raylene, McKenzie sofria da síndrome de Guillain-Barre, que afeta o sistema nervoso. Desde 2010, por causa da doença, ele teve sucessivas internações, e em 18 de agosto pediu para ter alta e morrer em casa, segundo seu site.

Depois do sucesso no final dos anos 60, o cantor se refugiou, e mudou-se em 1970 para Joshua Tree, uma cidade no deserto da Califórnia, perto de Palm Springs. Em 1973, ele foi para Virginia Beach, onde viveu por 10 anos. Nos anos 1980 passou a integrar o grupo vocal The Mamas and Papas, e com ele chegou a se apresentar no Brasil. No último 11 de junho, postei o CD ao vivo do grupo. Um amigo, visitante do blog, conta no comentários que assistiu o show em Sorocaba, interior de São Paulo, e se lembra do Scott como "baixinho" e "mal humorado". Mas o espetáculo, segundo ele, foi inesquecível. Acredito que tão inesquecível quanto "San Francisco", agora remixida. Aproveite e curta os demais remixes do disco:

01 - Shana - Falling Slowly (Hip Hip Hop Mix)
..... (Steve Gordon)
02 - Pianonegro - Pianonegro (Extended Mix)
..... (Robyx)
03 - Paris By Air - C'mon And Dance With Me (Hiptown Mix)
..... (L.Martinée - R.Munarriz - W.Cleer - H.Rivera)
04 - The Chimes - I Still Haven't Found What I'm Looking For (Boom Mix)
..... (D.Evans - P.Hewson - A.Clayton - L.Mullen)
05 - In-Dex - Now You're Gone (Ya Ya Mix)
..... (Len Grant - Rupert Gayle)
06 - Scott McKenzie - San Francisco (Hit House Remix)
..... (John Phillips)
07 - Fan Club - Don't Let Me Fall Alone (Extended Mix)
..... (E.Beale - A.Forbes)
08 - Gipsy Kings - Volare (Club Mix)
..... (Domenico Modugno - F.Migliacci - Adaptação: Gipsy Kings)

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

As Sublimes - Eu queria um amor (1997) + Remixes

FanClub do trio vocal de soul music faz campanha na rede pela volta do grupo ao show business

"Voltem Sublimes'” é o nome da campanha pelo retorno do grupo vocal, um dos ícones dos anos 1990, ao show business. A ação viral ganha corpo na Internet por meio da iniciativa do FanClub das cantoras, que montou uma página no Facebook (acesse aqui) e um site, disponibilizando material sobre o grupo. Além disso, os fãs reforçam a ação com vídeos no YouTube. O objetivo é sensibilizar as integrantes do grupo (Karla Prietto, Lilían Valeska e Flávia Santana), hoje em atividades artísticas paralelas, a retomarem a carreira em conjunto, quem sabe até com a adesão da atriz Isabel Fillardis, integrante da primeira formação. As cantoras interromperam a carreira após dois discos, um em 1993 e outro em 1997, e gravaram duas músicas - ainda inéditas - para um terceiro álbum. As informações são do próprio FanClub, que contatou o blog para agradecer pela postagem aqui do álbum de 1993 e forneceu o de 1997, lançado pela Epic/Sony. Ainda disponibilizou 21 faixas remixadas para esta dupla postagem. Agradeço pela contribuição.

Com este segundo CD, as garotas do Sublimes conseguiram trazer a qualidade de Soul Music que faltou no primeiro álbum, gravado e lançado às pressas para aproveitar o sucesso e a visibilidade da Isabel Fillardis no papel de Ritinha na novela Renascer, da Rede Globo, em 1993. Este segundo trabalho traz Flávia Santana, substituta da Isabel - que se afastou do grupo devido ao acúmulo de compromissos profissionais como atriz e modelo - e harmoniza com tranquilidade a voz das cantoras que, neste álbum, acertam em cheio na equivalência ao grupo que lhes inspirou: The Supremes, formado por Diana Ross, Mary Wilson e Florence Ballard, sucesso nos anos 1960.

A primeira música de trabalho deste disco foi "Eu queria um amor", uma versão que o trio escreveu para "My Cherie Amour", de Stevie Wonder. A faixa foi produzida nos EUA e se destaca pelas participações especiais da Mary Wilson (uma das Supremes originais) e do sax tenor Michael Brecker. A canção ganhou até single com 11 faixas mixadas e remixadas. Outro sucesso foi "Só pra ser", que apareceu na mídia num making of com entrevista sobre a edição da revista Playboy com Suzana Alves, a Tiazinha. A música foi regravada posteriormente pela atriz e apresentadora Babi Xavier.

Ainda ficaram conhecidas as faixas "Menos carnaval" (também gravada por Belô Velloso), "Mais que hoje" (versão de Paula Toller e Lui Farias para o clássico "Reunited"), "Dizem" (versão de Leoni para "Diggin' on you", do trio estadunidense TLC), "Beleza física" (feita por Lulu Santos para o trio e também cantada por Preta Gil em seus shows) e "Posso te amar" (que ganhou um single promocional contando apenas com a faixa original). Além disso, outros artistas gravaram músicas do repertório das Sublimes: Fat Family ("Eu não vou"), André Leono ("Eu queria um amor”), Lady Zu ("Procura") e Kacau Gomes ("Dois Lados"). Por tudo isso, com saudades das intérpretes originais, o FanClub pede o retorno das garotas ao show business, e se vale a minha voz para ajudar a engrossar o coro, escrevo em letras maiúsculas: VOLTEM SUBLIMES!!!

DISCO 1

01 - Beleza Física
..... (Lulu Santos)
02 - Eu Queria Um Amor (My Chèrie Amour)
..... (S.Moy - Stevie Wonder - H.Cosby - vs: Flávia Santana - Karla Prietto - Lílian Valeska)
03 - Mil e Uma Noites
..... (J. Pedrosa - Leo Chanti)
04 - Nunca Mais
..... (Michel - Ronaldo Malta)
05 - Só Pra Ser
..... (Cláudio Mazza - Márcio Mazza - Álvaro Socci)
06 - Tempo e Espaço
..... (Leoni - Luciano Maurício)
07 - Menos Carnaval
..... (Alvin L. - Cris Braun)
08 - Mais Que Hoje (Reunited)
..... (Dino Fekaris - Fredie Perren - vs: Paula Toller - Lui Farias)
09 -Dizem (Diggin' On You)
..... (Kenny Edmonds  - vs: Leoni)
10 - Posso Te Amar
..... (Alexandre Lucas - Alexandre Dantas)
11 -  Eu Quero Você
..... (Tuta Aquino - José Marcio - Steve)
12 - O Amor que Você quer me Dar
..... (Alexandre Lucas - Alexandre Dantas)

FICHA TÉCNICA

Produzido por Tuta Aquino para Do.Re.Mix Productions (Exceto "Menos Carnaval)
Técnico de gravação - Tuta Aquino (Prime Cuts e SoundTrack Studios NYC)
Técnicos de Mixagem - Steven Barkan e Tuta Aquino (SoundTrack Studios NYC)
Assistente de gravação - Vicente Reynolds
Arranjado por Tuta Aquino e Steve Sandberg
Menos Carnaval produzida por Enrico de Paoli
Gravada no Enrico De Paoli Studio, Impressão Digital e Discover (RJ)
Engenheiro de Pro-Tools - Fabio Henriques
Assistentes de gravação - Claudio Vieira, Marcelo Load, Guilherme Reis, Fabio Henriques, Rodrigo e Alexandre Ribeiro
Mixada no AR% Studios (RJ)
Assistentes de mixagem - Rodrigo Vidal e Fabiano
Capa/design - Felipe Taborda e Flavio Mario
Designers assistentes - Alex Northfleet e Andrea Bezerra
Fotos - Murillo Meirelles
Figurino - Monique
Management - Alexandre Agra para Agracadabra Produções

Dois álbuns lançados pelas garotas do Sublimes geraram a produção de 21 remixes

DISCO 2 (SUBLIMES REMIXES)

01 - Boneca de fogo (Grego's extended remix)*
..... (Fausto Fawcett - Fred Nascimento)
02 - Boneca de fogo (Memê dance rádio)**
03 - Boneca de fogo (Memê jazzy performance)**
04 - Boneca de Fogo (Memê 12 Mix)**
05 - Menina Mulher da Pele Preta - part. esp. Jorge Benjor (Radio Edit.)***
..... (Jorge Benjor)
06 - Menina Mulher da Pele Preta - part. esp. Jorge Benjor (Swing Mix)***
07 - Tyson Free - part. esp. Fausto Fawcett (Radio Mix)**
..... (Fred Nascimento - Fausto Fawcett - Alexandre Agra - L. Kurban)
08 - Tyson Free - part. esp. Fausto Fawcett (The Knouck out 12)**
09 - Eu Queria Um Amor (Steves Melodica Mix)****
..... (S.Moy - Stevie Wonder - H.Cosby - vs: Flávia Santana - Karla Prietto - Lílian Valeska)
10 - Eu Queria Um Amor (Classic Sax Instrumental)****
11 - Eu Queria Um Amor (Raw Hip Hop Mix)****
12 - Eu Queria Um Amor (Raw Hip Hop Instrumental)****
13 - Eu Queria Um Amor (SFB Vocal Dub Mix)****
14 - Eu Queria Um Amor (SFB Instrumental Dub Mix)****
15 - Eu Queria Um Amor (DoReMix Club Version)****
16 - Eu Queria Um Amor (DoReMix Instrumental Version)****
17 - Eu Queria Um Amor (DoReMix Radio Version)****
18 - Eu Queria Um Amor (A Cappella)****
19 - Só Pra Ser (Versão Extended)****
..... (Cláudio Mazza - Márcio Mazza - Álvaro Socci)
20 - Só Pra Ser (Versão Radio)****
21 - Só Pra Ser (Versão BG)****

Remixada por:

*     DJ Grego
**    Marcelo "Memê" Mansur
***   Nino Carlo e Rodrigo Kuster
**** Tuta Aquino

COLABORAÇÃO - FanClub Sublimes

domingo, 19 de agosto de 2012

Vívian Lemos - Pra onde o amor nos levar (S/D)

Vívian Lemos, bonita e afinada, interpreta inéditas e regrava hits do passado
Antes de um bom dia quero deixar público o meu agradecimento ao amigo Amilcar Pacheco. Ele gentilmente me enviou preciosas contribuições para o blog. A primeira delas é este CD independente do selo paranaense WS, sem data de lançamento, da Vívian Lemos. Alguém a conhece? Eu nada descobri a seu respeito e deixo o espaço aberto no comentários para informações sobre ela. Agradeço desde já a quem colaborar. O fato é que a cantora, além da bela plástica, também é afinada e canta bem, melhor do que muita gente que faz sucesso por aí. No repertório, inéditas e regravações interessantes, como "Você", do Tim Maia,  "As rosas não falam", clássico do Cartola, e "Aquele beijo que te dei", do Edson Ribeiro, um dos primeiros sucessos do Roberto Carlos. Destaque para "Não vivo mais tão só", versão de Wilmar Cirino para "Everything I own", hit do Bread, e para "Nem sei bem o que sinto", releitura dançante de "Killing me softly with his song", sucesso na voz da Roberta Flack. Sintonize:

01 – Houve um amor (Over you)
..... (Roberts - B. Hart – vs: Wilmar Cirino - Tony Gilberto)
02 – Você existe eu sei
..... (Álvaro - Bruno - Miguel - Sheik - Coelho, do Biquini Cavadão)
03 – Meu sonho é você
..... (Wilmar Cirino)
04 – Chuva
..... (Roberto Oliveira)
05 – Quando o amor acontecer
..... (Everson Félix - Wilmar Cirino)
06 – Você
..... (Tim Maia)
07 – Toda vez
..... (Wilmar Cirino)
08 – Meu bem
..... (Paulo Wesley)
09 – Pra onde o amor nos levar
..... (Everson Félix)
10 – Nem sei bem o que sinto (Killing me softly with his song)
..... (Charlex Fox - Norman Gimbel – vs: Wilmar Cirino)
11 – Aquele beijo que te dei
..... (Edson Ribeiro)
12 – Não vivo mais tão só (Everything I own)
..... (David Gates – vs: Wilmar Cirino
13 – As rosas não falam
..... (Cartola)
14 – Tempo de amar
..... (Wilmar Cirino)

FICHA TÉCNICA

Produção executiva - WS Prod. Musicais
Gravado e mixado - WS Studio (Londrina-PR)
Masterização - C.J.Mastering Áudio e Vídeo
Técnicos de gravação e edição - Eduardo Jardim e Everson Félix
Mixagem - Eduardo Jardim
Arranjos instrumentais - Eduardo Jardim e Everson Félix
Bateria e percussão - Eduardo Jardim
Teclados e programação Midi - Eduardo Jardim
Baixo - Everson Félix
Guitarra - Eduardo Jardim e Everson Félix
Violões - Eduardo Jardim e Everson Félix
Sax tenor - Gerson Rodrigues
Arranjo metais - Gilberto de Queiroz
Trompete - Artur Fernandes
Sax alto - César Pires
Trombone - Gilberto de Queiroz
Back vocais - Kellen Franco, Márcio Rogério e Meire Rodrigues
Projeto gráfico/criação - Viviane Pellizzon Agudo Romão
Fotos - Carmen Kley

COLABORAÇÃO - Amilcar Pacheco

sábado, 18 de agosto de 2012

Golden Boys ao vivo no Teatro Suam (1991)

Álbum gravado ao vivo no Rio traz os inesquecíveis sucessos do quarteto vocal 
Aqui está um bom álbum ao vivo dos Golden Boys, gravado no Teatro Suam e lançado em 1991 pela Som Livre. O disco traz grandes sucessos do grupo vocal e apresenta algumas versões interessantes, como "Casaco Marrom" e "Andança", além da releitura de "Meu romance com Laura", uma das primeiras gravações do quarteto. Com mais de 50 anos de carreira, o grupo foi originalmente constituído por três irmãos (Roberto, Ronaldo e Renato Correa) e um primo (Valdir Anunciação, que faleceu em 2004), e pertence a mesma família do não menos talentoso Trio Esperança, constituído pelos irmãos Regina, Mario e Evinha, mais tarde substituída pela mana mais nova Marizinha. Começaram num programa de calouros da Rádio Mauá, no Rio de Janeiro, onde todos nasceram, e ainda em 1958 lançaram o primeiro LP pela Copacabana. 

A partir daí, o grupo se apresentou em todo o Brasil e realizou tournée em vários países. Ao longo da carreira, o grupo ganhou notoriedade na época da Jovem Guarda, e acumulou inúmeros sucessos, como "Se eu fosse você", "Michelle", "Mágoa", "Alguém na multidão", "Pensando nela", "O cabeção", "Fumacê", "Erva venenosa", , "Ai de mim", "Se você quiser mas sem bronquear", e várias outras. Os irmãos Roberto, Renato e Ronaldo também atuaram como compositores de canções de sucesso gravadas por outros artistas, além de serem também produtores. O grupo continua participando de shows e gravações em discos de outros artistas e, como o vinho, só melhora com o tempo. Confira:

01 - Pot-pourri Anos 80
..... Chuva de prata
..... (Ed Wilson - Ronaldo Bastos)
..... Muito estranho
..... (Dalto - Claudio Rabello)
..... Me chama
..... (Lobão)
..... Como uma onda
..... (Lulu Santos - Nelson Motta)
02 - Alguém na multidão
..... (Rossini Pinto)
03 - Little darling
..... (Maurice Williams)
04 - Meu romance com Laura
..... (Jairo Aguiar)
05 - O cabeção
..... (Roberto Correa - Sylvio Son)
06 - Pot-pourri Roberto Carlos
..... Namoradinha de um amigo meu
..... (Roberto Carlos)
..... Esqueça (Forget him)
..... (M.Anthony - vs - Roberto Corte Real)
..... Quero que vá tudo pro inferno
..... (Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
..... Quando
..... (Roberto Carlos)
..... É papo firme
..... (Renato Correa - Donaldson Gonçalves)
07 - Anjo
..... (Renato Correa - Dalto - Claudio Rabello)
08 - Andança
..... (Edmundo Souto - Danilo Caymmi - Paulinho Tapajós)
09 - Ai de mim (All of me)
..... (S. Simons - G.Marks - vs: Neusa de Souza)
10 - Mágoa (Heartaches)
..... (J.Klenner - A. Hoffman - vs: Rossini Pinto)
11 - Pensando nela (Bus stop)
..... (G.Gouldman - vs: Rossini Pinto)
12 - Casaco marrom
..... (Renato Correa - Danilo Caymmi - Gutemberg Guarabira)
13 - Pot-pourri Jovem Guarda
..... Devolva-me
..... (Renato Barros - Lilian Knapp)
..... Gatinha manhosa
..... (Roberto Carlos - Erasmo Carlos)
..... Pobre menina (Hang on sloopy)
..... (Bert Russel - Wea Farrel - vs: Gileno)
..... Menina linda (I should have known better)
..... (John Lennon  - Paul McCartney - vs: Renato Barros)

FICHA TÉCNICA

Produção - Carlos de Andrade
Direção artística - Max Pierre
Repertório - Heleno de Oliveira
Técnico de gravação e mixagem - Sergio Rocha, Claudio Oliveira, Mauro Moraes, Julio Carneiro e Cezar Barbosa
Capa - Recht. AnD
Fotos - Lívio Campos
Coordenação gráfica - Marciso Pena Carvalho

MÚSICOS PARTICIPANTES

Baixo - Ramatis Moraes
Guitarra - Rafael Prista
Bateria - Ronaldo Junior
Teclados - Roberto Basser

FICHA TÉCNICA DO SHOW

Produção - Golden Boys
Assistência de produção - Silvana Galvão
Som ao vivo - Joelson, Douglas e Sergio Rocha
Iluminação - Indio e Pablo
Produção Teatro Suam - Aldo Vaz

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Cidinha Campos - Por favor me deixem amar (1970)

Deputada federal Cidinha Campos gravou este compacto simples na Odeon em 1970
Muita gente conhece a deputada federal Cidinha Campos, jornalista, locutora, atriz e apresentadora. E se você tem mais de 50 anos deve se lembrar ainda mais da época, nos anos 1960 e 1970, em que a profissional integrava o cast da TV Record de São Paulo e da Rádio Panamericana (Jovem Pan). O que nem todos sabem - nem eu, pra falar a verdade - é que ela também investiu na carreira de cantora e compositora, gravando este compacto simples em 1970 na Odeon. Só descobri esta curiosidade ao encontrar o disco num sebo no centro de São Paulo.

Cidinha começou a trabalhar em rádio muito cedo, aos sete anos, segundo revela em seu site. Na televisão, atuou em novelas no tempo do "ao vivo e em preto e branco", como ela mesma diz. Na TV Record, obteve popularidade ao atuar no "Família Trapo", ao lado de Zeloni, Jô Soares, Ronald Golias, Renato Corte Real e Renata Fronzi. Ainda na Record, nos anos 1970, apresentou o programa "Dia D" e ainda protagonizou o "Cidinha 70", inaugurando o Psicodrama na TV. No Rio, trabalhou para o Fantástico (Rede Globo) e a partir de 1982, após entrevistar Leonel Brizola, candidato a governador, se interessou pela política e trocou, sem trocadilho, a câmera pela Câmara. Cidinha ainda voltou a trabalhar no rádio e na TV. Em novembro de 2010, por exemplo, estreou o programa "Cidinha Livre", na Band Rio, que o manteve no ar até janeiro deste ano. Como se vê, Cidinha atua em várias frentes de trabalho, e deixo aqui sua experiência no disco pra você sintonizar:

01 - Por favor me deixem amar
..... (Roberta Faro - Cidinha Campos)
02 - Vê se entende
..... (Nonato Buzar - Cidinha Campos)

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Grande Orquestra Paladium - Suave é a noite

Clássicos internacionais compõem o repertório da Grande Orquestra Paladium
Aqui está mais um álbum lançado pelo selo mineiro Paladium. Trata-se do LP "Suave é a noite", da Grande Orquestra Paladium, com alguns clássicos internacionais, como "Moon River" e "Tara's Theme" (música do filme "... E o vento levou"), entre outras. O disco não informa o ano do lançamento, mas acredito que seja da primeira metade dos anos 1960. Como já foi informado, a gravadora não trabalhava exatamente com artistas renomados e nem tinha profissionais contratados e exclusivos em sua folha de pagamento. Os músicos trabalhavam como freelas, de acordo com os projetos comerciais da gravadora, que não apresenta ficha técnica em seus álbuns. Até mesmo os nomes dos artistas e orquestras nacionais e internacionais eram fictícios.

A gravadora se diferenciava da concorrência por vender discos a domicílio, como faz a Avon na área de cosméticos. Tudo começou em 1963 com a criação da MGL - Minas Gravações Ltda, incentivada pelo maestro paulista Peruzzi. Ele convenceu Dirceu Cheib e seu sócio a bancarem um disco seu. Para não ficar no negócio de um só disco, Peruzzi achou que seria bom a MGL ter outros lançamentos. Daí, nasceram mais três álbuns. A partir do quinto título, em 1964, o selo MGL deu lugar ao Paladium. Nos primeiros momentos, as gravações eram feitas em estúdios de São Paulo e com músicos paulistas. Depois, para reduzir as despesas, Cheib e sua equipe passaram a fazer as gravações em Belo Horizonte.

Sem estúdio próprio, que seria inaugurado em 1967, a gravadora adotou a capelinha de São Francisco de Assis, na Pampulha, criada por Oscar Niemayer, como o local ideal para suas gravações, segundo informações do blog Toque Musical. Muitos desses discos do selo Paladium nasceram na igrejinha e foram concebidos de madrugada. Nessas aventuras pela noite a dentro participaram músicos que hoje são artistas mineiros famosos, como o maestro e arranjador Aecio Flávio. O resultado final é bom. Confira:

01 - Moon river
..... (Johnny Mercer - Henry Mancini)
02 - Tara's theme
..... (M.David - M.Steiner)
03 - It´s not for me to say
..... (Al Stillman - R. Allen)
04 - Stella by starlight
..... (Ned Washington - Victor Young)
05 - Love letters
..... (Victor Young - Edward Heyman)
06 - A certain smile
..... (Sammy Fain - Paul F. Webster)
07 - The high and the might
..... (Ned Washington - Dimitri Tiomkin)
08 - Tender is the night
..... (P.F.Wesbster - F.Fain)
09 - Night side
..... (Henry Mancini)
10 - An american in Paris
..... (George Gershwin)
11 - An affair to remember
..... (Harold Adamson - Leo McCarey)
12 - Tonight
..... (L.Bernstein - S.Sondhein)

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Grupo Mirage - No balanço do trem (1990)

Mirage foi um grupo vocal brasileiro surgido em 1990 na efervescência da Menudomania
Em meados dos anos 1980, o Brasil foi sacudido pelo sucesso do Menudo, grupo vocal de Porto Rico que gerou a chamada "Menudomania", atraindo multidão de crianças e adolescentes em suas apresentações. A partir daí, a indústria fonográfica explorou com toda força a personificação de garotos bonitinhos em afinados cantores e habilidosos dançarinos. Quem conseguiu chegar mais próximo do sucesso alcançado pelo Menudo foi o grupo Dominó, que emplacou hits como "Companheiro", "P da Vida", "Manequim" e "Com todos menos comigo". Outros grupos, como o Ciclone e Polegar, também obtiveram sucesso, assim como o  Tremendo, uma cópia argentina dos Menudos. Sim, nessa "onda" até os "hermanos" invadiram nossa praia musical.

Outros grupos também beberam na fonte da Menudomania, como o Mirage, lançado em 1990 pela gravadora Polydor, selo da Polygram (atual Universal). Era formado por Marcelo Lopes, Marcio Morcinek, Sergio Zukerman e Ubiracy Paraná do Brasil. Os garotos se diferenciavam dos demais pelo humor, improviso e teatralidade que imprimia em suas apresentações, assim como o João Penca e seus Miquinhos Amestrados. A semelhança para por aí porque o público alvo do Mirage era o mesmo do Menudo e afins. As letras das músicas refletem um pouco sobre a sexualidade dos adolescentes. Quer um exemplo? Neste único álbum do grupo encontramos até referências sobre a masturbação, como em Hot Love: "Sem essa de banheiro toda hora/ Revistinha tá por fora/ Gasto sola de sapato/ Acho tudo muito chato/ Só não acho um hot love pra comer".

A fome de amor dos garotos do Mirage é flagrante também em Gata de Veludo: "Você tem malícia/ Só que eu tenho mais/ Quanto mais carícia/ Mais sou duro, duro, duro". Na divertida No Balanço do Trem, a sexualidade prossegue: "Foi assim brincando de trenzinho/ Ela quis, eu fui devagarinho/ Eu não fui na frente/ Eu só fui atrás". E assim, na brincadeirinha, o repertório contempla até um Beijo Exagerado, obscura música composta pelos "mutantes" Rita Lee, Arnaldo e Sérgio Baptista: "Estava passeando e mascando chiclete/ Quando eu vi na minha frente uma perna irreconhecível/ Eu vi também os olhos de raro esplendor/ Que dizia venha logo e me beije meu amor/ Ié, ié, ié, ié/ Que beijo muito louco, eu desbundei". Enfim, o disco do Mirage é pura diversão, assim como um filme de cowboy estrelado por John Wayne, homenageado em "Velho John". Confira:

01 - Velho John
..... (Paulo Debétio - Lincoln Olivetti - Robson Jorge)
02 - Senti ciumes (Good thing)
..... (Steele - Gift - vs: Tavinho Paes)
03 - Hot love
..... (Paulo Debétio - Paulinho Rezende)
04 - Gata de veludo
..... (Julio Trindade)
05 - O amor dos meus sonhos (Listen people)
..... (Graham Gouldman - vs: Tavinho Paes)
06 - No balanço do trem
..... (Julio Trindade)
07 - Beijo exagerado
..... (Arnaldo Baptista - Rita Lee - Sérgio Baptista)
08 - Brinquedo de mim (You've really got a rold on me)
..... (William Smokey Robinson - vs: Julio Trindade)
09 - Lindo, lindo, lindo...
..... (Paulo Debétio - Paulinho Rezende - Julinho Teixeira)
10 - Ah! Amor
..... (Paulo Debétio - Julinho Teixeira)

FICHA TÉCNICA

Direção artística - Mayrton Bahia
Direção de produção - Paulo Debétio
Produção - Julinho Teixeira e Paulo Debétio
Técnicos de gravação - Márcio Gama e Luiz Claudio Coutinho
Auxiliares de estúdio - João Carlos, Jorge e Marcos Vicente
Mixagem digital - Márcio Gama
Masterização e montagem digital - Antonio Barrozo
Corte - José Antonio
Supervisão técnica - Paulo Succar
Coordenação gráfica - Arthur Fróes
Fotos - Lívio Campos
Arte - Ayssa Bastos
Gravado e mixado nos estúdios da Polygram (RJ)
Arranjos, regências e teclados - Julinho Teixeira
Programação eletrônica - Renato Ladeira e Roberto Ly
Guitarras - Julinho Maia, Cecelo e Beto
Sax - Beto Saroldi
Gaita - Renato Ladeira
Vocal - Caio Flávio e Ringo

Nas músicas "Beijo exagerado" e "O amor dos meus sonhos":
Arranjo, programação e guitarra - Torcuato Mariano
Baixo - Arthur Maia
Sax - Leo Gandelman

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Astor Silva e Sambistas do Asfalto (1967)

Clássicos como "Felicidade" e "Laranja madura" são interpretados pelos Sambistas do Asfalto
Sambistas do Asfalto é o nome do grupo musical formado por instrumentistas de primeira grandeza que se revezam no acompanhamento dos cantores Raul Moreno, Jair Avelar, Zezinho, Raul Sampaio, Copacabana e Cosme Teixeira. O álbum, lançado em 1967 pela RCA Victor, é mais um trabalho que leva a assinatura do Astor Silva, instrumentista, arranjador, regente e compositor. O grupo lançou o primeiro volume em 1960, também sob a batuta do maestro, e pode se baixado aqui, no blog Órfãos do Loronix. A propósito, só conheci o excelente blog Loronix, do Zecalouro, quando o mesmo já estava inativo, infelizmente. Ele trouxe ao nosso conhecimento grandes obras da MPB que estariam perdidas e empoeiradas nos porões das gravadoras. É por isso que acho louvável o resgate que os "órfãos" fazem das postagens originais. Aproveito o espaço para parabenizar a todos envolvidos.

Este Sambistas do Asfalto deve ser um dos últimos trabalhos do Astor  Silva. O maestro nasceu em 10 de maio de 1922 no bairro do Rio Comprido, Rio de Janeiro (RJ), e faleceu prematuramente na mesma cidade em 12 de fevereiro de 1968, aos 45 anos. Fez seus estudos na Escola João Alfredo, situada em Vila Isabel. Por essa época já estudava música e formou um grupo com colegas do colégio que se apresentava em bailes e festas familiares. Por volta de 1940, passou a atuar no Cassino da Urca, e em 1946, com o fechamento dos Cassinos, passou a integrar a Orquestra Tabajara, dirigida por Severino Araújo, falecido no último dia 3, aos 95 anos. Astor Silva foi responsável pelo acompanhamento na gravação de discos de inúmeros artistas, incluindo o primeiro LP do Roberto Carlos e da Wanderléa. A cantora, inclusive, foi crooner da sua orquestra antes de investir na carreira solo, ainda menor de idade. O fato é que o maestro deixou uma obra imensa que vale resgatar. Confira:

01 - Morro
..... (Dunga - Mario Rossi)
02 - Corda e caçamba
..... (Raul Sampaio - Benil Santos)
03 - Se alguém disse
..... (Newton Teixeira - Arnô Canegal - Arnaldo Paes)
04 - Em cima da hora
..... (Walfrido Silva - Russo do Pandeiro)
05 - Tem pena de mim
..... (Hervê Cordovil)
06 - Hoje ou amanhã
..... (Rutinaldo - Norival Reis)
07 - Você não tem palavra
..... (Newton Teixeira - Atauldo Alves)
08 - Felicidade
..... (Tom Jobim - Vinicius de Moraes)
09 - Só pra chatear
..... (Principe Pretinho)
10 - Um falso amor
..... (Haroldo Lobo - Milton de Oliveira - Jorge Gonçalves)
11 - Laranja madura
..... (Ataulfo Alves)
12 - Eu chorarei amanhã
..... (Raul Sampaio - Ivo Santos)

PARTICIPANTES DO DISCO

Trombone - Astor Silva
Piston - Maurilio
Clarinete e sax-alto - Netinho
Flauta - Copinha
Piano - Zequinha Marinho
Sax-tenor - Biju
Baixo - Malagute
Bateria - Wilson
Ritmistas - Arno - Bucy - Gilberto - Marçal e Raul

SAMBISTAS

Raul Moreno
Jair Avelar
Zezinho
Raul Sampaio
Copacabana
Cosme Teixeira

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

As Sublimes - Boneca de fogo (1993)

Atriz e modelo Isabel Fillardis foi integrante da primeira formação do trio Sublimes
Difícil não me lembrar da Isabel Fillardis ao ver a bela Taís Araújo, a Penha, na novela "Cheias de Charme", da Rede Globo. Na trama, a atriz é uma das "Empreguetes", trio vocal formado pelas companheiras de cena Rosário (Leandra Leal) e Cida (Isabelle Drummond), obtendo sucesso além da fronteira da ficção. Recordo-me da Isabel não só pela beleza, mas também pelo fato de que, na vida real, a também atriz foi integrante do trio de black music As Sublimes, formado no início dos anos 1990 e inspirado no trio norte-americano The Supremes, que levou Diana Ross, Mary Wilson e Florence Ballard às paradas de sucesso nos anos 1960. 

O grupo, além de Isabel, contava com Karla Prietto e Lílian Valeska, e gravou este primeiro disco pela Sony em 1993, com participações especiais de Jorge Benjor, Luiz Melodia e Fausto Fawcett. O grupo fez sucesso com "Boneca de Fogo", com direito a clipe no "Fantástico" e três versões remixadas. Destaque para o clássico "Black is beautiful", de Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle, sucesso de Elis Regina. Segundo consta, a formação do trio aconteceu um ano e meio antes da Isabel entrar para a televisão em 1993, participando da novela "Renascer", interpretando Ritinha. O trio estreou na Praça da Apoteose abrindo o show de Frejat e sua Midnight Blues Band no Hollywood Rock de 1992. 

Com uma agenda cada vez mais concorrida, Isabel - que também atuava como modelo - se viu obrigada a tirar seu time de campo, desfalcando as Sublimes, que durante um tempo funcionaram como uma dupla até encontrar a substituta Flávia Santana. A segunda formação lançou CD em 1997. O grupo foi grande representante da presença do negro na mídia. A imagem de As Sublimes se estampou em vários programas televisivos, jornais e revistas, valorizando os vocais e com um estilo visual inovador para a época.

Apesar do sucesso, o trio não voltou a gravar. Isabel Fillardis continua trabalhando como atriz. O papel mais recente foi o da advogada Mônica, na novela “Fina Estampa”, da Rede Globo. Além disso, a atriz também é fundadora das Ong’s “Doe Seu Lixo” e “A Força do Bem”. Karla Prietto está cantando com o grupo “Revelação”, viajando por todo o Brasil. Lílian Valeska é uma das atrizes mais requisitadas para musicais brasileiros e está em cartaz no musical “Tim Maia”, interpretando a primeira mulher do cantor. Flávia Santana, por sua vez, atuou em vários espetáculos teatrais, gravou uma música com o cantor Belo e está lançando seu CD solo. Como se vê, as garotas são belas, talentosas e, cá entre nós, igualmente sublimes. Confira:

01 - Coração Exilado
..... (Fred Nascimento - Fausto Fawcett - Alexandre Agra - L. Kurban)
02 - Boneca de Fogo
..... (Fausto Fawcett - Fred Nascimento)
03 - Menina Mulher da Pele Preta - part. esp. Jorge Ben Jor
..... (Jorge Ben Jor)
04 - Stop
..... (Fred Nascimento - Alexandre Agra)
05 - Essa História Era Só Minha
..... (Fred Nascimento - Paula Toller)
06 - Fashion
..... (Fred Nascimento - Eduardo Dusek - Luiz Carlos Goes)
07 - Tyson Free - part. esp. Fausto Fawcett
..... (Fred Nascimento - Fausto Fawcett - Alexandre Agra - L. Kurban)
08 - Sexy Sim - part. esp. Luiz Melodia
..... (Bernardo Vilhena - Victor Chicri - Ivo Meirelles)
09 - Tudo Em Nome do Amor
..... (Alexandre Agra - Victor Chicri - Luciana Pessanha)
10 - Devagar
..... (Torcuato Mariano - Alexandre Agra)
11 - A Última Ilusão
..... (Fred Nascimento - Tavinho Paes - Alexandre Agra)
12 - Black Is Beautiful
..... (Marcos Valle - Paulo Sérgio Valle)
13 - Boneca de Fogo (Grego's Extended Remix)
..... (Fausto Fawcett - Fred Nascimento)
14 - Boneca de Fogo (Memê Dance Radio)
..... (Fausto Fawcett - Fred Nascimento)
15 - Boneca de Fogo (Memê Jazzy Performance)
..... (Fausto Fawcett - Fred Nascimento)

FICHA TÉCNICA

Produção - Alexandre Agra para Agracadabra Produções
Direção artística - Jorge Davidson
Co-produção - Fred Nascimento, Luciano Kurban e Victor Chicri
Mixagem - Vitor Farias e Alexandre Agra
Assistentes de gravação e mixagem - 
Nas Nuvens (Renato Muñoz, Guilherme Caliccho e Sérgio Charaigries)
Bebop (Paulo Roberto Machado e Adriano Moffa)
Pré-masterização - Visom Digital
Engenheiro - Rodrigo Lopes
Assessoria jurídica - Nehemias Gueiros Jr.
Foto/capa - Gustavo Malheiros
Direção de arte e projeto gráfico - Felipe Taborda